"Os mais excitantes contos eróticos"

 

MEU PAI. MEU MACHO. MEU HOMEM.


autor: Rafa2014
publicado em: 18/11/15
categoria: incesto
leituras: 47401
ver notas


Queridos leitores, para quem começou agora, sugiro que comece a ler o conto anterior “Meu Pai. Meu Macho. Meu Homem.” 1
¬
¬
¬
Está sendo difícil, passar toda a minha história pra cá. São tantos detalhes e sensações que passei e ainda passo com o meu velho....mas vou me esforçar..rs




CONTINUAÇÃO
>
>
>
>

Cheirar as cuecas usadas do meu pai tornou-se um hábito diário para mim. Então, pensava que essa seria a única forma de tê-lo. Não me imaginava em uma realidade igual aos meus sonhos.

Os momentos certos eram sempre os mesmos, quando ele chegava do trabalho ou da academia. Preferia sempre as de quando ele voltava do trabalho, porque era um cheiro mais curtido de rola e saco suados de um dia inteiro, inclusive quando as cuecas eram brancas com aquela manchinha amarelada das últimas gotas de mijo, aaaaahh....essas eram deliciosas, ou até mesmo as de cores mais escuras, que na maioria das vezes tinham pequenas manchas de esperma, e se o cheiro já era bom, imagina o sabor. Será que um dia eu ainda vou poder provar desse esperma? Tenho a impressão que ele deve produzir um leite gostoso, pelo menos tem porte pra isso. (já me deu água na boca aqui).

Teve um dia, que ele me pediu para lavar o carro, fui na hora. Enquanto eu lavava, ele estava nos fundos do quintal, só com um shorts azul, se exercitando. Ficava só olhando aquele homenzarrão forte, másculo e viril só no abdominal, cultivando os meus músculos preferidos nele, tirando os seus braços, o seu “tanquinho”. Meu sonho era poder esfregar o meu rosto neles e me deliciar. Ops...já to viajando.....rs.

Foi ele terminar as séries dos exercícios que logo já subiu para se lavar. Passados 10 min. ele desceu para almoçar. Lá vai eu mais do que depressa pra sentir a cueca dele e....bingo! Lá estava ela, virada para cima dentro do cesto de roupas sujas, a cueca vermelha dele. Um verdadeiro prêmio, como que esperando para ser cheirada, e por incrível que pareça, ainda estava quente e úmida, com aquele cheiro de macho que só o meu pai tem. Huuummmmm.

Quase levei um susto! Minha mãe quase me pegou naquela hora no banheiro! Como ia me explicar cheirando a cueca do meu pai??? Rsrs

O tempo foi passando, fui levando a vida só no submundo das cuecas dele..rs. Me tornei um verdadeiro perito “cheirador de cuecas”! Não me sentia mais culpado pelo fato de querer sentir o cheiro dele e me masturbar pensando nas mais maravilhosas possíveis e impossíveis trepadas que um homem poderia ter com o outro.

Foi em Março daquele mesmo ano, quando completei os meus 18 anos, logo de cara meu pai me presenteou com uma mega surpresa! Um carro zerinho e novo. Corri para abraça-lo dizendo:

- Ual....Valeu, Paizão! Nem sei como lhe agradecer, você é o melhor Pai do mundo! – Disse quase chorando.

- Que isso, filho. Eu te amo. Isso não é nem a metade do que eu queria dar pra você...Você merece!

Naquele momento queria pular nos braços dele e enche-lo de beijos, mas não podia agir dessa forma. Homens não se comportam assim..kk

Minha mãe estava desaprovando tudo. Não estava de acordo com o meu pai pela escolha do presente. Sempre me achou mimado demais por ele. O que eu poderia fazer, ele era o meu pai lindo e gostoso...(sem chances mãe).

Algumas semanas se passaram e alguns colegas me chamaram para beber em um Pub, próximo a faculdade, numa Quinta-feira a noite, que seria um feriado. Estava precisando mesmo de algo para me distrair, e como no dia seguinte todos emendariam o feriado, eles nem precisaram insistir muito.

Voltei para casa as 2h da manhã, entrei pela porta da sala e rumei para o meu quarto. Passando pelo corredor, escutei barulhos estranhos vindo do quarto dos meus pais e a porta estava fechada. Era a minha mãe gemendo. Eu não podia acreditar, meus pais estavam transando! Isso não era comum, em 18 anos foi a primeira vez que eu os ouvia, e confesso, estava morrendo de ciúmes do meu pai e inveja da minha mãe. Ela estava gemendo tanto, ele devia esta fodendo ela com força, acabando com ela. Poxa, era EU que deveria estar lá, era EU que deveria estar sentindo aquela rola me invadir. Pensava eu. Coitado de mim. Se esse dia realmente acontecesse, estaria acabando o mundo.

Foi difícil dormir naquela noite, como queria ser invisível só para entrar lá naquele quarto e poder assistir de pertinho a performance daquele macho.

O ápice foi o momento em que ela gritou gemendo:

- AAAAAHHHH, JORGE!!!!!! AAAAIIII AMOR!!!! ASSIM....AAAAH, QUE DELICIA!!!

Depois disso, reinou o silencio. Acho que eles pensavam que eu ainda estava fora, pois havia dito que chegaria de madrugada. Finalmente consegui dormir, mas antes tive que me aliviar, batendo aquela punheta bem gostosa, imaginando o meu paizão me comendo do jeito que ele estava comendo a minha mãe ou até melhor!

No dia seguinte, meus olhos se abriram às 7h da manhã. Não conseguia dormir mais, então levantei e desci até a cozinha. A mesa do café estava posta, provavelmente pela minha mãe, que já saiu cedo sem emendar o feriado. Achei ótimo!(Estava puto ainda por ela ter sido tão safada com o meu pai na noite anterior). Sempre a imaginei uma mulher frigida e sem vida no sexo. Acho que me enganei. Não me levem a mau, não a odeio por isso. Ela é a minha mãe, mas fiquei com inveja dela....rs.

Bom, tentei voltar para o quarto, mas no caminho parei na porta do meus pais. Abri de fininho sem fazer barulho, e lá estava ele, aquele macho dormindo todo largado na cama, (provavelmente ele emendou o feriado). Era lindo e excitante de se ver, ele estava descoberto de barriga pra cima com as pernas abertas, roncando suave, e acreditem, ele estava usando uma cueca preta, isso mesmo, aquela mesma cueca que eu cheirei pela primeira vez no ano passado. Lembro-me do cheiro dela até hoje. O volume daquela cueca estava impressionante, nunca o vi pelado antes, somente de sunga, e sim, ele tinha um pacote impactante...rs. Ele com certeza acordaria de “Morning Wood”, é quando nós homens acordamos de pau duro pela manhã. Então, adentrei pelo quarto quase escuro e fiquei velando o seu sono.

Fiquei pensando e desejando ele ali, daquele jeito e imaginando o porquê ele me afetava assim. Será porque ele sempre foi a única figura masculina da minha família? Não...acho que porque ele é um homem gostoso mesmo...rs. Nesse mesmo instante, vi o seu pau pulsar dentro da cueca. Nossa. Aquilo foi demais e o pau dele estava só “meia bomba”. Não me contive, meu coração acelerou, precisava me aproximar mais. Me agachei no chão ao lado do seu corpo, e me inclinei com o nariz próximo ao seu suvaco, e inspirei. O braço estava junto ao corpo, mas alguns pelos escapavam. Que cheiro incrível. Não resisti. Me inclinei sobre a sua cueca e olhei para ele, que parecia ainda estar em um sono pesado, o seu ronco era sinal disso, era a minha área de segurança. Senti um cheiro diferente, um cheiro de porra seca sob o tecido da cueca. Claro, depois dele ter dado uma surra de pica na minha mãe na noite passada, ele nem se preocupou em tomar banho. Mas eu precisava de mais, precisava sentir aquele pau em minhas mãos, precisava tocá-lo! Meu coração parecia que ia sair pela boca, minhas mãos estavam tremendo. Naquele momento ele não estava mais roncando, somente com uma respiração um pouco mais pesada, mas não consegui me segurar. Então levei minha mão direita até o seu sexo sob a cueca, bem devagar e sem peso algum nos dedos, eu então o toquei. Foi uma sensação incrível, estava tão quente, o pau dele pulsou novamente em meus dedos, parecia sentir que eu estava próximo desejando-o. Quando de repente, ele se mexeu, abrindo os olhos e disse assustado:

- Ga? Filho??? O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO???





CONTINUA




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.