"Os mais excitantes contos eróticos"

 

VENDEDORA DE PERFUME


autor: bernard
publicado em: 01/04/16
categoria: hetero
leituras: 3951
ver notas


Quando abri o portão de minha casa ouvi: -Boa tarde senhor
Virei-me e avistei uma mulher de uns trinta anos parada na calçada com uma sacola dependurada em um dos ombros, respondi: -Boa tarde senhora em que posso lhe ajudar
-Sou vendedora de perfumes, se o senhor permitisse gostaria de mostrar os produtos com que trabalho. Pensei um instante e como era sexta feira, resolvi convidar aquela mulher para entrar. -Entre, estou mesmo precisando de uns produtos. -Obrigada, ela me disse. Ela passou por mim e o cheiro de seu perfume inalou minha narina, além de linda ela estava toda cheirosa, em minutos ela estava sentada no meu lado no sofá de minha casa mostrando seus produtos, meus olhos observavam além dos produtos suas coxas, seus seios, seus lábios carnudos, seu sorriso maravilhoso, quando falava sua voz sex dava um charme a mais, logo na entrada ela disse que se chamava Antônia, aos poucos foi mostrando seus perfumes e teve uma loção que eu gostei e fiz o pedido, levantei e disse. -Você não aceita uma bebida. Se for uísque eu aceito uma dose, ela me disse. Então, servi uma dose para ela e outra pra mim entreguei o copo na sua mão e depois de um olhar lindo e atraente ela disse: -Obrigada.
Logo depois eu levantei e disse: Você me de licença que eu vou tirar esta roupa de serviço não estou aguentando mais esta roupa social, fique a vontade. -Tudo bem, ela disse. No quarto eu tirava minha roupa e percebi que estava com uma ereção fora do comum, meu pau chegava latejar de duro, aquela mulher tinha me tirado do sério, coloquei um calção bem folgado e uma camiseta e voltei para a sala ela estava no mesmo lugar e pensativa, quando entrei disse:-Estou a fim de pagar por este pensamento. Ela virou sorrindo e disse: Isso é impossível, não posso falar sobre o que estava pensando. Porque? Se não pode falar é pq é comprometedor. Ela sorriu novamente olhou para mim sem jeito com seu rosto vermelho e disse: -Por incrível que pareça meu pensamento é altamente comprometedor. Antônia, a essas alturas, já tinha bebido toda a bebida, então peguei seu copo e coloquei mais uma dose e entreguei na sua mão, quando ela pegou o copo, seu olhar parou no meu e fez uma pergunta: -Você mora sozinho nesta casa. Foi quando eu aproveitei e brinquei com ela. -Pois é como você percebeu estou precisando de uma companhia, seria bom se você se candidatasse a assumir esta vaga. Sorri e ela também, levantou seus olhos, parou novamente seu olhar no meu e. -Porque você acha que eu devo ser candidata a preencher esta vaga, acho que não estou a altura. - Porque você acha que não esta a altura, você é uma mulher maravilhosa, sua beleza condiz com minha exigência. Você diz isso porque não conhece minha vida, sou toda enrolada e não tive e nem tenho sorte e com homens. -Porque você tem toda esta desconfiança de você mesma. - Não é desconfiança é a realidade, disse e ficou em silêncio, calada, seu rosto se fechou, baixou seu olhar, ficou de um instante para outro com uma feição triste, sentei bem perto dela e ergui seu queixo com uma das mãos e disse: -Desculpa, se soubesse que iria te deixar triste não teria tocado neste assunto. -Quem tem que pedir desculpa sou eu, afinal o senhor não tem nada a ver com minha vida e se errei é culpa só minha. Então eu disse: -Se quiser falar sobre o assunto eu prometo te ouvir. -Não que é isso, o senhor não tem nada com isso, ela me disse. Seu olhar penetrou no meu, aqueles olhos negros mostravam uma mulher carente, olhei bem em seu rosto, aqueles lábios lindos pediam um beijo e foi o que fiz, colamos nossas bocas foi um beijo molhado e excitante, nossas línguas se tocavam, ela subia em cima de mim, sua respiração ficou ofegante, estava dominado por ela, ela tomou conta da situação, sacou minha camiseta e beijava meu peito, baixou meu calção e quando meu pau a saltou abocanhou ele todo, lambia com maestria até o saco, tirei a alças e baixei seu vestido até a cintura, quando tirei seu sutiã pude ver um par de seios dos mais lindos, eram médios com uns biquinhos rosadinhos, estavam durinho pela sua excitação, passei a língua e mordisquei-os com carinho, suas mãos percorriam meu peito, meus cabelos, baixei o vestido com sua calcinha junto, abri suas pernas e cai de boca naquela xaninha toda raspadinha, lisa toda molhadinha pela excitação que ela sentia no momento, suguei aquele melzinho todo, passei minha língua dura de baixo para cima bem dentro de sua racha, ela delirava, gemia, urrou quando eu peguei seu clitóris com os lábios e o estiquei, peguei ela no colo e levei até meu quarto, coloquei ela bem no meio de minha cama e subi em cima de seu corpo, senti sua xana quente na ponta do pau forcei e senti resvalar para dentro de sua vagina apertadinha, senti meu saco colar na sua bunda, ela rebolava bem devagarzinho, gingavam seus quadris num ritmo lento, senti suas contrações vaginais de seu primeiro orgasmo, ela cravou suas unhas nas minhas costas e pediu:-Me beija amor que já estou gozando aaaaiiiiiissssss que gostosooooo. Aos poucos ela foi aumentando seus gritos e gemidos, urrou que nem uma leoa, rebolava e gingava seu quadril cada vez mais rápido e foi se acalmando aos poucos mais sem parar de sentir prazer em segundos ela entrou em mais um orgasmo, este múltiplo, sua respiração ficou ofegante, seus lábios chegaram ficar gelados, seu corpo se retorcia em cima da cama, sua vagina se contraia e apertava cada vez mais forte meu pau, não consegui segurar e fui junto, gozei que nem um louco, enchi sua xana de porra, os jatos foram tão forte que chegou doer a cabeça do pau, ela foi se acalmando e seu corpo afundando em cima da cama, deitei no seu lado e abracei seu corpo e puxei contra o meu, ela colocou sua cabeça no meu peito e ficou um instante quietinha, calada, mais foi só por uns minutos de repente ela girou e subiu em cima de mim, beijou-me na boca e desceu beijando meu peito, minha barriga, pegou meu pau e colocou na boca, chupou com vontade dentro de uns minutinhos ele estava duro feito pedra outra vez, ela o encaixou na sua xana e começou cavalgar feito uma amazona, de vez enquanto baixava e me beijava na boca, voltava e rebolava, gingava sua cintura, seu corpo estava todo suado chegava escorrer, senti que ela estava gozando novamente em silêncio, curtia aquele momento só para ela, sua respiração ofegante denunciava seu gozo, seus seios ficaram duros, sua pele ficou toda arrepiadinha, sua vagina se contraiu, ela ficou de olhos fechados no seu rosto uma expressão de felicidade feminina, olhava aquela mulher e observava ela toda feliz, passava sua língua nos seus lábios e dava para ver e sentir ela cheia de desejo e tesão, quando ela desabou seu corpo em cima do meu eu joguei ela para o lado de bruços na cama e subi em cima dela, dei uma passada de língua no seu rabo que ela arrepiou-se toda e empinou seu traseiro, coloquei a cabeça bem na entrada de seu cuzinho que estava todo melado e forcei de uma só vez senti meu pau todo dentro de seu cu, ela gemeu de dor e prazer, fiquei um instante parado esperando lacear seu anelzinho e iniciei um vai e vem, aos poucos fui aumentando o ritmo, meu saco batia na testa de sua boceta, cada estocada que eu dava ela urrava de tesão, não demoramos muito gozamos juntinhos, enchi seu rabo de porra, gozei com o pau todo atolado bem no fundo de seu rabo. No banheiro ainda demos mais uma trepada gostosa, voltamos para cama e ela relatou algo que fiquei surpreso. -Sou casada e vivo junto com um homem, tenho uma filhinha de quatro anos, ele viaja muito e me deixa sozinha, fica semanas sem me procurar, já teve vez que passamos um mês sem sexo, hoje faz vinte e seis dias que eu não transava. Surpreso com sua declaração não tive resposta e nem pergunta a fazer, ela continuou falando. -Sei que sou uma mulher bonita, recebo cantadas todo dia, mas nunca tinha traído meu marido, quando entrei na sua casa hoje tive uma sensação de que seria com o senhor, não sei por que, mas senti uma atração muito forte pelo senhor. Ouvindo aquela confissão, beijei sua boca e recomeçamos tudo de novo, quando ela saiu já era dez horas da noite, todas as sextas ela vem aqui em casa, entreguei a ela uma cópia das chaves, quando chego do serviço ela já tem dado uma faxina geral em toda casa, minha, quer dizer nossa cama, sempre fica impecável e ela espera por mim deitada nuazinha, já de banho tomado e perfumada. Que maravilha. Obrigado por ler meu conto. Gostou? Se excitou? Dá uma nota então...e não deixe de ler a segunda parte desse conto. Se desejar podemos conversar sobre o assunto. Skype: bernard.zimmer3 ou e-mail. bernard3320@live.com ou WhatsApp: 11944517878




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.