"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Transei com dois professores gostosos


autor: ricardinho098
publicado em: 22/05/17
categoria: gays
leituras: 3831
ver notas


Essa história aconteceu quando eu ainda tinha quinze anos. Deixa eu explicar uma coisa, eu sempre estudei em escola particular e nesse conto eu era do primeiro ano do ensino médio. Nunca fui muito popular mas também não era daqueles retardados.

Tudo começou assim: era um dia de sexta-feira, toda sexta feira tinha duas aulas de física, duas de química e uma de história. A aula já ia começar quando a coordenadora da escola chegou e nos avisou que teríamos aulas vagas pois os dois professores de química e física tiveram que viajar para outra cidade para uma conferência. Todos entendemos, alguns ficaram alegres pois iam ter praticamente a manhã toda livre, eu também fiquei alegre, mas iria sentir falta de ver toda manhã aqueles dois corpos monumentais. Depois do momento de alegria a coordenadora disse que teria que repor domingo, o que levou todo mundo a discutir, dai ela disse que só podia naquele dia, pois sábado seria a reposição de espanhol e no outro fim de semana seria as provas. O meu professor de física se chama Rodrigo, ele era musculoso, peitoral malhado, tinhas umas pernas que se destacava em sua calça jeans preta e era pardo; o meu professor de química se chama Vinícius, ele também era musculoso, e era um negão que me deixava muito excitado só de pensar.

Passou a sexta, o sábado e finalmente chegou o domingo. Fui pra escola e quando cheguei lá, a escola estava completamente vazia, sem contar com o porteiro e eu. Entrei e fui pra minha sala, e ela também estava vazia. Esperei mais vinte minutos, pois chego cedo, e o meu professor de física entrou na sala e se assustou pois não havia ninguém além de mim, ele estava com uma camisa de botões azul, a sua clássica calça jeans escura, sapatos pretos e a sua maleta. Ele se sentou e tentou dar uma aula normal, passou atividade e esperou eu fazer, terminei e já tinha acabado as suas duas aulas. Ele já estava saindo quando percebeu que a escola estava vazia, e logo me chamou para ir para a sala dos professores com ele, para não passar o intervalo sozinho. Aceitei e fui, chegamos lá e ele abriu a porta e deixou eu entrar primeiro, depois ele entrou, fechou a porta e trancou. Ele pediu para eu sentar na cadeira na grande mesa redonda e eu o fiz, ele se sentou do meu lado e colocou sua maleta na mesa, abriu-a e tirou seu lanche dali, fiz o mesmo e tirei o lanche da minha mochila e comecei a comer. Enquanto comemos começamos a conversar sobre as minhas notas, sobre a escola e de repente ele mudou, começando a perguntar coisas do tipo v

- Então Ricardo, você está interessado em alguma menina da sala? Ou menino?
- Eu não curto banana não professor, só pêssego mesmo – Disse eu rindo tentando manter a minha aparência heterossexual ao ouvir a sua última pergunta.

Continuamos a bater papo e a rir quando de repente ouço um barulho de chave abrindo a porta e a destrancando, nós dois olhamos para a mesma e a porta se abriu, e o professor Vinícius entrou um pouco zangado por ter que acordar domingo cedo e chegar e a escola estar vazia:

- Bom dia – Disse ele colocando sua mochila em cima da mesa e sentando do meu lado. Ele estava bem tenso. – A escola vazia ne?
- Bom dia Vini, tá muito vazia, só o Ric veio! – Disse ele batendo em minha cabeça de leve.
- É isso que dá acordar cedo dia de domingo e vir para a escola. Os alunos contribuem desse jeito. – Ele ficou mais zangado e se esticou um pouco e relaxou na cadeira, fechando os olhos e mexendo a cabeça.
- Calma, você tá muito tenso cara! – Disse o professor Rodrigo se levantando – Vai, tira a camisa, vou fazer uma massagem no capricho. – Eu esqueci de dizer mas o professor Rodrigo já foi massagista e todos o elogiam muito bem depois de ser massageado por ele.
- Valeu cara. – Disse Vinícius.

O professor de química tirou a sua camisa polo azul escura, e jogou na mesa. Eu quase delirei, eu estava do lado dele e pude sentir o aroma de macho vindo dele, aquela axila com os cabelos ralos, aquele peito negro bem malhado todo pelado, aquela barriga estrutural, aqueles braços fortes, e, socorro, aquelas costas largas e bem desenvolvidas. O professor apoiou os braços e a cabeça na mesa enquanto Rodrigo fazia a massagem, ele fazia muito bem, o jeito de como ele mexia os braços, realmente tem que ser profissional. Eu fiquei analisando ele massagear um pouco e parei de comer e fiquei olhando-os, quando do nada o professor Rodrigo disse:

- Vem, tenta! – Ele disse parando a massagem e se afastando, dando o seu lugar para mim.
- Q-Quem? Eu?! – Eu disse surpreso. – Mas eu nunca massageei ninguém antes!
- Vem, para tudo tem uma primeira vez. Faz assim, enquanto você massageia o Vinícius, eu faço uma massagem no capricho em você. Que tal?
- Ok. – disse me levantando e tirando minha jaqueta, e depois a farda, ficando apenas de calça e tênis – Mas, a aula já vai começar não?
- Não sem aluno – Disse o professor Vinícius esperando a massagem.

Então não me preocupei. Coloquei as duas mãos nas costas de Vinícius e dei um breve suspiro, me segurei muito para não desmaiar, era o meu sonho alisar aquelas costas grandes. Então comecei com a massagem do jeito que eu vi o Rodrigo, fiz massagens rítmicas com as mãos esticadas e com o punho fechado, e repeti a mesma coisa. De repente senti as mãos enormes e quentes de Rodrigo em minhas costas e falei que estava muito bom, e ele continuou. Olhei de canto de olho, Rodrigo olhando para a minha bunda e fingindo enfiar um dedo no meu cu, e então ele continuou a massagem sem desconfiar de nada. Eu achei um pouco estranho mas relevei. Ouvi Vinícius suspirar e falar ironicamente que eu já estava ultrapassando o Rodrigo em nível de massagem. Rimos e Vinícius me pediu uma coisa:

- Ricardo, você pode massagear o meu peito. Tava no baba ontem e levei uma tombada que está doendo até agora.
- Claro, professor!

Eu disse me afastando e esperei ele sair da cadeira e se deitar de barriga para cima na mesa. Fiquei em pé na borda da mesa e tentei massagear mas ficava muito difícil, dai ele me observou e falou:

- Vem, pode subir.
- O-Ok. – Eu meio que gaguejei quando disse isso enquanto subia na mesa e sentei nas coxas, um pouco perto do joelho e comecei a massagem.
- Pode vir mais um pouco. – Ele me puxou e me fez sentar bem em cima de sua virilha.

Eu fiquei bem nervoso, mas comecei a massagear o seu peito, e quase morri, eram duros, malhados, lindos, gostosos, e bem bonitos. Tentei tirar isso da minha mente e continuei a massagem. Professor Rodrigo ficou logo atrás de mim, em pé na borda da mesa e massageou as minhas costas. Os meus tênis eram grandes, e eles ficavam me atrapalhando para achar uma posição perfeita. Logo o Rodrigo diz que seria melhor eu tirar o tênis e eu fiz isso, ficando apenas de meia, o que me deixou mais confortável para fazer a massagem. Continuei massageando quando levei um susto e fiquei nervoso, mas disfarcei, o professor Vinícius estava com os olhos fechados e os braços atrás da cabeça, mas eu senti o seu volume endurecer debaixo de mim. Eu hesitei um pouco mas continuei.

Alguém bateu na porta, o professor Rodrigo abriu um pouco para ninguém ver eu massageando o professor, pois tinha uma regra na escola em que é proibido usar o aluno para fins próprios do professor. Era o porteiro na porta, ele entregou a chave da escola para Rodrigo e disse que iria para casa e quando eles saíssem, trancariam a escola. Ele se despediu e desejou um bom domingo, e deixou a porta aberta, e colocou a chave da escola perto da porta e voltou a me massagear. Ouvi Vinícius suspirar e me elogiar:

- Você sabe massagear muito bem. – Ele ficou olhando para mim – Posso te pedir uma coisa?
- Claro, professor. – Eu disse enquanto continuava a massagear o seu peito.
- Massageia as minhas coxas.
Eu estranhei um pouco mas imaginei que alguém teria chutado a sua coxa no baba – C-Claro professor!

Eu saí de cima dele e ele, ainda deitado, desabotoou a sua calça e baixou o seu zíper e desceu a calça até onde o seu braço ia, e pediu para eu tirar o resto. Ele agora estava apenas com a sua meia branca e a cueca preta da Calvin Klein, destacando o seu volume, disfarcei olhando para o ventilador e vi Rodrigo tirar a sua camisa e reclamar do calor. Coloquei as mãos na sua coxa esquerda, cabeluda mas aparada, grossa, dura, cheirosa demais, enorme, e comecei a massagear, e ele voltou a colocar os braços atrás da cabeça e a fechar os olhos. Rodrigo então me perguntou se eu gostaria de uma massagem na panturrilha e eu disse que sim, e logo tirei a minha calça, e fiquei com a cueca branca destacando a minha bunda grande. Rodrigo se ajoelhou e começou a massagear a minha perna. Senti as mãos do físico subir pelas minhas pernas até chegar a coxa e quase encostar a bunda e depois descer, suspirei um pouco, e ele fez isso de novo. Eu, disfarçadamente, empinei um pouco a bunda e enquanto massageava o negão, percebi o seu volume aumentando sem parar, e fiquei meio sem graça, o seu pau não parava de aumentar quando de repente ele saltou para fora da cueca, eu, sem saber o que fazer, cutuquei a coxa do professor e avisei à ele:

- P-Professor, a sua cueca, o-o seu... é...
- O que? – Ele disse sonsamente – Olha, ele escapou... – Ele riu com malícia e olhou pra mim. De repente ele desceu sua mão pela barriga, passou pela sua virilha e pegou a minha mão, e trouxe até o seu pau. Eu hesitei, e afastei a minha antes de tocar o seu amigo.
- Professor, m-mas... – Ele me interrompeu.
- Cá entre nós, eu sei que você quer muito o meu pau não é? Então pega... pega pra mim, você pega Ric? – Ele disse com safadeza.

Não resisti e peguei lentamente em seu pau e comecei a bater uma para o meu professor que eu sempre quis. Coloquei a outra mão, era bem grande, e comecei a bater mais rápido. Eu consegui ouvir ele arfando de prazer, e continuei a bater. De repente senti a minha cueca descer do meu corpo e eu olhei para trás, e vi professor Rodrigo ajoelhado atrás de mim descendo a minha peça de roupa com uma cara de safado. Eu nunca imaginei que os meus professores gostosos curtissem garotos. O professor tirou a minha cueca por completo e eu senti algo gostoso que me fez gemer, eu senti ele cuspindo em meu buraquinho, e abriu bem as minhas nádegas com as duas mãos, e começou a olhar, e ficou enfiando a língua e tirando. Eu sempre fui apaixonado pelo rosto de Rodrigo, sempre imaginei ele falando sacanagem pra mim e me olhando com safadeza.

Continuei sendo lambido e a bater uma para o professor, quando professor Rodrigo se levanta e tira a sua calça e a cueca, exibindo um pau mole mas grosso e cheio. Professor Vinícius manda eu parar de bater punheta para ele, e eu tiro as minhas meias. Eles então, já pelados, se levantam e mandam eu me deitar no chão, e eu o faço. Ambos chegam para perto de mim e me deixam aproveitar uma bela visão dos seus corpos de baixo pra cima, aquelas pernas e aqueles sacos maravilhosos. Eles de repente começam a tocar um no outro com a mão e se beijam, um beijo babado, monstruoso, de língua, um beijo perfeito de se olhar, eles então seguram seus respectivos membros e apontam para meu corpo, e esperam até que líquido começa a sair dos mesmos, eles estavam urinando em mim, uma urina transparente, quente, o que me fez querer mais ser fodido pelos dois.

Eles então me levantam e nós voltamos as posições originais. O professor Vinícius começa a se hesitar de novo e o seu pau volta a ficar duro, e então eu começo a chupá-lo, ele empurra minha cabeça com as mãos e me faz chupar lentamente. Eu empino bem o cu e Rodrigo volta a chupar o meu cu e começa a pegar em meu pau e a bater uma para mim. Eu gemo um pouco mas o negão puxa minha cabeça de volta e faz eu chupar novamente, ele agora estava se transformando, ele segurou meu cabelo com força e começou a foder a minha boca, eu engasguei e olhei para ele, e recebi uma cuspida e um tapa na cara, e voltei a chupar com voracidade. Abrir bem a boca e enfiei todo o pau na minha boca, fazendo uma garganta profunda e me engasguei. Senti uma pequena dor quando senti três dedos me penetrarem e saírem e repetiu-se várias vezes. Eu voltei a chupar sem parar o pau do Vinícius e recebi vários tapas na cara, e engasguei muitas vezes. Cuspi muito no pau e cobri-o completamente por saliva e chupei engasgando muito.

Parei de chupar ele e subi em cima da mesa, me virei de costas para Vinícius e sentei em sua virilha, ele cuspiu em meu cu e enfiou o seu pau e eu comecei a cavalgar. Rodrigo ficou em pé na mesa e eu comecei a pagar boquete para ele, chupando seus ovos gigantescos e o seu pauzão. Rodrigo me olhou com safadeza e cuspiu em meu rosto e deu um tapa no mesmo. Vinicius começou a me xingar de putinha e bateu em minha bunda forte, e começou a me comer mais forte, o seu pau era enorme mas eu conseguia sentar nele por completo. Eu deixei a minha bunda parada no ar e ele começou a foder o meu cu enquanto o seu saco batia nas minhas coxas. Os sacos do professor Rodrigo batiam em meu queixo e em meu pescoço, e melava da saliva antes cuspida por ele. Ele puxou meu cabelo e deixou a minha cabeça parada no ar, e começou a foder a minha boca até o pau chegar no meu esôfago e voltar por me engasgar. Eles começaram a me bater, a me cuspir a me xingar muito. Vinícius continuou a me comer com vontade enquanto Rodrigo tirava o seu pau de minha boca e batia em meu rosto com o membro com força.

Eu saí de cima de Vinícius e me virei e comecei a cavalgar de frente para ele. Rodrigo veio por trás e cuspiu no pau de Vinícius e no meu cu, e foi enfiando o seu membro no meu cu junto ao de Vinícius. Eu gritei e berrei de dor, eu gemi feito um bodezinho. Ele enfiou o seu pau todo dentro de mim, e agora eu estava sendo penetrado por duas rolas enormes, eu gemia muito alto. Eles me batiam e me xingavam, falando que iriam fazer aulas de reposição dia de domingo só para me comer. Eu comecei a beijar Vinícius enquanto Rodrigo batia em minhas costas. Passou-se muito tempo e nós ficamos alternando as posições muitas vezes até que eles me deitaram na mesa e bateram punheta e gozaram em mim, deixando o meu domingo perfeito.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.