"Os mais excitantes contos eróticos"

 

No banheiro da boate


autor: Sam_Hennessie
publicado em: 03/08/17
categoria: lésbicas
leituras: 3303
ver notas


Há um certo tempo atrás, meus amigos me convenceram a ir a uma boate. Nunca gostei dessas coisas, muito barulho, muita gente, muita luz, que loucura. Eu era mais de ficar em casa, ir num shopping, ou num parque. Mas tanto me perturbaram, que eu fui.

Chegando lá, me senti um pouco fora do lugar. Era realmente muita informação pra mim. Porém, meus amigos estavam se divertindo horrores. Fiquei lá, meio que viajando, quando meu olhar parou no olhar de uma bela garota. Loira, cabelos lisos. Um belo par de olhos azuis que pareciam não se intimidar ao cruzar com os meus.

Desviávamos o olhar por alguns segundos, mas logo voltávamos a nos encarar. Meus amigos já estavam perdidos pela balada e eu sozinha, não resisti. Comecei a caminhar em direção àquela garota. Ela, me vendo indo ao seu encontro, começou a caminhar como se fugisse de mim. Apertei o passo, passando t=entre as pessoas dançantes. A garota dava leves olhadas pra trás, com sorrisos provocantes. Até que entrou no banheiro feminino. Entrei logo em seguida. Uma das cabines estava entre aberta. Era um convite.

A cabine era apertada, mas o suficiente pra caber nós duas. Quando entrei e bati a porta atrás de mim, aquela garota me olhava faminta, sexy, com os olhos ardendo por sexo. Ela veio em minha direção. Sem perguntas, sem demora, sem medo nenhum! Trocamos um beijo intenso e quente. Nossas línguas passeavam em nossas bocas. Os corpos se esfregando e as mão apalpando uma a outra.

Virei ela e prensei contra a porta, beijei seu lindo pescoço escutando ela suspirar baixinho. Sentei sobre a tampa da privada e a chamei com o dedo indicador. Ela subiu sobre mim eu abaixei sua blusa, tomara que caia. Lambi aqueles peitos maravilhosos. Suguei e chupei gostoso. Naquele momento sua minissaia já estava na cintura. Acariciei sua boceta ainda sob a calcinha. Ela se levantou e voltou a encostar na porta. Eu ajoelhei no chão, ela abriu as pernas e puxou a calcinha de lado. Meti a língua naquela xaninha molhada. Que gostinho maravilhoso. Lambi ela com um baita desejo. Quando parei, ela se ajoelhou. Abriu minha calça e desceu a desceu pelas minhas pernas, junto com minha calcinha. Ela tirou minha peça de roupa e eu só sentei novamente sobre a privada e abri as pernas. Que língua! Aquela garota me chupava loucamente, eu tapava a minha boca pra não gemer alto. Mas com a outra mão segurava sua cabeça, me certificando que ela não pararia de me chupar, era incrível. Sua linguinha chegava a fazer barulho, estalando meu clitóris. Não aguente e gozei forte, segurando a cabecinha dela com as duas mãos... aquela garota não tirava os olhos dos meus em momento algum.

Me vendo desfalecida, ela pegou minha calça e me vestiu. Levante e desperdiçamos mais alguns momentos nos beijando. Até que, de repente, ela saiu pela porta. Corri para alcançá-la, mas fora do banheiro, a perdi na multidão. Nunca mais a vi. Fiquei apenas com a lembrança da sua língua em minha boca e em minha boceta.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.