"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Desculpa tia, más vou te comer


autor: Lenhador
publicado em: 11/06/17
categoria: incesto
leituras: 6712
ver notas


Karen nem era minha tia de verdade, mas não tem explicação essa mania de pessoal das antigas e cresci tendo de obedecer apesar de termos quase da mesma idade, pois a diferença era de apenas três anos e ela era o tipo de tia que todo homem gostaria de ter, pois cabelo na cintura bem cuidado, olhos cor de mel, lábios carnudos, seios em formato de pera, coxas grossas, cintura fina e cheia de pelinhos dourados. No auge de seus 21 aninhos se tornou um mulherão.

Praticamente tínhamos a mesma idade e devido a crescermos juntos rolava sintonia a ponto de ela trocar de roupa perto de mim. Sempre que ia visita-los saiamos pela cidade e notava os olhares enraivados pro meu lado e fingia não notar, pois minha tia era muito cortejada e os tipos não suportavam ela estar acompanhada.

Após hamburger e dar uma volta na praça da cidade resolvemos andar mais um pouco devido ao frio a abracei. E ela se achegou junto a mim. Sensação gostosa sentir os seios durinhos roçando em mim e devido a sutian rendado fino dava pra sentir o bico do seio duro e me esforcei pro cacete não me deixar em situação constrangedora.

_ Nossa está frio aqui hoje. Comenta ela olhando a cidade do alto do morro.

_ Concordo Karen. E a enlaço pela cintura.

_ Onde você aprendeu a andar abraçado e ficar assim tão colado seu danado? Ela sorri me olhando.

_ Com amigas. Rio me fazendo de inocente.

_ Sei viu? Acredito. Ambos rimos e a abraço, por trás “protegendo” do frio enquanto olhávamos a noite estrelada.

_ Só trato bem as pessoas tia Karen. Sorrio e ela me acompanha.

_ Acredito viu sobrinho. Nada de segundas intenções comigo. Ela me da bronca com cara de “me come”, mas me comportei.

_ Vamos embora? Está ficando tarde. Comento olhando as horas.

Descemos abraçados devido a ventania e após 20 minutos grudado naquele corpinho perfumado chegamos na casa dela. A casa estava toda escura e um bilhete deixado na mesa nos deixou a par de que os pais dela tiveram de sair as pressas para acudir um parente na zona rural da cidade e dormiriam lá.

_ E agora? Comentou-a olhando pra casa toda a escura pensativa.

_ O que foi? Pergunto tentando saber o que ocorria.

_ Terei de tomar conta de você. Ela ri.

_ Não dou trabalho assim. Me faço de inocente.

_ Vou pro banho, caso você queira descansar tudo bem. Fala ela indo pro quarto pegar roupa.

_ Tudo bem! Vou ligar a televisão e ver se tem filme bom.

Ela saiu andando e acompanhei o gingado do quadril cobiçosamente. Admito que já bati varias punhetas cobiçando aquela buceta, cujo o formado via varias vezes através das calcinhas transparentes. Ela ria do meu olhar e mesmo assim trocava de roupa perto de mim.

Após o banho meio demorado a qual estranhei ela saiu enrolado na toalha e ao ver que eu estava no sofá foi pro quarto.

Após 20 minutos e nenhum sinal dela me levante descalço e fui percorrendo o corredor até parar em frente ao quarto da Karen. A porta estava entre a aberta e fiquei olhando ela passar óleo no corpo nua em frente ao espelho. Terminando de passar ela abriu as pernas e com as mãos começou a acariciar os seios, mamilos e alternava chupando os dedos e mergulhando na bucetinha. Começou a rebolar com a buceta, sendo bolinada e essa visão me fez ficar tesudo. Sem pensar muito abri a porta devagar e me aproximei. Abracei ela, por trás e comecei a mordiscá-la no pescoço.

_ Safado você me deixou tesuda La no monte. Ela se vira e me beija

_ Desculpa tia, mas vou te comer. Vou direto a ponto.

_ Me come sobrinho. Consente ela de forma safada acariciando meu pau.

A faço apoiar o espelho e deixo o cacete roçando no cuzinho, buceta e grelinho. Enquanto uma das mãos acaricia os seios da safada e a outra bolina o grelinho numa sintonia que ela ficou ofegante bem rápido.

_ Que isso seu safado. Você me está me deixando louca. Murmura ela.

Mergulho dois dedos na buceta e a faço empinar a bunda. Nessa posição sendo bolinada e rebolando logo ela goza e se abaixa pra fazer um boquete em agradecimento a boa gozada.

Com língua faminta de pica ela faz movimentos circulares na cabeça do meu pau e sai movendo a língua até minhas bolas pra chupa gulosamente. A puxo pra perto da cama e sentado a coloco sentada no meu colo de frente pra mim e já com o cacete enterrado na buceta.

Bem safada ela rebola esfregando os seios em mim enquanto trocamos caricias ousadas e palavras recheadas de putaria até num movimento de pura safadeza a ponho de quatro na beira da cama atolo o cacete na buceta, puxo o cabelo dela e enfio um dedo no cuzinho da tia vadia.

Não demora ela começa estremecer com vários orgasmos.

_ Primeira vez que gozo assim. Comenta ela deitada no meu lado olhando meu pau duro, pois ainda não tinha gozado.

_ Você então foi mal comida tia. Sorrio.

_ Come meu cuzinho? Sou louca pra fazer sexo anal. Pedi ela acariciando os seios.

_ Lógico que como. Sempre disposto a boa foda arreganha a buceta da Karen e saio lambendo buceta e cuzinho preparando pra foder. Miro em seguida a entrada e começo a penetrar devagar até o cacete estar pela metade espero um pouco e começo a mordiscar os seios e mamilos dela em puro reflexo de tesão ela começa a rebolar e vou enfiando mais cacete até que com boa parte já penetrada dou estocadas ritmadas no cuzinho no que ela rebola e começa a gemer. Guio as mãos dela pro clitóris e ela começa a se masturbar de tal forma que acaba ejaculando e eu atolo o cuzinho dela de porra.

Me jogo ao lado dela e ficamos abraçados esperando nossos corpos votarem ao normal.

Continua





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.