"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A estudante e a ruiva 2


autor: caiopiresbr
publicado em: 29/02/16
categoria: hetero
leituras: 6523
ver notas


Esse texto é continuação do "A estudante de francês e a ruiva 1". Leia antes de continuar aqui.

Após transar com ruiva no carro pensei em ir embora e me lembrei que Carla não era a única mulher que estava comigo. Deixei ela dormindo no carro e voltei para dentro da balada. Andando por lá tentei encontrar as garotas. Após alguns minutos andando pelo local vejo Ana sendo assediada por um cara. Me aproximei dela, que ao me ver veio em minha direção e me deu um beijo gostoso, nesse momento o tempo parou, não só porque ela estava me beijando, mas também porque seu corpo colou todo no meu que logo tratei de agarrá-la em um abraço apertado. Pude sentir o calor de todo seu corpo junto ao meu. Isso durou apenas alguns segundos, o necessário para ela virar para o cara e falar:

_ Viu? Te falei que tinha namorado. - Fechei minha cara, ele não pensou duas vezes e foi embora.

_ Se deu bem né safadão? - ela não tirou a mão de volta do meu pescoço - Aposto que aprontou todas com a Carla. Dá pra sentir o cheiro de sexo em você.

_ Onde estão as outras duas? - perguntei para mudar de assunto.

_ A última vez que vi saíram com dois caras. Acho que não são mais nossa preocupação hoje a noite. E a Carla?

_ Está dormindo no carro. - ela não fez menção nenhuma de se largar daquele abraço. Deve ter sentido meu pau ainda mais duro e apertou ainda mais seu corpo no meu . _ Então, o que você quer fazer agora? - perguntei um pouco dissimulado.

_ Bem, se você é meu namorado, então acho que está na hora de irmos pra um motel. - respondeu ela e me beijou ainda mais intensamente do que a primeira vez.

Se tinha qualquer trava com relação a ficar com uma mulher que tinha namorado, aquele beijo foi o limite pra fazer essa trava cair. Peguei a Ana pelas mãos e fomos direto para o carro. Paramos algumas vezes para dar uns amassos. Acho que não sobrou nenhuma parede onde não tivéssemos nos encostado e brincado por alguns segundos.

A Carla ainda dormia no carro, entramos e nos olhamos com aquela cara de "e agora?".

_ Do jeito que ela está ferrada no sono não vai lembrar de nada. Levamos junto - foi a decisão de Ana.

Eu não querendo dar nenhuma brecha para o azar liguei o carro e parti para o hotel. Após passar a macha algumas vezes minha mão foi ficando ali, e naturalmente foi repousando sobre as coxas de Ana. Ela me olhava e sorria sempre, comecei a acariciar seu joelho e fui subindo aos poucos com a mão. Meu olhar concentrado na estrada e todo meu tato concentrado nas coxas dela. Subi cada vez mais apalpando deliciosamente cada centímetro em que tocava. Senti ela afastar de leve as coxas me dando espaço para brincar ainda mais.

Precisei tirar minha mão para fazer algumas curvas e foi a hora da Ana atacar. Senti sua mão acariciar meu pau e vi um sorriso estampado em seu rosto. Ela pegou nele por alguns segundos como que para tentar identificar o tamanho. Não deu muito tempo e ela abriu a braguilha da calça e puxou ele pra fora. Meu pau pulsava de tanto tesão e precisei me segurar para não gozara naquela mãozinha macia acariciando ele. No começo ela apenas mexia nele, com o tempo começou a apertar forte e bombar ele sem. Ouvi o barulho do sinto de segurança ser removido e senti meu braço ser jogado para o lado. Ela abriu espaço e caiu de boca ali mesmo.

Com Carla no banco de trás não imaginei que ela fosse fazer aquilo. Pensei que fosse esperar até a chegada ao motel. No entanto eu estava ali, sendo chupado por uma das gatas mais lindas que já tinha conhecido. Estávamos chegando e pedi para que ela parasse. Não queria gozar ali e perder o folego, anida tinha muito o que fazer com ela naquela noite.

Obviamente levei ela ao melhor hotel da cidade. Entramos na garagem, saímos do carro e deixamos a Carla ali. Apenas uma porta separava a garagem do quarto. Entramos no quarto, fechamos a porta e tudo começou.

Nunca tinha notado que havia um clima rolando no ar. Como falei, sempre tive algumas amigas e via Ana apenas como uma delas. Depois do beijo ela deixou deixou de ser uma amiga e passou a ser uma mulher muito atraente que eu precisava comer. Nos pegamos primeiro contra a porta mesmo. Liberando todo tesão que estava preso nos beijamos loucamente sem ver o tempo parar. Um tirando a roupa do outro com uma precisão incrível. Parecia que tínhamos ensaiado aquilo porque em pouco tempo estávamos os dois sem roupa.

_ Antes de tudo precisamos de um banho - ela colocou a mão no meu peito, fazendo eu parar um pouco.

_ Puxei ela pelas mãos e nos dirigimos ao banheiro. As paredes eram de vidro e tinha duas duchas.

Ligamos as duchas, pegamos o sabonete sem desencostar um do outro. Coloquei ela de costas pra mim, com sua bunda apoiada em minha pélvis, peguei o sabonete e comecei a passar no seu corpo. Ela colou a mão na parede e empinou a bundinha pra mim. A penetrei pela primeira vez com a maior facilidade do mundo. Ela estava muito molhada e meu pau entrou naquela boceta como se o já conhecesse há décadas. Passei minha mão para a frente comecei a apertar a ponta de seus seios. Ela começou a gemer cada vez mais alto. Estar em um motel deve ter deixado ela super a vontade. Nunca a imaginei como uma berrona na cama. Ela sempre pareceu um pouco tímida demais.

Mesmo o banheiro sendo de vidro não percebemos quando a porta se abriu e Carla entrou por ela. Ela estava sem roupa nenhuma e nos olhava de uma forma bem safada.

_ Acharam que iam aproveitar sem me convidar?

Ela veio direto pra Ana e começou a beijá-la de uma forma acanhada. Imaginei que Ana fosse parar tudo naquele momento. Mas parece que por sorte ela foi se acostumando aos poucos. Estávamos os três molhados e nos divertindo muito. Mesmo prestando muita atenção no que estava acontecendo em nenhum momento parei de cavalgar a Ana por trás. Aproveitei o máximo daquela bunda perfeita batendo em mim.

Tirei meu pau de dentro de Ana e a virei de frente pra mim. Voltei a beijar ela gostoso. A Carla veio por trás da Ana e a abraçou começando a lamber seu pescoço. Fizemos um sanduíche com a Ana no meio. Ela gemia e se contorcia toda.

Resolvemos sair do banho e sem mesmo nos secarmos nos jogamos na cama. Deitei e a Carla veio me cavalgar. Senti sua boceta entrar no meu pau com a mesma voracidade da primeira vez. Percebi que Ana estava ainda sem jeito e a puxei pelas pernas colocando em cima da minha cabeça. Comecei a chupá-la deixo ela de frente para a Carla que puxou-a pelo pescoço e começou a dar mais beijos gostosos.

Percebi que instintivamente a Ana levou a mão aos seios de Carla e começou a acariciá-los. Ela estava entrando no jogo, curtindo as novas sensações que uma outra mulher poderia dá-la.

_ Quero que ele coma meu rabo. Me ajuda? - Ana falou para a Carla que saiu de cima do meu pau e começou a chupar deixando bem molhado com sua saliva.

Por alguns segundos pensei que tinha sonhado ao ouvir aquilo, no entanto a Ana foi engatinhando até o meu pau, Carla posicionou ele em seu cuzinho e mandou ela sentar. Ana começou a sentar nele devagar enquanto dava berros de dor. Eu estava deitado com ela de costas pra mim e de frente para Carla. Quando se certificou de quem ele tinha entrado o suficiente Carla começou a chupar gostoso a buceta de Ana, fazendo ela sentir prazer suficiente para esquecer a dor que sentia. Nesse momento Ana começou a cavalgar intensamente sobre meu pau.

O cu dela era muito apertado, depois ela me confidenciou que tinha dado ele apenas duas vezes e há mais de 2 anos que não fazia praticava sexo anal.

Meu pau estava muito inchado,sentia a cabeça volumosa querer explodir. Nunca imaginei que uma transação com duas mulheres acabaria acontecendo de uma forma tão natural.

Carla continuou chupando o grelo de Ana que berrava para não parar. Ela meteu dois dedos dentro da buceta de Ana e começou a socar gostoso. Peguei Ana pelos cabelos e puxei gostoso desferindo tapas gostosos em sua bunda e nesse momento ela se entregou para um gozo com um gemido silencioso. Abriu a boca e pude ouvir apenas um gemido fino enquanto sentia seu esfincter apertar forte meu pau. Aos poucos ela foi afrouxando e comecei a sentir leves apertadas.

_ Não goza ainda. Quero que você encha meu cu de porra - Carla me olhava nos olhos alheia a Ana que caiu de lado mandando que continuássemos.

Carla ficou de 4 me chamou:

_ Agora vem comer sua cadela. Sua cachorrinha putinha que quer ser penetrada forte no cuzinho.

Levantei me colocando atrás dela. Decidir usar todo fôlego que tinha com Carla. Naquele momento já tinha entendido toda sua agressividade e prometi pra mim mesmo que ela não sairia dali sem estar toda assada. Queria que nos próximos dias ela não conseguisse sentar de tão arregaçada que eu iria deixar sua bunda.

Ana que já recobra vá os sentidos também levantou e abocanhou a Carla por trás. Aquela boquinha que me sempre me deixou encantado por pronunciar um francês tão sexy agora se dividia entre chupadas na buceta e no cu de Carla. Ela parecia chupar um sorvete, de tanto que sua língua descia e subia naquele rabo gostoso. Por fim ela cuspiu duas vezes na entrada do seu cuzinho e olhou pra mim com uma cara de quem queria ver tudo o mais perto possível.

Me aproximei e enfiei meu pau com tudo dentro de Carla que berrou alto e se agarrou forte ao lençol. Nesse momento ela ergueu ainda mais sua bunda e deitou sua cabeça na cama. E aí comecei a fazer o pretendido. Comi ela com a mesma vontade e força que ela utilizou pra cavalgar em meu pau comam sua boceta. Seu cu estava encharcado pela baba de Ana o que facilitou minhas estocadas fortes.

Enquanto meu corpo estava entregue a um vai e vem animalesco atrás de Carla percebi que Ana se tocava do meu lado. Seus dedos expressam com força seu grelo e sua mão apertava forte seu peito. Ela estava maravilhada com o que via.

Carla gemia e berrava alto. Seu cu era mais aberto do que o de Ana e meu pau desligava dentro dele com uma facilidade incrível. Parecia feito sob medida.

Senti que Carla ia gozar quando seu cuzinho foi ficando apertado. Continuei bombando até sentir que ela não aguentaria mais. Diferente de Ana, Carla gozou berrando e puxando todo lençol de coma da cama. GozeI junto com ela liberando toda minha porra dentro do seu cu. Depois de vários segundos de prazer Carla caiu para o lado e eu removi meu pau de dentro dela.

Quando pensei que tudo havia terminado percebo uma mão pegando meu pau todo melado e puxando para sua boca. Era Ana, ela, dando o toque final e chupando meu pau ,depois do mesmo ter invadido duas boceta e dois cuzinho na mesma noite. Chupou como se fosse a coisa mais gostosa do mundo. Sua outra mão continuava brincando em sua boceta. Após alguns segundos ela gozou silenciosamente da mesma forma que ainda veria ela gozar outras vezes mais.

Minha história com cada uma dessas gatas apenas começou nesse dia.

FIM

Gostou?
Mande um email para: caiopiresbrasil@gmail.com
Siga no tumblr: caiopiresbr.tumblr.com
Siga no twitter: twitter.com>





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.