"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Gravação


autor: Safadão25
publicado em: 17/12/15
categoria: traição
leituras: 32111
ver notas


GUSTAVO acomodou a câmera no alto do armário, entre
caixas e malas amontoadas que impediam a porta de fechar
completamente. Ajustou o nível de luz, enquadrou a cama
de casal e acionou o dispositivo que um amigo lhe arrumara,
programando o início da gravação para quando um sensor
elétrico detectasse qualquer movimento no quarto. Sabia que
os movimentos teriam lugar naquela tarde: Beatriz não teria
sorrido tanto ao acordar, nem saído para caminhar um pouco
logo de manhã, nem o teria beijado com tanto carinho no rosto
ao vê-lo chegar para o almoço inesperadamente, em pleno dia
útil, caso não fosse encontrar o amante que ela negara seis ou
sete vezes no último ano.
A cena teve início minutos antes de o casal entrar no
quarto. Mostrava a cama de casal vazia, coberta pela colcha
com motivos florais que chegava quase até o assoalho. No alto
da tela, data e hora também imóveis, enquanto o tempo de
gravação corria devagar, segundo a segundo. Pouco depois, uma
mosca encobria totalmente a cama de casal, as asas brilhantes
contrastando com a mancha escura que dominava a tela,
movendo-se ligeiramente, apontando o motivo de a câmera ter
começado a gravar enquanto Paulo e Beatriz ainda conversavam
no corredor, deixando um rastro de vozes que não se distinguiam
na gravação.
Ouvia-se então o barulho da porta sendo aberta e as
vozes de Paulo e Beatriz, agora nítidas. A mosca voou.
“Você gosta dele?” – perguntava Paulo, depois de
encostar a porta, sentando-se na cama com ar desanimado.
“Muito.” – respondia Beatriz, com firmeza e naturalidade,
enquanto contornava a cama para entreabrir a janela e fechar as
cortinas. – “Gosto muito dele. Se não gostasse, não teria me
casado com ele.”
Paulo, de cabeça baixa, passava as mãos nos cabelos
fartos e negros. Parecia aflito. Depois de uma pausa:
“Bia, desculpe dizer isso assim, mas... então, por que você está
aqui comigo?”
Beatriz contornava outra vez a cama, na direção de
Paulo.
“Uma coisa não tem nada a ver com a outra.” – ela dizia,
passando as mãos por sob os cabelos castanhos compridos para
tirá-los dos ombros. Sentava-se ao lado de Paulo. – “Você gosta
da sua mãe, não gosta? Gosta também da sua filha, e muito, vive
falando nela. Então, por que você está aqui comigo?”
Virou o rosto para o alto num riso rápido, agudo, marcando
o tom provocador com que expressara a comparação.
“Isso é diferente, Bia, pelo amor de Deus!” – disse Paulo,
a voz mais alta, a testa morena franzida entre as sobrancelhas
grossas, olhando desta vez diretamente para Beatriz. Amainando
o semblante, sem desviar os olhos completou, patético:
“Eu te amo.”
“Eu também,” – respondeu ela com displicência – “mas
não é diferente, não. Marido não é parente, mas é como se
fosse.”
Novo riso, desta vez mais longo; deliciava-se com as
palavras. Seu jeito despreocupado, sempre disposto à leveza,
era o que havia encantado Paulo desde o princípio. Mas havia
também os dentes perfeitos, que se entreviam na gravação, o
perfil harmonioso, os seios anunciando-se livres de sutiã por
sob a camisa, os quadris bem proporcionados emoldurando-se
na calça ligeiramente justa.
Paulo não respondeu, limitou-se a fitá-la demoradamente,
um misto de afeto, desejo e distância nos olhos negros.
“Tem outra coisa, Pablito.” – ela disse ainda sorrindo,
mas desta vez a sério. – “Eu sei (e você também sabe) que você
só fica comigo porque eu sou casada. Se eu não fosse casada,
ou se me separasse, o seu tesão por mim desapareceria. Você
continuaria a gostar de mim, mas sem tesão.”
Paulo reagiu:
“Falando assim, você me faz sentir um cafajeste.”
“Você não é cafajeste. Se afastou do Gustavo para não
ter que fingir de bom amigo, está comigo porque gosta de mim.”
– ela passou a mão direita no rosto de Paulo, mão suave e bem
desenhada; ele fechou os olhos. – “Mas você gosta de pensar que
eu sou casada, e que mesmo assim estou desabotoando minha
camisa, e pegando sua mão, e cobrindo meu seio com a sua mão;
você gosta de sentir meu mamilo endurecendo na palma da sua
mão, gosta de pensar que não poderia estar fazendo isso.”
Ouvia-se a voz nítida de Beatriz como se ela narrasse, à
distância, o que se via na gravação.
“Você gosta de sentir minha mão no teu rosto, avançando
até a sua nuca e desmanchando o seu cabelo, mas gosta mais
ainda de saber que essa mão tem uma aliança de ouro no dedo
anular, você se arrepia todo quando essa aliança esbarra na tua
pele, quando sente no seu pescoço o frio da aliança que me
consagrou a outro, e que agora está enfiada no seu cabelo como
se não fosse nada, como se não importasse diante de você.
Mas importa, importa muito, e você sabe disso; que graça teria
escorregar sua mão pela minha barriga e desabotoar minha calça
jeans se eu não fosse casada? Baixar o zíper devagarzinho... Você
poderia desabotoar a calça jeans de muitas outras mulheres, não
teria importância, mas desabotoar a minha calça e passar os
dedos sob o elástico da minha calcinha você não pode, não é
certo você sentir meus pelinhos roçando de leve as costas dos
seus dedos.”
Via-se Beatriz deitar-se na cama e levantar um pouco os
quadris, deixando passar a cintura da calça por eles, sob as mãos
enérgicas de Paulo, enquanto soltava com as pontas dos pés os
sapatos sem fivelas. A seguir, ele tirava a camisa, sem o mesmo
cuidado que tivera com a calça de Beatriz, e desafivelava o cinto.
Sob a calça social, notava-se já uma ereção.
“É ofensivo você se excitar com uma mulher casada,
sabia?” – ela disse, emendando novamente seu risinho rápido e
agudo, enquanto pousava a mão sobre o membro de Paulo por
sobre a calça. Ele deixou cair o tronco sobre a cama, os braços
abertos largados com as palmas das mãos viradas para cima.
Beatriz soltava o fecho da calça de Paulo, antes de abrir o zíper
abaixou-se para descalçar-lhe os sapatos e meias.
“Tem coisas que eu não faço com o meu marido.” –
dizia Beatriz, puxando juntas a calça e a cueca de Paulo. – “Ele
já me pediu várias vezes, mas uma esposa tem que se dar ao
respeito.” – Segurava o membro ereto de Paulo firmemente
com a mão esquerda, escorregando-a devagar para cima e para
baixo. Com a mão direita, arranhava suavemente a barriga e a
coxa do amante. – “Esse pau duro aqui, por exemplo, não pode
de jeito nenhum entrar na minha boca. Eu sei que você me ama,
mas não se esqueça que eu sou casada, e que os lábios de uma
mulher casada foram feitos para beijar os filhos.”
Via-se Beatriz sorrir e aproximar o rosto do membro
de Paulo. Abruptamente, ela pôs a glande na boca, sugando
com força; Paulo respirou profundamente. Ela então lhe deu as
costas, ajeitando-se na cama: ajoelhou-se, apoiou os quadris nos
calcanhares, tirou novamente os cabelos de sobre os ombros.
A gravação mostrava-a inteira, só de calcinha, os seios rijos
não muito grandes, um início de barriga, no rosto a excitação
sexual mesclada ao divertimento infantil, sorrisos que surgiam
e desapareciam como relâmpagos ou impressões passageiras.
Paulo apoiou-se nos cotovelos e escorregou o corpo inteiro para
sobre o colchão, o membro excitado agora coberto pelas costas
nuas de Beatriz, que acabava de se voltar para ele novamente.
Podia-se vê-la debruçar o corpo sobre os quadris de
Paulo, que não se mexia, e olhava para ela como que alucinado;
suas palmas dos pés apareciam na gravação excessivamente
brancas, em contraste com o tom amarelecido das pernas, entre
as quais Beatriz, levemente bronzeada, movia-se agora com o
corpo inteiro, avançando e recuando o tronco sobre a virilha de
Paulo, a cabeça levantada em sua direção, a voz:
“Você acha bonito esfregar seu pau duro entre os seios
que um dia vão alimentar meus filhos? Acha? Os filhos do meu
marido vão sugar esses mamilos que você está esfregando na
pontinha do seu pau, que graça teria seu eu fosse tua esposa?
Você não teria coragem de apertar seu pau com os seios que vão
alimentar seus filhos, teria?”
“Bia, por favor...” – disse Paulo, ofegante e em vão.
“Não, você não teria, meu amor. Você está esfregando
o pau nos meus seios porque você é meu amante, me dá o que
o meu marido não quer, ou não pode – porque eu não deixo!” –
novamente o risinho curto – “Mas você pode, meu amor, você
pode tudo, você é meu amante; já pensou se o meu marido me
visse agora?”
O riso saiu particularmente agudo, Beatriz também
ofegava. Endireitando o corpo, virou-se e sentou-se na cama, de
costas para Paulo, puxou a calcinha dos quadris até os joelhos
e descartou-a com movimentos nervosos das pernas. Paulo se
ajoelhava na cama, excitadíssimo, beijava-a no pescoço enquanto
ela se desincumbia da calcinha.
“Gostosa!”
Beatriz virou-se para ele, beijaram-se demoradamente.
Via-se na gravação o que só poderia ser descrito como uma
“guerra de lábios”: ela sugava os lábios de Paulo, tentando
prendê-los, ele fazia o mesmo com os lábios de Beatriz. Ambos
tentavam impedir que o outro invertesse a inclinação da cabeça.
Estavam abraçados.
“Eu exijo do meu marido que use camisinha para transar
comigo.” – ela disse, desvencilhando-se de Paulo e oferecendo
o pescoço para ele beijar. Os olhos de Beatriz eram castanhos,
brilhavam na direção do armário, os sorrisos-relâmpago indo e
vindo no rosto ensolarado. – “Tomo pílula, mas ele não sabe.”
– fechou os olhos, um sorriso prolongado quando ele afastou
seus cabelos e começou a beijar-lhe a nuca. – “Só com você eu
transo sem camisinha, só o seu pau eu sinto inteiro dentro de
mim.”
Paulo tentou fazê-la deitar-se na cama, empurrando-a
delicadamente pelos ombros. Beatriz resistiu. Aproximou o rosto
do ouvido de Paulo e, com voz muito baixa, quase indistinta na
gravação:
“Sou tua. Aproveita. Me devolve usadinha para o meu
marido.”
Em seguida, via-se Beatriz deitar-se e abrir as pernas, e
Paulo encaixava-se nela e a penetrava, oscilando entre estocadas
vigorosas, movimentos suaves e momentos em que, introduzindo
profundamente seu membro em Beatriz, continuava forçando o
quadril como se pretendesse ir além do que era anatomicamente
possível, permanecendo assim por vários segundos antes de
retornar aos movimentos. Ambos ofegavam. Beatriz:
“Eu sou casada, minha aliança está colada nas tuas
costas... Eu estou nua debaixo de você, meus seios estão colados
no teu peito, meus mamilos durinhos, você me beija e lambe meu
rosto quando bem quer... Você se excitou com o meu corpo,
agora seu pau está enfiado em mim, entrando e saindo, eu estou
de pernas abertas debaixo de você que não é meu marido, sei
que você vai me encher de esperma, que vai esvaziar suas bolas
dentro de mim... Você está onde não poderia estar, fazendo o
que não poderia fazer com quem não poderia deixar você fazer,
mas você quer, seu pau está cada vez mais duro e esticado na
minha bucetinha bem-comportada de esposa, você quer e eu
deixo, e mesmo eu deixando você não poderia, e mesmo assim
você continua a meter, vai gozar mesmo assim, vai me encharcar
de esperma e depois me deixar para o meu marido, usadinha e
contente, ele que fique com os restos, porque essa bucetinha
que está para explodir de tanto apertar seu pau agora é tua.”
Ouvia-se o gemido profundo de Beatriz, que inclinava
a cabeça para trás enquanto empurrava para cima os quadris de
Paulo em espasmos irregulares, as pernas cruzadas na altura dos
tornozelos prendendo-o dentro dela, os braços agarrando-o
pelo pescoço. Ato contínuo, Paulo contraiu todo o corpo, soltou
um gemido grave que foi tendendo ao agudo enquanto seus
quadris, também em espasmos, pareciam querer livrar-se de
Beatriz, impedidos pelas pernas que ela mantinha firmemente
cruzadas. Em seguida, silêncio; os dois abraçados, imóveis, ele
ainda sobre ela, e pouco antes de estirar-se a seu lado ele a beijou
na boca profundamente.
A gravação continuava com Beatriz e Paulo saindo de
quadro, retornando envoltos em toalhas, vestindo-se, conversando
e rindo amistosamente, arrumando a cama, trocando selinhos e
abraços carinhosos. Depois, outra vez a cama vazia, os motivos
florais da colcha certamente respingada substituídos por figuras
geométricas em azul, vermelho e amarelo. A mosca não voltou
a pousar sobre a lente, pelo menos enquanto Gustavo manteve
a gravação rodando, absorto nas formas losangulares da colcha
limpa que Beatriz escolhera para substituir a outra.
“Isso não se faz...” – ele pensou, num misto de tristeza
e ódio, enquanto assistia pela segunda vez à gravação. Beatriz
dormia serenamente no quarto, os cabelos soltos no travesseiro,
a respiração suave, as mãos juntas sob o rosto delicado, imagem
plena e imaculada de esposa. Na sala, sob a tela de vidro, era
outra mulher, não a sua.
“A do Paulo” – sussurrou Gustavo, sentindo um arrepio
de espanto.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.