"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Rebolando no jardineiro


autor: camilla_lima
publicado em: 11/06/17
categoria: hetero
leituras: 3569
ver notas


Hoje sou solteira, mas já fui noiva. Entre namoro e noivado, foram 5 anos. E relacionamentos longos vocês sabem como é: muitos altos e baixos.

Estávamos vivendo os “baixos”: ele, cheio de trabalho e estudando para concurso. Eu, começando a ficar cansada da falta de atenção. O sexo, naquela fase, deixava a desejar. E se tem uma coisa que acaba com meu humor é sexo meia boca.

Para não brigarmos, e para que ele pudesse focar na carreira, decidimos passar uns dias longe. Eu estava de férias, ele não. A família dele tinha uma casa numa praia tranquila, perto de Ubatuba, no litoral paulista. Um sobrado com gramado na frente, rede na varanda. Combinamos que eu passaria 5 dias por lá, entre livros, plantas e banhos de mar. Seria bom para nós dois.

Já na chegada, percebi que teria algum trabalho. A casa estava fechada fazia meses e o mato tomava conta do gramadinho. Falei com os vizinhos e arrumei o telefone de um rapaz que poderia dar jeito no jardim. Juliano, que disseram ser responsável e gentil. Naquela tarde mesmo ele viria e em poucas horas tudo estaria em dia: enquanto eu faxinava a casa, ele cuidaria do mato. Nos meus planos, até o fim do dia eu estaria com casa limpa, quintal organizado e teria tempo para uma cervejinha na rede da varanda antes de preparar o jantar e aproveitar minha própria companhia.

Corri no mercado, enchi a geladeira com verduras, frutas e cervejas. Botei na vitrola um sambinha, abri uma gelada, me enfiei num biquini com sainha por cima e parti pras atividade. Juliano chegou por volta das 2 tarde, bateu palmas no portão e eu quase que bati palmas também quando vi o rapaz. Moreno de praia, bronzeado, sorriso tímido, braços fortes, cabelo bem aparado, barba por fazer. Usava bermuda jeans e camiseta cavada. O rosto não era exatamente bonito, mas o corpo... Logo imaginei Juliano curtindo um vôlei de praia nas horas vagas.

- Boa tarde, senhora.
- Senhora, não, que eu devo ser da sua idade, rapaz. - Ele riu. - Entra.
- Dá licença.
- Toda.

Mostrei pra ele o quintal e as ferramentas e falei que ficaria dentro da casa. Caso precisasse, bastava chamar. Foi só a latinha de cerveja chegar na metade, que começaram a me bater umas ideias safadas. Lembrei dos pornôs que vi, o jardineiro comendo a dona da casa. Ri comigo mesma, pensando que era loucura. Depois, reconsiderei.... E se?

Terminei a faxina na cozinha e fui pra rede, na intenção de fazer um teste. Deitei toda esticada e puxei papo com Juliano. Perguntei das praias da região, ele respondia tudo e me fazia perguntas também:

- Veio sozinha?
- Vim, sim. Férias.
- É bom, né? Dar um tempo da vida.

Pelo jeito que ele me olhava, percebi que se eu desse corda, a coisa poderia fluir. Fazia meses que eu não tinha sexo do bom, eu estava ali sozinha, ele era gostoso e tinha um papo divertido. Por que não?
Quando parte do quintal já estava capinado, entrei na casa, peguei uma latinha de cerveja, 2 copos, uma esteira e um tubo de protetor solar.

- Dá licença, Juliano. Vou tomar um sol aqui onde você já limpou. Pode ser?
- O quintal é seu, fique a vontade. Mais uma horinha e termino tudo.
- Bom! Daí você chega e toma uma cerveja comigo.
- Opa! Cervejinha no fim do trabalho é sempre bom, né?

Rimos. Quando tirei a sainha e deitei na esteira sobre o gramado, Juliano parou segurando o cabo da enxada e limpou o suor da testa.

- Você malha, é?
- Não. Odeio academia – E nós dois rimos.
- Mas e esse corpão, ai? Me desculpa, tô falando isso com respeito, não leva a mal... É que não teve jeito de não olhar, viu?

Achei divertida aquela ousadia de Juliano e expliquei.

- É que fui bailarina por muito tempo e até hoje danço. Mas agora eu faço dança do ventre.
- É bonito demais aquilo, hein? O jeito que as mulheres mexem assim a cintura... Ele falou dando uma reboladinha e rindo.

E aí eu pensei por uns segundos se devia falar ou não o que estava na minha cabeça. Falei:

- Depois eu rebolo daquele jeito pra você ver.

Ele abriu um sorriso safado e balançou a cabeça, olhando meu corpo.

- Deixa esse tantinho de grama pra lá, Juliano. Tá sol demais, senta aqui e toma um gole de cerveja comigo.
- Sendo assim... Ele falou, tirando a camisa. – Tá calor demais mesmo, né? – E veio pra perto. Enchi o copo e dei na mão dele. Ele sentou na beirada da esteira, eu continuei deitada com o bumbum empinado pegando sol.

- Você é solteira, é?
- Sou, não. Mas tô num momento complicado, sabe? Por isso que tô aqui. Espairecendo...
- Ah! Uma mulher bonita dessa, não ia ser solteira mesmo. Dançarina, ainda.
- Para com isso, Juliano. Tem muita mulher bonita e solteira, rapaz! Que bobagem! – E rimos de novo.

Falamos do meu relacionamento, ele falou das aventuras dele com as turistas que passam por ali. Ficamos conversando entre risadas e provocações, até que resolvi usar da velha técnica que vi nos filmes.

- Juliano, passa protetor solar em mim? Aqui atrás? – E apontei pra minha bunda. Ele olhou fundo nos meus olhos, com cara de safado.
- Passo...

Assim que senti aquela mãozona na minha bunda, meu grelo pulsou. Ele espalhava devagar o creme sobre minha bunda, de um lado e do outro. Não consegui segurar um gemidinho.

- Tá bom assim?
- Tá muito bom...
- Então vou passar mais, pode?
- Pode. – Falei, e abri um pouco as pernas. Ele entendeu o que eu queria, e começou a passar as mãos nas minhas coxas, na parte de dentro, indo até perto da minha buceta. Comecei a rebolar.
- Desculpa dizer, mas você é muito gostosa.
- Você também.
- Acha, é?
- Acho sim.

Virei de frente e fiquei com o corpo apoiado sobre os cotovelos, o tronco levantado, olhando pra ele. Juliano aproximou o rosto de mim e me deu um beijo de língua. Gemi. Chupei os lábios dele. Ele me beijou o pescoço, foi descendo até meus peitos. Puxou de lado o biquini e começou lamber. Meu peito cabia todo naquela mãozona e meus mamilos já estavam durinhos. Ele chupou gostoso e nessa hora eu já tava toda molhada. Enfiei a mão no short dele e percebi que o danado tava sem cueca. Senti uma pirocona grossa pulsando na minha mão. Tava com a ponta já meladinha. Fiquei punhetando e sentindo a respiração ofegante dele.

- Tira esse short, Juliano.
Ele levantou e obedeceu. A pica pulou pra fora, dura, cabeçuda, pulsando. Cabeça roxa.
Ajoelhei e comecei a lamber aquele caralho gostoso. Mamei enlouquecida. Eu tava mesmo precisando daquilo. Babei, lambi de baixo até em cima, fiquei ali lambendo aquela cabeçona.

- Se você ficar me mamando desse jeito eu vô gozar gostoso já já...
- Não vai, não. Me chupa.

Daí o Juliano caiu de joelho na minha frente, puxou de lado a calcinha do meu biquini e ficou olhando por uns segundos.

- Que buceta gostosa – E passava a mão.

Quando ele caiu de boca, eu delirei. Começou nos lábios, lambendo devagar. A língua quente passeando por ali e a barba roçando tavam me deixando louca. Gemi alto e nem me importei com vizinhos. Depois ele enfiou a língua na minha xana, tirou e subiu até o grelo. Deu lambidinhas devagar, de cima até embaixo, e mamou meu grelinho.

- Se você ficar me chupando assim eu vou gozar agora.

Ele continuou e eu puxei ele pra cima.

- Senta aqui que eu vou rebolar pra você ver – falei.

Minha xana tava toda melada. Ajoelhei por cima dele, encaixei a cabeçona daquele pau na entrada da buceta e fui deslizando devagar. Ele gemeu gostoso.

Quando tava tudo lá dentro, comecei a rebolar devagarzinho. Juliano gemia e apertava minha bunda.

- Caralho, que mulher gostosa! Rebola nessa pica, vai, gostosa. – E me dava tapas na bunda. Eu rebolava mais forte e mais rápido a cada tapa que ele dava. Virei de costas pra ele e continue sentada na pica. Ele segurava na minha cintura e eu rebolava agora com a bunda virada pra ele, sentindo aquele caralho todo pulsando dentro de mim.

Juliano desceu uma mão no meu grelo e ficou dedilhando. Aquilo me deixou louca. Rebolei forte.

- Vou gozar no seu pau.

Ele não falou nada, só gemeu e começou a meter fundo em mim, enquanto eu rebolava gostoso já sentindo a xana pulsar. Gozei gostoso, gritei e ele me deu mais um tapa na bunda. Eu ainda tava gozando quando o pau dele começou a pulsar forte na minha xota. Senti a porra escorrer quente e apertei o pau dele com a buceta pra ficar mais gostoso. Ele gemeou. Cai deitada do lado dele na esteira. Ele suspirava forte.

- Deixa o resto da grama pra amanhã, Juliano. Hoje já rendeu demais.

Rimos.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.