"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A Loba da padaria


autor: Lenhador
publicado em: 18/04/17
categoria: hetero
leituras: 1834
ver notas


Nesse primeiro conto tinha de ser sobre a Selma uma viuvinha no auge de seus 41 anos mulher objetiva e dona de um corpo bem torneado e perfumado em seus 1,75. Uma morena de encher os olhos e povoar a mente de quem tem bom gosto. Como todas as noites parei o carro em frente a padaria e após escolher o que precisava fui pra fila do caixa e a fiquei observando. Estava linda com o cabelo preso camiseta justa e quando ela se levantou me dei conta de que ela estava de saia. Imaginação foi longe e quando chegou minha vez fui recebido com um belo sorriso que se acentuou ao receber meu elogio. Para minha surpresa ela perguntou se estava com carro ou a pé, pois queria carona. Respondi que estava com carro e ela pediu pra esperar, pois precisava mesmo da carona. Passados 20 minutos eis que surge ela com o cabelo solto e sorriso farto. Ela perguntou se eu estava com pressa e como ter pressa estando em companhia de uma mulher de quadril largo, seios médios, cintura esguia e bem moldada ao lado? Arranquei o carro e ela falou que não queria ir direto pra casa, pois precisava arejar a mente e com isso me deu brecha pra conversar mais a fundo e pouco depois parei em uma praça e a olhei. Sem cerimônias perguntei como ajudá-la e ela pediu um abraço apertado, sendo que ela ganhou abraço e carinho no pescoço. Ouvi r ela suspirando foi incentivo pra alternar carinho na nuca e no pescoço. Ela estava mesmo terrivelmente carente, pois se achegou mais a mim e dava pra sentir os mamilos quase furando a camiseta. Carinhosamente segurei o queixo dela e beijei de leve os lábios. Ouvi um sussurro de que nem se lembrava de como era sentir vontade de transar muito e ser bem comida. Daí em diante pura loucura, pois fomos pra um motel e durante o trajeto fui acariciando as coxas grossas e a buceta toda melada e com isso a fazendo estremecer de prazer a cada dedada. No motel Selma se revelou uma loba ao gemer alto, gritar de tesão e gozar com gula. Nada se compara em dar prazer a uma mulher que sabe receber, pois mover a língua numa virilha lisa, clitóris faminto de sacanagem e proporcionar muita sacanagem da mais prazer que propriamente sentir. Após ela ter orgasmos nas preliminares a puxei pra fora da cama e a deixei de frente pra parede com a bunda empinada pra ela ficar relando no cacete com a buceta gozada enquanto eu dedilhava o clitóris e os mamilos da minha loba faminta. Nessa taradice ela teve múltiplos orgasmos a tal ponto que as pernas estremeceram a peguei no colo. A coloquei de quatro na cama e os 23 cm penetraram sem dó enquanto a puxava pelo cabelo tomando posse dessa mulher que provocou meu instinto de macho no cio por vários meses. Fomos pro banho juntos e novamente rolou boas bolinadas, pois não iria deixá-la ir sem antes aproveitar cada minuto. Foi ótimo devorar essa bucetinha delicada a tal ponto que ela explodiu em gozo até então nunca sentido. A safada notou meu olhar cobiçando o cuzinho e prometeu que eu seria o primeiro a foder devido a ela nunca ter feito anal. Como estava tarde a levei pra casa e nos tornamos mais que cliente e dona da de padaria...

PS: Comentários positivos são sempre bem vindos.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.