"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Condomínio Praiano - Parte 2


autor: Falocentrista
publicado em: 06/06/17
categoria: hetero
leituras: 1347
ver notas


Leia a primeira parte antes!
Procure no meu perfil.

Continuando...

Eu ainda estava quase sem raciocínio quando ouvi sons vindos da porta do vestiário que eu mesma tranquei. Os sons surdos denunciavam que algum funcionário precisava entrar no vestiário.
Foi um choque!
Afinal eu estava nas nuvens sentindo o calor de todo aquele esperma ainda morno
Ondas de prazer faziam meu corpo amolecer e o raciocínio diminuir! Instintivamente, acariciava minha boceta por cima do short. O cu piscava de tesão e como ainda estava agachadinha, sentia meu cu tentando morder o short tão socado no meu rabo.
Eu abri os olhos, cobertos de semen e vi aquele caralho todo fodido por causa da mamada... babado, pingando, brilhando, ainda pulsando sob o ritmo das batidas do coração. Amolecendo vagarosamente.
Havia um pouco de esperma na saída da uretra de seu Sérgio e prontamente segurei aquela rola na base com uma mão enquanto espremia a cabeça para que saísse o resto da porra agarrada na uretra. Uma porra bem espessa e grudenta...aquele pouquinho de porra eu resolvi engolir. Cheirava bem forte e tinha um gosto bom de macho.
Isso tudo rolou antes de eu notar os sons vindos da porta, por que nesse momento eu estava em pânico!  Corri para uma das cabines de sanitários e me tranquei lá.
O seu Sérgio foi abrir a porta e talvez tenha inventado uma desculpa. O sujeito entrou e fez o que tinha que fazer e, depois que saiu, o seu Sérgio veio e deu uns toquinhos na porta do meu esconderijo e disse que eu podia correr lá  pra fora. Limpei minha blusinha toda lavada de porra o melhor que pude com o papel higiênico. Limpei o rosto e o cabelo também.
Abri a porta e olhei nos olhos do seu Sérgio que ainda respirava meio ofegante:
- Vagabunda.
- Ai, seu Sérgio!
- Eu vou almoçar e depois vou terminar o que eu tenho que terminar. De noite, me espera com a porta do seu apartamento destrancada.
E ele, já vestido, saiu.
Eu achei meio sem noção da parte dele ter dado aquelas ordens daquele jeito. Mas eu sabia que iria esperar ele de joelhos, porta destrancada e tudo. Eu ia mamar aquele pênis bitoludo de novo. E depois ele ia querer atolar aquilo em mim e o meu canal vaginal iria mastigar aquela rola de tanto gozar nela...Ai! Que tesão maluco!!!

Fui toda confusa e tesuda pra casa e claro que esfreguei a boceta vendo negros dotados no Xvideos. Gozei bem gostoso e só  depois fui tomar banho e almoçar.
Eu via aquelas garotas receberem jatos e mais jatos de porra na cara e me contorcia de tesão gozando com um vibrador ligado e enterrado no cu ao mesmo tempo em que os restinhos secos do leite da picona do seu Sérgio agarrados na minha cara e blusa mantinham o cheiro de sexo no ar.

A noite veio junto da ansiedade. Eu estava meio com medo dele aparecer. Sair entrando aqui em casa...sei lá. Mas ao mesmo tempo eu escolhia a lingerie pra usar pra ele. Era um tesão louco misturado com uma ansiedade enorme!
Lá pelas 22:00 ouço um toque tímido de campainha. Seria ele??? Meu coração disparou na mesma velocidade com a qual minha buceta se encharcou de mel e fui em direção à porta.
Quando cheguei ele já estava parado no meio da sala. Pelado! Com aquele tolete de carne pendurado entre as pernas.
Estava a meia bomba e já preenchia a sala com aquele cheiro de macho.
Eu quase desmaiei. Meu coração foi na goela e voltou! Devo ter ficado toda vermelha!
Depois de não sei quanto tempo vidrada naquelas pernas e naquela rola massiva, olhei nos olhos do seu Sérgio enfim.
Ele mordeu o lábio inferior e disse:
-Vem. Vem cá, vem?
Eu fui. E dobrei meus joelhos. Sentindo o tesão mais louco da história sexual do ser humano.
Eu estava dominada.
Me encantei.
Fiquei olhando aquilo e me perguntado: como é que pode?
-Mama o meu pau, madame - ele finalmente disse.
Olhei nos olhos dele, sorri, botei os peitões pra fora, prendi um rabo de cavalo e disse que já ia mamar.
E com os olhos fixados nos dele eu dei uma cuspida enorme na pica que estava na minha frente.
E aquilo começava a pulsar e inchar mais ainda.
Comecei a cuspir. Ia envernizando o caralho com o meu cuspe e quando me dei conta, o pau do seu Sérgio estava enorme e estalando de duro.
- Toma a mamadeira.
- Está cheia de leite pra mim?
- Tá sim, vagabunda. Vem ordenhar.

E eu comecei. Eu queria destruir aquele caralho na minha garganta! Mas realmente não conseguia colocar nada além da goela!
A cabecinha preenchia toda a boca e eu só aguentava aquilo por um pouco de tempo. Tinha que parar e descansar um pouco a boca!
Mas eu me esforcei. Me esforcei como havia me esforçado no vestiário masculino.
Eu mamava mamava mamava aquela picona! Vinha de cima a embaixo mamando aquela rola de lado fazendo bastante barulho com toda aquela saliva. Pulava para o saco e mamava uma bola olhando nos olhos daquele coroa safado.
Mamava pedindo leite.
Mas ele ia segurando a leitada.
De repente ele me puxa e me põe deitada de frente pra ele no sofá. Eu, sem raciocínio,  não faço resistência e fico olhando ele bater aquele caralho na minha barriga me sujando toda de saliva.
A picona babava quando ele começou a forçar a entrada. Eu estava bem lubrificada e acostumada com pau grande mas o seu Sérgio era um pouco mais complicado.
Ele, provavelmente acostumado com o trabalho que a rola dele dá  para as meninas que ali se aventuram, docemente foi colocando devagar.
Minha buceta agasalhou a cabeça com facilidade, porém,  como já disse, aquela piroca ia engrossando até ficar bem larga.
Com paciência, seu Sérgio conseguiu atolar bastante pica na minha boceta. Foi empurrando aquele tolete grosso e veiudo  e pôde  prosseguir com o vai e vêm bem gostoso.
Ai...quando ele colocava tudo o que minha boceta aguentava eu me sentia preenchida ao limite e começava a "chorar" na rola dele:

-Ai seu Sérgio!  Ai aiiii! Que rola grossa!
-Pra Vagabunda a rola tem que ser grossa!
-Então fode, puto!

E então ele recomeçava o vai e vêm segurando minhas pernas abertas!
O calor foi aumentando e o coroa começava a socar aquela picona cada vez mais forte!

-Ai!!! Aaaaah! Filho da puta! Minha boceta vai ficar doendo!
-É pra ficar lembrando dessa foda, madame. Vou foder até arruinar essa bocetinha de menininha!  Vagabunda! Tá doendo?
-Aieee!  Tá doendo minha boceta, seu Sérgio! A pica do senhor tá  muito grossa!

Sinceramente, pedi um tempo e disse que queria sentar em cima. Eu precisava controlar a penetração. Pedi pra sentar por cima de costas.
Ele sentou no sofá com aquele pau monstro envergado levemente para a esquerda. Sentei de costas e fui controlando a foda.
Comecei  fodendo só a cabecinha...minha xota parecia uma laranja no espremedor. Eu sentava rebolando envergando aquela pica toda que não tinha pra onde entrar mais e então envergava.
Conforme minha pepequinha foi se acostumando, eu conseguia escorregar aquele pênis massivo mais para dentro.
Seu Sérgio gemia coisas sem sentido e eu achei que ele pudesse estar gozando mas não parei.
Não parei até conseguir levar aquele pênis inteiro boceta a dentro!
Depois de uma hora de foda consegui encostar minha bunda na barriga dele.
Ficamos parados assim por um tempo...Ele estava só  por conta de sentir os espasmos involuntários que o meu canal vaginal aplicava sobre toda a extensão daquela rola atolada.
Ele começou a dar socadinhas com a pica presa em mim e eu gozei. 
Quase desmaiei ali em cima! Minha boceta se lubrificou ainda mais com o mel do meu gozo e eu comecei a quicar loucamente.
Seu Sérgio foi pego de surpresa! Aguentou umas 20 bombadas da minha xana e disse que ia gozar!
Fiquei empolgada e fui diretamente mamar e ordenhar a rola pra ganhar leite.
Eu abocanhava e punhetava com as duas mãos quando comecaram as pulsadas.
Ele tentou colocar a mão  na piroca pra punhetar mas não deixei. Continuei mamando aquela cabeçona com força e aquilo começou a cuspir jatos de esperma em minha goela.
Estava quente e grosso! E conforme o leite ia vindo eu ia engolindo!

-Vagaba! Tomou minha porra toda! Minha mulher vai dar é falta hoje! Piranha gostosa!

Eu olhava para ele completamente exausta.
Não foram muitas horas de foda, mas minha buceta estava latejando gostoso e meu estômago estava cheio de esperma morno. Cansada, olhava pra ele se vestindo.

-amanhã acordo cedo, ele disse.

E partiu.
Fiquei ali sentada no sofá. Ondas de prazer me traziam calafrios.
Depois deitei no sofá e fiquei ali...deliciada...toda fodida me sentindo a puta do condomínio praiano.

Coroa gostoso.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.