"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A submissão Babyblue ll deixando a calc


autor: Pampam
publicado em: 15/05/17
categoria: lésbicas
leituras: 1516
ver notas


Olá minhas delícias, estou de volta para contar mais uma de minhas safadezas deliciosas com BabyBlue. Hoje contarei uma gostosa aventura que eu e ela fizemos há uns dias desses. Vendo ela muito cansada e atarefada, como sempre, a chamei para sairmos e nos divertirmos um pouco. Isso foi numa sexta-feira, a levei para dar uma relaxada e fazer ela se esquecer um pouco do trabalho. Fomos tomar uma tequila para aquecer nossos corpos pois o clima estava frio e conversar sobre diversas coisas, fiz ela rir e brinquei um pouco com a imaginação dela também.

Ela bem sabe que quando eu bebo fico bem quente, bem safada, uma verdadeira puta tarada do jeito que ela adora. Só de eu a ter convidado para sair para beber já notei no seu olhar um ar de safadeza, ela já me comia com os olhos, já imaginando a delícia que seria.

Então logo fui me aprontar, fiquei bem linda, cheirosa, bem gostosa, mas quando ela me viu vestida com uma calça jeans preta, uma blusa solta e confortável, de salto e cabelos soltos, percebi que ficou satisfeita ao me ver toda produzida daquele jeito especialmente para aquela noite. A vi me devorando de cima abaixo. Confesso que fiquei com vergonha pois com seu olhar parecia arrancar minhas roupas e me deixar nua ali mesmo.

Eu pedi para que ela colocasse um vestido bem ousado definido suas curvas e contornos. Depois de alguns minutos ela voltou colocou um preto e prata longo e aberto mostrando a cada centímetro das suas lindas pernas, seu colo e sua cintura. Quando a vi... Nossa, um espetáculo de mulher em um lindíssimo salto alto preto e cabelos soltos para o lado.

Disse a ela que ela estava linda, mas que queria algo mais. Isso a deixou bastante tensa imaginando no que eu de fato estava pensando em fazer. Tirei do meu bolso uma linda corrente de coração e coloquei em seu pescoço. Ela se arrepiou toda quando me aproximei de sua nuca para colocar a corrente e a respiração dela ficou cada vez mais ofegante. Assim que coloquei, disse:

- Já sei o que está faltando, tira a calcinha!

Nossa aquilo a deixou em choque num instante e parada sem acreditar que eu estava te pedindo, mas no fundo creio que por parte dela havia adorado a ideia. É claro que prontamente me atendeu sem ao menos questionar. Quando ela me entregou a calcinha, me olhou diretamente nos olhos com uma cara de desejo. Nessa hora subiu um calor, uma vontade de a possuir com destreza ali mesmo no sofá, que por diversas vezes foi lugar de nossas transas.

Fomos para nossa noitada. Descendo no elevador, do quinto andar ao térreo, e entrando no carro pedi que ela ao volante abrisse suas pernas para avistar sua boceta maravilhosa. Ela já estava bastante louca de tesão e toda melada quando acariciei com minhas mãos. Mas o que eu queria mesmo era deixar outros homens loucos vendo uma belíssima dama. Chegando no restaurante e nos acomodando em uma mesa no canto, percebi que ela já estava sendo desejada e todos olhando loucos, com seus membros rachando de tesão dentro de suas calças.

Confesso que eu já saí de casa excitada com minha buceta já molhadinha e pegando fogo, imaginando aqueles caras de membro duro desejando Babyblue. Assim que cheguei vi uma mesa num cantinho bem legal, não tinha muita gente, defronte a uns rapazes que a olhavam e sussurravam entre eles. Ela estava bem de frente para eles, logo sentei e percebi que estava ainda um pouco tímida, enquanto eu estava com muito tesão ao vê-los nos observando. O garçom veio e perguntou o que queríamos, eu pedi um vinho e ela um whisky. Vi que nessa hora ele deu uma olhada nas pernas de Babyblue sem se importar que eu a acompanhava. Acho que ele percebeu quando fiquei olhando para ele enquanto ele secava-a do decote dela até a pernas. Disfarçou um pouco, se retirou e voltou com as nossas bebidas, novamente dando aquelas olhadas em Babyblue, mas disfarçava e eu fingia não ver.

Tomei 1, 2, 3 vinhos, o negócio começou a esquentar, enquanto Babyblue havia tomado só duas doses de whisky. Ela já estava se soltando aos poucos, encarava os rapazes da outra mesa, eles perceberam, começaram a olhar, e eu ficando cada vez mais louca. A cada gole ela ficava cada vez mais tarada e começou a flertar com aqueles rapazes. Sabia que eles estavam loucos para surrar a boceta dela com aqueles membros duros e de certa forma, queria atiçar ainda mais aquela brincadeira entre eles.

Então me sentei mais próxima a ela e comecei a passar uma de minha mão entre as coxas dela de forma que abrissem as pernas devagarinho e desse uma visão da buceta dela a eles. Fui abrindo seus grandes e pequenos lábios, acariciando o grelinho e terminando no buraquinho aonde enfiei um dedo meu. Babyblue já morrendo de tesão começou a beijar meu pescoço e a retribuir o carinho. Ela queria se jogar naquela mesa e arreganhar as pernas levando o vestido para o alto e ter a visão de mim de joelhos chupando sua boceta e enfiando os dedos nela. Comecei a enfiar dois dedos, bem gostoso, e iniciando um vai e vem e depois de alguns minutos... Via deixar aqueles rapazes morrendo de inveja, eles podiam olhar, desejar mas o prêmio era somente meu.

O dono do bar se aproximou, logo agarrei nas pernas de Babyblue querendo que ela abrisse ainda mais. Ele ficou um bom tempo ali parado, creio que admirando a boceta dela nem percebeu que eu estava ali, e isso me deixou mais louca de desejo. Eu pegava e alisava toda a superfície daquela boceta linda e lisinha e percebia que ele estava com um certo volume em sua calça, doido para pular fora e de possuir Babyblue ali mesmo. O tesão foi tomando conta que logo pedimos a conta, entramos no carro e decidimos ir para um motel mais próximo. Até chegarmos lá deixava ela ainda mais tarada, quanto mais aquela boceta ficava molhada e o clitóris duro, mais eu ficava louca, pedia para ela abrir mais as pernas e meti a boca com vontade a quase fazendo perde o controle do carro! Chupei com muita força e ela dirigia urrando de tesão. Chegando lá, já estávamos loucas de tesão para saborear nossos corpos gostosos. A joguei com tudo naquela cama enorme e redonda, arrancando seu vestido e socando dois dedos meus na boceta dela.

Sussurrava em meu ouvido “ai que delícia”, “que loucura” ... Ficava dizendo que imaginava aqueles rapazes e seus membros ali. Perguntava se eu achava que ela aguentava tantas rolas cabeçudas loucas querendo sarrar a boceta dela. Escutava toda orgulhosa daqueles homens desejarem minha mulher, mas sabendo que esse privilégio era somente meu e não ia dividir com mais ninguém. Trepamos gostoso, gozamos loucamente!

Depois dessa, agora sempre que saímos ela deixa a calcinha em casa, pois adoro deixar bucetinha dela a mostra.

Bom, é isso... Deem nota, comentem e fiquem a vontade para baterem uma punheta gostosa imaginando na cena! Um beijo meus amores e até a próxima!!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.