"Os mais excitantes contos eróticos"

 

91-Poliamor entre mãe e filha–1ªpart


autor: Bernardo
publicado em: 29/07/17
categoria: hetero
leituras: 1463
ver notas


Poliamor é a definição de um tipo de relacionamento simultâneo entre três ou mais pessoas ao mesmo tempo e com o conhecimento de todos. Relato a seguir, a primeira de quatro partes, para não ser prolixo e enfadonho, a história de Isabela e da sua mãe Nancy. As duas amam o mesmo homem e convivem maravilhosamente com essa realidade de comum acordo formando um novo modelo de família alegria e feliz.

Primeira de quatro partes

Isabela tem vinte e dois anos, é morena, tem cabelos até os ombros, olhos verdes, rosto delicado, boca com lábios grossos e grande, que dá para abocanhar uma rola bem grossa, seios médios e durinhos, pernas bonitas. O que mais chama atenção nela é a sua bunda empinada e redondinha, segundo opinião de quem já provou. Ela tem 1,72 de altura e 60 kg. A sua mãe também é morena, corpo proporcional ao da filha, bem delineado aos seus quarenta e dois anos, com uma bunda bem arrebitada que tira os suspiros dos homens por onde passa. Quando as duas estão juntas parecem duas irmãs bem gostosinhas.

Isabela já foi casada e após a separação foi morar com a mãe, mesmo que agora tenha reencontrado o Artur, que foi seu namorado de vinte anos atrás, seu grande amor, e, de vez em quando, ele passa um bom tempo junto com ela. Ela ainda não decidiu de assumir a relação: um dia trepa com ele até ficar acabadinha e no outro dia o evita alegando que está toda dolorida.

Outro dia Isabela ouviu a mãe dizer para o Artur que não lembrava que sua rola pudesse ficar tão longa e grossa - a cabeça parece um cogumelo - ela disse isso e Isabela, por perto, escutava curiosa, louca de vontade de estar no lugar da mãe. Ela parecia muito satisfeita com Artur, ao contrário de Isabela, que se casou aos dezoito anos e teve uma grande decepção com seu ex-marido. Até a sete meses era o único que a comia, e ela achava ser a mulher mais feliz mesmo quando seu ex a mandava deitar ou ficar de quatro, afastava sua calcinha para o lado sem mesmo deixar que tirasse a roupa e fazia sexo com ela. Quando começava a meter depois de três ou quatro minutos já gozava e logo em seguida caia de lado, deixando-a insatisfeita e louca de raiva.

Para apagar o seu tesão ia para a sala, sentava no sofá, colocava dois dedinhos na racha e dois no cuzinho e se masturbava imaginando um macho comendo-a por atrás e outro na frente e gozava deliciosamente, e depois ficava dormindo no sofá até madrugada quando voltava para cama sem que o seu seu ex percebesse a sua ausência.

Mas depois de um tempo ela notou que o seu ex-marido começou a mudar, não queria mais sexo com ela e muito menos a deixava fazer o que ela, Isabela, mais adorava: chupar e mamar na sua rolinha. Em quatro anos de casada ele só penetrou no seu rabinho cinco vezes, ainda porque ela implorou muito. A sua decepção é que ele tem uma rolinha fina e pequena e ela já vivia sonhando com um macho de rola grande e grossa que a enrabasse e a comece gostoso, fazendo-o gemer de prazer, como uma égua no cio.

Um dia, chegando em casa mais cedo, surpreendeu o seu lindo maridinho com seu amigo de serviço. Os dois estavam pelados na cama de casal, e o seu maridinho vestido com a saia branca de Isabela, bem curtinha e uma calcinha amarelinha e seu top vermelho. Como ele não tem pelos no corpo parecia uma mocinha, mamando na pica do amigo com muita gula. O colega dele tem uma bela pica média e ela ficou atrás da porta para ver a sua “mocinha” ser comido, pegou o seu celular e começou a filmar tudo. Aí a sua “mocinha” se posicionou de quatro para seu amigo, que começou a massagear seu rabinho com gel, e logo passou bastante gel na sua pica e foi penetrando no rabinho da ‘mocinha’. Entrou tudo e fácil, e depois de uns 15 minutos gozaram juntos entre gemidos de prazer em que a “mocinha” dizia:

- Você é demais e me faz gozar muito gostoso. Me fode gostoso, vai meu macho, eu quero ser sua, meu amor. Quero ser sua putinha. Vem me deixa lamber esse pau gostoso – e enquanto ele se virava para mamar o cacete do amigo Isabela saiu e voltou mais tarde sem dizer nada.

Três semanas depois, ela mostrou o vídeo para o seu ex-marido. Não brigou com ele, só falou:

- Segue sua vida e seja feliz.

Já instalada na casa da sua mãe a sua vida mudou muito com a vinda do Artur, namorado da mãe, que foi passar algumas semanas na cidade onde elas moravam, para tratar da transferência do seu serviço. Por insistência de Isabela e muito mais da sua mãe, ele resolveu ficar na casa delas e assim que chegou depois de se alojar no quarto da sua mãe, ela pode observar um brilho novo nos seus olhos que ao sentar-se em sua frente se insinuava para o Artur abrindo bem as pernas e mostrando sua calcinha enfiada na buceta sedenta para levar pica.

Ela estava de mini saia, sem calcinha: é seu costume quando está em casa. Pensando nas palavras da mãe, abriu as pernas e ficou um bom tempo mostrando a racha para ele, que logo começou a lamber os lábios revelando todo seu desejo e demonstrando ter entendido as suas verdadeiras intenções.
No segundo dia sua mãe metia com ele dando uns gritinhos baixinho, pensando que ela estivesse dormindo. Sua mãe nunca escondeu que é uma mulher sedenta para ser possuída. Durante vinte anos teve vários homens, mas nenhum a fez esquecer o Artur, inclusive o seu pai.

Isabela ouvia seus gemidos e frases, por horas no quarto, tais como - "você é o homem da minha vida", "eu te adoro", "eu te admiro", "você é perfeito para mim"...aiiii delicia.... Isso é tããão gostoso! - e ficava imaginando ser ela no lugar da mãe, tendo que se acabar nos seus dedinhos até gozar.

Isabela, estava ficando alucinada, já estava sentindo paixão e tesão pelo namorado da mãe e louca para dar para ele. Estava próxima de um macho lindo, que comia sua mãe tão gostoso ao lado do seu quarto. Ouvia ela dizendo:

-Isso meu querido, coloca tudo no meu cuzinho e sinta o calor dele, ui ai que rola grossa que me enche de prazer!

Ela estava decidida e percebeu que o Artur é viciado em traçar um rabinho e pensou - o meu também vai ser dele! Quero sentir o prazer que minha mãe acolhe no seu rabinho!

Na noite seguinte ela escuta a mãe suspirando no seu quarto, e chega de mansinho e ao ver a porta entreaberta se aproxima e vê o Artur chupando a boceta da sua mãe, que gemendo gostoso. Em seguida ele coloca o seu enorme cacete duro na boca dela. Isabela imaginou ter mais de vinte e três cm de extensão. A mãe chupa com uma ganância de onça. Ela segura o cacete com as duas mãos e ainda sobra um enorme pedaço.

Depois disso, com o pau do Artur bem molhadinho, ela fica de quatro e o Artur começa a enfiar seu grande caralho em sua boceta com vontade, atochando até o saco. Ela diz:

-Vai devagar, está doendo - mas ele não deu ouvido, deu dois tapas em sua bunda e foi socando mais forte. Ela rebolou na sua rola gemendo de prazer e gozou muito.

Depois tirou a rola da sua racha que ficou toda dilacerada e direcionou a enorme cabeça de cogumelo – como ela diz – na entrada do seu cuzinho, e falou:

-Amor come o meu rabinho do jeitinho que eu gosto!

Isabela ficou abismada e pensou - será que ela vai suportar esse cacete enorme e grosso? Artur rápido passou um gel na sua rola e no cuzinho dela e começou a meter sua rola bem suave, e ela ia ajudando empurrando sua linda bunda para trás de encontro a sua tora, que entrou fácil até o talo.
A mãe ficou rebolando, indo e vindo com sua bunda para frente e para trás, sentia nela o prazer de dar a bunda. Não demorou muito para ela gozar loucamente, dizendo:

- Que rola gostosa você tem, querido - depois ele gemendo diz:

-Vem cabritinha que eu quero gozar na sua boca! - ela fica de joelhos na cama, e recebe toda sua porra deliciosa, e continua mamando igual uma bezerra.

Ela fica linda chupando e limpando sua rola com a língua, enquanto ele se abaixa e a beija na boca saboreando as últimas gotas de porra que havia ficado na boca dela. E Isabela, atrás da porta goza com ajuda dos meus dedinhos.

Isabela já se sentia apaixonada pelo Artur e queria sentir todo o prazer que a mãe sentia quando esta trepando com aquele lindo macho, mesmo que isso causasse um desconforto entre elas. Certo dia sua mãe a surpreendeu dizendo que iria viajar à trabalho e ficaria ausente uma semana, já lhe dizendo que era para ela fazer almoço e janta. Ela já tinha percebido o carinho e interesse de Isabela pelo Artur e se despediu dela dizendo:

- Dá para ele toda sua atenção, e o que ele mais gosta! E use bastante gel! - sorriu para filha e ainda disse - além de mãe sou sua amiga, sempre.

A história continua, em breve a segunda parte…

**************************************************

Se você gostou desse conto, compartilhe com todas as pessoas que você conhece. Elas vão te agradecer e seja a/o primeira/o a comentar e a dar uma nota, é rápido e fácil, e é sempre importante ter o seu voto, mas também saber o que você acha do conto que leu. Seu comentário me ajudará a escrever cada vez mais e melhor para aumentar a sua libido e fazer você gozar cada vez melhor. Se desejar entre em contato pelo Skype: bernard.zimmer3; e-mail: bernard3320@live.com; WhatsApp: 11944517878




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.