"Os mais excitantes contos eróticos"

 

MEU NAMORADO VINI: 1- a festa


autor: gusão23
publicado em: 22/10/15
categoria: gays
leituras: 1869
ver notas


Eai, pessoal. Meu nome é Gustavo tenho 23 anos, estudante atualmente. Namoro há pouco mais de um ano e essa é a história de como conheci meu namorado, espero que comentem, e deem nota pra cada parte, como estímulo pra continuar o relato ;)

Acho que todos temos o momento de notar o teto do nosso quarto, não apenas uma vez, não pelo mesmo motivo e muito menos em mesmo momento do dia. Quando digo de notar o teto me refiro àquele estranho momento que você deita mas não fecha os olhos e a cabeça quase esvazia por algum motivo, e BUM, lá está o teto do seu quarto sendo encarado por você. Comigo acontece bastante, principalmente depois que entrei na faculdade, enxaquecas me fazem ter que parar o que estou fazendo é me deitar...
Isso não tem nada de erótico, eu sei. Só estou contando um hábito solitário meu. Bom, sexta feira e eu rolei pra cama dar uma pausa no que estava lendo, estava nesse transe de olhar o teto de cabeça vazia quando meu celular vibrou no meu bolso.
-oi, Priscila
-Gusão, tudo bem? hoje mais tarde tem uma festa do pessoal da medicina. É tipo "A festa" sabe? e tem uma paquera minha que vai estar lá ...
-...e? (Não entendo porque certos amigos pensam que você sabe deduzir onde eles querem chegar)
- ai, a Lari tá na cidade dela, o Victor namora, você tá solteiro e tem carro, pode me acompanhar, oxe! Eu prometo que a gente faz companhia pra você, também não conheço ninguém direito, principalmente o pessoal da medicina, mas enfim
Já estava quase me distraindo com o teto de novo quando percebi que a explicação tinha acabado e eu respondi "ok" no automático. Combinamos o horário, minha amiga ficou puramente feliz e eu resolvi cochilar um pouco antes de anoitecer.
Acordei 19:30 comi uma torta salgada, tomei banho e lá fui eu buscar a Priscila.
A festa realmente estava lotada, muita gente, provavelmente nenhum dos meus conhecidos. Entramos, Priscila com a cara grudada no celular.
-ele ainda não chegou
-quem?
-o Felipe, o rapaz que eu to conhecendo, Gu
-ah... Ali (apontei pro outro lado) vamos lá pro bar, afinal de contas é open e não foi tão barato o convite
Comecei a tomar cerveja, minha amiga iniciou no suco
-esse Felipe é da medicina?
-sim
-por que ele não te trouxe?
- ele vem de carona hoje também, divide o carro com o irmão é o irmão tá usando hoje, algo assim
Mais 30 min até o felizardo aparecer, e eu na terceira latinha e confesso a festa estava com som bom, mas eu estava meio sem jeito de ter que "dificultar" os dois pela minha presença, quando ele chamou ela pra pista de dança eu disse que ia dar uma volta por lá e depois ela me mandava mensagem.
Primeira parada: banheiro. Quando ia entrar passou por mim um rapaz, lindo, olhos castanhos, cabelo escuro, pele branquinha, quase da minha altura, magrinho definidinho, é uma boca linda.
Eu parei com o encanto, quem se assustou por quase trombar em mim foi ele, me pediu desculpa e continuou. Eu estava meio zonzo mas consegui abrir a boca e dizer "de boas, não foi nada"
Dentro do box fui notar que o garoto tinha conseguido até me deixar excitado.
Saindo do banheiro eu não sabia muito pra onde ir. Sou um rapaz bonito, 177cm, corpo definido, cabelo castanho claro curto e bagunçado e olhos castanhos também. Mas não era o melhor fazedor de amigos em festas, então me conformei e fui pegar uma garrafa de cerveja e ir pro estacionamento
Sentei em uma mureta olhando pros carros e ouvindo a música eletrônica, 15 min depois é mais zonzo ainda avistei o rapaz que vi saindo do banheiro indo pro carro, ele abriu a porta sentou e estava mexendo no celular, parecia depois ter guardado ou pego alguma coisa sei lá e voltou em direção a festa. Eu continuei distraído olhando ele. Usava uma camisa polo branca, calça jeans e tênis marrom. Quando ele já estava quase perto de novo abaixei a cabeça fingindo distração mas me assustei quando ele acabou parando pra falar comigo em vez de passar reto pra festa:
-tá tudo bem? Você tá passando mal?
-ahn, eu... Sim to legal, vim aqui aproveitar o ambiente, não conheço o pessoal da festa
Ele sentou na mureta também com cara de quem esperava eu dizer mais
- minha amiga, ela pediu pra eu acompanhar ela mas deixei ela se divertir com o par dela... E você?
Ele pareceu não esperar pela pergunta
-eu tenho conhecidos na festa, mas fui mais por convite dos amigos também...
- você bebe?
-sim
- quer dividir essa garrafa comigo? Já tá na hora de eu parar por hoje
- beleza (ele sorriu de novo, e era lindo), sou Vinicius
-Gustavo
Foram incríveis duas horas de conversa, já era quase meia noite quando um grupinho apareceu procurando pelo Vinicius, ele me apresentou pros três. A loira entre os três começou a falar
- Vini, tava procurando chove e a chave, estamos indo já. Levar a marcela e o namorado dela também, você vai voltar comigo, gatinho?
-tenho opção? - ele disse e riu, deveria ser uma piada interna, aquilo embrulhou meu estômago, eu devia estar atraído por um hetero e nem tinha notado, passei horas comendo aquele rapaz com os olhos
-ai para de drama, eu sou mais velha, por isso o pai deu o carro pra mim, logo você tem o seu, idiota
Era a irmã dele? Na hora meu estômago desembrulhou mas encheu de uma sensação estranha
-eu levo ele... (Todos olharam pra mim como se eu tivesse surgido do nada) se ele quiser claro
Vinicius concordou com o ombro e o pessoal foi pro carro quietos, enjoa estava mais sóbrio e meu coração tava acelerado, eu comecei a olhar pra ele e ele olhava pra mim, sem assunto, e eu finalmente comecei a me questionar porque ele puxou todo aquele papo comigo? Eu estava com tesão, confesso
-você tá bem pra dirigir -falou quebrando o silêncio
-vou ficar, preciso beber uns copos d'Água... E ir no banheiro de novo - e me coloquei em pé saltando do murinho. Vinicius saltou no chão logo em seguida
-Beleza te acompanho...e sua amiga?
-puta que pariu!! - tirei o celular rápido do bolso e olhei a procura de mensagens, nenhuma - uuuufa! Já tava esquecendo dela, que medo dela ta me procurando, mas pelo visto não hahaha, culpa sua eu ter esquecido
-hahaha culpa do álcool não vem não
Atravessamos a festa, Vinicius foi na minha frente e eu comecei a olhar a bunda dele, meu Deus, ele era muito gostosinho, e eu conseguia sentir o perfume dele andando atrás dele,
Entramos no banheiro, Vinicius foi em um box e eu em outro. Ouvi ele saindo primeiro e indo lavar a mão. Sai também é comecei a lavar as mãos, eu estava nervoso, minha barriga revirava, mas arrisquei. Ele me olhou esperando eu enxugar as mão, foi dois segundos de silêncio e eu segurei a cintura dele e beijei ele em direção o box, e coloquei ele contra a parede, mas não fui cafajeste, quando encostei lá parei o beijo e fiquei olhando ele com as mãos na cintura dele, ele começou a respirar mais fundo e voltou a me beijar devagar, e eu segurei ele com mais força, ninguém dizia nada, mas os gemidos baixos e a respiração diziam algo por nós, na verdade eu nem estava só com tesao, por incrível que pareça eu me sentia apaixonado. Beijei sentindo a boca dele, o pescoço, Vinicius segurou meus cabelos, eu comecei e descer uma mão pra bunda dele, com mais respeito do que achei que teria, mas ele não foi contra. Coloquei a ponta dos dedos pela borda da calça e passei por baixo dela sentindo aquela bunda redondinha por cima da cueca. Mas resolvi não apelar mais que isso naquela hora. A gente parou e se olhou de novo e ele começou a sorrir sem jeito é eu ri também
-que foi?
-você, me pegou de surpresa haha
-fiquei com medo de ter tido a conclusão errada, que bom que não errei
-é...
Vinicius estava corado e sem jeito, mas fez eu beijar ele mais antes de sairmos do box
Lá fora eu bebi agua enquanto esperava a Priscila, apresentei ela pro Vinicius e fomos pro carro, Vinicius se sentou no banco de trás, eu olhava pra ele pelo retrovisor e às vezes recebia um olhar meio cúmplice dele, eu estava apaixonado, tão rápido e eu me sentia ainda com tesao, isso nunca tinha acontecido comigo assim. A Priscila virava pra trás tentando, manter o social, perguntou pro Vinicius se ele era da medicina, se conhecia o tal do Felipe, quantos anos ele tinha, alguma dessas coisas eu já sabia pela nossa conversa sentados no muro. Deixamos ela em sua casa e ele passou pra frente. Houve um silêncio por um tempo,
-porque puxou assunto comigo?
- te achei bonito, não custava nada. Tive sorte até
-sorte de eu estar afim de você?
-é, não eh muito comum eu estar atraído por alguém e dar certo
-somos dois, principalmente em festa...
-eu entendo... Mas eu te vi no hornet
Eu corei
-quando?!
-hoje ué, na festa, quando eu tava no carro, pela distância era provável ser você
Putz eu esqueci de apagar isso pra ir lá, que vacilo
-...eu não teria arriscado fazer amizade se eu pelo menos não tivesse visto isso
Já era 1:30 da manha mais ou menos, é irmã dele ligou. E ele me explicou meio que precisava ser deixado em casa, eu me senti triste também, o tempo voou perto dele. Chegando lá eu desci do carro com ele, a rua estava sem ninguém, ele ficou me olhando, meio bobo. Mas aceitou um beijo contra o muro da casa, Vinicius me passou o número do WhatsApp e depois de enrolar um pouco acabou entrando, disse que os pais dele nunca gostaram dele sozinho à noite toda fora de casa
-fala pra eles que você tá comigo ué
-aham, vai ajudar muito hahaha
Nos despedimos e eu fui voando pra casa, chegando lá já tinha algumas mensagens
Priscila: "GUSAAAO OBRIGADA POR ME ACOMPANHAR HOJE LÁ NA FESTA, BJO ;)"
Vinicius:
"HEI"
"QUANDO CHEGAR ME AVISA?"

"CHEGUEI" -mandei
Conversamos até mais de três horas, e marcamos de sair mais tarde naquele mesmo sábado. Vinicius parecia um rapaz inteligente e bem comportado até, ele me explicou que quase nunca tinha saído com ninguém, é só usava o aplicativo pra o que fez na festa, se certificar. Mas mesmo comportado, Por tudo que aconteceu uma parte da conversa obviamente virou putaria. E eu senti que queria e muito transar com o Vinicius, mas que primeiro eu precisava dormir, ia ter que ficar pro sábado à noite


FIM DA PARTE UM







ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.