"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Renata


autor: boavida
publicado em: 16/06/17
categoria: hetero
leituras: 418
ver notas


Subi e ela esperava na porta. Trocamos olhares e sorrisos. Abriu a porta deixando o seu corpo na passagem, entrei levando-a no meu braço. Agarro o seu corpo, rodo-a como se fossemos dançar. Pôs as mãos na parede e afastou os pés, ajoelho-me entre as suas pernas, subo as mãos por baixo do seu vestido, ao longo das suas coxas até agarrar a bunda. Tiro a sua calcinha e fico naquela meia-luz a ver o seu corpo.


Novidade, depois de tanta conversa virtual, era o momento de nos tocarmos. Ainda não tínhamos aberto a boca, somente era audível a nossa respiração cada vez mais ofegante. O tempo parecia ter parado, mas na realidade nem um minuto ainda tinha passado, desde a minha chegada. Parecia um sonho, finalmente toco no corpo da Renata, ela existe, está aqui entre as minhas mãos.


Levanto-me deixando cair as calças, toco a sua pele das costas, por baixo do vestido, nada vejo, somente sinto como é macia. Toco com o meu sexo nas suas nádegas, dobro o meu corpo para pousar a cabeça nas suas costas, beijo-a em cima da roupa. Deslizo as mãos para o seu ventre, toco o seu sexo, umido, o meu sexo lateja. Levo os dedos molhados aos meus lábios para sentir o sabor do seu sexo, com a outra mão conduzo o meu sexo para tocar no dela. Recebe-me como se estivesse desejosa de me sentir. Inicio movimentos ritmados de entrar e sair logo de seguida, agarro os seus seios sobre o vestido. Movimentos fortes e ritmados, longos e lentos, carinhosos, e, violentos quando menos espera. Queria poder parar o tempo e ficar ali, quieto dentro dela. Toco-lhe no sexo outra vez, sinto o seu cheiro e lambo os dedos. Tenho o sabor do seu sexo na minha garganta, queria sentir os seus lábios nos meus.


Quis dizer: Desejo ouvir-te! Mas nada faço, retomo o meu movimento, mais rápido e volto a parar, saio e volto a entrar. Ouço o meu sexo a mover-se dentro dela. Sinto os movimentos do corpo da Renata a apertar o meu pau e as nossas respirações muito ofegantes, sinto-me flutuar e com um ai prolongado venho-me. Sinto falta de ar e as pernas a tremer. Paramos cinco segundos, soltou a parede e o meu sexo, rodou e ficamos abraçados, ainda em silêncio até às nossas respirações se acalmarem. Agarrou a minha mão e convidou-me para uma ducha fresca, finalmente nus observando os nossos corpos, como adolescentes, extasiados por aquela novidade.


Fechada a água, Renata atirou-me uma toalha enquanto se embrulhava noutra. Ainda eu limpava a face e já ela me agarrava a mão, conduzindo-me até junto da sua cama. Sentou-se, ficando eu em pé, com o meu sexo bem perto da sua boca. Ela procurou os meus olhos e sorrimos.


- Quero mostrar um segredo, só para ti e que vais guardar para sempre!


Sem esperar uma resposta, puxou uma caixa debaixo da cama e abriu, era um pequeno tesouro... Muitos brinquedos, de vários tamanhos e cores, alguns quase nem dava para imaginar como funcionavam e outros metiam medo tal era o seu tamanho.


- O meu preferido é este!


Disse Renata, pegando numa coisa enorme, de cor azul. Tinha vergonha de comparar o meu sexo com aquela... sei lá o que posso chamar aquilo! ARMA?! Renata levou uma ponta à boca e começou a lamber e a enfiar na boca, olhando-me nos olhos e sorrindo:


- Ajudas-me?


Eu sem saber bem o que fazer, estava excitado com toda aquela cena. Ela deitada e com as pernas abertas, de joelhos levantados, começou a enfiar aquele big pau na xaninha, bem devagar, deitou a cabeça na cama e suspirava. Via aquela face de prazer e o meu sexo estava cada vez mais entusiasmado. As suas mãos começaram a dobrar aquele brinquedo azul para entrar também no seu cuzinho. Percebi o que ela queria e conduzi aquela ponta enorme para o buraquinho. Estava difícil de entrar, deixei cair saliva e tentei outra vez. Começou por ser difícil mas depois, foi engolido! Não percebia como aquele corpo conseguia esconder tanto azul.


Parecia algo sem fim, o brinquedo saía de um buraco da Renata e entrava no outro, ela de olhos fechados e a língua a passear nos seus lábios dominava o prazer. Acariciei-lhe uma perna, agarrei o seu pé e comecei um percurso de beijos, mas quando passei o joelho, senti a sua mão a puxar o meu cabelo, querendo levar o meu corpo para junto dela. Ainda vejo a sua outra mão a brincar com aquela coisa enorme perdida na sua buceta e no cu, parecia que Renata fazia ginástica com o pulso, para a frente e para trás. Fixei os seus olhos e Renata estava a olhar para mim, enquanto me puxava. De joelhos junto dela, largou-me o cabelo e pegou no meu sexo, bem duro e começou a punhetar. Passou a língua na cabeça do meu pau, e encostou os seus lábios como se quisesse dificultar a minha entrada naquela boca. Sentia a sua língua a acariciar a cabeça do meu sexo, e, num só movimento estava a tocar no interior da sua garganta. Queria sair dali mas estava a ser sugado, sentia a sua vontade de me engolir todo, rodo ligeiramente a cabeça e fico a ver o movimento da sua mão a conduzir o brinquedo azul para dentro de cada buraquinho, cada um por sua vez, cu e xaninha. Ainda aguento um pouco mas nunca é quanto quero e venho-me na sua boca, bem no fundo da sua garganta. Acabamos por adormecer bem agarrados depois de trocar beijos com sabor e cheiro ao meu esperma.


Acordo com Renata a cavalgar em cima do mim, e diz que quer uma rapidinha no meio da noite para depois ficar a sentir o meu pau a voltar ao seu tamanho normal. Deixei-me ficar deitado a ver o movimento dos seus seios enquanto me comia. Começou a diminuir os movimentos de subir e descer, e tremeu apertando muito o meu sexo. Abriu os olhos, sorriu e eu pedi para ela continuar enquanto lhe acariciava as coxas e comecei a brincar com o seu grelinho.


- Por favor, continua!


Não precisas de repetir, respondeu a Renata, sorriu e recomeçou a mexer-se para cima e para baixo, movimentos firmes e ritmados, mais rápido, para começar a ser mais lento e de repente muito rápido, e a falta de ar e o aperto que sinto no meu sexo foi o necessário para explodir dentro do seu sexo. Ficamos quietos depois de ela se deitar sobre mim. Imóveis, de corpos bem colados, a sentir as batidas do coração do outro. Sinto o meu pau a diminuir de tamanho e sinto o meu líquido a escorrer na minha pele.


- Hoje, vamos jantar com um casal amigo muito louco que eu quero que conheças. Disse a Renata. Eu posso cozinhar! Respondi. Ela riu, mas não se mexeu de cima de mim.


Não há fim para esta história, por sorte haverá mais sexo, fodas sem fim e sempre sem repetição de posições e com muitas surpresas. Nesse mesmo jantar com o casal amigo aconteceu… Bem, vou contar noutro texto este já vai muito grande, até breve.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.