"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A hóspede - 2o dia.


autor: Publicitario45
publicado em: 05/05/17
categoria: hetero
leituras: 2266
ver notas


Meu celular desertou às 5h30 da manhã. O dia ainda estava escuro devido ao horário de verão. Olhei pro lado e Juliana dormia tranquilamente, usando apenas o shortinho azul, sem calcinha e a blusa branca.

Dei-lhe um beijos nas costas, ela se virou e eu a beijei levemente os lábios.

- Bom dia – disse ela espreguiçando.

- Bom dia!! Temos uma hora e meia até chegar na UFES.

Juliana sorriu, me puxou pra cima dela e começamos a nos beijar com vontade. A vontade era tanta que não resisti, desci a boca pelo seu pescoço, passei pelos seios médios e duros como pedra, mamei cada um deles e fui em direção a sua xana, coloquei o shortinho de lado e cai de boca arrancando um uivo e uma envergada na coluna de Juliana.

Chupei o grelo, mordi os lábios inferiores, chupei a boceta toda, meti a língua lá dentro e Juliana me puxava os cabelos em direção ao seu corpo. Meti um dedinho, brinquei com a língua no grelo e Juliana gozou, senti seu corpo tremes, espasmos em sequência e paramos pra que ela tomasse um banho enquanto eu preparava o café.

- Você me paga safado. Quando a gente voltar vai ter troco.

Nos arrumamos e rapidamente chegamos na UFES. Era sábado de manha, dia estava lindo e eu deixei Juliana nervosa como uma pilha na porta da universidade.

- Boa sorte, fique calma e quando terminar me ligue que eu venho te buscar.

Enquanto Juliana fazia a prova fui ao Shopping comprar umas coisinhas pra noite que prometia. Comprei queijos, vinhos, velas, incensos e um óleo de massagem pra relaxar a menina após a prova.
Aproveitei e dei umas voltas, tomei um café até que meu telefone tocou, era Juliana, eufórica com a sensação de ter feito uma boa prova.

Guardei as compras no porta malas e fui pra UFES. Lá estava ela, linda, de calça jeans colada no corpo, salto e blusa deixando parte da barriga a mostra. Ela entrou no carro, me beijou com volúpia e pediu que eu a levasse num motel.

- Preciso relaxar, a tarde tem mais estudos para as provas de amanhã.

Saímos dali e fomos pro Status, o motel mais famoso da cidade.
Chegando lá Juliana já foi atacando. Tirou minha camisa, abriu o zíper da minha bermuda, puxou, se livrou da cueca e caiu de boca no meu pau. me chupou com vontade, meteu ele inteiro na boca, alisou com as mãos apertou, mordeu, chupou de novo me levando a loucura.

Quando eu disse que queria gozar ela parou, se levantou, livrou-se da blusa, do sutiã, da calça jeans ficando apenas de calcinha.

- Ainda não safado. Vaocê só vai gozar quando eu deixar.

E veio com a sua boca faminta de encontro a minha. minhas mãos grudaram naquela bunda perfeita, depois de uns tapas fomos em direção a cama e Juliana voltou a me chupar e sempre que ela pressentia que eu estava quase gozando, ela parava, beijava a minha boca, lambia meu corpo inteiro e voltava pro meu pau.

Não aguentei por muito tempo, puxei pelos cabelos e a coloquei de quatro na beira da cama. Coloquei a calcinha de lado, abri suas pernas e cai de boca alternando o banho de língua entre a xana e o cuzinho.
Juliana urrava, pedia mais, me xingava, rebolava e esfregava a bunda na minha cara, gozou uma, depois duas vezes, pediu pra apanhar, eu bati, meti dois dedos na bundinha enquanto chupava sua boceta melada e ela gozou de novo.

- Senta naquela cadeira ali – ordenou ela.

Sentei com o pau latejando de tesão. Ela veio, abriu as pernas e foi descendo até colocar meu pau inteiro dentro de uma boceta incrivelmente quente e apertada. A gente já estava nesse sarro há dois dias e eu não via a hora de meter naquela morena novinha.

Juliana com apenas 18 aninhos sabia trepar, rebolava de uma forma incrível, beijava minha boca enquanto suas unhas me arranhavam as costas. Ela alternava os movimentos, subia, descia, reboava, quicava, acelerava, depois rebolava com mais força até que ela disse que iria gozar e eu fui junto enchendo a sua boceta de porra. Juliana gemeu, eu urrei, o suro escorria pelos nossos corpos ainda grudados e exaustos.

Me levantei com Juliana ainda grudada em mim e meu pau dentro caminhamos até a hidro, entramos, e ela sentou no meu colo de novo.
Ficamos nos beijando dentro d´agua por um longo tempo até que ela se levantou, mergulhou e meteu a boca na minha rola debaixo d´agua. Gemi de novo, meu pau foi inchando dentro da sua boca e ela saiu, beijou a minha boca e se colocou de quatro na beira da hidro.
Coloquei meu pau na porta da sua boceta e fui empurrando.

- Mete safado. Come a sua novinha.

Comecei a socar, a agua saia de dentro da hidro e ia alagando o chão, Juliana gemia e pedia mais em tom desafiador. Eu socava com mais força e dava uns tapas naquela bunda linda, ela gemia urrava, parecia uma cadelinha no cio e eu gozei de novo dentro da xana ainda apertada.

Saímos da hidro, tomamos um banho e deitamos na cama. Ficamos ali um bom tempo até que a fome nos alcançou. Pedimos comida, almoçamos e antes de irmos embora Juliana me fez gozar novamente na sua boca enquanto ela gozava na minha num delicioso sessenta e nova.

Fomos pra casa, tirei as coisas do porta malas e avisei que domingo, após o segundo dia de provas, eu iria preparar uma surpresa pra ela.

Eu estava morto, a novinha havia me dado um chá de boceta incrível.

Deitei no meu quarto e adormeci enquanto Juliana estudava na sala.

A noite a cena se repetiu, ela entrou no quarto, puxou lentamente a minha cueca e me chupou de novo, acabamos transando e dormimos assim, saciados, despidos e grudados um no outro.

Beijos e obrigado pela mensagens de e-mail. Eu demoro a responder, mas respondo.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.