"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Camila, baixinha, safada, gost


autor: publicitario45
publicado em: 03/12/15
categoria: hetero
leituras: 6136
ver notas


Conheci Camila em 1999, ela era a melhor amiga da minha ex cunhada, irmã da minha ex esposa. Na época ela tinha apenas 16 aninhos, era espevitada, sapeca, linda e desde nova muito gostosa, o que fazia ela se destacar das demais meninas da sua idade e eu, tinha 29 anos e estava quase casando.

Camila era uma moreninha linda, 1,55 de altura, corpinho delicioso, bundinha arrebitada, pernas grossas, seios grandes para a sua idade, cabelos cacheados, olhos castanhos bem claros e uma boca carnuda que nem a da sua mãe, uma negra linda casada com um negro alto gente boa. Acho que foi desta mistura que saiu esta preciosidade.

Camila e minha cunhada andavam com pouquíssimas roupas, basicamente tops, shorts e saias curtas que faziam a alegria dos meninos da rua e eu, claro, apenas observaa de rabo de olho, afinal de contas meu namoro ia bem demais para arriscar qualquer loucura com aquela ninfeta.

Os anos se passara, eu casei e nunca mais vi a Camila, até junho de 2013, quando encontrei Camila num ensaio de escola de samba de Vila Velha. Como sempre fui um péssimo fisionomista, não reconheci Camila quando ela veio me cumprimentar na roda de amigos.

- Ei, tudo bem? Perguntou ela animada.

- Sim e você, como tem passado? Respondi sem lembrar o nome.

- Você não lembra de mim né? Sou a Camila, amiga da Julia, sua ex cunhada lá de Cariacica.

Após ter me desculpado pela mancada, começamos a conversar e automaticamente nos distanciamos da turma que estava comigo. Naquela noite, Camila estava impressionantemente mais bonita. Trajava um vestido branco de alcinha, sandália com um pequeno salto que a deixava um pouco mais alto. Os cabelos que antigamente eram cacheados e na altura dos ombros, agora estavam completamente lisos e na metade da cintura. O corpo, sensacional, parecia o mesmo, pois apenas de agora Camila ter 30 anos, ela não se casou e não teve filhos.

A conversa fluiu bem enquanto a bateria da escola tocava a todo vapor e o som alto, nos fazia a conversar com os rostos bem perto um do outro, o que me permitia sentir um perfume delicioso que exalava da pele da Camila.

Durante a conversa, fiquei sabendo das aventuras de Camila nestes últimos anos, onde ela se envolveu com um professor casado da Escola Técnica, depois foi trabalhar numa siderúrgica, juntou grana e comprou seu carro e seu apartamento, juntou com um homem mais velho mas depois se separaram e nos últimos meses estava solteira, pois havia acabado de sair de um namoro de mais ou menos dois anos.

Também expliquei que estava separado e que não fazia questão de me juntar com alguém tão cedo, foi quando ouvi um sonoro “Bem-vindo ao clube dos felizes” dito com a cara mais safada que eu já tinha visto naquela noite.

Eu sempre soube que Camila era uma menina foguenta, desde novinha ela aprontava muito no bairro que ela morava. O clima foi ficando bom, a cerveja ia ajudando, e começamos a falar cada vez mais perto até que Camila resolveu dar o primeiro passo.

- Me diz uma coisa, é só eu que estou com vontade de beijar na boca ou tem mais alguém aqui?

Nem me dei ao trabalho de responder. Puxei aquela baixinha pela cintura e sua boca veio rápido em direção a minha, suas pernas se abriram um pouco e suas coxas entraram entre as minhas fazendo com que nossos corpos colassem um ao outro com perfeição. Seus braços envolveram meu pescoço e na ponta dos pés Camila deixou sua boca a minha disposição. Nosso primeiro beijo parecia não ter hora para acabar, nossas bocas não desgrudavam e em poucos minutos saímos da quadra e fomos em direção ao estacionamento.

Rapidamente entramos no meu carro, nos jogamos para o banco de trás. Nossas mãos não sabiam muito bem aonde iam e com isso exploramos cada centímetro do corpo um do outro. Camila, por ser pequena, subiu fácil no meu colo e suas pernas entre abertas permitam a proximidade do meu pau com a sua xaninha. Rapidamente me livrei das alças do seu vestido deixando aquele par de seios grandes e rijos à mostra. Cai de boca nos bicos dando mordidas e chupadas, fazendo Camila se contorcer por cima de minha. Suas mãos puxavam meus cabelos e entre um movimento e outro nossas bocas se encontravam.

Girei meu corpo saindo debaixo dela e a deitando no banco de trás do carro. Desci minha boca pelos seus seios, passei pela barriga, mordi suas coxas grossas e torneadas chegando aos dedos dos pés. Voltei rapidamente em direção ao seu sexo e cai de boca na sua gruta sem perder tempo, afina de contas estávamos no estacionamento de uma quadra de escola de samba completamente lotada.

Chupei aquela boceta carnuda e depilada, penetrei com a língua e com os dedos até que senti as pernas da Camila me pressionar, era o primeiro orgasmo chegando com volúpia.

Depois do seu gozo, Camila terminou de tirar seu vestido e sua calcinha ficando completamente nua dentro do carro, retirou a minha camisa, abriu minha bermuda e caiu de boca no meu pau sem cerimônia. Enquanto ela pagava um boquete, murmurava e sussurrava palavras desconexas.

Já não aguentando mais de vontade de meter naquela bocetinha carnuda, puxei Camila pelos cabelos trazendo sua boca até a minha. Seu corpo se movou e meu pau encaixou com perfeição entre seus grandes lábios. Com duas reboladas Camila já estava engolindo meu cacete de forma espetacular. O pau foi preenchendo e eu sentia uma pressão incrível da sua boceta apertada, quente e completamente ensopada.

Camila se mexia com vontade, minhas mãos apertavam e alisavam cada espaço do seu corpo, meus dedos penetravam seu cuzinho enquanto meu pau era sugado pela sua boceta insana de tesão. Ela parou de rebolar e com os pés apoiado no banco do carro, ficou agachada permitindo que seu corpo subisse e descesse no meu pau que já estava pulsando de vontade de gozar.

Mais alguns movimentos anunciei que ia gozar e Camila veio junto aumentando o ritmo da trepada. Gozei inundando sua boceta de porra de escorria pelo meu pau e sujando toda minha virilha. Camila saiu de cima de mim e caiu de boca na minha rola toda lambuzada de porra e do seu mel. Com clara intenção de me chupar novamente, Camila tratou de sugar toda porra que havia escorrido, engoliu cada gosta de porra me levando ao delírio novamente. Camila seguia chupando o meu pau ainda meio mole de forma incrível. Sua língua passeava em torno da cabeça, descia até o meu saco, subia
novamente e isso foi me deixando excitado novamente. Camila continuou o boquete ainda com mais vontade na medida que meu pau ia endurecendo novamente. Deixei meu corpo relaxar enquanto minha amiga se divertia com a minha rola até que não resistir e gozei novamente lhe enchendo a boca de porra. Camila bebeu e sugou até a última gota.

Depois, ela deitou seu corpo sobre o meu e ficamos ali, beijando, nos alisando até que seu celular tocou. Eram seus amigos querendo saber se ela queria carona ou se tinha alguém para leva-la em casa.

Saímos da MUG às 3h da manhã em sentido a sua casa em Vitória. Chegando lá fui convidado para tomar uma saideira, mas isso é história para outro dia.

Beijos para vocês.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.