"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Atiçando uma tímida


autor: Lenhador
publicado em: 07/09/17
categoria: casual
leituras: 1432
ver notas


Dani era uma ruivinha de porte mediano e físico invejável, pois cada centímetro parecia ter sido feito de forma artesanal, pois não era magra e nem sarada aos 22 anos transpirava sensualidade, simpatia e sempre cheirosa.

Quadril largo, sendo sustentado por belas pernas torneadas, seios em formato de maça com mamilos rosados e muito sensíveis. Os lábios carnudos davam imenso charme aos olhos esverdeados.

Mesmo sendo uma garota tão encantadora Dani era muito tímida. Só em receber olhar ficava vermelha e desviava os olhos.

Sempre que precisava de óleo pra massagem, perfume ou creme hidrante ligava na loja e pedia pra falar com ela. Nisso começamos a ter mais contatos e graças a um app de mensagens aos poucos surgiu muita afinidade.

_ Olá Dani alguma novidade esse mês? Envio mensagem bem breve

_ Oi querido tem sim. Responde

_ Passo no final do dia, mas vai me atender? Pergunto

_ Lógico, pois você não pode comprar com outra pessoa. Intima ela

_ Ciumenta. Rs... Provoco

_ Homens... Rs...

_ Mulheres... Passo após as 18hs. Reforço

_ Te espero. Concorda ela

Passo o dia todo mergulhado no trabalho que só me dei conta sobre passar na loja de perfumes as 17:30 e por nada iria dar bolo na ruivinha que me atendia tão bem. As 18hs em ponto estava na loja sendo atendido com um sorriso largo e bem cativante.

_ Ganhou ponto comigo ao ser pontual meu cliente vip. Elogia-a após o aperto de mão.

_ Não gosto de atrasar quando marco com você. Respondo e aspiro o perfume suave emanado pelo corpo esguio. Dani fica perfeita no uniforme e a saia preta justa me desperta tanta sacanagem que o cacete se comporta com muito custo.

_ A chata da gerente está na minha cola então não posso conversar muito. Informa ela.

Olho ao redor e me deparo com uma quarentona de olhar autoritário fixo pro meu lado. Sustento o olhar e dou uma piscada no que ela desvia o olhar e sai de cena. Dani percebe e sorri alegremente.

_ Pronto resolvido o problema. Sorrio

_ Você tinha de vir aqui todos os dias. Ela implora

_ Você nunca me da amostra grátis. Jogo indireta

_ Engraçadinho. Ela ri

Escolho o que gostei e após pagar a olho sabendo que daí a pouco ela terminaria a jornada de trabalho.

_ você ficaria chateada se te convidasse pra comer pizza, hamburger ou cachorro quente? Estou com fome e adoraria ter sua cia. Convido fazendo cara de bom rapaz.

Ela fica vermelha e faz cara pensativa e declinava em não aceitar.

_ Aceito se você prometer se comportar. Responde ela após longos segundos

_ Sempre me comporto Dani. Faço cara de bom rapaz e espero fora da loja.

15 minutos depois surge uma garota ruiva com cabelo solto 1,75, 55kg, olhos verdes, lábios perfeitos sendo realçados, por um batom vermelho tudo isso escondido por uma leg preta e uma camiseta branca.

_ Dani é você mesma? Pergunto abobalhado

_ Sim e nada de gracinhas. Ela fica vermelha

_ Casa comigo. Sorrio

_ Você da muito trabalho. Sentencia ela rindo

_ Sou inocente. Rimos e nesse clima descontraído andamos pela calçada até uma pizzaria próxima a loja. Do nada começa a chover e enlaço a cintura fina da Dani pra ela não escorregar. O contato a fez estremecer e num relance percebi os mamilos eretos.

- A não chuva agora e eu sem sombrinha e o bus passa longe daqui. Lamenta-a

_ Hoje nada de bus, pois você é minha convidada e a deixarei onde pedir. Informo sem dar brecha pra argumentos

_ Vai me levar em casa? Ela surpresa

_ Vou e não aceito ser enrolado. Puxo-a para dentro da pizzaria e nos sentamos em lugar mais tranquilo e após fazermos pedidos passamos a conversar sobre coisas do cotidiano.

_ Não enrolarei, pois com chuva e dependendo de bus nem sei que horas chegaria em casa. Explica ela me olhando curiosa

_ Como uma garota como você foi parar lá na loja? Você tem grande potencial.

_ Necessidade em ajudar nas despesas de casa e ocupar minha mente, pois me frustrei feio com uma pessoa. Nisso os olhos dela lacrimejam e sem pensar estico uma mão e acaricio o rosto dela. Ela me encara e mesmo triste sorri.

_ Você está nova, bonita e saudável vai dar a volta, por cima e conquistar seus objetivos. Incentivo

_ Você é muito gentil e me simpatizo contigo. Agradece ela

_ É recíproco. A conforto com palavras amáveis

_ Ta vendo como você é perigoso? Sabe agradar sem forçar a barra e isso é tenso pra mim. Ela me encara ao falar.

_ Estou me comportando. Comento surpreso

_ Você fala o que uma mulher gosta de ouvir e sabe ser presente sem ser chato. Expõe ela me encarando.

_ Apenas te trato como gosto de ser tratado. Explico

_ Eu carente de afeto, carinho e atenção e você despertando em mim coisas que a várias meses não recebo é complicado. Ela comenta de olhos fechados e ao abri lós noto o brilho intenso nos olhos. Um bom entendedor sacaria, pois eu estava em frente a uma bela jovem que a vários meses não sabia o que era ser tocada, acariciada e bem cuidada, por um homem.

Aproximo-me dela aos poucos e a beijo sem pressa e na medida em que fui sendo correspondido vou intensificando até o beijo ficar ardente. Acaricio a nuca de Dani e ela fica arrepiada. OS seios parecendo ter aumentado de tamanho devido a excitação.

_ Você é uma garota especial. Comento após o beijo

_ Não acho, pois se fosse a essa hora estaria casada. Os olhos dela ficam tristes

_ Se desejar desabafar fique a vontade. Comento

_ Você vai me fazer apegar e não te deixarei em paz. Ela sorri limpando os olhos

Nesse intervalo o chega a pizza junto suco natural e cada um mergulha em pensamento, más nos olhando mutuamente.

Após quitar a conta vamos pro estacionamento. A chuva não tinha dado trégua e o trânsito caótico. O carro estava em ponto mais escuro e ficamos no carro esperando o trânsito melhor e a chuva amenizar. Arrepiada devido ao frio Dani se aproxima de mim em busca de calor e o contado dos seios no meu peito me faz beijá-la ardentemente e ela começa a roçar o corpo no meu instigando a ser tocada.

Começo acariciar a nuca com a língua e saio explorando o pescoço enquanto minhas mãos saem acariciando os seios loucos para serem tocados.

_ Sinto um prazer tão gostoso em te acariciar. Elogio admirando o contorno dos seios e fascinado pelos mamilos rosados

_ Vai com calma, pois nunca passei das pré-liminares, ou seja, sou virgem. Revela-a sem me encarar nos olhos

_ Você é virgem? Pergunto atônico

_ Esse é o motivo de ter terminado o namoro. Não quis sexo, por não confiar no meu namorado e acabei terminando. Só tive um namoro e não surgiu confiança pra sexo. Resume Dani

Ela deita no meu colo e fica passando o dedo no meu abdome rosto colado no meu cacete duro.

_ Você me excita muito Dani. Confesso

Ela sorri e abri meu zíper e deixa meu cacete livre e sem modéstia começa a chupá-lo como se fosse um sorvete. Aquela boca carnuda e molhada tinha a mesma sensação de uma buceta e a língua movendo dava todo um toque especial pra despertar ainda mais tesão. Esticando o braço enfiei uma mão por dentro da leg e fiquei bolinando o grelinho virgem no que foi premiado com gemidos da ruivinha no cio.

_ Me faz gozar gostoso. Implora ela

Começo a dedilhar aquele grelo com mais velocidade e não demora a bucetinha explode em gozo no que não paro e após breves segundos surgem vários gozos. Vendo ela gozar acabo não me contendo e encho a boda da ruivinha de porra quente e fresca.

_ Quero minha primeira vez com você, más com tempo e calma. Explica ela

_ Tudo bem Dani

Após nos recompormos ligo o carro e saímos do estacionamento rumo ao bairro dela.

Continua...













ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.