"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Dois amigos gays que aproveitavam bem to


autor: kaplan
publicado em: 14/06/17
categoria: gays
leituras: 1665
ver notas



(escrito por Kaplan)

Tenho amigos gays, não sou preconceituoso. Também tenho amigas lésbicas, bissexuais e até trans. Ser amigo não significa que temos de ter relacionamento sexual. Meg adorava homens e mulheres. Eu já prefiro só as mulheres. Questão de inclinação. Acho eu. Mas não importa.
Um dos meus amigos gays, Luis, volta e meia me conta de suas aventuras. É um cara muito engraçado e não tem pudor algum ao relatar as cenas com os namorados ou amigos.
Outro dia ele esteve aqui e, pra variar, cheio de histórias para contar. Está com um novo namorado, Adônis (achei que isso não era nome e sim um adjetivo que ele criou para não me revelar a identidade do namorado. Bobagem dele, mas...)
Me falou que o Adônis tem um pinto maravilhoso. Grande, mas não a ponto de incomodar, encaixava-se muito bem nas áreas que lhe estavam reservadas, entenda-se: a boca e o ânus do Luis. E era tanto passivo quanto ativo.
- Eu sempre fui passivo, Kaplan, você sabe disso porque nunca lhe falei o contrário. Mas, um segredinho: de vez em quando me baixa uma vontade de comer além de ser comido. Nunca pude colocar isso em prática, porque todos os namorados que tive não eram passivos como eu. O que me encantou no Adônis foi justamente isso, ele gosta tanto de enfiar como de receber...
Eu descobri isso um dia em que ele foi lá em casa e nos amamos maravilhosamente. A gente faz igual você faz com suas mulheres... sempre tem as preliminares, com muita pegação, beijos e, principalmente, boquetes. Já te falei que você devia experimentar fazer um boquete um dia, você vai adorar e vai querer sempre!
Mas deixa eu contar. Assim que ele chegou, me encontrou nu, porque dentro de casa não ponho roupa mesmo... e não estou nem aí se as janelas ficam abertas e alguém me ver. Pois então, eu estava nu e ele, ao me ver, sorriu, e ele tem um sorriso lindo, sorriu pra mim, me abraçou e me beijou.
Falou que tinha uma surpresa pra mim. Adorei, mesmo sem saber o que era. E logo ele me mostrou, tirou a roupa, de costas pra mim e quando virou... eu vi a surpresa! Ele tinha se depilado todo... estava com o corpo lisinho, e o pinto, então, sem nem um fio de cabelo, porque cabelo demais às vezes atrapalha, sabe como é, entra na boca da gente, eu até já engasguei uma vez...
Sabe como eu agradeci, não sabe? Beijei o pinto dele todo, a virilha lisinha e fiz um boquete para fazer o pinto dele virar um galo... duro como pedra!
E aí eu já quis experimentar, tratei de sentar no pinto dele e sentir aquela coisa dura me rasgar tudo, nossa, foi ótimo.
- Ah, Luis, deixa eu te perguntar uma coisa, me falaram e eu não sei se é verdade, você pode me esclarecer. Quando o seu namorado enfia, o seu pau endurece? Isso é normal, entre vocês?
- Normal é, meu querido, tudo é normal. Bem, eu confesso que sempre fico com o meu pinto bem excitado quando recebo o dos meus namorados. Mas não sei se com todos isso acontece, nunca perguntei. Comigo e com o Adônis é batata... sempre acontece, o dele também endurece bastante quando é a minha vez de comer.
- Ok, era só uma curiosidade, continue o seu caso.
- Pra que que eu estava te contando isso? Ah, é, pra te falar do dia em que descobri que ele era ativo e passivo. Então foi isso, ele cumpriu o papel dele de ativo, eu fiquei feliz, ele também. E depois que tomamos um banho que eu quase afoguei quando chupava o pinto dele, imagina, só eu mesmo né? depois do banho a gente foi pra cama, ficamos conversando e ele me perguntou se eu já tinha sido ativo com alguém. Eu fui bem honesto, não gosto de mentiras nessas horas!, falei que já tinha tido vontade, mas nunca acontecera. Daí ele me questionou se eu queria tentar com ele, porque ele gostava de ser passivo também. Menino, quase caí do céu!
Aí ele me fez um boquete e quando viu que eu já estava bem no ponto, virou o bumbum pra mim e falou para eu aproveitar. Nossa... eu tremia de emoção, até achei que não ia conseguir, mas consegui e ainda pude pegar no pinto dele e ver que ele ficava duro sim... foi um gozo divino o que eu tive. De lá pra cá, a gente sempre reveza, e é muito bom, sempre.
Ontem, adivinha onde ele me levou? Não vai adivinhar... me levou num motel. Eu quase bati nele, pra que gastar dinheiro com motel, se eu tenho o meu apê... mas ele disse que eu merecia esse presente.
Foi bom demais, Kaplan. Estou ficando repetitivo, não estou? Eu sempre falo que foi bom demais... mas é porque foi mesmo. Transar num motel tem um quê de diferente... eu me vi naqueles espelhos, vi o pinto dele entrando em mim, vi o meu entrando no dele... é maravilhoso... eu devia fazer um filme para mostrar pro mundo inteiro!
Então é isso, meu querido, estou de namorado novo e este é o máximo... espero que nunca acabe!




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.