"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A estudante e a ruiva


autor: caiopiresbr
publicado em: 24/02/16
categoria: hetero
leituras: 12137
ver notas


Terminar um namoro não é nada fácil. Ainda mais quando a outra pessoal é uma gata de 22 anos gostosa de morrer e extremamente safada.

Demorei para tirar Katia dos meus pensamentos. E nesse processo conheci a Ana uma gatinha da minha aula de francês que me ajudou com sábios conselhos e convites para festas.

Tinha amizade bem bacana com Ana, o único problema é que ela tinha namorado e mesmo querendo muito dar uns pegas pesados nela eu sempre respeitei a "mulher do próximo". Pelo menos até conhecer a Ana.

Pra matar a sua curiosidade, meu nome é Alex, tenho 178 cm, sou moreno claro e sempre pratiquei esporte. Tenho um corpo atlético que sempre me rendeu boas conquistas. As mulheres sempre elogiaram meu peitoral e minhas coxas. Nunca me cansei das passadas de mão "sem querer". Além disso, adoro conversar e sempre fui bom no autocontrole, tive várias amigas que me renderam ótimos amassos inusitados.

Dois meses depois do término do meu namoro, estava em casa em um sábado a noite vendo um filme sozinho quando recebo uma mensagem de Ana no celular.

_ Não vai me dizer que você está em casa hoje. Por favor.

_ Sou um lobo solitário - respondi descontraído

Depois de alguns segundos meu telefone toca, ela me ligando.

_ E aí vamos acabar com essa depre? - ela estava escutando um sertanejo universitário dos bons

_ Bem que eu gostaria. Mas não sei se sair com um casal de namorados me deixaria muito feliz hoje.

_ Então - falou ela rindo maliciosamente - eu não tinha te contado, mas o Marcos foi fazer um curso em São Paulo e só volta na sexta. Estou aqui sozinha hoje é afim de ir dançar. Me lembrei que você gostava disso é pensei. Porquê não? Você sempre me respeitou mesmo.

Fiquei pensativo nessa hora. Teria que ir contra um dos meus princípios. Prometi que não faria nada demais e aceitei o convite

Como combinado,às 11 horas passei na casa dela. Mandei uma mensagem e fiquei esperando perdido em pensamentos. Fazia tanto tempo que não fazia aquele tipo de programa e até tinha me esquecido de como a coisa funcionava. Nisso fui surpreendido pelas batidas dela no vidro. Confesso que meu coração veio na boca e devo ter ficado um pouco vermelho.

Imagina uma morena com lindas coxas e uma bunda pra lá de gostosa. Imagina que ela tem um par de seios volumosos. Ela faz o melhor estilo panicat que você já viu. Agora imagina ela vestida com um saia preta bem pequena e uma blusinha azul com um belo decote, um salto alto de uns 15 cm e um batom vermelho ressaltando sua boca carnuda. Eleva isso na décima potência e você pode ter uma mínima noção de como ela estava.

Abri a porta do carro e ela entrou contaminando alegremente o ambiente com seu perfume adocicado. Me cumprimentou com um beijinho no rosto e foi logo elogiando a minha escolha de música.

_ Você adivinhou o que eu quero dançar hoje né? - no rádio tocava um sertanejo dos bons.

_ Que bom que gostou era exatamente o que eu tinha em mente - respondi ligando o carro e já ido em direção a uma ótima balada de sertanejo universitário aqui da cidade.

_ Falei com o Marcos (namorado dela) antes de vir te pegar e ele me ordenou que não tirasse o olho de você e não deixasse você dançar com ninguém. Uma pena pra você - comentei sério

_ Você não é louco de fazer isso - ela respondeu um pouco desconfiada. - Além disso eu não vou precisar dançar com ninguém mesmo, exceto você.

Só de pensar nisso meu pau já ficou duro dentro da calça e tive que me virar pra que ela não notasse.

Continuamos conversando algumas amenidades e ela não tirava os olhos do celular, de repente ela me solta essa:

_ Marcos estou conversando com umas amigas aqui e elas também gostariam de ir com a gente. Elas estão na casa da Ju que fica no nosso caminho. Será que você vê problema?

Tive que me segurar para não mostrar a decepção de ouvir aquelas palavras. No entanto, não sou de desanimar fácil.
Respondi que estava tudo bem. Ela colocou o caminho no mapa do meu celular e nos dirigimos pra lá.

Elas já estavam fazendo um esquenta dos bons porque quando chegamos todas já estavam devidamente arrumadas e vinham cada uma com uma longa neck de cerveja na mão.

As 3 entraram no carro, nos cumprimentaram e saímos. A única coisa que pensei no momento foi que eu era o cara mais sortudo do mundo, se qualquer homem olhasse pelo vidro do meu carro nesse momento sentiria uma puta inveja de não. Com a entrada daquelas princesa no carro, as probabilidades de eu me dar bem naquela noite aumentaram muito.

Duas das amigas dela eram loiras e a terceira uma ruiva linda. Nenhuma delas era mais gata que Ana. No eentanto descobri rapidamente qe elas eram solteiras o que me deixou bem contente.

Aproveitei o papo pata conhecer de leve cada uma das amigas dela e fazer um pouco de propaganda a meu respeito. Independente do que acontecesse dali para frente eu já me sentia de volta ao jogo.

Durante todo caminho até a balada fiquei olhando pelo retrovisor do carro e prestando atenção em cada uma delas. Carla, a ruiva, deve ter percebido que eu fazia isso pois em vários momentos peguei ela passando a mão no cabelo,lambendo os lábios ou ajustando sua saia curta.

Asim que entramos no local a Ana já pegou em minha mão e me levou pra pista. Me falou no ouvido que fazia questão de ser a primeira a dançar comigo aquela noite. Sempre gostei de dançar, ter uma mulher em meus braços, me deixando conduzir ela pelo salão enquanto ela se preocupava apenas em desfilar linda pelo salão. Fiquei 5 anos de aula de dança e se tinha uma coisa que eu sabia fazer mais do que transar super bem era ser bom na dança.

Fiz vários passos conhecidos de dança com a Ana. Isso deixa qualquer mulher louca e, melhor que isso, deixa todas as outras loucas para dançarem com você. Como não sou tolo nem nada, em vários momentos trouxe ela bem pertinho de mim, coloquei minha perna entre as dela, desci um pouco mais minha mão e encostei meu nariz perto da sua orelha. Sempre que sentia ela arrepiada aproveitava pra fazer um outro passo deixando ela distante para recobrar os sentidos e ficar mais a vontade no momento da proximidade.

Após umas três música ela se cansou e decidirmos ir pra mesa. Como estava prestando atenção na dança, e em Ana claro, nem percebi que pra minha sorte a maioria do público era feminino. No entanto, mesmo antes de chegar na mesa a Ju me pegou pela mão e falou no meu ouvido:

_Hoje você não vai ter descanso, agora é minha vez.

É claro que eu não iria decepcioná-la. Levei ela pra dançar. A Ju era loira no melhor estilo mignon que existe. Pequena, exótica e linda. Grandes olhos verdes e um queixo fino. Usava um vestido branco e justo acentuando suas curvas discretas.

Conversei um pouco com ela, que tinha o papo mais sacana de todas, e me confidenciou que se eu soubesse como seria exigido nessa noite sairia correndo dali agora. Brinquei e falei pra ela que nunca fui homem de correr de serviço pesado.

Quando estávamos lá pela quarta música, do nada o DJ para de tocar sertanejo e começa a tocar música eletrônica.

Resolvi aproveitar para pegar algo para beber. Ir ao banheiro e ver como estava o movimento. Fui assediado algumas vezes ino ao banheiro mas nada que valesse a pena trocar por qualquer uma daquelas deusas.

Ao voltar pra pista encontro as quatro juntas dançando. Como quem não quer nada fui chegando de leve e comecei a dançar com elas. Nunca fui tão disputado na vida. As quatro me colocaram no meio e ficavam puxando minha atenção a todo instante
Qualquer outro homem que chegasse era impelido no mesmo momento. Aproveitei quando chegou a hora do funk. Todas descendo até chão e se liberando comigo. Eu que nesse momento já estava com uma razoável quantidade de álcool no sangue não decepcionei.

De repente do nada a Ana vem no meu ouvido e me fala que enquanto eu estava no banheiro as três ficaram disputando qual delas iria comigo pra casa. Perguntei quem tinha ganho e ela me respondeu que as 4. Não tive tempo de perguntar mais nada, Nesse momento a Carla, a ruiva que não parava de me assediar no caminho, chegou perto, me agarrou e começou a me beijar de forma louca.

Quando dei por mim, nós dois estávamos contra uma parede em uma pegação forte. Para me defender já faziam dois meses que não transava e aquele beijo junto com o álcool fez eu esquecer quem eu era.

Carla parou de me beijar, pegou em minha mão de forma decidida e me puxou pra fora da balada. Chegamos perto do meu carro e começamos a nos pegar ali mesmo. Ele estava estacionado em um lugar pouco movimentado e distante de outros carros. Coloquei ela contra a porta do motorista e aproveitei para começar a descobrir partes de seu corpo enquanto ela fazia o mesmo no meu.

Decidi entrar com ela no carro. Ele tinha película mais escura que o normal, de forma que dificilmente alguém conseguiria ver o que estava rolando dentro.

Nos jogamos no banco de trás e continuamos nossa pegação ali mesmo. A Carla era muito fogosa e dava conta do recado praticamente sozinha. Me senti um pouco usado. Claro, que da melhor forma possível. Ela tirou meu pau pra fora da calça e abocanhou sem vergonha nenhuma, como se já me conhecesse a tempo e tivéssemos transado várias vezes. Chupava minhas bolas, se engasgava ao engolir ela. A mulher estava possuída.

Tive a sorte de nascer com um pau maior que a media. Todas que percebiam a surpresa se encantavam e não paravam de chupar e coma a Carla não estava sendo diferente. Enquanto ela chupava passei meus dedos por baixo do vestido e percebi que ela estava sem calcinha. Comecei enfiando um dedo bem devagar dentro dela que já estava molhada. Tirei o dedo, chupei ele e senti pela primeira vez o gosto de sua boceta. Molhei os outros dedos e voltei a penetrar ela por baixo. Ela dançava sobre minha mão. Pronta para o que iria acontecer em seguida.

Sem nem mesmo tirar o vestido ela subiu em cima do meu colo e começou a cavalgar. Ela estava com a cabeça próxima ao teto com as mãos empurrando seu corpo contra o meu. Para ficar melhor posicionada ela se jogou ao meu encontro e começou a me beijar. O vestido dela tinha um decote trançado. Puxei o decote para o lado e um dos seios ficou a mostra. Comecei a chupar eles com mesma intensidade que ela cavalgava. Aumento aos poucos.

Nosso gozo veio junto ao mesmo tempo alguns momentos depois. Fechamos os olhos e ela se jogou sobre meu corpo tremendo e me apertando com força.

Após gozar gostoso dentro de Carla ela caiu para o lado. Tentei conversar com ela, mas creio que por estar cansada demais apenas fechou os olhos e dormiu um sono pesado.

Eu não tinha mínima ideia de tudo que ainda iria rolar naquela noite.

CONTINUA ...

Gostou?
Mande um email para: caiopiresbrasil@gmail.com
Siga no tumblr: caiopiresbr.tumblr.com
Siga no twitter: twitter.com>




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.