"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Noite do Prazer (Desvirginando


autor: Otto Grey
publicado em: 18/03/15
categoria: gays
leituras: 11769
ver notas


#Direitos autorais reservados. Proibidas sua reprodução, total ou parcial, bem como sua cessão a terceiros, exceto com autorização formal do autor.
Lei 5988 de 1973#

Depois que me separei de minha mulher fiquei um pouco abalado, pelas circunstâncias, e acabei apenas me dedicando inteiramente ao meu filho. Era sábado à noite, eu tinha ido deixar meu filho na casa de um amigo da escola.

Exausto de uma semana puxada de tanto trabalho, tirei minha roupa na sala mesmo e andei pela casa, nu, o vento da janela entrava pelo vão do apartamento, e tocava meu corpo fazendo arrepiar minha pele e os pelos do meu peito, abdômen, e coxas.

Entrei no quarto escuro, e peguei a toalha que estava pendurada no cabide de pé, coloquei no ombro, e alongando o corpo, entrei no banheiro. Fazia quase cinco meses, que não trepava com ninguém,muito menos tocava uma punheta,meu pau estava sensível,até quando eu pegava nele pra mijar,ele ficava bomba.

Abri o Box, liguei o chuveiro e deixei cair à água quente no meu corpo, molhando lentamente meu corpo, e fazendo mais uma vez ficar arrepiado, nesse instante, meu pau ficou bomba, e comecei a mijar sem tocá-lo,era uma sensação gostosa,muito prazerosa por sinal.Enquanto terminava de mijar,eu brincava com meu pau fazendo ele pulsar e o mijo ir saplicando o chão do banheiro,depois de ter mijado,peguei o sabonete e passei levemente por todo o corpo,era como se uma outra pessoa me tocasse,eu estava de olhos fechados,e sentia a água correr por cada canto da minha pele,peguei o sabonete e passei no meu pau que já começava a ficar duro,e bati uma punheta lenta.

Era tesão demais,minhas pernas estavam tremulas,e eu gemia com o prazer que sentia,mas não queria gozar com uma punheta,queria gozar na boca de alguém,no cu ou em uma boceta,não importava quem seria,nem o que seria,pra mim naquele instante o que importava era gozar em algum lugar de uma forma que não fosse com punheta,pensei em ligar pra garotas de programas,porque o que eu mais necessitava naquele momento era ser saciado,mas achei melhor não.

Terminei o banho, e me sequei rapidamente, deixando alguns pingos sobre o corpo, passei desodorante, um hidratante no corpo, uma colônia, e resolvi que ia a caça. Pra mim não importava se eu ia comer um cara, ou uma mulher, muito menos uma travestir, queria apenas foder, e eu ia conseguir, tinha certeza disso.

Vesti apenas uma bermuda jeans sem cueca “para caso, fosse necessário, o trabalho ficaria mais pratico”, uma camiseta regata, e calcei apenas um tênis baixo, peguei a jaqueta de couro,o capacete e sai,era mais ou menos umas 23hrs. Fui para a Zona Oeste da cidade, sabia que lá eu poderia encontrar algo, rapidamente. Parei em um sinal, e vi algumas GP'S numa esquina, e do outro lado, umas travas. Sabia que se eu fosse atrás delas teria que pagar, pensei um pouco e resolvi ir para a Praia do Papicu,cheguei lá,desci da moto e fui para areia.

Tava muito frio, aquela noite, mas eu queria mesmo era sentir a brisa do mar, tirei a jaqueta e a camisa, e deixei o vento vir ao meu corpo, olhei pra trás e vi que não tinha ninguém, e fiquei um pouco mais aliviado por estar sozinho naquela praia “deserta”, olhei bastante as ondas e o céu com uma lua cheia admirável, de repente, ouvi umas vozes um pouco distante, me parecia ser um casal “Hétero” e boa coisa eles não estavam fazendo,procurei um pouco pra saber de onde vinham as vozes, ou melhor, os gemidos, e percebi que estavam a uns três metros de mim, por trás de umas pedras.

Levantei rápido, peguei minhas coisas, e fui ver o que acontecia,e quando me aproximei,vi um cara bem alto, deveria ter uns dois metros de altura, negro, forte, com uma morena, magrinha e baixa, cabelos cacheados, ela estava de quatro sobre uma pedra, e com o rosto virado para trás, e o cara estava de olhos fechados, fodendo o cu dela, aquela visão me deixou louco, meu pau logo endureceu e começou a babar.

Pensei em tocar uma punheta ali, enquanto assistia aquele filme pornô em 3D, mas essa não era minha ideia,eu também queria saciar meu tesão igual o cara que fodia a mulata,sai rapidamente de lá,vesti a camisa,a jaqueta,montei na moto e parti,logo um pouco mais a frente,vi umas luzes e um som pesado,

Resolvi ir nesse lugar que me convidava incisivamente, dobrei a esquerda de onde vinha o som pesado e as luzes fortes por todos os lados, e me deparei com uma casa de shows. Estacionei a moto e me aproximei da portaria, onde estava uma multidão de gente, fazendo fila pra entrar, tinha todo tipo de gente ali, logo senti o cheiro de cigarro de canela, e aquilo me deixou
meio zonzo, mas, virei o rosto pra o lado, e logo me chamou a atenção um rapaz.

Era um rapaz um pouco mais alto que eu, deveria ter 1, 75, um pouco magro, cabelos pretos, cortado baixo, estilo militar, estava de camisa de xadrez azul e uma camisa branca por dentro da outra, e uma calça jeans de um azul meio surrado, ele estava junto aos outros jovens da idade dele, pensei em ir embora devido ter muitos jovens, mas eu queria e necessitava foder alguém, e sabia que ali todos eram maiores de idade.

Me empurraram,e eu olhei pra ver quem tinha feito aquilo,mas acabei não vendo,virei novamente meu rosto pra o lado que ele estava,e o carinha me encarava com um sorriso no rosto,seus olhos negros brilhavam em contraste com a luz.Enfim a multidão entrou toda dentro daquele local,escuro,apertado e cheirando a cigarro de canela,fui olhando as pessoas,e vi um pouco de cada coisa,homem beijando homem,mulher beijando mulher,homem beijando mulher,travestir beijando mulher,era uma coisa louca demais.

Alguns me olhavam, me fazendo ficar cada vez mais excitado, até que me deparei com uma escada, e lá de baixo, via três locais, um bar, uma pista de dança lotada, um palco onde tinha homens fazendo strip-tease, mulheres enjauladas, com blusas brancas completamente molhadas, desci as escadas, e fui diretamente pra o bar, precisava beber um pouco, pedi algo quente ao garçom e tomei de uma só vez, pedi outro drink e mais outra, na terceira, comecei a me animar.

Todos dançavam, mulheres, homens, travestis, desciam até o chão, paguei as três doses e fui pra pista,estava muito animado,comecei a dançar,fazendo varias pessoas olharem pra mim,eu sorria e curtia o momento como se aquele fosse o ultimo,mas uma vez vi novamente o Carinha de camisa xadrez,ele dançava com uns rapazes mais não tirava os olhos de mim.Parei de dançar e voltei ao bar,lotado,fiquei de pé e logo senti sua presença perto de mim,eu estava molhado de suor.

Pedi uma Vodka com água de coco, e comecei a beber,quando ouvi o Carinha me elogiar,olhei pra ele, sorri, e começamos a conversar, ele pediu um Whisky com gelo,e enquanto bebia,me dizia o quanto eu dançava bem,perguntou se eu era profissional,falei que não,e ele sorriu,cumprimentei ele dizendo meu nome,e ele me disse que se chamava Carlos.

Percebi que ele não era um cara comum, que tinha algo de diferente nele, mas não falei nada, queria apenas sondá-lo melhor,e foi o que fiz,perguntei a idade dele, e o mesmo me disse ter 19 anos, falei que tinha 29 anos,e ele disse me olhando dos pés a cabeça que eu não aparentava ter a idade que tinha,sorrimos e ele me chamou pra ir dançar, perguntou se tinha algum problema, eu obviamente disse que não, e fui.

Dançamos pra caralho, até que em uma música, me aproveitei que estava bem próximo dele e ralei meu pau em sua bunda, achei que ele fosse esquivar ou reclamar, mais foi ao contrario, o safado empinou a bunda no meu pau fazendo subir um pouco e baixou, o puto olhou pra mim e sorriu, não falei nada, apenas sorri também. Cheguei próximo do ouvido dele e disse que tinha que ir ao banheiro, e perguntei se ele sabia onde ficava, e se poderia ir comigo por que eu não conhecia nada ali dentro, mais que imediato ele saiu me puxando pela mão até o banheiro.
Enquanto era levado pra o banheiro, por um corredor meio escuro e fedorento,via caras se beijando,fazendo até sexo na frente uns dos outros,entramos no local apertado,meio escuro e com o chão cheio de mijo,fui direto para o mictório,e abri o botão da bermuda,ele se aproximou também indo pra o mictório vizinho,e abriu o zíper da calça,e colocou o pau flácido pra fora,deu uma puxada de leve pra dar uma encorpada e começou a mijar,mas olhando pra mim,vendo se eu não iria fazer o mesmo.

Quando puxei meu pau pra fora e ele viu que eu estava sem cueca, percebi que ele ficou todo animadinho, comecei a mijar,fazia tempo que eu queria mijar mais tava segurando o máximo,fechei os lhos propositalmente e fiquei segurando com as duas mãos meu pau,enquanto mijava,fiquei puxando o prepúcio pra frente e para trás,como se tivesse batendo uma lenta punheta (que não deixava de ser)mas,fiquei brincando com o mijo no buraco do urinário.

Abri os olhos e o vi olhando diretamente pra meu pau, terminei de mijar, e balancei gostoso,percebi que ele tinha olhado pra mim,sorri e perguntei o que ele olhava,ele meio sem graça,disse que eu era bem avantajado,no mesmo instante disse a ele que ainda aumentava mais,perguntei se ele gostaria de ver crescer mais.

Ele sorriu e disse que adoraria ver mais em outro lugar. Claro notei que ele tava a fim de provar minha estaca, e eu logicamente não iria deixar passar batido, perguntei se ele tinha algum local, e me disse que não. E que pra ir a motel era meio embaçado, por que ele nunca tinha ido com homem em motel.

Mandei ele relaxar e perguntei se ele queria ver meu caralho crescer,e ele disse que sim,peguei na mão dele e sai puxando ele,agora eu estava tomando as rédeas da situação,e conduzi-o até a saída,os amigos dele viu a gente saindo e perguntou pra onde ele ia comigo,ele disse que ia comigo numa farmácia comprar um remédio,(senti vontade de rir)mas,deixei ele se livrar dos amigos,e ele mesmo falou que já me conhecia a algum tempo,que eles não precisavam se preocupar.

Já do lado de fora da Boate, perguntei se ele estava a fim mesmo, e ele disse que sim, e repentinamente ele pegou no meu pau, apertando fazendo ficar bomba. Montamos na moto, e disse a ele que se segurasse que a gente ia voar, e foi o que fizemos.

Voamos rapidamente,aproveitando que era quase as 03hrs da madruga,faltando alguns minutos, íamos passando por sinais fechados, pegando uns becos escuros pra cortarmos caminho e chegar a meu apartamento. O Carlos me abraçou forte e colocou as mãos por dentro da minha camiseta, e ficou passeando com os dedos pelos pelos do meu abdômen, e aquilo me deixava mais cheio de tesão,sabia que o moleque era virgem,e que eu ia ter o prazer de desvirginar aquele cuzinho sedento de tesão.

Entramos e fomos direto pelo estacionamento, descemos da moto, e entramos no elevador. Eu não falei nada, nem fiz nada, ele quem tomou a atitude de me agarrar, não nego que no momento fiquei meio tenso, achando que ele quisesse-me foder, mais ele me abraçou e começou a chupar meus lábios e a mordê-los, e chupou minha língua com uma voracidade indescritível, meu pau pulava de tanto tesão e ele apertava forte meu pau,que já deixava o tecido da bermuda melada,até que chegamos no andar que moro,a porta se abriu e saímos pelo corredor,o Carinha tava com uma cara de tarado,e eu estava adorando vê-lo daquele jeito.

Abri a porta do apartamento, e senti logo de cara o vento forte da janela que dava de frente com a vista do mar, e o cheiro da maresia, tomou conta das minhas narinas, joguei capacete e jaqueta no canto e acendi a luz, e fui logo tirando minha camisa, e ele também. Vi que era um corpo jovem, liso, sem pelos algum,mais isso pra mim não importava,joguei ele no sofá e parti pra cima dele, mordendo e chupando os mamilosinhos escuros dele,e ele gemia,dizia que nunca tinha conseguido passar de esfrega, esfrega com os caras, que apenas tinha feito sexo oral,mas que naquele exato momento ele sabia o que queria,dei uma tapa na cara dele, e ele sorriu, e me pediu que eu batesse outra vez,e assim fiz,perguntei pra ele mordendo seus lábios o que ele queria que eu fizesse, e entre suspiros ofegantes ele disse:

-Me come, me fode, tira minha virgindade, quero perder as pregas do meu cu com você, meu macho gostoso...

Coloquei meu pau pra fora, tirando rapidamente a bermuda já toda melada e coloquei na boca dele, segurando seus braços e fudi sua boca, ele mal conseguia por meu pau todo na boca,engasgava e saia lágrimas de seus olhos,ele fungava,gemia,sorria e tudo aquilo me deixava mais tarado em fode-lo, peguei meu pau e bati na cara dele, e ele falou meio manhoso:

-Me dá surra de vara, vai...

E lambeu a cabeça do meu cacete puxando o prepúcio, gritei de prazer naquele momento. Tirei a calça dele, com cueca e tudo, ele bem maior que eu, mas mesmo assim coloquei-o no colo, e virei à cabeça dele pra baixo, e comecei a chupar o pau dele enquanto ele chupava o meu, ele gemia e eu gemia também, ficamos assim um bom tempo. Coloquei-o no chão, e dando umas tapas na bunda morena e rechonchuda, fazendo-o ir até meu quarto.

Quando entramos, peguei-o novamente pelo colo, e joguei em minha cama, os olhos dele brilhavam, e os meus também, dei outro tapa na bunda dele,e ele gemeu,abri a entradinha do cu dele com uma das palmas da mão e comecei a morder as duas poupas lisinhas e morena, ele gemia e se arrepiava, e meu pau babava muito e o dele já começava também, agora o quarto ficou quente, o cheiro de sexo dominava o ambiente,

Comecei a chupar o cu dele, e ele rebolava na minha cara, eu roçava a barba na bunda dele, e mordia, próximo dos ovos dele,chupando suas bolas,ele gemia alto,puxei um segundo seu pau pra trás,já todo babado e chupei com vontade sugando aquele liquido salgado,e ele tremeu,me levantei rápido,peguei uma camisinha dentro do criado mudo,e tubo de KY,e voltei a chupar o cu dele,que piscava.

Abri o máximo que pude aquele rabão, que não parava de piscar, e dei uma cuspida, o fazendo empinar a bundona. E enfiei um dedo no cuzinho dele, ele gemeu parecendo uma puta, abri o tubo e coloquei em dois dedos meus,e fiquei fazendo movimentos circulares em volta daquele orifício apertadinho,primeiro enfiei um dedo e ele novamente empinou a bunda,depois enfiei outro e ele gemeu um pouco mais alto,me fazendo dar um outro tapa na sua bunda, me deitei por baixo dele e aproveitando que ele tava de quatro e bem afastado os braços e as pernas,comecei a mamar o pau dele que babava muito já deixando todo o meu edredom molhado,e mais uma vez enfiei outro dedo,agora já com três dedos dentro do cu dele,e chupando o seu pau,ele começou a rebolar,me fazendo rapidamente colocar mais um dedo.

Meus quatro dedos começaram a girar, deixando o cu dele bem aberto, ele começou a acelerar os movimentos do pau dele em minha boca, e senti que ele estava prestes a gozar, e sai de baixo dele, deixando ele com raiva, reclamando que já ia gozar, puxei o pescoço dele pra trás, e enfiei meu pau na boca dele com tudo, e estoquei um pouco,quando eu estava prestes a gozar também,parei.

Seus olhos brilhavam com lágrimas que não paravam de rolar, beijei ele e mordendo sua orelha direita perguntei se queria parar por ali. Ele mais do que depressa disse gemendo:

-Se cheguei até aqui, quero ir até o final, não judia mais de mim, me fode logo, quero sentir você atolado até as bolas dentro do meu cuzinho...

Peguei o preservativo, coloquei no meu pau, coloquei mais Gel lubrificante no meu caralho, que está muito duro e doendo pra caralho, e passei também no cu dele, que não parava de pulsar, forcei uma, forcei duas, forcei três vezes,e o cu dele não abria,dei um tapa forte na bunda, e forcei mais uma vez, e meu pau foi escorregando lentamente pra dentro daquele cuzinho apertado, era uma sensação muito gostosa, sentia meu pau entrando centímetro por centímetro dentro daquele buraquinho apertado.

Nossos corpos já estavam suados, e meu pau tinha entrado metade, ele olhou pra trás e disse que não aguentava mais, que era muito grosso e grande, sorri meio irônico, e forcei as nádegas dele pra baixo, e fui baixando meu corpo também lentamente, fiz uma pequena pressão e meu caralho entrou mais um pouco, e ouvi-o chorar baixinho soluçado, beijei suas costas e sua nuca e falei ao pé do ouvido dele:

-Perguntei várias vezes se você tinha certeza que queria continuar, e você me disse que sim, então aguenta, por que só falta pouco, pra eu entrar todinho em você...

Ele balançou a cabeça afirmativamente, e baixou um pouco, e continuei dizendo no seu ouvido:

- Relaxa... Eu já estou sentindo seu cuzão guloso engolindo meu caralho, e depois vai ser só alegria...

Mal terminei de falar, meu pau foi engolido pelo cu dele, fiquei parado um pouco, eu sentia a respiração dele ofegante, fui me levantando aos poucos e puxei-o pra posição em que estávamos, e fui fazendo lentamente meu pau entrar e sair do cu dele, ele virou o rosto pra trás, mordendo os lábios de tesão e disse sussurrando:

-Vai... Quero agora que você me foda todinho...

Ouvindo isso, meu sangue subiu por minhas costas, meu pau ficou mais grosso, e dei um sorriso de satisfação, dei uma tapa em cada poupa daquela bunda gostosa, e segurei forte suas ancas, e comecei a fazer movimentos de vai e vem, ele começou a rebolar e eu estava adorando aquilo, tirei meu pau de dentro e, o coloquei de frente, peguei suas pernas coloquei em meus ombros, e na posição de frango assado, comecei a comer ele.

Tirava todo meu pau deixando apenas a cabeça, e depois enterrava tudo fazendo minhas bolas baterem na bunda dele, o Carlos gemia, e mordia os lábios, me fazendo sentir o maioral, fazia tempo que eu não me sentia daquele jeito, mas uma vez tirei me deitei na cama, e mandei-o cavalgar no meu pau, e cada centímetro do meu caralho que era engolido por aquele cuzão guloso, era pingos e mais pingos de suor que caia dele sobre meu corpo, ele começou a apertar meus mamilos, e a puxar os pelos do meu peito, ele foi deitando o corpo dele sobre o meu, e eu levantei minhas pernas fazendo os joelhos ficarem em pé, e ele me beijou gostoso, e disse pra mim que queria que eu gozasse nele todinho.

Rolei com ele pra deixá-lo por baixo de mim, e coloquei as pernas dele pra cima deixando sua bunda virada pra meu rosto, e sentei em cima fazendo meu pau entrar de vez no cu dele, que estava arregaçado ,e soquei com vontade,via a ora meus ovos entrarem de vez também no cu do Carlos,mais ele começou a gemer,e disse que não conseguia mais segurar,e começou a gozar,forcei mais um pouco e fiz o pau dele entrar na boca,e ele tomou todo seu leite,meu pau era sugado pelos espasmos que ele sentia pelo orgasmo,o cu dele abria-se cada vez mas,e tirei rápido meu pau de dentro,joguei longe a camisinha,e gozei nele,foram cinco jatos de bastante gala grossa,deixando ele todo melado.

Depois ele voltou a mamar meu pau que continuava duro e em pouco tempo dei outra gofadas de porra, agora em menos quantidade na sua boca, nos beijamos, e dormimos abraçados,acordei com ele me mamando,era umas 13:00hrs dizendo que tinha que ir embora,por que a família já estava preocupada com ele,gozei mais uma vez na boca dele,é claro,e deixei ele ir embora. E nunca mais tive contato com ele.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.