"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Encontro Marcado!


autor: suamenininha
publicado em: 20/04/16
categoria: hetero
leituras: 1963
ver notas


Eu estava nervosa, não sabia como seria, só tínhamos nos visto por fotos...
E se não fosse nada daquilo que parecia ser?!
Era um risco! E que risco!
Há 2 meses venho conversando com um rapaz que conheci no chat. Muito atencioso, carinhoso
e muito safado também!
Já tínhamos conversado sobre tudo, trocado fotos e, como é inevitável... me apeguei a ele.
Resolvemos então que deveríamos nos conhecer!
Marcamos então numa tarde de quinta, antes que ele fosse para o trabalho, num parque repleto de árvores, e vazio em pessoas. Ele iria de carro, e eu já estaria lá, o esperando.
Tratei de ficar o mais linda e cheirosa possível;
Vesti um vestido de alças florido, sem soutien, pois meus seios não são tão grandes, uma calcinha branca comportada e confortável, uma sapatilha nos pés, no corpo um hidratante com misturas de flores e uma colônia fresca.
Tenho cabelos cacheados e curtos, que estavam soltos e uma maquiagem mais leve que um algodão doce!
Foi chegando a hora de me dirigir ao local marcado. A ansiedade era tamanha que minhas mãos suavam, e meu coração batia mais forte!
Cheguei ao local e sentei fazendo pose em um banco, mas o nervoso me deixando inquieta, me fez levantar e então me encostei numa árvore...
Olhei no relógio e tinha chegado a hora marcada!
Ouvi o barulho do motor do carro, fingi que estava distraída... mas na verdade meu coração estava mais que acelerado!
Era ele! Ali! Mais perto do que nunca!
Tentei disfarçar a minha acelerada respiração, e foi quando senti as mãos dele tocar as minhas mãos...
Era ele! Era ele!
Num movimento rápido me puxou em um abraço e disse baixinho no meu ouvido:
- Meu anjo bom... Estou aqui!
Eu não conseguia falar mais nada! Somente o abraçar!
Me afastei um pouco dele, olhei nos seus olhos, e novamente me entreguei a seu abraço...
Foi como imaginei! Fiquei boba, sem reações!
Recuperada da emoção, sentamos um pouco no banco e conversamos coisas do dia-a-dia, foi quando ele me beijou; e eu surpresa retribuir.
O clima foi só esquentando com seus beijos tranquilos e firmes e então ele fez o convite:
- Vamos ficar lá no carro, não precisa ter medo! Não acontecerá nada que você não queira, e além do mais, o vidro é fumê!
Sentamos no banco do fundo, e não conseguimos nos segurar por muito tempo, e com muitos beijos trocados, ele dizia:
- Eu te quero! Quero você!
Ouvindo isso, sentei no colo dele, de frente para ele, e nos beijamos longamente enquanto ele abria o zíper do meu vestido, deixando soltos os meus seios...
Sentir crescer em baixo de mim seu generoso membro... não era daqueles imensos, de filme pornô mas era suficientemente grande para satisfazer meus desejos!
Movia meu quadril provocando o que estava embaixo de mim... ele pegava em meus cabelos, me segurava pela cintura e emitia sons que a cada momento me deixava mais louca!
Ergui um pouco meu corpo e tirei a minha calcinha, ele me olhando, tirou também a calça e a cueca...
Voltei a sentar no seu colo, mas ainda sem penetrações... somente a minha buceta molhada melando o pau dele...
Continuamos naquele namoro quente até que ele disse:
- Quero você sentada nele. Agora!
Saquei uma camisinha do bolso secreto da calcinha, vesti delicadamente aquele pau delicioso utilizando a boca, procurei a melhor posição e sem pressa alguma, fui deslizando buceta a dentro com aquele pau...
Ele gemia de uma forma tão excitante, que me fez esquecer do plano "devagar e sempre" e comecei a rebolar sentindo suas mãos em minha cintura, como nunca antes havia rebolado e acabei gozando deliciosamente!
Ele não parava de meter, e quando menos esperei explodi novamente em um gozo delirante...
Observei que um rapaz sentado no banco observava o carro, mas nem me importei... gostoso mesmo estava dentro...
Em movimentos rápidos me colocou de quatro e sem alterar o ritmo continuou metendo deliciosamente... Me dava tapinhas e segurava-me pela cintura, até que derrepende ele disse:
- Esse cuzinho meu amor... Pode?
E sem que ao menos eu respondesse, senti seu dedo forçando meu cuzinho, fui ao delírio e isso me fez gemer mais alto...
O rapaz sentado no banco lá fora, agora não desgrudava os olhos do carro...
Senti que ele aumentou a velocidade dos movimentos e numa estocada forte gozou com o pau na minha bucetinha e o dedo no meu cuzinho!
Sentamos abraçados... Rimos do vidro embaçado do carro, depois voltei pra casa num ônibus lotado e sem calcinha...
Mas isso é uma outra história....




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.