"Os mais excitantes contos eróticos"

 

HONRA E SUBMISSÃO


autor: Naná
publicado em: 23/03/16
categoria: hetero
leituras: 1884
ver notas



“Existe honra na submissão?”

Após o primeiro encontro, senti a ausência de Renan, senti muita saudade de reencontrá-lo, mas eu não o procurava, eu esperava por ele e deixava que ele se decidisse, sendo assim eu comecei a ler uma longa série de artigos sobre submissão, talvez ali buscasse a resposta que almejava, se existe honra na submissão.

Havia algo de muito estranho na nossa relação, não era convencional, nem normal aos olhos da sociedade e embora fosse livre, não me encantavam outros homens, não me encantavam aqueles flertes vazios que não levavam a nada, sentia mesmo era falta dele, daquele homem rude e frio ...

Certo dia, estava no meu horário de almoço, e ele me liga...

-Olá Naná! Uma boa tarde!

-Oi Renan...

-Quero uma foto sua, quero ver seus peitos, agora, estou mandando!

-Mas senhor, estou almoçando, e não sei como... e me interrompe bruscamente:

-Quero agora, se vira!

Eu parei uns instantes, eu queria xingá-lo, mas subiu uma vontade louca de satisfazê-lo, e ao tirar a calcinha já toda molhada, corri pro terraço do Edifício em que trabalho, abaixei a blusa e o sutiã que estavam por baixo, arrastei uma cadeira suja de obra, fiquei sentada de frente pras costas da cadeira, com as pernas abertas, angulei o celular e tirei várias fotos, seios a mostra, calcinha também, e um blazer a cobrir, e tirei a última do meu semblante, olhar cheio de desejo de fazer o que ele queria.

Assim que enviei, ele breve entre algumas linhas...

_Agora sim, assim é que eu gosto! Boa menina! Quero te ouvir gemendo, liga pra mim, agora, anda que estou mandando!

-Oi...rs

-Oi Naná...geme pro seu macho, anda, fala que sentiu saudade e que está louca pra me dar de novo, sabe por que Naná? Porquê você é minha Puta!

- O senhor sabe disso, que sou sua...

- Geme minha puta!

-Me fode bem forte amor! Acaba comigo, me estoura! Que saudade desse pau enorme em mim! Me castiga amor, me bate...entre gemidos e sussurros...cheia de tesão!

-Goza pro seu macho! Mete os dedos nela, quero ouvir você chupando seus dedos e quero que faça um vídeo disso, gozando metendo os dedos nela e chupando, anda cachorra!

-Tá espera...

É impressionante o quanto que eu adorava aquela brincadeira, me sentia uma criança arteira! Ao enviar o vídeo ele responde:

-Nossa você não sabe o quanto que você me excita, o quanto que fico de pau duro, prontinho pra te foder todinha sua cachorra! Amanhã eu quero você aqui novamente, às 11h da manhã, eu te pego no aeroporto.

Nada respondi, e logo em diante inventei mil coisas no trabalho, eu tinha que ter aquela tarde livre, e arrumei as coisas também.

No dia e hora marcados nos encontramos pontuais como sempre. Renan me abriu um sorriso que me desmontou, me pegou pelas mãos e me disse tão sádico ao ouvido:

_Você é minha! Minha Puta, minha cachorra!

Eu apenas sorri timidamente em resposta e meu corpo num arrepio.

Entramos no carro, ele nos conduz a outro motel temático, era lindo, escuro, as cores em púrpura, sombria, nas paredes quadros emolduravam cenas excitantes de sadismo.

-Quero que saia do quarto e retorne em 10 minutos, não acenda as luzes.

Assim fiz, desci, aguardei os 10 minutos e voltei, subi as escadas, entrei no quarto, as luzes apagadas, eu lentamente sem enxergar direito, suava, chamei pelo seu nome, quando estava mais perto da cama, senti que me segurou à força, eu lutava, tentava em vão me afastar ele:_Luta sua Puta, tenta escapar, bata em mim sua cadela... eu batia nele com raiva de tudo que ele me fazia passar, sua ausência, a falta de carinho comigo, os xingamentos. Eu batia nele, socava ele, com muita força, e presa em seus braços, o beijei, cansada, os cabelos em desalinho, a sua força sobre a minha, eu beijei vorazmente. _Você é fraca... por isso eu te castigo. E me prende à força na cama, de costas, e me tortura de um jeito, me venda e começa a sua seção torturante de palmadas, que ardiam a pele, o corpo entregue, a alma também. _Minha Puta, vou te estourar todinha, te foder todinha com força e bem rápido, sua cadela!

Entre tapas na bunda e gemidos, era xingada, humilhada e meu corpo ardia, ele pega uma espécie de palmatória, e eu louca pra ser penetrada... e fui violentamente, depois de apanhar bastante, as marcas vermelhas e doloridas na bunda, ele me penetrou, eu ainda amarrada, ele abriu minha boceta e meteu com toda sua força, eu gemia de dor e prazer, e senti que em segundos ia gozar... _Não goza agora, espera, quero gozar contigo. O pau que não sossega dentro de mim, forte e violento, arrancando nossos gemidos, nosso prazer, entrando e saindo de mim.

_Posso gozar amor ? Pedia em súplica

_Pode agora goza vai, putinha do meu caralho, gostosa filha da puta! E gozei dando uma bela
contração no seu pau, em seguida meu corpo soergue, ele me levou ao êxtase e quase em segundos após outro gozo pleno!

_Abre a boca que eu quero gozar nela e quero que engula tudo!
Seu esperma em minha boca, aquele jato direto, grosso, gostoso ganhou um gosto doce em minha boca, engoli tudo, era amor!

Já sem a venda e desamarrada, olho curiosa pra ele, os minutos pararam, e eu queria congelar a sua imagem ali, tão quieto, e logo em seguida sorri, aliás sorri muito mesmo, de boba, ele odiava aquele momento e eu percebia que o irritava, então nada falei.

Após um longo banho, fomos pra cama, eu continuei sem olhar pra ele.

-Para Naná...pode me olhar...rs

-Risos, okay, então há momentos em que saímos do fetiche e viramos pessoas normais?

-Eu não diria normais aos olhos da sociedade, mas aqui somos bem normais, cala a boca e me beija...minha puta!

Eu fui com tudo sentada no seu colo, de frente, com o roupão de banho, ele o retira e me beija longamente, logo após abocanha meus seios, já durinhos de tesão, passando a língua neles, sugando levemente, e depois com força, mordendo, eu rebolava por cima do seu pau, provocando seus gemidos, e me deitei de costas no seu corpão de 1,85, sendo beijada, alisada, lambida, e me encaixo gostosamente em seu pau, enorme, que me fodia forte, aliás, nunca foi devagar, as mãos soltas de Renan que mexem no meu clitóris, babado, melado e duro pro meu macho, eu gemia de tesão, e gozei, me viro de frente, me encaixo nele novamente, e continuo a cavalgar naquele pau, a boceta deslizando no seu pau, e eu contraindo novamente e bem mais rápida, a alma entregue. Nossos corpos suados, exaustos, paramos, nos entreolhamos, sorrimos, mais um banho e...

_Até breve Naná, minha puta!

E ao voltar pra casa, tentando entender essa amistosa relação que passa do delírio, da normalidade, eu respondo...

Não há nada mais grato que se doar por alguém, o meu corpo ali não era meu, a minha razão também, não, naquele momento era sua, e não há nada mais honrado que se doar.

SOBRE HUMILHAÇÃO

Eu o olhava saboreando cada palavra, aquilo não me atingia...aquilo excitava-me de um jeito especial e sombrio, até descobrir que era bom. Naná





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.