"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Lost in Venice


autor: LOBO
publicado em: 25/02/15
categoria: hetero
leituras: 2706
ver notas


La bellíssima Italia! Siamo qui un'altra volta...

Conseguimos fazer uma viagem bem planejada e tudo está correndo de acordo.

Tudo havia começado meses atrás. Por coincidência, todas esposas não poderiam sair de férias este ano. Presas a cursos, doutorados, chefes na marcação, essas coisas.

Logo, eu, meus amigos Beto, Tonhão e Jaime tínhamos duas opções: ou perdíamos as nossas férias ou saíamos sem elas. Fácil não foi: uma negociação algo delicada, mas conseguimos nossos alvarás...

Amigos desde os bons tempos da faculdade, planejamos cada detalhe durante semanas. E felizmente tudo estava correndo conforme o roteiro.

Nesta fase já estávamos a quatro dias em Veneza, tempo suficiente para revisitá-la e nos aprofundarmos pelos cantos menos buscados pelas hordas de turistas.

À tarde, andando sem rumo pré-determinado pelo Cannaregio, um delicioso bairro que as levas de excursões japonesas desconhecem, fomos nos encantando com a sucessão de piazzetas que surgiam de repente, entre as cales - assim chamam as ruas lá - estreitas. Espaços abertos algo surpreendentes, no meio daquela malha intrincada.

Anoitecia, queríamos retornar, mas andávamos em círculos. Brincando com os amigos, como se estivéssemos em algum velho filme de mistério da Rank, eu forcei um sotaque oxfordiano:

- Lost in Venice!...

Caminhando bem à minha frente, alguém se volta e me diz:

- I'm too! Follow me...

Uns 35 anos, cabelos castanho-escuros, olhos azuis, bonita, provavelmente americana.

Ela fez sinais, indicando que tinha descoberto o caminho de volta para a ponte de Rialto, por onde tínhamos que retornar, quando ao olhar de novo percebeu que éramos não um, mas quatro cavalheiros. A descoberta a fez mudar de atitude e aumentou o passo, desaparecendo entre as pessoas que caminhavam naquele crepúsculo.

Momentâneamente foi assunto para algumas brincadeiras com os amigos e tudo se resumiria a este fugaz encontro.

O dia seguinte era nosso último na cidade, partiríamos bem cedo para Firenze na próxima manhã. Como sempre, na última tarde nos separamos, para que cada um fizesse suas compras pessoais, ou qualquer coisa que lhe interessasse.

Sempre fui muito pouco consumista, logo, em vez perder meu tempo em compras, decidi me embrenhar mais a fundo no Cannaregio, ver com calma detalhes das praças, cales, edificações.

O que me mais me encanta nas viagens: sendo uma área com menos afluxo de turistas, eu poderia me misturar com a população local, sentir como pensam e vivem.

Numa daquelas piazze encontrei uma feira livre. Não se compara com o fausto das nossas, mas é encantadora a forma requintada como expõem a mercadoria.

Começou a chover, busquei abrigo numa livraria, uma outra boa opção para passar algum tempo.

Estava lá, folheando alguns livros quando alguém me fala:

- Have you found your way yesterday?

Exatamente: Era ela.

- Hi! I’m Kate - Estendeu-me a mão uma americana, de Boston.

Surpreendeu-se ao me saber brasileiro. Notei que olhou em volta; disse-lhe que estava só naquela tarde, ela sorriu...

Conversamos mais um pouco, descobri que ela buscava por algumas gravuras, acabei por ajudá-la a comprar o que queria.

Os donos da pequena livraria, um casal muito simpático, certamente eram fluentes em inglês. Mas bons latinos, se deram conta de que algo poderia estar começando. Ao verem que falo bem italiano, limitaram-se a conversar comigo, para que depois traduzisse a ela, abrindo-me espaço no palco...

Compras feitas, uma sugestão para um espresso é aceita. Muita conversa na mesa da cafeteria, de início amenidades, as 3 culturas se encontrando... Mas, pouco a pouco, a conversa toma um novo rumo.

E alguma coisa, não dita em palavras, claramente começou a ser sinalizada nos olhares...

- Let's take a walk around , shall we? – Kate propõem o passeio, olhando-me nos olhos.

Aceito seu convite, mas caminhamos muito pouco tempo, pois uma nova chuva, agora bem mais forte, desaba repentinamente.

Correndo, vamos buscar abrigo em uma viela protegida sob um pórtico. Um entre aqueles milhares de sottoporteghi venezianos. Que decerto deve registrar secretamente centenas de encontros de amantes furtivos...

Se assim foi, a mágica de momentos de sedução lá ficou definitivamente impregnada. A sós, na penumbra, sorrimos, nos encaramos. Vejo um brilho tentador em seu olhar.

Sinto-me um tanto perdido, palavras faltam, e não é questão do idioma... Resolvo atacar. É preciso... Digo a ela que parto na manhã seguinte, e certamente nunca mais nos veríamos.

Estávamos os dois juntos naquela semi-obscuridade, no meio de uma cidade temperada pelo romance...

- We have met twice... Certainly we'll have not a third chance... - digo a ela.

Tomei essa atitude quase na falta qualquer de outra. Foi como que me sentisse tocado por algo transcendental, que dizia com insistência que aquele momento não poderia ser perdido...

Olho-a nos seus olhos azuis, que quase me hipnotizam... Ela não responde. Não em palavras...

Recosta-se nas pedras do pórtico medieval, deita para trás a cabeça, fecha os olhos.

Respondeu, sim. De forma eloqüente...

Aproximo meu rosto do seu, sinto sua respiração forte, nossos lábios se tocam levemente primeiro, depois sofregamente as bocas se abrem, as mãos percorrem os corpos...

O tempo que se passou neste beijo não me é claro. Tenho quase certeza de que quando começou ainda havia a luz diurna, em meio à chuva do fim de tarde na praça. Mas quando reabrimos os olhos, é noite fechada.

E certamente, velhas bruxas venezianas armaram mais um de seus sortilégios: uma luz azulada acende-se e pisca, iluminando nossos rostos. A menos de 20 metros de onde estávamos nos saudava o luminoso neon do Piccolo Albergo.

Ela toma minhas mãos, leva-as aos seus seios, olha a porta do pequeno hotel e diz:

- I'm also leaving...I'm taking a train back to Milano tonight, and tomorrow a plane to Boston. We only have few hours, if you want me, I want you. It must be now...

O conscierge do albergo nos deu formulários a preencher, pisca o olho e diz:

- Soltanto una formalità...

Ela assina Ms. Jones, e por coerência, assino Sr. Silva...

Foram apenas poucas horas... Mas foram vividas sabiamente, afinal, as bruxas não nos dariam outra chance...

Não me perguntem por detalhes do quarto. Lembro vagamente de um colchão que rangia muito apenas.

Mas jamais esquecerei a deliciosa surpresa da lingerie Victória'’s Secret que ela usava...

Fechamos a porta com os corpos já unidos num beijo muito mais intenso que o do sottoporteghi. Livramo-nos das roupas em segundos. Quando abri seu soutien seus seios se ofereceram em rosa doce para mim, que os suguei com a sede um naufrago, embalado pelos gemidos dela.

A calcinha tinha aquele delicioso detalhe das alças presas em um nó. Obviamente o corsário faminto desatou-o com os dentes, liberando uma fornalha, depilada num pequeno triangulo. Algo que -– orgulhem-se... - as americanas chamam de Brazilian Wax

- You like it? – Ela provoca…
- Of course I do...

Kate tem um sabor suave, que se vai tornando mais intenso à medida que sua excitação aumenta. Sigo indo e vindo, sugando- a toda. Daquele delicado rosa inicial de sua entrada, tudo vai se intensificando em gradações rubras. O sabor ganha mais e mais de acentos picantes, Até que ela goza na minha boca.

- Wow! That was great! Now is my turn to taste you...- Kate ainda ofegante, propõe a mudança da guarda…

Meus amigos: what a blow job!

Minha Kate começa com sua língua em cunha tocando -– the famous butterffly flick ...– - de leve a cabeça roxa. Então seus lábios a seguram e fazem girar, enquanto sua língua continua o trabalho. A seguir, abaixa a cabeça, engolindo-o quase inteiro. Vai e volta. Suga com vontade. Vez por outra se afasta para um banho de língua em todo meu comprimento e retorna a sua inesquecível sucção.

- Give it to me, baby! Give me all of it…

Brindado por uma das melhores chupadas da minha vida, eu finalmente retribuo, liquefazendo em sua boca toda minha essência masculina. Kate não desperdiçou nenhuma gota.

Se reencarnação é uma verdade, por certo essa bela irlandesa de Boston foi latina em outras vidas...

Pausa para um drink, conversas e muitos beijos. Ela larga seu uísque pela metade e prefere segurar-me. Ereção imediata, que finaliza toda a conversação. Empurra-me para deitar de costas na cama de molas que range mais que nunca.

Senta no meu membro para ser cavalgada. Rebola, move-se, enquanto a penetro mais e mais. Pede, quase implora que tome seus seios. Geme primeiro como se num sussurro, como se temesse ser ouvida pelos outros hóspedes.

Depois, pouco importa! Os sussurros tornam-se gritos de prazer.

Um gozo lancinante.

Mais um drink, e tudo se repetiu. Se me permitem adjetivar, melhor ainda...

Hora de partir. Kate tem trem para pegar ainda esta noite. Mas sobra tempo para mais revelações: conta que estava numa excursão em Milão com o marido. Voltariam dois dias atrás. Ela insistiu em ficar. Queria mais dias em Veneza. O marido que pouco se interessa por arte voltou para a América com o grupo.

Confessa para mim que bem tinha planos para uma aventura italiana.
Certamente pensava nalgum bello ragazzo.

Lamento pelos simpaticíssimos italianos. Além de duas finais de Copa do Mundo, perderam mais essa...

Se foi um encontro único, foi inesquecível. Descrevê-lo mais que o fiz seria inútil. Apenas diria que sentirei para sempre a maciez da sua pele, seu sabor... Lembrar, reviver tudo, trará luz, calor, uma sensação de felicidade.

Quando saímos do albergo, caminhamos, quase flutuando, de mãos dadas pelas vielas agora quase desertas, rumo à estação de trens.

Ela havia previamente deixado sua bagagem lá. Aguardamos seu trem, que saía às 23h45min, com direito a café e carinhos.

Embarquei com ela, pois estava hospedado em Mestre, a primeira parada daí 10 minutos.

Logo o trem chega à pequena Mestre, no continente. Alí na estação, nos despedimos com um beijo longo, mas sem palavras quase, apenas a celebração do encontro.

Pois, como viajantes dessa estirpe, fomos tomados pela instâneidade, onde muitas palavras valem menos que um gesto, um toque, um carinho, o desejo expresso nos olhares, e, mais que tudo, o apelo dos corpos.

Lembranças para marcar para sempre, de momentos que exigiam o amor feito de entrega plena. Total, intensa e absoluta.

E assim tinha sido...

Trocamos cartões, dizendo aqueles clássicos:

- Don't hesitate to call me when you come to Boston...
- The same, when you come to Brazil...

Mas só uma formalidade... Nossas viagens se tocaram e seguiram juntas por algumas horas. Depois, tinham de seguir seus destinos...

Saindo do trem rumo ao hotel, logo em frente, mal me dei conta que cantarolava Paulo Vanzolini:


"... Gente da nossa estampa,
não promete juras nem faz...
Quando parte não demonstra,
sua guerra, sua paz...

Quando o galo me chamou,
parti sem olhar pra traz.
Por que, morena, eu sabia,
se olhasse não conseguia,
sair dali nunca mais... " “


No caminho, os poucos carregadores que haviam por lá àquela hora, me cumprimentavam sorrindo.

No bar do hotel, meus amigos me aguardavam. Era uma praxe nesta viagem terminar a noite no bar do hotel. Fim de noite para longas e saborosas sessões de conversa jogada fora.

De início tomávamos um bom espresso. Mas depois fazendo as contas, descobrimos que somavam o valor de uma garrafa de vinho, e como cosí è più divertente... adotamos.

Meus amigos estavam por lá. Já tinham pedido o vinho. Perguntam por onde andei.

- Meu: demorou, hein? Está com uma cara de quem viu o passarinho verde... - Beto diz, me encarando, tentando provocar alguma confissão.

Gianpaolo, o garçon, que já era nosso amigo, me serve un bicchiere di vino.

Certamente não entendeu a frase em português. Mas deve ter captado o sentido. Curva-se, apoia a mão em meu ombro, me olha sorrindo e diz aos outros:

- Ma no! Questa faccia... - aponta para minha cara...
- Questa, sollo si trova in chi a fatto l'’amore!

Pega mais uma taça, serve-se do vinho e brinda comigo:

- Non è vero, Signore?

LOBO


Direitos autorais reservados. Proibidas sua reprodução, total ou parcial, bem como sua cessão a terceiros, exceto com autorização formal do autor, de acordo com a Lei 5988 de 1973






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.