"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Melhor, impossível.


autor: Ivanovich
publicado em: 28/08/15
categoria: casual
leituras: 4066
ver notas


Fui àquela capital olhar uns processos no Fórum e terminei cedinho, por volta das 16h. Não tinha mais nada para fazer, meu voo era no final da manhã do dia seguinte e eu não estava com vontade alguma de voltar logo para o hotel. Avisei à minha sócia o andamento dos processos e tentei falar com a Mariana, uma amiga. Ela disse que somente sairia do trabalho às 18h e que me encontraria no shopping.
Entrei em uma cachaçaria conhecida, escolhi uma mesa de canto, discreta e quase escondida, pedi uma dose de uísque e a esperei. Ela chegou um tempo depois e era como eu gostava: simples morena, linda, olhos e cabelos escuros e um par de seios fartos e empinados. Sentou-se do meu lado, de vestido: melhor impossível.
- Trouxe o que eu pedi, Augusto?
- Trouxe, mas não vai querer beber nada?
- Escolha você... – disse ela.
Escolhi duas caipirinhas de frutas e coloquei o notebook em cima da mesa, virado somente para nós dois. Acessei o Word e disse:
- Pronto, Mariana. Eis o conto que escrevi em sua homenagem.
Ela corou, as bebidas chegaram e começamos a ler juntos... a estória era longa... cadenciada... estávamos eu e ela bem pertos, com as coxas quase juntas. Se isso já não bastasse para me deixar com tesão, ler a estória do lado dela fez meu pau ficar duro em poucos instantes e a calça do paletó não escondia muita coisa.
Linha após linha, os meus olhos saltavam da tela para seu decote, coxas... e eu percebia que ela ficava arrepiada aos poucos.... Terminada a primeira página, ela me perguntou:
- Tem mais?
- Tem sim. Está gostando?
- Claro. Pede mais uma caipirinha que tô ficando com calor e sede.
Pedi mais duas caipirinhas e nos deliciamos juntos por aquelas linhas de pura putaria... O bar estava começando a encher, mas ninguém imaginaria que estávamos lendo sacanagem em público... ao invés de petições ou planilhas...
Eu já estava mais ousado... com a mão em cima de suas coxas, que já estavam coladas às minhas... no final da segunda página, meu pau já estava latejando e o volume na calça era evidente. Finda essa página, já era possível perceber seu corpo mais quente:
- Ai, Guto, assim eu não aguento. Fiquei melada.
- Jura? Como posso saber se é verdade?
- Põe a mão pra você sentir...
Discretamente ela abriu as coxas... enfiei a mão até a boceta... e senti... estava tudo quente e melado... que delícia. Pena que a calcinha era apertada demais para eu meter o dedo.
- Mariana, vai ali no banheiro e tira a calcinha vai.
- Tá.
Em poucos instantes ela voltou. Certamente havia lavado o rosto... e voltamos para a terceira parte. Dessa vez ela colocou uma das pernas sobre a minha e cobriu com meu paletó... eu enfiei a mão no meio de suas pernas e encontrei a boceta... ainda quente e melada, mas sem a calcinha...
Agora, a leitura era feita com meu dedo enfiado na boceta da Mariana... que mexia lentamente os quadris... enquanto eu massageava o seu clitóris... e enquanto ela lia, fechava os olhos e viajava com toda aquela putaria, quase em público. Disse que ia gozar e eu mandei ela fazer isso baixinho... Um dedo estava metido na boceta com outro alisando o clitóris e senti os espasmos dela, denunciando a gozada silenciosa ali, no canto de um bar...
- Guto, quero foder, não quero só dedo – disse ela no meu pé de ouvido, passando a mão em meu cacete por cima de calça.
- Pega a chave do carro e fica no banco de trás me esperando que vou só pagar a conta e vou lá foder você. Ele tá no segundo andar da garagem.
- Tá. – disse ela se levantando e se despedindo com um beijo no canto do rosto.
Chamei a conta e paguei em dinheiro mesmo e fui correndo para a garagem, cobrindo a minha virilha com o paletó para ninguém perceber o pau latejando.
Quando cheguei no carro, a porta do banco de trás estava destravada e, ao abri-la, tive uma visão excitante da Mariana toda encolhida, com a bocetinha e o cuzinho abertos... e seu dedinho mexendo freneticamente no seu clitóris. Entrei, bati a porta e só deu tempo de abrir o zíper para liberar meu pau que estava latejando. Não havia muito o que pensar... só lambuzei a cabecinha de minha pica na sua xoxota e meti tudo de uma vez só.
A danada da Mariana estava tão melada que a pica entrou fácil naquela boceta gostosa e quente... e passei a socar sem piedade, enfiando tudinho até o fundo... apertando sua bunda... puxando seu cabelo... ela tremia de tesão a cada metida e eu já não aguentava mais...
- Goza, Guto. – disse ela, gemendo – Goza junto comigo, seu safado.
- Ai Mari...
- Vai, cachorro. Enche a minha boceta de gala quente, seu gostoso.
- Toma...
E gozamos juntos... não havia como ter juízo... foram jatos e mais jatos de porra dentro da Mari... que tremia a cada instante. Ao final, estávamos lambuzados de suor: ela, nua, melada e molhada; eu, de calça e camisa de paletó, ensopado.
Sentamos lado a lado, ela colocou a cabeça no meu ombro, ambos ainda moles e o celular dela tocou (odeio celulares na hora da foda). Ela atendeu a ligação... era uma prima dela, novinha, que tinha brigado com os pais e, por isso, estava triste com eles e queria dormir na casa da Mariana para conversar:
- Guto. Minha prima, a Ju, está precisando de mim. – disse
- Tudo bem, mas... eu ia te chamar para ficarmos lá no hotel.
- Ah, poxa! Ela pode ficar lá? Tem um sofá para ela dormir?
- Ter, tem, mas tipo... ela não vai atrapalhar? – perguntei.
- Não, Guto. Ela é inocente. Só quer um lugar para dormir em paz.
- Então tá.
Saímos do shopping e pegamos a Ju no caminho. Era uma ninfetinha, 18 anos recém-completados, famosa falsa-magra com bundinha e peitinhos deliciosos. Estava bem vestida, com um vestido comportado e foi quieta no banco de trás...
Avisei que teria que entrar escondido pela garagem porque a diária era somente para duas pessoas. Elas riram e disseram que fazer coisas erradas era algo divertido de vez em quando. Subimos em elevadores diferentes até o 13º andar e entramos no quarto, que era enorme, com uma banheira, uma varanda e uma cozinha americana.
A Ju ficou maravilhada e perguntou se podia tomar banho de banheira. Disse que sim e ela foi direto para o banheiro. Bastou ela fechar a porta que agarrei a Mariana, joguei na cama e comecei a beijá-la no pescoço e chupar o seu pescoço, seios...o vestido ela mesma tirou... e quando percebemos... ela já estava mamando meu cacete e eu alisando sua boceta. Depois de deixar a cabecinha dele bem melada, ela pediu para que eu sentasse na cama e sentou no meu colo, de frente pra mim. Enquanto rebolava, subia e descia no meu pau, eu chupava aqueles seios deliciosos, segurando-a pela bunda e puxando-a para a pica entrar toda.
A foda estava tão gostosa que nem percebemos a Ju gritando do banheiro:
- Prima, tem alguma roupa lima ai? Molhei meu vestido.
- Ai... não, Júlia. Ai – respondeu a Mariana, gemendo e quase gozando.
- Julia. Usa uma dessas camisas minha de paletó. Tem uma limpa no banheiro... – disse logo para ela não atrapalhar mais a foda.
A Mariana não parava de mexer... e a foda estava uma delícia... mas percebi que a Julia deixara a porta do banheiro meio aberta e pelo reflexo do espelho eu podia perceber ela nua... já vestindo a camisa que eu dissera. E mais... a safada estava olhando pelo reflexo minha foda com sua prima...
Talvez estimulado por isso, coloquei a Mariana de 4 na poltrona ao lado da cama e a fodi bem gostoso. Dessa vez ela pediu leitinho e gozei gostoso na sua boca.... Só ouvi a porta do banheiro fechando. Desmaiamos lado a lado e fomos dormir.
...
Acordei, como quase sempre, de pau duro. A Mariana dormia desmaiada ao meu lado. Levantei e enrolei-me em uma toalha e fui tomar uma ducha. Ao sair do banho e do banheiro, deparei-me com uma cena deliciosa: a Ju estava sentadinha em um dos bancos da cozinha americana, usando a camisa que eu emprestara. Aliás, estava empinadinha e inclinada para a frente, de modo que parte de sua bundinha aparecia e revelava um cuzinho delicioso. Meu pau, que já queria dormir, acordou novamente... minha vontade era chegar por trás dela, e já meter um dedo naquela bunda, mas...
Dei bom dia e ela tomou um susto, deixando cair a colher com a qual comia Nutella, se melando toda na coxa:
- Oi Seu Augusto. Desculpe, mas adoro Nutella, vi no frigobar e peguei. Depois eu pago.
- Relaxe menina. Você já tem 18 anos mesmo?
- Já, Seu Augusto. Quer ver minha identidade?
- Não, é que parece mais nova. E para de me chamar de Seu Augusto.
- Sorte a minha, né.
- Não vai se limpar, você se melou ai.
Ela percebeu a coxa suja e abriu a pernas para passar o dedo melado e limpar a Nutella no meio das coxas... o problema é que ela estava sem calcinha e quando ela fez isso a bocetinha ficou toda à mostra, com pouquíssimos pelos cobrindo-a...
- Ah, desculpa Seu... ops, Augusto. Eu esqueci que estava sem calcinha.
- Sem problemas.
- Você e a Mari são namorados? – ela perguntou, enquanto lambia mais Nutella na colher.
- Não, Júlia, somos amigos. Por que?
- E amigos podem fazer o que vocês fizeram ontem?
Corei completamente e fiquei sem saber o que dizer.
- Eu não faço isso com meus amigos. Não tenho amigos que nem o senhor.
- Nunca fez nada, Julia?
- Só com um namorado, mas nunca vi estrelinhas. Ele era meio bruto, nunca me beijou aqui... – disse, apontando para a bocetinha.
- Ai ai, Júlia. Daqui a pouco a Mariana acorda e me vê falando assim com você. Ela não ficará brava?
- Que nada, tio. Ela dorme até tarde, além disso, foi ideia dela eu vir, pois ela queria me apresentar você. Gostou de mim, Augusto?
- Em qual sentido?
- Sou gente boa? Bonita? Gostosa?
- Sim, sim, muito.
- Sei que não tenho os peitos da Mari, mas meu bumbum é maior. Já reparou?
- Não tive como ver – disse, já ficando de pau duro.
Ela subiu na bancada da cozinha americana e ficou de lado, mostrando uma bunda toda redondinha e empinou.
- Viu, tio? Gostou?
- Bastante.
- Pega, então – disse a safadinha.
- Ai Ju. E sua prima?
- Esquece ela, senão eu vou me achar feia.
Não teve jeito, segurei ela pela bunda, puxei pra beira da bancada e sentei no banco para contemplar aquela visão deliciosa.
- E minha xoxotinha, tio, é bonita?
- Deve ser é gostosa, Júlia.
- Se é gostosa, por que não beija? Você gosta de Nutella...?
Antes mesmo de eu responder, ela passou um pouco de Nutella em cima da bocetinha e abriu ainda mais as pernas. Não tinha como não resistir. Cai de boca... lambi todo o chocolate e depois fiquei sugando aquele clitóris rosinha.... e metendo o dedo na boceta. Depois meti a língua e sorvia aquele mel de boceta quase virgem.
- Ai tio. Tá gostoso, chupa mais vai. – disse a safadinha da Júlia.
A essa altura, eu já tinha deixado a toalha cair e estava alisando meu cacete enquanto me lambuzava todo naquela xoxota cheirosa.
- Vai Augusto, quero ver estrelinha. Chupa mais, vai.
Passei a sugar o clitóris, meter a língua e um dedo na boceta. Estava tudo lambuzado e o mel escorrida pro cuzinho rosinha... arrisquei e passei o dedo.... ela não disse nada... meti a pontinha do dedo e ela pareceu gostar... continuei e ela começou a gemer e parecia gozar.
- Ai Tio... tô vendo estrelinha, não para...
E a ninfetinha gozou, na minha boca. Logo depois, sentou-se e perguntou:
- Augusto, não vai colocar esse pintão aqui não, mostrando a boceta...
Não tinha onde comê-la agora... na cama, com a prima dormindo, seria sacanagem... a solução seria a varanda. Eu já não tinha juízo mesmo.... levei-a para a varanda, ela sentou no sofá de lá, mas antes arrancou a minha camisa que ainda usava e ficou nua.
Estava claro e os vizinhos dos prédios mais pertos certamente nos flagrariam, mas quem raciocina em uma hora dessas? Não tive piedade, abri as suas pernas... fiquei pincelando a cabeça da pica em sua boceta melada e meti, primeiro a cabeça, e depois tudo. Metia devagar e com cuidado...
- Chupa meus peitos, Augusto. Quero que me coma que nem comeu a Mariana....
- Mas... – e ela já foi me puxando e colocando aquele peitinho duro e quase adolescente na minha boca... enquanto eu comia aquela boceta gostosa.
- Isso, tio. Chupa e me come – dizia a ninfeta – que eu quero ficar olhando ele entrando e saindo de mim.
- Ah, sua putinha, gosta de olhar é?
- Adoro, tio. Ontem fiquei louca olhando você foder a Mari... lá do banheiro. Fiquei me tocando enquanto via.
- Ah, sua cachorra. Ficou olhando eu comer sua prima é?
- Ahan, tio. Olhando com um dedo na minha boceta...
- Safadinha.
- Sou mesmo. E quero que você foda de quatro... que nem a fodeu ontem... – já disse isso se virando e ficando de quatro, toda arrebitadinha.
Segurei-a pelo cabelo e meti tudo, sem piedade. A pica ficou toda encaixadinha naquela xoxota gostosa... enquanto eu dava um tapa na sua bunda e comecei a tirar e meter de novo... ela gemia gostoso e eu nem reparava em mais nada ao meu redor. Passei um dedo no seu cuzinho e ela pareceu gostar.
- Mete o dedinho, vai, Augusto.
Enfiei um pouco do dedo no cu da Júlia enquanto fodia aquela xoxota e ela começou a gozar e rebolar no meu cacete. Estava difícil eu segurando, quando ela disse:
- Não goza, seu safado. Mete em meu rabinho, mete.
- Ai, sua putinha, tenho que pegar a camisinha.
- Vai pegar logo, seu cachorro, que a vizinhança vai ficar me vendo nua aqui.
Entrei desesperado no quarto para procurar uma camisinha, quando ouço uma voz:
- É isso aqui que está procurando, safado? – falou a Mariana, que estava acordada, nua e sentada na cama, com uma camisinha na mão.
- É... – respondi sem jeito.
- Então vem cá que eu mesmo vou colocar a camisinha no seu pinto para você enrabar minha priminha – disse a Mari.
Fui lá, meio sem jeito, ela abriu o pacote da camisinha, vestiu meu cacete com maestria e disse:
- Vai lá comer o cuzinho virgem dela, vai logo.
Quando voltei, a safadinha da Júlia estava toda aberta... se tocando freneticamente, com um dedo no cu já todo melado e um na boceta. Cheguei nela e comecei a forçar a cabecinha naquele cuzinho rosinha... a situação estava difícil. Passei mais um pouco do mel que escorria de sua boceta, mas a cabecinha de meu pau não entraria fácil... então ela virou, abriu as pernas e puxou meu pau para seu cuzinho, sem piedade.
- Eu não ligo se doer, tio. Fode minha bundinha, fode.
Fui metendo, primeiro a cabecinha... ela se contraiu, mas depois se soltou e começou a se masturbar... então fui desvirginando aquela bundinha e metendo tudo... Continuei a meter devagar naquele rabinho e já nem raciocinava direito que era de dia e meu voo era daqui a 3 horas....
- Ai, sua putinha. Você é uma ninfeta muito safada.
- Sou mesmo, tio. Sua ninfeta. E não goze...
- Por que não? Tá difícil segurar...
- Porque quero gozar pelo cu e depois eu quero a sua gozada na minha cara. Quero sentir o gosto dessa gala melando todo o meu rosto todo e depois lamber, seu safado.
E então ela gozou pelo cu... virou os olhos... gemeu safadamente... puxou meu pau pra fora de sua bunda... arrancou a camisinha e jogou longe para cair de boca no meu pau... não precisou chupar muito e começar a jorrar... ela ficou esfregando o pau na boca... na cara e eu de olhos abertos, encostado no parapeito da varanda, via ela se deliciando com a porra melando todo seu rosto... depois... ganhei uma última sugada e ela arrancou toda a gala que ainda restava... sorveu o que ainda escorria por seu rosto.
- Vamos tomar um banho, tio?
- Vamos...
Quando entramos, nos deparamos com a Mari, nua, tomando café:
- Seus danados, bastou eu dormir para os dois ficarem na putaria...
- Mas... – comecei a falar, já me defendendo.
- Mas nada. Eu vi toda a trepada na varanda e preciso tomar banho, né prima?
- Ahan, Mari. Vamos tomar banho de banheira... você vem, Guto...?

Precisa responder?
FIM!




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.