"Os mais excitantes contos eróticos"

 

FERIAS COM MEU PAI - I


autor: rick
publicado em: 25/01/16
categoria: incesto
leituras: 96924
ver notas


Meu nome é Fernanda e tenho 20 anos. Desde a separação dos meus pais quando eu tinha de 13 para 14 anos, sempre nas minhas férias escolares passava no litoral na casa do meu pai. Um moreno forte e muito bonito e segundo minhas amigas, muito gostoso, muitas chegaram a confessar pra mim que daria tudo para transar com ele, até pediam para que eu desse uma ajudinha, porém nunca levei a serio.
Chegou minhas férias fui para a casa dele, chequei lá pelas 20hs, cumprimentei meu pai com um longo abraço que ele fez questão de retribui, beijando e me acariciando. E desta vez me fez elogios do tipo: como você está bonita , mas moça, mais mulher, gostosa.
Quero dizer que eu e meu pai nunca tivemos censura entre nós, sempre me trocava do seu lado, cresci fazendo isso, achava normal, pois ele nunca fez nada comigo, até mesmo quando ele se trocava também do meu lado, tanto ele como eu nunca ficamos completamente nus, quero dizer que eu jamais tinha visto seu pau, assim como ele a mim.
Ficamos conversando, tomando uma bebida gelada, enquanto desfazia minha mala, e arrumando no guarda roupa. Mesmo com meu pai ali do meu lado já fui tirando minha roupa, fiquei somente de calcinha, entrei no banheiro para tomar um banho. Nem dois minutos que eu estava debaixo do chuveiro ele foi entrando e tirando seu short.
- Posso entrar ai com você?
Vendo aquele homem moreno alto e com aquele pinto que já era grande nitidamente crescendo; senti minhas pernas tremendo... Quando ele me abraçou por trás segurando meus seios e cutucando minha bunda com seu pinto não senti um pingo de vontade em recuar... Pelo contrário; fui deixando rolar que não pensei duas vezes pra levar a mão pra trás e segurar seu pau que já estava duríssimo... Tateei sentindo além do tamanho a grossura. Ele me virou de frente pra ele e foi com a boca no meu peito e a mão na minha xota... Quando ele enfiou seu grosso dedo na minha buceta.
- Ui! Ui! Ui! Noooossa pai... Assim você está deixando minhas pernas bambas!
- Vamos lá pra cama?
Passei a mão na toalha e fui me enxugando rapidamente enquanto ele fazia o mesmo... Sabia que tinha chegado a hora de ter a pica do meu próprio pai na minha buceta e eu estava eufórica pra que isso acontecesse logo.
Deitei na cama já com as pernas abertas e viradas pra ele... Estava adorando poder me comportar como uma putinha pra ele:
- Vem pai... Vem meter na bucetinha da sua filha; vem?
Ele subindo de joelhos sobre a cama segurando sua enorme pistola.
- Até alguns dias atrás, jamais poderia imaginar que um dia ia transar com você.
Ele botou o pau na minha buceta e fui empurrando me fazendo ficar por alguns segundos sem fôlego sentindo sua trolha alargando minha buceta.
- Aaaaah! Aaaaaaah! Empurra pai; empurra tudo!.... Hummmmmm! Me fode com força pai!...
Além de ter uma piroca duas vezes maior e muito mais grossa do que estava acostumada, suas violentas socadas me faziam gritar feito uma louca descontrolada. Ele passando seus braços por trás das minhas costas e procurando minha boca enquanto só ficava mexendo sua cintura pra cima e pra baixo.
- Ferrnanda... Meter em você é muuuuuiiito bommm!
Eu que nunca parei de me prevenir contra gravidez tomando pílulas desde quando comecei a transar com meu namorado, travei meu pai pela cintura com minhas pernas e sentindo um delicioso e prolongado orgasmo.
- Gooooza paiiii! Goooooza na minha buceta; gooooooza!
- Uuuuuaaaiiiiiiii! Uuuuuaaaiiiiiii! Mete pai; mete! Ooooh como é gostoso!...
Ele ainda deu várias socadas na minha buceta antes de ficar só apoiado nos seus braços com seu pau todo enfiado em mim.
- Ooooohhhhhh! Oooooohhhhhh! Aaaaaahhhhh! Aaaaahhhhh!
Sentia seu pau pulsando dentro da minha buceta e soltando uma grande quantidade de esperma. E pela primeira vez depois de adulta dormi na cama do meu pai abraçadinho com ele, como na época de criança.
Pela manha fomos para praia e voltamos na hora do almoço e após a refeição resolvemos tirar um rápido cochilo antes de irmos novamente pra praia. Deitei ali mesmo na sala enquanto ele foi para o quarto. Menos de uma hora depois, acordei e fui onde ele estava... Eu tinha deitado só de calcinha, mas ele tinha deitado sem nenhuma roupa.
- Vem cá Fernanda; vem?!
Subi na cama indo me debruçar sobre seu peito e ele me puxando me fazendo beijá-lo na boca.
- Você é gostosa demais filha...
Fiquei de pé sobre a cama e fui descendo lentamente minha calcinha... Passei a ter um desejo enorme em me comportar como se eu fosse muito safada e toda dengoza.
- Vai meter de novo na putinha da sua filha; vai?
Ele me segurando pelas pernas e me fazendo ficar de pé com ele entre minhas pernas... Me senti realizada.
- Então vem minha putinha... Esfrega essa sua buceta safada na minha cara!
Me ajeitei segurando no encosto da cama e fui descendo até sentir sua respiração batendo na minha buceta... Ele encostou sua língua e eu passei a ficar me movimentando.
- Chupa pai... chupa minha buceta; chupa pai! Ooooh! Oooooh!
Um minuto depois, ele me jogou sobre a cama e voltou a chupar minha buceta com mais vontade... Era cada linguada e cada chupada que eu ia perdendo de vez qualquer pudor que eu ainda podia ter.
- Chupa! Chupa pai Moooorde! Iiiiiiisssso! Aaaah! Aaaah! Vou gozar pai... Voooouuuuuu goooozar!
- Uuuuuaaaiiiiiiii! Uuuuuaaaiiiiiii! Mete pai; mete! Ooooh como é gostoso!...
Nem bem acabei de me refazer do orgasmo, ele rapidamente se ajeitou sobre meu corpo e atolou todo seu pau na minha ensopada buceta socando como um alucinado.
- Toma putinha; toma!... Gosta de um pau na buceta né?
Rapidamente comecei a sentir novamente prazer com seu pau socando forte na minha buceta.
- Isso pai! Fode sua filhinha safada; fode!...

Cinco minutos depois, sentindo ele gozando dentro de mim tive meu segundo orgasmo.
Fomos novamente á praia e voltamos já começando a escurecer; passamos numa barraca e fizemos um lanche bem reforçado. Chegando em casa tomei um banho, deitei no sofá da sala pra assistir um pouco de TV e só fui acordar no dia seguinte. Meu pai já tinha ido na padaria e estava preparando nosso café quando cheguei na cozinha. Tomamos café, fui ao banheiro e depois de escovar meus dentes voltei para sala e liguei a TV.

Poucos minutos depois ele chegou, deitou do meu lado e me beijou muito na boca antes de me deixar peladinha... Fui pra cima dele, e depois de também beijá-lo bastante soltei os botões da sua bermuda e descendo o zíper fui puxando até deixá-lo só de cueca... Quando comecei a puxar sua cueca ele já estava com o pau começando a crescer. Deitada entre suas pernas, segurei seu pau e esperei chegar no seu tamanho máximo pra começar a passar minha língua naquela cabeçorra roxa e enorme
- Hummmmm! Você realmente é uma putinha deliciosa... Chupa filha, chupa meu pau; chupa!
Minha curiosidade era se aquela pica ia caber na minha boca... Fiz malabarismo pra conseguir abocanhar o máximo que pude e começar a deslisar gostoso meus lábios até chegar novamente na cabeça; lamber e descer várias vezes.
- Para filha... Para que vou gozar!
Tirei minha boca e fiquei masturbando-o até ver seu esperma aparecer e começar a escorrer pelo corpo do seu pinto.
- Mais rápido! Mais rápido! Oooohhhh! Ooooohhhh!...

Foram 10 dias numa rotina: trepar, ir na praia, voltar e trepar novamente, de novo pra praia e dormir pra tudo voltar a acontecer no dia seguinte... Mas foi faltando dois dias pra voltar pra casa que o tempo virou de repente fazendo cair aquela chuvinha fina e chata sem parar... O bom foi que ficamos desde quando acordamos pelados e na maior sacanagem.

E assim voltei para casa com a promessa de voltar antes da próxima féria.






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.