"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Beth – no apartamento dela


autor: Publicitario45
publicado em: 08/03/16
categoria: hetero
leituras: 2387
ver notas


Eu e Beth estávamos cada vez mais próximos. Na verdade erámos um casal de namorados, a diferença que ela era casada e eu não. Na minha casa as pessoas já estavam desconfiando do Jeep preto que sempre ia me buscar mesmo eu tendo meu carro.

Eu ganhava perfumes, roupas, tênis, sapatos de presente a todo momento. Uma dia Beth me disse que tinha duas fantasias. Uma era dar pra mim na cama do marido dela e a outra era dar pra outro na minha frente sendo que eu estaria amarrado numa cama.

No inicio achei muito bom a ideia de come-la na cama do casal, mas o lance deles me amarrarem numa cadeira e ela dar pra outro eu confesso que não curti muito.

Beth adorou a ideia, mas pra eu come-la na cama do casal, eu tinha que prometer realizar a segunda fantasia. Sem muita escolha, acabei concordando, na expectativa dela acabar esquecendo ou desistindo da segunda fantasia.

No domingo de manha Beth me ligou, era mais ou menos umas 8h.

- E ai, quer me comer na minha cama?

- Quero.

- Pega seu carro e corre pra cá agora. Estou sozinha. Meus filhos estão na casa da avó e meu marido só chega na segunda a noite.

Tomei o banho mais rápido da minha vida, troquei de roupa e atravesse a cidade. Cheguei na P. DO Canto em tempo recorde, toquei o interfone e subi ao 12º andar. Beth abriu a porta, usava um kimono japonês preto, com detalhes pratas feitos a mão. Antes mesmo da porta bater já nos atracamos. Aquele tecido fino do kimono denunciava que ela estava nua por baixo, fomos aos trancos e barrancos até o quarto do casal. Retirei o kimono, deixei seu corpo nu na minha frente e com um empurrão joguei seu corpo na cama.

Cai de boca nos seus pés, o tesão de comer aquela mulher na cama do marido dela me deixava louco. Chupei seus dedos, subi pelas pernas, cai de boca novamente na boceta e suguei de uma forma violenta lhe fazendo gozar duas vezes seguidas na minha cara. Beth me pedia calma mas eu sequer ouvia suas palavras. Apertei seus seios com força, acho que ela sentiu dor e prazer ao mesmo tempo, beijei sua boca como se fosse a ultima boca do mundo.

Estávamos na posição papai e mamãe quando meu pau entrou rasgando sua boceta. Ela gemeu e cravou suas unhas nas minhas costas. Meu pau pulsava dentro da sua boceta, ela rebolava e eu me mexia junto com ela.

Viramos nossos corpos e Beth veio por cima. Seu corpo se movia com mais intensidade do que das outras vezes. Sentia sua boceta morder meu pau, um melado quente escorria de dentro dela e descia entre minhas pernas deixando meu saco melado.

Pedi que ela ficasse de quatro. Espalmei sua bunda com uma certa força, ela gemeu, pediu mais, ganhou outros. Abriu as pernas se oferecendo toda pra minha rola. Entrei na sua boceta novamente e soquei, perdi o controle das estocadas tamanho era o tesão de comer aquela mulher na cama que ela dividia com outro homem.

Beth apenas gemia e gozava. Murmurava algumas coisas, as vezes ria e pedia para ser tratada como puta. O coro comia solto na boceta quando ela pediu para eu comer seu cuzinho com a mesma intensidade.

Antes de meter a pica, dei um banho de língua no anelzinho. Coloquei a cabeça, sem gel, sem lubrificante algum, apenas um pouco de saliva e do mel da sua boceta. Meu pau foi entrando, na medida que ela engolia a vara ela pedia para apanhar mais, queria ser a pita em sua própria casa.

Meti, aumentei o ritmo, ela gemeu, a dor e o prazer percorriam seu corpo enquanto eu apenas socava aquele cu apertado, quente e guloso. Senti meu corpo ferver, meu gozo se aproximava e eu metia cada vez mais rápido até que gozei alucinadamente.

Depois, deitamos e ficamos quietos, em silencio, olhando pro teto. Uma pequena gota de sangue escorreu entre as pernas de Beth manchando o lençol. A fúria da trepada, o tesão por ser na casa dela me fez perder a noção da força.

Depois, eu e Beth pedimos comida, almoçamos e nos despedimos. Na porta do elevador, ela fez questão de lembrar nosso acordo. Agora ela escolheria quem iria come-la na minha frente. Mas isso eu conto amanhã.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.