"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A futura vereadora


autor: Publicitario45
publicado em: 22/04/16
categoria: casual
leituras: 4319
ver notas


O Facebook segue me proporcionando grades aventuras e na semana passada me deu mais um grande presente. Vamos chama-la de Karla, negra, 1,79 de altura, corpo normal, cabelo com um lindo dread até a cintura, boca grande, carnuda, sorriso matador, uma bunda que parecia ainda maior por causa da cintura fina, pernas grossas e seios fartos.

Karla apareceu naquelas indicações do Facebook como “pessoas que talvez você conheça”, pois tínhamos pelo menos vinte amigos em comuns. O engraçado que a maioria dos amigos são políticos ou jornalistas. Cliquei e adicionei. Em alguns minutos ela aceitou e me mandou um “olá, seja bem-vindo” no chat do site. Respondi cordialmente e começamos uma conversa agradável.

A moça é engajada, é presidente numa associação de moradores de um bairro menos favorecido aqui da Grande Vitória. Solteira, 36 anos e tem uma filha de 16 anos tão linda quanto ela. Conversa vai, conversa vem e ela me disse que é candidata a vereadora, namora um homem de 52 anos, empresário, rico mas que lhe dá pouca atenção devido as viagens de negócio.

Já passava das 2h da manhã quando nos despedimos depois de mais de duas horas de conversa boa. No dia seguinte levantei às 7h30 e a primeira coisa que fiz foi olhar o celular. Instagram, Twitter, Facebook e resolvi mandar um “bom dia” para a minha nova amiga. E a resposta dela não poderia ter sido melhor.

- Obrigada, bom dia pra você também. Nossa, fiquei muito feliz.

- Feliz por que eu te dei bom dia?

- Sim. Acredita que meu namorado nunca fez isso?

Daí em diante a conversa descambou. Karla fez uma série de reclamações sobre seu relacionamento sério e que por várias vezes pensou em terminar e inevitavelmente ela perguntou se eu tinha alguém. Disse que não, mas que a vontade de ter algo sério era latente em mim, mas que infelizmente as pessoas que tinham se aproximado de mim eram de outro estado e a distancia não estava ajudando muito.

Descobri que Karla é estudante de direito numa faculdade que fica a 3 quadras do meu escritório e resolvi convida-la para uma café. Ela recusou, disse que não poderia ir pois tinha que terminar um trabalho de faculdade mas que se eu quisesse, o café poderia ser na casa dela. Topei!!

No final do dia chamei um taxi. Passei o endereço e o motorista foi direto lá. Quando sai do carro toquei a campainha e Karla me atendeu. Estava linda, usava um vestido azul claro que contrastava com a cor da sua pele negra. Sua boca brilhava e parecia ser muito mais bonita e maior pessoalmente. Seu cabelo no melhor estilo Dread era lindo, negro, com umas mexas avermelhadas.

Entrei e ela me deu três beijinhos e pediu que eu sentasse enquanto ela passava o café. Ficamos conversando à distância e ela veio até a minha com uma xícara na mão. Bebi aquele café rapidamente e depositei a xícara na mesa de centro.

Karla se ofereceu a me mostrar seu apartamento, pequeno mas muito confortável e decorado com muito bom gosto. Passamos pela cozinha, pelo quarto da filha dela, um quarto que ela usava para estudar, cheio de livros, o banheiro e enfim o quarto dela.

Entramos e ela se jogou na cama, disse que eu poderia me sentar ao lado dela. A esta altura meu pau já endurecia prevendo o que viria em seguida. Karla sugeriu que eu tirasse o paletó do terno e assim eu fiz. Quando terminei ela foi direta:

- Agora me beija.

Me puxou em direção ao seu corpo e sua boca bem maior que a minha parecia que ia me engolir. Uma boca doce com uma língua atrevida.

De vestido, Karla abriu as pernas e eu me encaixei entre elas e começamos a esfregar nossos corpos numa sincronia perfeita. Karla beijava a minha boca, passeava pela minha orelha, lambia meu pescoço. Aos poucos fui me livrando do resto da roupa e fiquei completamente nu em sua frente. Imediatamente Karla pegou meu pau, pediu que eu encostasse na cabeceira da cama e começou a chupar meu pau de forma incrível. Sua boca o engolia completamente, sua língua lambia meu saco ao mesmo tempo enquanto suas mãos arranhavam meu peito. Desci meu corpo e pedi que ela se virasse, queria fazer um 69 com aquela mulher deliciosa e ele obedeceu imediatamente.

Ao se virar, colocou a sua boceta de frente pra minha cara, que boceta! Grande, carnuda, depilada, quente, melada e pronta para ser abocanhada por mim. Dei um beijo e ela gemeu, passei a língua e ela gemeu novamente, meti a boca e ela enfiou meu pau ainda mais fundo dentro da sua boca. Acho que se tivesse um pau de 25cm ela engoliria fácil.

O vai e vem no meu pau era incrível, eu de onde estava, continuei chupando e bebendo seu suco, mordi seus lábios grossos, meti o dedo na xaninha e continuei lambendo o grelo. Karla gozou e com o gozo uma quantidade grande de mel escorreu para dentro da minha boca.

Ela se levantou, foi em direção à cômoda e pegou uma camisinha daquelas bem fininhas que aumenta a sensação de não ter nada.

Antes de colocar no meu pau, Karla pincelou na sua boceta e deu uma sentada para que eu sentisse sua temperatura interna, parecia febril. Em seguida, com meu pau melado ela encapou e rapidamente sentou na minha vara se colocando a cavalgar. Karla se mexia em toda as direções, quicava na minha rola, gemia alto e chegava em seu segundo orgasmo. Minhas mãos, massageavam aqueles seios enormes, duros com bicos grandes. Sua boca as vezes vinha em direção a minha, me beijava, lambia e sorvia o resto do seu gozo que ainda estava ali.

Pedi que ela ficasse de quatro e saiu de cima de mim e se virou. Sua bunda grande dura agora estava a minha disposição. Meti novamente na boceta e comecei a socar com vontade, mulher grande merece estocadas mais viris e Karla parecia gostar.

- Mete, mete com mais força seu safado. Come sua neguinha putinha come...

O som das estocadas invadiam o quarto e Karla me surpreendeu mais uma vez.

- Come meu cuzinho, come... disse ela com voz manhosa.

Tirei meu pau totalmente melado e posicionei a cabeça na porta do seu rabo. Forcei a entrada e ela deu uma gemidinha, pediu que eu não parasse e eu meti o resto da pica.

Votamos as estocadas mais fortes, espalmei as duas mãos na sua bunda, puxei pelo cabelo, perguntei quem era o dono do cuzinho e entre gemidos e sussurros ela disse que era eu.

Acelerei as estocadas e gozei no seu rabo, urrei de tesão e enchi a camisinha de porra. Karla deitou na sua cama de bunda pra cima e eu me deitei ao seu lado. Estávamos exaustos. Depois Karla se virou de frente pra mim e começou a contar a história da sua vida.

Enquanto falava sua mão massageava meu pau ainda melado de porra. Sua boca ia me hipnotizando e meu pau foi aos poucos endurecendo novamente. Karla não resistiu e caiu de boca na minha rola lambendo e chupando com vontade, deixando-o limpo de novo.

Continuou chupando e eu pedi que ela só parasse quando eu gozasse. Karla riu e continuou, chupou com vontade, lambeu muito meu saco e eu gozei enchendo sua boca de porra.

Karla não engoliu, foi ao banheiro e jogo tudo dentro do vazo. Tomou um banho e quando voltou disse que eu deveria tomar um banho também pois a qualquer momento a filha dela retornaria.

Tomei um banho, me vesti, nos beijamos e descemos para esperar o taxi.

No dia seguinte Karla me mandou uma mensagem estranha, dizendo que não devia ter feito nada daquilo. Disse que ia insistir um pouco mais com o namorado rico e que nós deveríamos nos afastar por um tempo, até que ela resolvesse sua vida.

Quem sabe a gente não se esbarra por ai e surge um segundo conto?

Boa sexta a todos.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.