"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Lavando o Carro Com a Ruiva.


autor: Teuimperador
publicado em: 11/09/17
categoria: hetero
leituras: 1059
ver notas


Já contei aqui alguns contos com a Amanda, a ruiva com seios maravilhosos que dominou meu coração. Essa história rolou com ela.

Havíamos combinado de dar um passeio num sábado à tarde com ela e fui buscá-la em casa de carro naquele dia. Chegando lá avisei pelo celular e fiquei aguardando.

Eis que desce aquele monumento, cabelos longos e ruivos jogados pra direita, um batom tão vermelho quanto. Aqueles olhos me encarando enquanto passava pelo portão. Ela usava um vestido verde escuro, com uma presilha na cintura, curto até a metade da coxa, desses fáceis de erguer e com um belíssimo decote que valorizava ainda mais seus seios.

Assim que ela entrou, nos enrolamos em um beijo gostoso e quase perdemos a noção de onde estávamos. Saí com o carro tendo em mente diversos lugares pra gente ir, menos de um quilometro depois ela avistou um lava rápido, desses antigos com aqueles rolos de esponja que passam em cima e dos lados do carro e jatos d’água pra enxaguar e quis porque quis passar lá porque achava divertido.

Vendo a sua animação com aquilo e conhecendo bem a fera, resolvi dar a volta e entrar no lava rápido. Haviam cinco carros na nossa frente. Parei atrás do último carro depois de passar a cancela e pagar pela lavagem. Os vidros do carro estavam fechados e as películas escuras escondiam bem a gente lá dentro no geladinho do ar condicionado.

Já eram umas cinco da tarde quando entramos.

“Estava com saudades”, disse ela chegando perto e mordendo minha orelha.

“Eu também!” disse olhando em seus olhos.

Começamos novamente a nos beijar, dessa vez mais próximos do que antes e rapidamente a mão dela abriu meu zíper e entrou na minha calça, massageando meu pau ainda coberto pela cueca.

Antes que eu pudesse protestar ela disse: “Vai ser muito divertido! Relaxa e aproveita!!”

Ao dizer isso, abriu toda minha calça, tirou meu pau da calça e começou a me masturbar com a mão esquerda, a mais próxima de mim.

Imediatamente minha mão começou pelo joelho dela, subindo pela sua coxa, fazendo-a arrepiar. Para meu deleite, não achei calcinha alguma, atingindo facilmente sua buceta lisinha e gostosa com a ponta dos dedos.

Ela abriu as pernas, apoiando o pé direito sobre o porta copos da porta do carro, facilitando meu alcance. Comecei a passar os dedos em seu grelinho devagar, no ritmo em que ela me masturbava. Ela passou a gemer junto comigo, beijando minha boca e rebolar devagar no banco do carro.

Aos poucos penetrei sua buceta com os dedos, tocando fundo no ponto mágico dela, fazendo-a se torcer e gemer dentro do carro, agarrando meu braço e cravando as unhas da mão livre nele. Ainda assim, masturbava meu pau com maestria, fazendo-o inchar de tesão.

Os carros da fila avançaram e usei todo o meu auto controle pra segui-los alguns metros para frente.

Continuei masturbando aquela bucetinha gostosa até sentir minha ruiva gozar, melar toda a minha mão. Tirei os dedos dela e lambi um por um, voltando a beijá-la depois.

Ela mordeu meu lábio safada e foi descendo, beijou meu pescoço e ajeitou-se no banco de modo a facilitar seu movimento. Inclinou-se e abocanhou meu pau, chupando lentamente, lambendo a cabeça do pau, roçando os lábios molhados nele todo e manchando ele todinho de batom.

Os carros andaram de novo, faltavam só mais dois pra gente entrar na máquina, mais uma vez tive dificuldades de levar o carro adiante, pois aquela chupada me fazia perder o rumo completamente.

Seguiu um boquete delicioso, minhas mãos apertavam sua bunda, puxavam seu cabelo, eu me torcia de tesão. Ela ria e continuava chupando meu pau, alternando entre chupadas inteiras e pequenas mamadas completadas por uma punheta deliciosa.

Não aguentei e acabei gozando forte em sua boca.

Ela voltou a me beijar, deliciosa como sempre, ficamos trocando algumas carícias, onde descobri que debaixo daquele vestido também não tinha sutiã. Nossos beijos se intensificaram cada vez mais, a fila andou novamente e mais uma vez, então entramos na máquina. Mal ela foi acionada e os jatos d’água começaram a bater nos vidros do carro, e já empurrei meu banco pra trás.

Ela rapidamente entendeu meu movimento e passou a perna direita sobre mim, sentando no meu colo, vestido erguido. Sua buceta tocou meu pau, toda molhada, quente e suculenta. Senti ela estremecer e puxei seu rosto, beijando-a mais uma vez.

Estava escuro e a água escorria pelas janelas, começavam a vir os rolos de espuma e fazer barulho la fora. Com um movimento do quadril dela, sua buceta abraçou meu pau, colocando-me dentro dela.

“Adoro essa buceta! Você é muito gostosa!”

“Vem safado! Me come bem gostoso, vem!!!”

Ela começou a rebolar em meu pau devagar, fazendo-me entrar e sair deliciosamente dela. Puxei as alças de seu vestido e revelei aquele maravilhoso par de seios para mim e comecei a chupá-los, minhas mãos seguravam sua bunda com força.

Uma loucura, a tensão de sermos pegos, o tesão dentro daquele espaço apertado, o perfume maravilhoso daquela mulher. Eu me sentia completamente enlouquecido.

Movimentava meu quadril contra o dela, fazendo meu pau entrar com força naquela buceta. O rosto enfiado em seus seios. Eu completamente inebriado pelo cheiro deles, mordia, mamava, sugava, apertava sua bunda e socava nela com força.

Então ela pediu para virar, passou a perna de volta, virou-se e sentou de costas pra mim, usando a mão pra me colocar dentro dela novamente. Agora eu podia ver aquela bunda rebolando durante a foda gostosa. Ela rebolava ainda melhor nessa posição e eu apertava seus seios com força, puxando seu corpo pra perto do meu. Por trás de seus cabelos ruivos via o sabão se esvaindo dos vidros do carro.

Ela passou a rebolar mais rápido, gemendo alto e gostoso, fazendo o carro balançar um pouco enquanto o processo de enxague do carro começava.

“Vem meu macho! Me fode gostoso! VEMM! Ahhhh!” Ela gritava.

Minha mão tocava seus seios e descia até seu clítoris, masturbando-a.

Aceleramos ainda mais os movimentos. Sua bunda se chocava contra meu corpo com força, sua buceta apertava meu pau e minhas mãos a seguravam com força. Estava devorando aquela mulher.

Então, ela deitou sua cabeça em meu ombro e disse:

“Vou gozar! Não para! Mete mais! Ahhhh! Maisss!!!”

Passamos a dar nosso máximo, corações disparados, o carro balançando, a lavagem terminando, suas unhas cravadas em minhas coxas, seu corpo estremecendo em espasmos incontroláveis, ela gozou forte e gostoso, quase perdendo o controle ali no meu colo.

Eu não resisti à sensação gostosa de sua buceta me sugando no orgasmo e gozei tão forte quanto ela.

Ficamos amolecidos por uns instantes, enquanto a luz voltava pra dentro do carro. Só percebemos que era hora de sair dalí quando o carro de trás buzinou.

Nos cobrimos o máximo que pudemos, arranquei com o carro e a levei imediatamente para a minha casa, onde pudemos curtir uma foda mais longa, sem perigos e igualmente gostosa.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.