"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Safadeza na mata, a origem do Lenhador


autor: Lenhador
publicado em: 11/06/17
categoria: aventura
leituras: 1899
ver notas


O Apelido Lenhador surgiu numa aventura à beira rio e em meio a muita sacanagem. Uma experiência única e bem guardada em ótima lembrança em uma boa fase de vida.

Diante da falta de lenha para o fogão olho desanimado para o machado, más resignado o pego junto com um pedaço de corda e saio em direção a uma mata próxima em busca de lenha que dure o final de semana todo. Apesar de viver em cidade grande gosto da vida na roça e me saio bem no árduo trabalho do campo.

Mergulhado em pensamento referente a semana corrida e cheia de desafios me dei cona que a vários dias não devorava uma bucetinha e só de pensar nisso meu cacete vibrava reclamando. Seria difícil conhecer alguém a ponto de rolar sexo casual, pois cidade pequena vira motivo pra fofoca bem rápido.

Seguindo, por uma trilha que daria num ponto do rio que virava uma bela cachoeira resolvi ir a mesma, pois o som é muito bonito. Sabendo que pelo horário a mesma deveria estar vazia me pus a caminhar pela, mas sempre atento para não me perder.

Ouvindo barulho de vozes e risos andei mais devagar e atento em meio a surpresa, pois pelo horário não era pra ter gente, mas pelas vozes eram apenas mulheres.

Parado atrás de uma arvore fiquei olhando três garotas nadando nuas. Duas morenas e uma loira que ficavam jogando água uma na outra e em alguns momentos trocavam beijos ardentes caricias nos seios.

Nunca me imaginei, sendo voyeur, mas a visão das três garotas nuas se bolinando e o fato de estar faminto de buceta me fez ficar apreciando aquela safadeza na mata e meu pau pulando na bermuda agradecendo a vista.

As morenas tinham cabelo comprido estilo índias e seios médios firmes bicudinhos, cinturas finas e pelos mergulhos apreciei varias vezes as belas bundas. A loira tinha físico mais estilo cavalona, pois uma bunda beirando 110cm se destacava perante as duas morenas.

Meu cacete a essa altura já estava enorme e tentando me convencer a pular na água e me acabar em meio as safadas, más fiquei olhando ao redor pra ver se havia mais alguém.

A loira saiu da água e deitou sob uma toalha com as pernas abertas e ficou acariciando os seios e masturbando a xana enquanto as morenas se beijavam dentro d´agua se esfregando. Me aproximei com cuidado da Loira, pois não podia fazer barulho. Fui brindado com os gemidos dela e pelo barulho provocado pela xana molhada e movimento dos dedos deveria estar ensopada.

Esqueci totalmente das morenas, pois reconheci a loira. Helen era filha de um fazendeiro da região muito ciumento da filha e sempre espantava quem tentava se aproximar dela. Com 19 anos ela mal participava das festas da cidade sozinha.

Saquei o cacete pra fora e nem precisei bater punheta, pois a cada gemido ouvido meu pau pulsava como se tivesse vida própria.

Fiquei tão entretido com a Helen que fui surpreendido pelas morenas.

_ Olha que cacete enorme Kelly. A frase me fez esquecer da loira na hora e olhar pro lado me deparando com as morenas sorridentes e nuas.

_ Eu quero em mim Lenhador. Comenta a outra se aproximando e acariciando meu pau sem um pingo de pudor.

_ Lenhador você parece muito gostoso topa curtir a quatro? Kelly era mesmo tremenda safada.

_ Dar conta de vocês duas? Pergunto me fazendo de inocente.

_ Correção nós três Lenhador. Me corrigi uma voz vinda de trás e ao me virar já sabia que era Helen se aproximando, mas não esperava ver ela nua.

Nessa altura o apelido de Lenhador já estava mesmo na boca delas.

_ Topa ai Lenhador. Stela era a outra morena safada.

_ Se você não topar conto pro meu pai que estava me olhando aqui na cachoeira. Helen nem fez mais rodeios.

Ferrou penso comigo e respondo que, topava más que não tinha camisinha. Kelly mal esperou em terminar de falar e estava de volta com camisinhas nas mãos.

_ Lenhador tira o cabaço da Helen. Kelly era mesmo desinibida e objetiva.

_ Cabaço? Pergunto olhando pra buceta rosada da Helen.

_ Sou virgem e nunca me deixam sair pra curtir. Quero sentir um cacete me rasgando.

Stela e Kelly ficaram ao lado dela a acariciando nos seios e as três me olhando de forma provocadora.

Não demora Helen fica corada e os mamilos pontudos. Acaba deitando no que Kelly se agacha pra ser chupada pela Helen que de pernas abertas é chupada pela Stela.

Tiro minha roupa e caio de língua na buceta e cuzinho da Stela no que ela solta um longo gemido.

_ Que língua gostosa Lenhador me devora. Stela era mesmo uma putinha.

_ Também vou querer oral depois Lenhador. Reclama Kelly.

_ Meninas o cacete é meu. Lembra Helen.

_ Vocês três vão acabar comigo. Falo cheio de tesão e elas dão risinhos safados.

Após Helen ter o primeiro orgasmo e estar bem safada mirei o cacete na entrada da buceta e comecei a foder devagar indo arrombando aquela bucetinha rosada e cheirosa. Kelly e Estela se apossaram dos seios de Helen e revezavam nas bolinadas do grelinho da Helen pra deixar ela louca.

Estourei o cabaço a atolei o cacete arrancando gemidos.

_ Nossa Lenhador você está me rasgando, por dentro, mas não para. Helen já estava mesmo tesuda apesar de meio dolorida.

Estela estava a nossa frente vendo a foda e se masturbando. Ao não ver Kelly olhei pro lado e a vi relando a buceta no cabo do machado. Essa visão me deixou com puta tesão e comecei a foder mais rápido a buceta inaugurada da Helen.

No que não demorou ela gozou tão forte que acabou ejaculando. Prestes a gozar saquei o cacete e derramei o leite nos seios dela a fiz chupar o cacete.

Fomos os dois pra água nos lavar. Kelly foi junto e Estela passou a rebolar com o cabo do machado enfiado na buceta.

_Lenhador recupera logo, pois você vai comer meu cuzinho e a Stela vai querer te provar também. Kelly já tinha tudo esquematizado.

_ Você me lenhou mesmo más gostei Lenhador. Helen me beija demorado e fica quieta sentindo a água acalmar o belo corpo de agora mulher deflorada.

Kelly se achega perto de mim começa a me beijar enquanto acaricia meu cacete. Começo a bolinar os seios dela num movimento hábil encaixo o cacete entre as pernas dela ela começa sarrar o cacete no que dou estocadas leves pra rolar na buceta.

_ Lenhador você é ótimo e gostoso me come. Kelly já não aguentava o tesão e ato continuo a elevo de forma que ela entrelaçou minha cintura com as pernas e a penetrei ali mesmo em pé dentro d´agua.

_ Aiaiaiaiai... Nunca fiz assim me devora meu Lenhador. Mordiscando os mamilos começo a socar o cacete cravado na buceta enquanto Kelly bolina o próprio cuzinho. Instante depois meu cacete já estava arrombando o cuzinho da safada. Comendo aquele cuzinho apertado fiquei olhando pra Helen se masturbando forte nos olhando. Na beira do rio Stela brincando no cabo do machado.

Como numa sintonia perfeita eu e Kelly gozamos juntos a deixo sentada dentro d´agua e me jogo ao lado pegando fôlego. Olhando pra Stela a vejo estremecendo e do nada soltou gemido forte num gozo tão profundo que ejaculou. Após largar o machado se juntou a nós na água se limpando. Pelos mamilos durinhos e olhar guloso notei de imediato o quanto era fogosa e mergulhei pra dar uma energizada no cacete pra logo ter a terceira foda.

Sentei-me ao lado de Stela e comecei a acariciar a nuca e os seios ao mesmo tempo. Ela estremeceu de prazer e me beijou de forma gulosa e ato seguido pulou pra cima de mim e já encaixando o cacete começou a cavalgar até sentir o pau todo na buceta. Kelly se posicionou atrás dela e passou a bolinar o cuzinho e grelinho de Stela. Helen se agachou na minha cara com a buceta aberta e atolei a linha e nessa putaria os quatro gozaram forte.

Continua...





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.