"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Como nasceu minha tara e vida sexual pt2


autor: redrod
publicado em: 28/04/17
categoria: hetero
leituras: 987
ver notas


Essa é a continuação onde começo a relatar quando nasceu meu principal fetiche e perdi minha virgindade. Vejam a parte 1 clicando no meu apelido.

No dia seguinte da brincadeira eu acordei cedo para ir na padaria comprar pão pois se na minha tia ninguém vai na padaria comprar pão fresco, eles comem o que tem e se não tiver nada não comem nada. No elevador eu encontrei a Tati que mora na cobertura enquanto minha prima morava no sétimo andar.

- Oi gordinho está indo passeiar?

Eu odiava qdo ela me chamava assim. Ela sabia disso e por isso continuava a me chamar desse jeito

- Vou na padaria pq?
- Eu tbm vou. Vamos juntos?
- Ok. Eu respondi

Ela estava vestindo uma camiseta e uma saia curta pois estava um calor infernal como sempre aqui no RJ. Apesar da idade Tati já tinha um corpo bem desenvolvido com pernas longas e grossas. Ela percebeu que eu estava olhando deu uma ajeitada na saia levantando ela mais um pouco e começou a puxar assunto

- Gostou da penalidade de ontem? Estou pensando em outras
- Vc é louca de onde vc tirou aquela ideia?

Depois de muito rir ela revelou

- Pensei nisso na hora que fui fazer coco enquanto jogavamos. No banheiro não tinha papel e não me limpei. Minha ideia era esfregar minha bunda suja na sua cara mas mudei de ideia na hora e não tirei a calcinha

Agora entendi o forte cheiro de merda e por um instante eu fiquei pensando qual teria sido minha reação caso ela tivesse me sujado de bosta mas meus pensamentos foram interrompidos por outra pergunta dela

- Qual vc mais gostou? Da Cintia né?
- Sim. Resolvi falar a verdade
- Pq?
- Pq ela esfregou a periquita dela na minha cara e não o cú cagado de vcs
- O da Cris tbm estava sujo?
- Estava bem menos sujo que o seu. Estava fedido tbm mas o seu estava pior. Pensei que vc fosse cagar na minha cara

Ela soltou uma gargalhada alta e perguntou

- Se eu sentasse com a periquita na sua cara vc teria gostado?

Paramos na calçada e eu olhei bem pra ela antes de responder

- Eu iria adorar mas eu gostei mto tbm de ter cheirado sua bunda até queria cheirar de novo.. mas sem coco por favor

Ela deu outra gargalhada e continuamos até chegar na padaria. Na volta falamos de coisas aleatorias sem muita importancia e ao entrar no elevador ela apertou logo o botão do andar do play, fez uma cara maliciosa e levantou a saia mostrando que estava sem calcinha. Foi rápido mas consegui deslumbrar aquela xaninha carequinha.

O elevador parou e ela me pegou no braço e me carregou até as escadas de emergência dos fundos que ficava mais isolada. Eu sentei nos degraus e ela tirou a saia revelando uma xana linda bem carequinha ao contrário da Cintia que já tinha pelos nascendo na dela. Ela então se virou mostrando a bundinha pequena mas redondinha dela, com as 2 mãos abriu as nadegas mostrando um cuzinho ainda bem clarinho quase rosa. Ela então encostou a bunda aberta na minha cara e eu comecei a cheirar aquele cú que estava limpinho e tinha cheirinho de suor com cheirinho de cú.

- Melhor agora? perguntou ela
- Muito melhor. Melhor até que o da Cris. Tá tão bom que dá até pra lamber

Falando isso eu passei a lingua no cú dela em uma lambida bem forte quase penetrando. Ela deu uma tremidinha mas não falou nada. Continuei lambendo então e ela começou a dar umas reboladinhas. Enquanto chupava e lambia aquele cú com o dedo fui na entrada da bucetinha dela e senti o quanto estava bem molhadinho e muito quente. Fui penetrando com o dedo e a Tati foi soltando uns gemidinhos bem baixo. Qdo meu dedo entrou até o fundo ela pediu para parar (nota: descobri meses mais tarde que ela tinha perdido a virgindade com o filho do patrão do pai dela), se lavantou e mandou eu deitar no patamar entre os lances da escada. Eu prontamente atendi e ela veio sentar com a xota na minha cara. Encaixou tão bem que só sobrou uma pequena brecha para eu respirar e vou te contar o cheiro era muito bom, melhor até que o da Cintia. Logo minha cara ficou toda molhada com aquele caldo que escorrida da xoxota dela.

- Chupa. pediu ela

Comecei a passar a lingua por onde eu conseguia enquanto ela rebolava na minha cara. Ela então mudou de posição e sentou mas com a bunda virada pra minha cara onde eu podia ver o cú dela. Continuei agora com mais força a pedido dela e agora enfiando um dedo no cuzinho dela que diga-se de passagem não tive muita dificuldade pra enfiar. Ela então se aproveitando da posição tirou meu pau de dentro da minha bermuda. Ele já estava duríssimo e ela meio sem jeito o pegou com ambas as mãos. Chegou com o rosto perto e o cheirou

- hummm.... cheirinho estranho

Mesmo assim ela beijou a cabecinha e ficou passando a língua. De repente colocou toda a cabecinha na boca e começou a chupar. Foi uma das melhores sensações que já tive e descobri que haviam coisas melhores que punheta. Não demorei muito pra encher a boca dela de porra. Ela se levantou cuspindo e fazendo cara de nojo

- ecaaaaa isso é mto ruim.

Pedi desculpas e ela veio até mim, me deu um bjo na boca disse tchau e saiu. Eu fiquei cheirando o dedo que enfiei no cú dela e depois qdo meu pau amoleceu eu subi. Chegando no apartamento meus tios ainda dormiam e só minha prima estava acordada. Ela veio me dar um bjo no rosto e comentou

- Nossa seu rosto está com cheiro estranho
- Isso é coisa da Tati.
- O que que ela fez??
- Sentou na minha cara

Ela fez uma cara de espanto mas não comentou mais nada. Nos próximos vou contar como finalmente comi uma buceta (a da minha prima) , um cú (da Tati) e como acabei engravidando a Cintia.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.