"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Deu para três homens


autor: bernard
publicado em: 05/12/15
categoria: hetero
leituras: 95584
ver notas


Nancy é advogada, tem 43 anos, casada e tem um filho. O que passo a contar agora, começou quando ela foi para a academia malhar por volta das sete horas da noite como de costume. Ao sair da academia pegou seu carro e como seu marido só chega do trabalho após as dez da noite, avisou a empregada que iria fazer as compras que ela tinha pedido e por isso chegaria mais tarde em casa. No caminho, ao parar em um semáforo as portas do seu carro foram abertas e três homens adentraram no veículo mandando-a acelerar. - Vai dirige logo senão te mato, gritava um deles. Ela assustada dirigia enquanto eles vasculhavam a sua bolsa. Acharam um pouco de dinheiro e seu cartão de débito. Pararam na rua próxima ao banco onde ela tem conta e após passar a senha do cartão para um deles, ficou refém enquanto o outro foi sacar dinheiro. Passado algum tempo ele volta furioso, dá um tapa na cabeça dela e diz: -Sua vagabunda, me deu a senha errada, bloqueou o cartão. "Vamu" matar essa puta. Ela implorou que não a machucassem, que tinha dado a senha correta e que não tinha ideia do que havia ocorrido. Colocaram-na no banco de trás do carro e começaram a andar numa direção que ela não poderia ver, pois era obrigada a ficar de cabeça abaixada, quase colocando a cabeça junto aos seus joelhos. Após mais ou menos trinta minutos, pararam em uma fábrica abandonada. Eles a tiraram do carro e a levaram para dentro da fábrica abandonada, dois foram com ela enquanto o terceiro saiu com o seu carro. Nesse dia ela vestia uma calça de ginástica verde, bem justa ao corpo e um top branco. Foi andando na frente deles quando um deles disse: - Essa madame é bem gostosa, “vamu” dar um trato nela. Nancy começou a reclamar e disse para eles não a tocar, que ela era casada e que não faria nada com eles, e não iria denunciá-lo a polícia. Neste momento foi lembrada por um revólver que seria pior se reagisse. - Madame cala a sua boca senão eu te dou um tiro na cara, ou a senhora que apanhar? Imediatamente ficou calada e engoliu a seco. Ele continuou: – Vamu lá madame faz um showzinho pra gente. Showzinho? Perguntou ela? É faz um strip-tease, tira toda a tua roupa pra começar a esquentar. Nancy ficou paralisada, mil coisas passaram pela cabeça, o fato de ter casado virgem e nunca ter tido outro homem além do seu marido. Foi trazida para a realidade por uma ordem aos gritos:- Tira logo essa roupa sua puta!!! Eles ligaram um rádio desses portáteis com uma dessas músicas funk e a obrigaram a dançar. Eles davam as ordens, mandando-a tirar o tênis, as meias e a calça de ginástica ficando somente de tanguinha e top. “Olha o tamanho do rabão dessa puta, olha como ela é gostosa, continue dançando e agora desce até o chão”. Tirou o top e ficou só de calcinha dançando. Nisso chega o terceiro ladrão dizendo que já havia vendido o carro e quando q viu praticamente nua deu um sorriso e disse:- Nossa!!! Ela é muito gostosa vou me acabar nessa buceta e foder esse rabo. Logo em seguida eles começaram a apalpar sua bunda e passando um dedo na xoxota por cima da calcinha. Nancy que não tinha uma vida sexual das melhores, e aqueles homens a tocando, seu corpo deu sinais, pois sentiu sua xoxota humedecer, apesar do medo que estava sentindo.- Vai andando até a parede de costas pra gente, tira a calcinha bem devagar, depois traga a calcinha pra mim aqui na minha mão. Obedeceu, e entregou a calcinha para um deles que imediatamente a colocou no nariz para sentir o seu cheiro. Nancy foi mostrando a bunda e voltou mostrando a xoxota e seus seios. Ela havia se depilado um dia antes e eles falavam entre eles dos seus pelos bem aparados formando um triângulo certinho acima do clitóris. Os três homens se despiram e ela pode ver três rolas enormes na sua frente, pelo menos dois deles era maior que a do seu marido. Ela, ficou ali parada olhando para aquelas rolas sem saber o que fazer, quando um deles a pegou por trás encaixou seu pau duro pelo vão das suas coxas e mordiscava seu pescoço e os lóbulos das orelhas. Seu pau era tão grande que ela podia ver um pedaço dele saindo para fora dela como se ela tivesse pinto. Ele roçava seu cacete e ela ficava toda arrepiada e sentia a boceta a trair e se lubrificar a ponto de molhar o pau dele que roçava no seu bumbum entre suas coxas. Outro foi pela frente e a beijou os lábios invadindo sua boca com sua língua. Nesse momento sentiu seus mamilos tão duros e intumescidos que parecia que eles iam estourar, enquanto suspirava e gemia.- A putinha está carente, olha como ela ta molhada, olha como ela arrepia fácil. Ela continuava parada, de pé, mas agora com as pernas entreabertas. Um deles se agachou e, pois, a língua na sua xoxota e começou a chupá-la levando-a um orgasmo rapidamente. Ela ficou envergonhada e com as pernas bambas, até que um deles teve que a segurar para ela não cair. Foi aí que eles disseram que se ela ficasse quietinha e obediente a eles, que não iria acontecer nada de mal com ela, pois agora eles só queriam sexo. Ainda nervosa, mas com muito tesão e totalmente entregue a aqueles machos, Nancy não tinha mais nada a fazer. Então decidiu que iria se assumir como puta para aqueles três. Sem que eles pedissem, ela se ajoelhou e começou a chupar a pica de um deles, e caprichou na mamada, fez bem babado alternando entre cabeça e corpo, lambendo o saco. Depois fez o mesmo com os outros dois paus que se juntam para ela chupar. Ela não sabia o que fazer com três paus na sua frente, mas ela estava com muita fome e começou a chupar aquelas rolas se revezando entre eles, juntava saliva e cuspia na cabeça do pau de um, enquanto masturbava os outros, um deles batia com a pica no seu rosto, esfregava nos meus seios, e ela chegava até a se engasgar com aquela pica toda na boca. Eles a levaram para um colchão que tinha por lá deitaram-na e aquele que ela chupava a penetrou com vontade, arrancando urros da sua boca. Na segunda investida ela já sentia o caralho tocar seu útero, enquanto batia uma punheta para um deles e chupava o pau do outro, e assim, teve outro orgasmo, dessa vez mais intenso. Sentia, um cacete duro como pedra dentro de si e nisso voltou à razão e se lembrou que pelo fato do seu marido ser vasectomizado ela não tomava anticoncepcionais.-Não goza dentro de mim, eu não tomo nada, não posso engravidar!!! Não adiantou nada, o cara que metia na sua xana, aumentou o ritmo das estocadas e ela pode sentir fortes jatos de porra quente lançados dentro da minha buceta. Ele saiu de dentro dela, se levantou, e saiu de perto, e o outro imediatamente mandou ela ficar de quatro e meteu seu pau na sua boceta já alargada e bem lubrificada pelo seu tesão e pela porra do outro cara que estava saindo. O outro foi pela frente e a deu seu enorme pau para ela chupar. Ela rebolava na pica dele, e ele lhe dava fortes tapas na bunda e fodia a buceta levando-a a outro orgasmo, o cara que ela chupava, segurava a sua cabeça e praticamente fodia sua boca no que ela sentia seu pau invadir a sua garganta, a tal ponto que a deixava toda babada. Ela fazia carinhos no saco dele querendo que seu macho desse-lhe bastante porra. Nancy nunca deixou seu marido gozar na sua boca, pois dizia ser nojento. Mas ali, naquela situação em que se encontrava, em um raro momento em que o cara não atochava o seu caralho na sua boca ela conseguiu falar alguma coisa e embriagada pelo desejo, disse:- Goza na minha boca gostoso, me dá tua porra pra eu beber. E continuou chupando, olhando para ele com cara de safada até ele despejar toda o seu esperma na sua garganta. Ela engoliu uma parte e a outra escapou pelos seus lábios indo até a ponta do queixo, nisso o que comia a buceta gozou também despejando mais porra dentro dela. Minutos depois, ainda mole, eles deram suas roupas, e seus pertences e ela pensando que eles iriam a liberar, foram para uma casa dentro da favela. Ela ainda podia sentir a porra escorrendo da xoxota para a calcinha. Chegando lá, eles a mandaram tomar um banho e deixar a porta aberta para ser observada. Logo depois entraram no pequeno banheiro a ensaboaram enquanto ela os punhetava e fez uma chupeta para cada um debaixo do chuveiro. Foram molhados para a cama e um deles deitou de barriga para cima e ela logo fui montando nele se encaixando no seu caralho subindo e descendo, mexendo os quadris e olhando a xoxotinha engolindo o pauzão. Ela gemia, pedia para a foderem, que ela era uma puta sem vergonha, que sempre teve vontade de trair seu marido, mas não tinha coragem. Um deles lhe dava tapas na bunda e ela pedia mais. - Me bate, bate na minha cara, me xinga de puta, de cadela, de vadia. Olhou com cara de safada para o homem que a observava se masturbando e disse para ele:- Venha safado, deixe de bater punheta e mete logo esse cacete no meu cu, quero duas picas dentro de mim. Ele ficou louco ouvindo isso, foi pela frente e mandou-a dar uma chupada e cuspir no seu pau, depois deu uma bela cuspida no cu e começou a enfiar. Nancy sentiu aquele pau arrombando o seu cu, parecia que ela estava anestesiada, não sentia dor, só prazer, seu corpo dava descargas elétricas como se tomasse pequenos choques, ele a puxava pelos cabelos e dava tapas na bunda enquanto que o outro comia a buceta, xingando-a de puta e lhe dava tapas na cara.- Sua puta, vadia, cadela, rebola mais sua piranha!!! – Vai, me fode safado, não queriam buceta? Então fode a minha, mete com força, arregaça meu cu, minha buceta, minha boca, fode a loura puta, vai!!!!! Nessa altura o terceiro homem calou a sua voz colocando o seu pau na boca e ela chupava com vontade, mamando naquele cacete enorme. Naquele momento Nancy se sentia a maior prostituta com um pau na buceta, outro na boca e outro no cu. Ela a típica dondoca, advogada, toda recatada, estava ali trepando com três homens ao mesmo tempo. Perdeu as contas dos orgasmos que teve, mais uma vez, sentiu a buceta inundada de porra novamente, logo depois o que o comia o cu gozou bem fundo entupindo o cu de porra. Eles se levantaram e ela teve mais tempo para proporcionar uma bela mamada no terceiro deles. Fazia cara de puta, olhava para ele enquanto chupava, cuspia no pau dele massageava o saco, tentava colocar as bolas dele dentro da boca, ele gemia deliciosamente e ela adorava vê-lo daquele jeito. -Nossa como essa vagabunda chupa gostoso, que boquinha macia. Nisso ela conseguir engolir o caralho dele por inteiro deixando só o saco de fora, respirava forte pelo nariz, seus olhos lacrimejavam, mas mesmo assim ela fazia um vai e vem rápido masturbando-o com a boca, sua saliva escapava pela boca escorrendo pelos seus seios. Sentia a glande na garganta. Então ele segurou sua cabeça forçando conta o seu púbis e gozou, no que ela sentiu o esperma esguichando goela abaixo, e em seguida mostrou a ele a boca cheia de porra. Ele a sentia a maior e mais vadia das mulheres, e ela estava completamente depravada como nunca tinha sido antes com seu marido. Eles a xingavam de vadia, cadela, puta, vagabunda, metiam com força nela e ela adorava toda aquela situação, sendo esculachada por aqueles homens insaciáveis. Terminado foi levada daquele lugar, nua e abandonada numa rua escura de pouco movimento com as roupas e a bolsa com alguns pertences nas mãos e ainda toda suja de esperma. Com a calcinha conseguiu se limpar o suficiente para pôr suas roupas e pegar o primeiro taxi. Quando entrou no taxi, a ficha caiu e começou a chorar até chegar em casa. Já era meia noite, a empregada e o filho já estavam dormindo e o marido ainda não tinha chegado do trabalho. Rapidamente tomou um longo banho e quando seu marido chegou, não conseguiu contar a verdade, disse apenas que o carro tinha sido roubado e que ainda não tinha feito o boletim de ocorrência, pois não estava se sentindo bem, então ele tomou as providências.
No dia seguinte, ela procurou sua médica é melhor amiga e contou todo o ocorrido para ela, omitindo o fato dela ter gostado e sentindo prazer e muitos orgasmos, é claro, falou que não queria ir à polícia por vergonha e que não gostaria que seu marido soubesse. Tomou alguns medicamentos para evitar doenças, além da pílula do dia seguinte. Aqueles filhos da puta a foderam de todas as maneiras, a fizeram gozar como uma cadela no cio. Não teria coragem de fazer tudo de novo, mas teria sim vontade de transar com outros homens com o meu consentimento. Depois disso, nunca mais, Nancy foi a mesma, relembrando aquelas imagens daquele dia, ela se masturba gozando como uma cadela no cio, o que a incentiva de vez enquanto dar uma “pulada de cerca”. Gostou? Se excitou? Quer ler outros contos da minha autoria? Então acesse: e em autores clique na letra "B" de Bernard. Se desejar podemos conversar sobre o assunto. Skype: bernard.zimmer3 ou e-mail. bernard3320@live.com ou WhatsApp: 11944517878





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.