"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Prima cavalona e fogosa 02


autor: Lenhador
publicado em: 11/09/17
categoria: virgindade
leituras: 1557
ver notas


Transar com Elizângela me fez perceber o quanto era sortudo nisso de sexo com gostosa, pois nunca imaginaria possuir aquela loira de olhos verdes esmeralda, a cintura fina feita a mão com todo cuidado e o belo corpo, transpirava sensualidade.

Após a foda mágica nos apegamos ainda mais, mas com discrição, pois não queríamos chamar atenção de nossos pais.



Mais uma vez estava indo dormir na casa da Li como gostava de chama-la. A medida que me aproximava da casa dela começava um tesão gostoso. Os pais dela precisaram viajar novamente e só confiavam em mim pra tomar conta da casa.

Só que dessa vez além da Li estaria também Elenice na casa e isso me deixou com tesão ao imaginar devorando as duas irmãs.

Nada de expectativas meu caro penso comigo.

Chego a tempo de me despedir da turma que iria viajar e após trancar o portão e conferir as janelas e portas vou pra sala assistir TV com as duas.



Prestes há fazer 18 anos Elenice tinha físico parecido com o da irmã, mas loira dos olhos azuis e quadril largo era de família, pois sustentado pelas belas pernas não deixa em nada a desejar pra irmã loira.



_ Olá vocês estão assistindo o que? Pergunto me deixando cair no sofá.

_ Desejando ver filme de ação, mas se vocês me esperarem faço pipoca rapidinho e tomo meu banho. Sugere Elenice

_ Bom eu faço a pipoca enquanto você toma banho e assim ganhamos tempo. Sugiro

Elenice me beija no rosto e corre em direção ao quarto e não demora escuto barulho do chuveiro sendo ligado e ao imaginar aquele corpo nu sendo molhado me da um tesão e tanto.

_ Enfim estamos sozinhos primo gostoso. Elizângela aproxima-se suspendendo a saia e sentando no meu colo. Pelo calor e umidade comprimindo meu cacete me dou conta de que ela está sem calcinha e muito excitada. A ponho de quatro no sofá e a puxo de encontro a minha boca o que ela rebola esfregando a buceta na minha boca e para enlouquecer a bela loira enfio um dedo na buceta e outro no cuzinho pra agitar o belo corpo.

Faço-a gozar de forma bem gostosa e ela deita no sofá se acalmando enquanto me levanto e vou a cozinha preparar a pipoca e um suco natural.



Coloco a vazia de pipoca na bandeja junto com a jarra de suco e três copos e vou pra sala.

Após deixar a bandeja na mesa de centro divido o suco nos copos e após entregar a Elizângela me viro pra entregar o de Elenice e quase deixo cair o copo ao reparar a roupa que ela vestiu pra dormir.

Baby doll preto transparente revelando os bicos dos seios e como ela estava sentada com as pernas abertas dava pra ver a bela bucetinha lisa e cor de âmbar.

_ Nossa! Você vai ficar assim perto de mim? Pergunto ainda surpreso

_ O que tem de mais? Você é meu primo e já viu mulher de roupa pra dormir. Elenice tinha personalidade forte e desafiava regras

_ Tudo bem durma como quiser. Respondo desviando os olhos pra evitar alimentar pensamento sacana.

Sento próximo a Elizângela e noto-a enrolada em uma manta só de roupa intima. Fingindo prestar atenção na TV.

_ Começando a esfriar vocês podem dar pausa no filme? Pergunta Elenice pra pegar manta.



_ Caso você também esteja com frio primo pode ficar aqui comigo. Elizângela abre a manta e mostra o belo corpo escondido apenas por duas peças de renda vermelha. Não me faço de rogado e sento de forma ela ficar apoiada no meu peito. Posiciono a mão no seio esquerdo dela e ficamos aguardando Elenice que ao retornar fica nos olhando e resolve deitar-se no outro sofá.



Recomeçamos a ver o filme sem que esperássemos surgem cenas de sexo entre os atores e o filme tem longos 20 minutos nudez, gemidos e algumas taradices. O que faz com que Elizângela se mova e acaricie meu cacete. E eu sem me conter comecei a mordiscar a nuca e pescoço de loira sensual. A punheta estava me excitando muito.

Em meio a essa troca de caricia discreta ouvimos gemidos e ao olharmos onde estava Elenice a vemos masturbando-se sem o cobertor e completamente nua.

Meu cacete cresceu e endureceu ainda mais, pois ouvia a buceta molhada sendo tocada com gula e fazendo o tradicional barulho de buceta sendo socada.

Levanto-me e vou até ela e começo a chupa lá enquanto Elizângela a beija na boca e se masturba.



_ Vai com calma primo, pois Elenice é virgem. Alerta Elizângela



_ Virgem? Pergunto olhando pra Elenice e ela fecha os olhos pra não me encarar. Sem esperar resposta carrego Elenice até um dos quartos e somos seguidos pela Elizângela completamente nua e cheia de tara.



Elizângela sentou-se na beirada da cama e começou acariciar os seios de Elenice. Recomeço a chupar a buceta virgem e com o passar dos minutos o tesão vai ficando incontrolável.



_ Que língua deliciosa. Elogia Elenice entre gemidos e em seguida goza estremecendo toda. Elizângela ajoelha de forma a deixar a buceta em contato com a língua de elenice.

Miro a bucetinha virgem com o cacete e começo a penetrar devagar pra arrombar a bucetinha.

Louca de tesão Elenice começa a rebolar de leve tentando vencer a dor da primeira foda. Ao chegar à metade do cacete começo a mover de forma mais cadenciada.

Elizângela senta e fica se masturbando com uma escova olhando a foda.



Elenice entrelaça as pernas em minha costa e pressiona de forma que o cacete a estoca bem fundo. Começo a bombar e mordisco os seios alternadamente enquanto a nova tarada arranha minha costa tentando se vingar, por perder o cabaço.

Não demora e ela torna a ter orgasmo e rola pro lado ainda se contorcendo devido a tremedeira nas pernas e os cobiçados choquinhos de boa foda.

A ergo nos braços e deixo em um dos banheiros da casa pra se recompor e sigo pro outro, pois ainda não tinha gozado e desejava foder muito Eleizângela, após rápida chuveirada pra eu recompor vou à caça de bela loira que continuava se masturbando com escova e chego bem a tempo dela estar tendo novo orgasmo.

A faço ficar inclinada apoiando na cadeira e depois de lambuzar o cuzinho e o penetro e a loira delira pedindo pra ser enrabada com força.

.

_ Tarado você está rasgando meu cuzinho. Confessa a safada rebolando e bolinando o grelo.



_ Adoro te comer Li. Confesso cheio de gula

A pego pela cintura e começo a bombar no cuzinho fazendo com que Li gema alto e começando a ter orgasmos seguidos. Num gesto de ousadia estico uma das mãos e bolino o grelinho dela. O contato de meus dedos grandes no grelo sensível a deixa tão tesuda que explode o tão prazeiroso orgasmo feminino com ejaculação.

O gozo foi tão forte que Li se joga no chão ofegante.



_ Isso que é foder uma mulher. Comenta Elenice acariciando os seios e nos olhando com a cara bem safada.



Sento ao lado de Elizângela e a puxo pro meu colo enquanto ela se recupera. Elenice se aproxima e encosta-se a mim no que a enlaço e ficamos os três no carpete. Nem tínhamos notado que o filme tinha acabado.



_ Primo você é um cara e tanto. Não vou deixar você ficar só cuidando da Elizângela, pois também quero ser bem comida. Exige Elenice



_ Tendo sigilo da minha parte tudo bem, más quando vocês começarem a namorar eu não transo mais. Concordam? Proponho e as duas acenam a cabeça.



Olho o relógio e ao notar o quanto estava tarde puxo as duas pra cama e deitamos os três na mesma cama, más não iríamos dormir, pois o tesão já estava querendo resurgir e desejávamos aproveitar bem o final de semana, pois domingo a noite teríamos de comportar com o retorno do pessoal.



Continua...







ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.