"Os mais excitantes contos eróticos"

 

COMI O CUZINHO ANTES DE GANHAR


autor: Carlos
publicado em: 13/03/15
categoria: hetero
leituras: 10507
ver notas


Sou o Carlos, comerciante, casado com Marcia, 36 anos, loira natural, 1,67m, rostinho de menina, e a mãe de nossas duas filhas.
Na época de namoro, tínhamos um romance cheio de fogo, com beijos molhados e eu sempre tentando um ¨algo mais¨. Pela formação religiosa rígida, ela não dava mole e eu acabava indo embora com o cacete duro, me aliviando com punhetas.
Ela era mesmo duro na queda. Só depois de casados, muito tempo depois, me contou que um ex-namorado tinha mamado nos peitos e até gozado em suas coxas. Depois que noivamos, Marcia cedeu um pouco mais.
Minha sogra exigia que ela ficasse virgem até a noite de núpcias. Que perder o cabacinho era risco de engravidar. O jeito era ficar nos amassos, passando vontade.
Nas poucas chances que tínhamos, eu tirava o pau para fora, mostrando o quanto tarado estava. Demorou para ela pegar nele e depois me masturbar. Mais ainda para fazer um boquete.
De minha parte, com muita paciência, consegui colocar a mão na xoxota, boliná-la e não passava disso. Até o dia em que ficamos a sós em sua casa. Meus sogros viajaram e sem os irmãos dela saberem, dormi em seu quarto.
Fizemos um 69 gostoso e tentei meter. Meu plano era ficar esfregando a pica na entradinha e consumar a penetração. Ela não deixava meu pau se aproximar da perseguida de jeito nenhum. Acabei desistindo.
Ficamos deitados com eu atrás, de conchinha. Não conseguia dormir. O pau estourando de duro. Tirei a cueca, abaixei sua calcinha e tentei meter nas coxas. Sentir aquela bunda empinada encostada no ventre me fez fantasiar um anal.
Comecei a escalar o rego com a ponta da vara. Foi quando surpreso, senti que ela rebolava, procurando ajustar a entradinha do cu com minha rola. Tentei meter e não entrava. Inexperiente, passei cuspe e não adiantou.
Lembrei de um filme onde o cara enraba a mulher com manteiga. Sem fazer barulho, fui na cozinha e peguei o pote de margarina. Untei bastante no pau, limpando os dedos nos pentelhos, de tão apressado.
Deitei por trás de novo e lambuzei todo o rego dela ao procurar o anelzinho. Até hoje não sei se ela estava sonolenta, porém, com a mão ela guiou a piroca até o ponto exato. Coincidiu com a empurrada que dei, com a cabeça entrando.
- Áiii!
Marcia desengatou apressada, agora totalmente desperta. E eu parecendo um cachorro tarado, tentando meter de novo.
- Para, amor. Dói muito!
- Tá bom, Marcia. Então deixa eu meter na frente, deixa. A gente vai casar logo, pô!
- Ali não! Sabe que não, né? Espera mais um pouco.
- Pô, Marcia, olha como estou. Vai, deixa então eu meter atrás. Vou fazer bem devagar, tá bom? Olha, só um pouquinho, tá?
- Não, amor, aí dói.
- Só um pouquinho, Marcia, deixa, eu faço com cuidado, eu juro! Só um pouquinho!
Resignada, pegou nele e posicionou no lugar. Prevenido, desta vez segurei firme seu quadril e empurrei. A rola entrou a cabeça e um pouco mais.
- Áiii, para, tá doendo!
Parei. Logo ela parou de debater. Percebeu que a dor não era tanta assim. Relaxou os músculos anais, a ponto de dar umas contraídas, ¨explorando¨ o cilindro de carne invasor e avaliando as sensações desconhecidas.
Comecei devagar o vai e vem, indo cada vez mais fundo dentro dela. Até que entrou tudo. Como reclamava a cada avanço, perguntei:
- Está doendo?
- Um pouco...
- Dá pra aguentar?
- Dar dá, mas, devagar amor, devagar tá?
E pouco a pouco fui aumentando o ritmo e velocidade. Logo fui bombando com vontade e força total. Sentindo um prazer enorme de estar metendo naquele buraquinho quente e apertado.
Ela gemia, soltando gemidos de ¨ahh, ahh, ahh¨ a cada socada. Senti que o gozo estava vindo. Acabei soltando porra e mais porra, enchendo o cuzinho dela. Quando tirei, vi o buraco arrombado por onde escorria minha gala. As pregas tinham sumido!
Agradecido, beijei com amor seu pescoço, na altura da nuca. Depois daquela vez, o anal entrou em nosso cardápio, com ela dando gostoso muitas vezes.
Ela casou tecnicamente virgem. O hímen foi finalmente rompido na nossa primeira noite como marido e mulher. Quem poderia imaginar que dezoito anos depois, ela se tornaria na coroa safada que é hoje.
Apenas um detalhe ficou como uma pulga atrás da minha orelha. Desconfio que não fui o primeiro a enrabá-la. Acho que antes do que eu, alguém já tinha visitado o cu dela. Algo que a Marcia sempre negou...







ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.