"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Descabaçando o cunhado novinho


autor: Kate
publicado em: 09/09/17
categoria: incesto
leituras: 5174
ver notas


Aos 16 anos comecei a namorar Bernardo três anos mais velho que eu, e como todo início de namoro sempre existiu aquela euforia a cada encontro nosso. Nunca tinha namorado por mais de um ano, nossa primeira relação sexual aconteceu depois de três meses e foi sensacional. Depois de um tempo conheci sua família que fizera um jantar pra nos conhecermos melhor. Bernardo morava com sua mãe, seu padrasto e seu irmão da mesma idade que eu, o Beto.

Beto sempre foi muito tímido e reservado. Era do tipo que mais observava do que falava. O jantar fora ótimo, tudo ocorreu bem e a partir dali eu ia frequentemente na casa de Bernardo. A mãe dele me considerava a filha que ela nunca teve e nos dávamos muito bem. Eu falava pouco com Beto e sempre percebia o jeito como ele me olhava, embora tentasse disfarçar, era um garoto dedicado aos estudos e muito fã de tecnologia, seu melhor amigo sempre fora seu notebook e seu celular, muito ao contrário de Bernardo que mal pegava no celular.

Lauro, seu padrasto tomava conta da fazenda de seus pais aos finais de semana e uma sexta feira resolvemos todos ir. Fiquei encantada com o lugar, Bernardo foi pescar na represa com sua mãe, Eu fui passear a cavalo com Beto, nunca em nenhum momento via segundas intenções da parte dele, sempre me respeitou e respeitou seu irmão. Depois de uns 40 minutos paramos em um lago e fomos dar água para os cavalos. Decidimos depois dar um mergulho, tudo muito rápido, mas o suficiente pra mim decifrar cada olhar de Beto. Sai da água e a roupa colada em meu corpo proporcionu suspiros e um baixo elogio do Beto:
_Você é tão linda!
_Eu? Ah cunhadinho você que é lindo.
Meio sem jeito, pegamos os cavalos e seguimos para a represa ao encontro de Bernardo e sua mãe.

Logo depois Beto foi pro quarto mexer em seu computador e lá ficou, depois de um tempinho convidei meu namorado pra nos deitamos um pouco e ele resolveu ir até o quarto onde seu irmão estava e empretar o notebook pra nós vermos uns vídeos. Em seguida tomamos banho, jantamos e voltamos para o quarto, continuamos a assistir vídeos até que Bernardo acaba dormindo. Eu fiquei mais um pouco, estava sem sono, já era tarde e a insônia me acompanhava. Resolvi devolver o computador de Beto, desliguei tudo e me dirigi até o quarto dele que ficara em frente ao nosso, bati na porta e ele não respondeu...
Resolvi entrar, luz apagada, tv ligada e Beto dormindo na cama (eu acho que estava dormindo) deixei o notebook perto de sua perna quando observei melhor ele estava com o pau pra fora do calção, estava muito duro e eu fiquei encantada com o tamanho daquilo.

Não senti medo de alguém aparecer, muito menos do meu namorado acordar e não me encontrar ao lado dele. Tranquei a porta do quarto, sentei devagar na beira da cama e comecei a passar levemente minha língua naquele cacete, meu cunhadinho pauzudo parecia estar sonhando e desfrutava daquele boquete maravilhoso. Ele se mexia, mas não abria os olhos, levantei tirei minha roupa e coloquei aquele pau entre meus seios em uma espanhola que fez Beto acordar:
_Kate? Que gostoso, achei que eu tivesse sonhando
_Talvez você esteja, aproveita!
Beto meio sem jeito não sabia muito onde pegar, então eu deitei e mandei ele me chupar. Inexperiente percebi que ele ainda era virgem, mas chupava uma bucetinha como um profissional, eu mandava ele meter a língua dele bem no fundo e sugar todo meu mel.

Meu cunhado tirou seu calção e pincelava sua pica na minha xoxotinha, eu abri bem minhas pernas pra ele e recebi aquela tora toda. Gemia baixinho e pedia mais...
_Betinho gostoso fode tua cunhadinha, mete toda essa pica gostosa!
Ele me obedecida com satisfação e me fodia cada vez mais. Suas mãos estava geladas, ele não conseguia falar nada, só soltava uns urros. Naquele mesmo lugar na cama virei de bruços e empinei meu rabo pra ele que montou em cima de mim e me deu mais pica. Uma delícia aquele garoto, só precisava de um pouco de prática, que isso era questão de tempo, e eu queria me encarregar daquilo.

Depois de minutos sendo fodida naquela posição, me levantei e fiquei em pé segurado na janela e com o dedo indicador chamei Beto que me deu um beijo bem molhado, segurou minhas nádegas e meteu novamente aquele pau em mim. Sua respiração estava ofegante, ele suado. Parecia farto com aquele momento, socava com gosto na minha bucetinha e me deixava com muito tesão. Bem baixinho ele diz no meu ouvido que quer gozar. Me inclinei mais, ali mesmo em pé, peguei o pau dele e guiei até meu cuzinho, fui empurrando devagar até entrar a cabeça. Depois de uns segundos parada, rebolei mais um pouco fazendo o pau do Beto entrar todo no meu rabinho. Ele socava em mim feito um cavalo e logo em seguinda gozou, senti aquela porra muito quente no meu cuzinho. Beto gozou muito, mas eu não. Estava alucinada pra gozar, deitei na cama, abri minhas pernas e novamente meu cunhadinho me chupou. Ele inclinou minhas pernas pro alto e metia sua língua em mim, eu esfregava minha xoxota na boca dele e o lambuzava todo.

Pedi à ele que passasse a ponta da língua no meu clitóris e fazendo isso eu comecei a gozar. Eu puxava seus cabelos e precionava sua cabeça contra a minha buceta e fiz ele tomar todo mel, depois dessa foda maravilhosa eu o beijei e voltei pro meu quarto com Bernardo que continuava dormindo. Tomei um banho e me deitei. Isso já era umas 5:30 da manhã, eu não conseguia dormir lembrando daquela foda com Beto. Minha buceta pedia mais e meu tesão aumentava a cada segundo. Eu sentia meu grelinho melado apesar de estar todo vermelho depois da surra de pica que eu houvera levado do meu cunhado. Bernardo estava só de cueca, e naquela abstinência por sexo eu coloco sua pica pra fora e começo a chupar, na hora ele reage e se prepara pra apagar meu fogo.

Esqueci de apagar a luz do quarto e Bernardo viciado em chupar minha bucetinha na hora em que viu questionou:
_Amor, porque essa buceta tá vermelha e melada?
_É tesão amor, tô excitada!
Mal sabe ele que seu irmão tinha me dado uma surra minutos antes. Bernardo então me chupou bem gostoso e me fodeu até umas 7:30 na hora do café. Fique aliviada depois daquela noite sensacional, depois de ser fodida por dois irmão gostosos.
Já na mesa, todo mundo reunido, Beto estava mais tímido do que o primeiro dia que eu o conheci, eu agi naturalmente e depois dali eu disse a ele que não precisava sentir vergonha e nem medo, porque ninguém tinha visto e ninguém sabia. Ele me pediu mais e nessa hora eu já percebi um volume na sua bermuda. Logo Bernardo chegou e disfarçamos, aproveitei aquele dia lindo pra pegar um bronze e esquematizar mais uma foda com meu cunhado maravilhoso e pauzudo. Tinha lhe prometido ensinar muita coisa, estava com a bucetinha toda inchada depois de uma noite inteira fodendo. Amei tudo e queria encontar uma maneira de falar pro Bernardo que eu fodi com seu irmão minutos antes de foder com ele. Eu iria falar por que eu o amava muito. Mas não queria ficar sem o pau do meu cunhado, queria dar um jeito de ficar com os dois, não sabia como, mas tinha certeza que eu iria conseguir.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.