"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Sacanagem a beira mar


autor: Lenhador
publicado em: 13/05/17
categoria: aventura
leituras: 1645
ver notas


Caminhando a vários minutos pela areia meus olhos se perdiam no movimento das ondas e a mente ia muito mais longe.

Passando indiferente por varias pessoas até que me aproximo do quiosque de sempre. Peço suco natural e escondido pelos óculos escuro olhando a mulherada de biquíni e apreciando a vista.

Não demorou comecei a observar uma morena de cabelo cacheado num pequeno fio dental. Com estatura mediana, seios médios arredondados e um quadril que combinava com os seios e belo par de pernas que de longe já me abriam o apetite de homem predador.

Não perdia de vista a estonteante morena tentando notar se ela estava acompanhada e passado algum tempo pra minha alegria ela estava com duas amigas.

Após alguns mergulhos pra se refrescar no mar vi a morena caminhando em direção a um mirante meio afastado da praia e ao ver que as amigas ficavam deitadas paguei o suco e caminhei devagar como quem não quer “nada”.

A morena ia bem a frente passando pelas barracas, espreguiçadeiras e se desviando das pessoas. Meu olhar cravado naquela bunda carnuda e na cintura fina que a canga tentava inutilmente esconder.

Próxima de algumas pedras junto a escada que dava acesso ao mirante a morena ficou fora da minha vista e me desviei pra ver o que estava acontecendo sem ser visto. Puta merda pensei ao ver a gostosa tirando a parte de baixo do biquíni e guardando na bolsa e continuando a andar.

_ O que essa mulher esta tramando? Penso comigo.

Um pouco antes do mirante havia uma trilha entre arvores que oferecia uma vista da praia e era meio escondida. A morena foi para lá e ficou olhando as pessoas. Em seguida olhou para os lados e como não viu ninguém pegou algo na bolsa que ao me aproximar escondido me deixou excitado, pois a safada estava relando a buceta depilada num vibrador enquanto acariciava os seios.

Alisei meu cacete enquanto me decidia se deveria ajudar a morena ou simplesmente bater uma punheta vendo ela se masturbando. O cacete estava tão duro que me conhecendo não iria me contentar com punheta eu tinha de traçar aquela vadia ali no mato.

Lentamente fui me aproximando e aos poucos comecei a ouvir os gemidos e o barulho de buceta molhada sendo fodida que me deixou ainda mais tesudo.

Ela estava com tanto tesão que o melzinho escorria pelas pernas e tirei o pau pra fora e fui me aproximando até ficar uns 30 cm dela e a vadia ainda não tinha se dado conta que tinha alguém tão perto.

Sem pensar muito prensei meu corpo contra o dela na arvore e lasquei um beijão enquanto meu cacete procurava espaço entre as pernas da vadia.

Ela tentou me empurrar, mas estava com tanto tesão que passou os braços sob meus ombros e me puxou pra mais perto.

_ Gostosa não ia deixar você brincar aqui no mato sozinha. Sussurro no ouvido dela.

_ Safado você me assustou justo quando ia gozar mais forte. Responde ela dando bronca.

_ Não seja por isso Morena. Falando isso me posicionei por traz da safada encaixei o cacete de forma a ser relado e comecei a masturba lá olhando a praia e lambendo aquela nuca e pescoço com aroma de maçã. O movimento do meu dedo no grelo dela e ela rebolando no cacete fez com que a safada ejaculasse e soltando gritinhos de tesão.

Após esse gozo ela se abaixou e começou a punhetar meu pau até que derramei porra nos belos seios da safada. A danada colocou a parte de baixo do biquíni e ficamos sentados na canga recuperando o fôlego enquanto conversamos.

_ Que loucura essa minha. Ela comenta do nada.

_ Lidar com tesão tem disso morena. Tento justificar.

_ Tinha varias semanas que não gozava e me excitei com o vento. Ela vira e começa a me avaliar com olhar sério.

_ Você sempre sai seguindo garotas inocentes e as seduz assim? Ela comenta com sorriso nos lábios.

_ Quando elas tiram calcinha e ficam se masturbando no mato. Sim! Sorrio.

_ Tarado. Ela solta uma gargalhada e apoia a cabeça no meu ombro

_ Você está aqui a passeio? Pergunto interessado em revê-la mais vezes.

_ Sou de outra cidade e vim com amigas da faculdade. Explica ela.

Ficamos conversando mais um pouco até a beijei demorado deitando a na canga. Desci a língua até os seios e em movimentos circulares nos mamilos ia escutando os gemidos enquanto uma das mãos invadiam a buceta tão cobiçada preparando o caminho pra foder.

_ Vou partir essa buceta em duas e te penetrar fundo gostosa. Alerto a safada.

_ Duvido seu tarado. Ela respondeu arreganhando a buceta e passando a língua de leve nos lábios.

Sem comentar nada abocanhei a buceta molhada e passei a mordiscar e lamber o grelo também até que num espasmo a vadia goza na minha língua. Num movimento ligeiro mirei o cacete na entrada da buceta e comecei a penetrar devagar devido ela ser bem apertadinha. Quando preenchi a gruta molhada passei a dar boas estocadas no que ela correspondeu com reboladas fortes e não demorou ambos estávamos gozando e suados caímos de lado na canga.

Vestimos-nos e a acompanhei até onde estavam as amigas deixei meu telefone e me despedi sendo acompanhado pelos olhares das três.



Continua...







ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.