"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcelo & Sonia 03 - O Primeiro Macho


autor: MarceloDias
publicado em: 20/05/16
categoria: traição
leituras: 4056
ver notas


Marcelo & Sonia 3 - O Primeiro Macho de Minha Esposa

Gerci passou a fazer parte da nossa vida, seu jeito autoritário e dominador conquistou minha esposa que era completamente submissa a ela. Gerci se tornou o macho da minha esposa.

Nosso casamento esquentou de um jeito que nunca pensamos que fosse possível acontecer. Sonia não era mais aquela esposa comportada, Gerci a dominava completamente. Eu acostumei com a presença de Gerci e gostava de ver minha esposa com ela. Gerci praticamente passou a morar lá em casa. Quando eu estava em casa ela comia Sonia na minha frente para eu ver. Toda noite eu comia minha esposa na frente dela, ela gostava de ver, Sonia levando ferro. Gerci era carinhosa comigo, já trocávamos selinhos e ela deixava eu acariciar o corpão dela. Nossa intimidade foi aumentando, de noite na cama, eu e ela chupávamos juntos a boceta de Sonia, nossas bocas se encontravam na boceta e Gerci passou a me beijar na boca, minha esposa ficava louca. Aos poucos Gerci foi me deixando participar com elas e a intimidade entre nós foi aumentando. Eu e minha esposa chupávamos juntos a boceta dela, nos beijando sentindo o gosto dela um na boca do outro. Gerci só não dava para mim. Mais permitia que eu beijasse seu corpão todo junto com minha esposa.

Minha esposa mudou não era mais a mesma, andava nua em casa e ficava provocando, se exibindo, mostrando descaradamente a bunda. Todo dia ela dava para Gerci. Meu casamento tinha mudado e eu sabia que ele nunca mais seria o mesmo. A única coisa que me incomodava um pouco e que Gerci era dessas mulheres autoritárias e mandonas e se mostrava cada dia mais apaixonada por Sonia, ela as vezes brigava com Sonia na minha frente, achando que minha esposa não era carinhosa com ela e ficava exigindo que Sonia demonstrasse que gostava dela. As duas sempre resolviam essas pequenas diferenças na cama. Sonia sabia acalmar Gerci. O jeito submisso da minha esposa fazia que a nossa vida não tivesse muitos transtornos.

Uma manhã estava no trabalho e Gerci me ligou falando que estava perto do meu trabalho e se eu podia conversar com ela. Eu posso ir até aí? Pode, falei. Achei estranho, ela sempre saia com minha esposa. Nunca tinha me ligado. Ela não demorou, a secretária me avisou que ela tinha chegado, ela entrou e eu fechei a porta, Gerci me beijou de leve na boca, sentamos num sofá de dois lugares do lado da minha mesa. Aconteceu alguma coisa entre você e a Sonia, perguntei, ela sorriu, não querido este tudo maravilhoso. Eu queria falar com você sem a Sonia saber, Gerci segurou minha mão. Eu sei que você tem vontade de ver tua esposa dando para outro homem, não tem? … Eu olhei para ela e ela sorriu, eu sei que tem querido todo homem tem, isso é mais normal do que você imagina, ela contou para você? … Perguntei. Contou, falou que antes de se envolver comigo, você tinha falado com ela, que tinha vontade de vê-la dar para um macho de pau grande, maior que o teu. Mas, que ela brigou e vocês não tocaram mais no assunto. É verdade! disse. Eu acho que a Sonia está pronta Marcelo, se você quiser eu ajudo você a convencer ela.

Gerci falava segurando minha mão. Você acha que ela vai aceitar? Acho! É só você querer. Eu ajudo você a corromper a Sonia. Eu sorri para ela. Eu quero Gerci. Mas, não quero que seja com um homem qualquer. Ela riu, eu sei, o que você quer, meu amor, um macho com um pau enorme que deixe ela toda arrombada. Ela me beijou de leve na boca. Marcelo eu tenho um velho amigo que mora em São Paulo que é perfeito. O nome dele é Edir é mais velho que vocês, tem 50 anos, é negro, divorciado, experiente, educado, não é bonito, é um homem feio, grandão como você, calvo e tem um pau enorme, grosso, o pau dele é exagerado. Do jeito que você quer. Eu já dei para ele Marcelo! Quando eu dava para ele, ele me deixava toda larga. Eu beijei ela de leve. Não sabia que você gostava de pica. Ela riu! Já gostei muito, eu gosto de mulher, você sabe, não troco nada por uma mulher gostosa como a tua. Mas, às vezes, gosto de uma pica grande e grossa. Se você quiser eu falo com ele. Primeiro a Sonia tem que aceitar. Falei! Ela sorriu. Ela vai aceitar tua esposa está doida para dar para outro homem, Marcelo. É só incentivar que ela dá. Eu puxei assunto com ela sobre essa tua vontade e ela acabou confessando que ficou com vontade depois que você falou. Mais tem medo de você depois se arrepender. Eu a olhei nos olhos. Eu não vou me arrepender, Gerci! Ela sorriu você sabe que depois que ela aguentar um cacetão grosso ela não vai mais ser apertadinha como agora. Teu pau é pequeno perto do pau do Edir. Ele vai arrombar ela toda. Eu sei, disse. E qualquer homem que for comer a Sonia vai querer comer o rabão dela, você sabe que vai ter que deixar ela dar a bunda. Sei. Gerci. Ela me olhou, posso falar com ele, Pode! Gerci sorriu, de noite nos dois falamos com a Sonia, Gerci foi embora e eu voltei a trabalhar, no final da tarde, ela me ligou e falou que tinha conversado com o Edir e ele aceitou, se eu quisesse ele podia vir na sexta feira e passar o fim de semana com a gente. Você acha que ele pode ficar na tua casa? Ela perguntou. Pode, se a Sonia aceitar, não tem problema, disse.

Quando voltei para casa, encontrei minha esposa e Gerci nuas na sala, Sonia me beijou quando entrei e fez eu sentar no meio delas, ela me beijou, a Gerci me contou tudo, disse sorrindo, tudo o que? Perguntei. Que ela foi no teu escritório e do amigo pauzudo dela. Ela me beijou, você quer mesmo que eu dê para ele? Quero, mas, você tem que querer também. Ela me beijou. Eu sei que você quer isso. Eu quero dar. Querido, eu sei que você quer que eu dê para outro homem, você ta doido para ver outro homem me comendo, quer eu seja puta. Não quer. Ela me beijava enquanto falava. Quero, você sabe que eu quero, a Gerci falou do pau dele, perguntei. Sonia sorriu de um jeito safado, ela disse que é enorme e grosso. Sorri encarrando Sonia. Você acha que agüenta. Ela me olhou, acho, a Gerci falou que dói mais que eu ia agüentar. Beijamo-nos na boca, Gerci tinha o controle da situação, ela me olhou, eu falei com ele ainda agora, depois que conversei com a Sonia e ele vem na sexta feira, você podia faltar na sexta feira, Marcelo, afinal vai ser um dia especial para vocês dois, ela disse. Eu vou ajeitar tudo no trabalho para faltar na sexta.

Minha esposa saiu da sala e eu fiquei sozinho com Gerci. Ela aproveitou e sentou do meu lado. Ela está doidinha para dar para ele, Marcelo, está com medo do tamanho da pica mais tá querendo pau. Ela confessou para mim, que está doida para dá a boceta, amanhã você vai ver tua esposa levando ferro de outro. Eu encarrei ela. Você acha mesmo que ela aguenta? Gerci riu, Marcelo, olha o corpão da tua esposa, com uma boceta daquele tamanho e um rabão enorme como o que ela tem, você acha que ela não agüenta. Eu já vi muita mulher magrinha e pequenininha aguentando cada pirocão, meu lindo. Eu e Sonia estávamos nervosos e ansiosos, doidos que a sexta feira chegasse.

Na sexta pela manhã não fui trabalhar e Sonia foi ao salão, voltou uma gata, cabelo arrumado. Toda depilada, depilou o corpo todo. Gerci passou lá em casa avisando que ia buscar o amigo no aeroporto, ele chegava às 14 horas. Sonia queria ir com ela. Gerci não deixou, você vai ficar esperando ele em casa, falou. Gerci contou que tinha comprado uma roupa especial para Sonia vestir. Ela sorriu para mim. É bem indecente Marcelo, mas você só vai ver na hora, não mostra para ele não Sonia só na hora. Minha esposa riu, falou que não ia mostrar. Gerci saiu e Sonia foi se arrumar. Voltou com um bustiê que mal cobria os peitões dela e um short amarelo de malha fina grudado no corpo que mostrava o tamanho exagerado da bunda e a boceta enorme. Gostou, ela perguntou, sorrindo. Você está linda, Ele vai ficar doido vendo você assim. Ela riu! Ficamos conversando, Sonia estava nervosa, impaciente, ia na janela toda hora ver se Gerci chegava.

Eram 3 horas da tarde quando a campainha tocou, era Gerci. Eu fui atender. Gerci estava parada com um homem grandão, negro e calvo, não era bonito como ela havia dito, mas era simpático. Usava uma camisa branca social e uma calça cinza. Ele sorriu! Marcelo este é o Edir, Gerci disse, Olá Marcelo, tudo bem, ele disse. Eu apertei a mão dele e Gerci foi entrando com ele. Sonia estava atrás de mim e Gerci se dirigiu a ela, querida, esse é o Edir. Ele ficou olhando minha esposa, Sonia estava gostosa demais, uma delícia, o short estava indecente, não tinha como não olhar. Ela sorriu para ele, você não sabe como a Gerci falou de você para nós, disse abraçando ele e beijando Edir no rosto. Fomos para o sofá e minha esposa sentou do meu lado, Edir e Gerci sentaram no sofá em frente ao nosso.

Ficamos conversando e, de fato, ele era muito agradável e tinha uma conversa envolvente. Gerci foi conduzindo a conversa que fluiu gostosa, eu estava nervoso e muito excitado, sabia aonde aquela conversa toda ia acabar. Ele falou que nós éramos um casal muito bonito. Me parabenizou pela beleza da minha esposa. Gerci levantou e sentou do lado de Sonia, segurou na mão dela. Marcelo eu contei para ele que a Sonia e minha mulher também, ela disse, beijando Sonia na boca na frente dele, Sonia correspondeu ao beijo dela. Gerci levantou e pegou na mão de Sonia, levando ela para dentro, eu vou preparar ela, a gente já volta. As duas foram para o quarto e eu fiquei sozinho na sala com ele.

Edir me olhou e sorriu. Muito linda sua esposa, A Gerci falou que ela era linda, eu não pensei que ela era assim e muito mais do que eu pensei. A Gerci falou tudo para você? Falou Marcelo, ela me contou que você quer ver ela dando para um homem bem-dotado. Eu sei que ela só dá para você, nunca deu para outro homem. Você não vai se decepcionar, ele disse. A Gerci falou super bem de você, e é verdade mesmo, ela nunca deu para outro, Edir, só dá para mim. Você viu como ela é gostosa. Ele sorriu! Vi. O corpo dela é demais. Ele disse. Viu o tamanhão da bunda. Perguntei, vi, ela tem um bundão exagerado, a bunda dela me deixou doido só de olhar, ela tem um senhor rabo. Ele disse.

Gerci parou na porta da sala, tinha trocado de roupa, estava com vestido bem justo e curto. Pronto! Vem Sonia, eles estão esperando você. Sonia entrou na sala estava maravilhosa, um tesão de mulher, toda gostosa, farta, ela usava uma sandália alta e um vestidinho de alça branco muito justo que marcava a cintura e realçava os quadris muito largos dela. O vestidinho era muito curto e indecente, deixava as coxas grossas dela nuas, Gerci trouxe ela até onde nós estávamos. Sonia ficou bem na nossa frente. Edir olhava para o corpão dela com desejo. Comendo ela com os olhos. Gerci fez Sonia dar uma voltinha e ficar de costas para nós, o vestido muito curto não conseguia esconder o tamanho da bunda e mostrava a calcinha vermelha minúscula que ela usava enterrada na bunda. Eu vi que Edir estava com a mão em cima da calça, segurando o pau, dava para ver que o volume na calça era grande. Gerci passou a mão no bundão da minha esposa e pegou na mão de Edir fazendo ele levantar. Olha querido, o tamanho desse rabo, olha como a bunda dela é exagerada, ela falou para ele. Eu não falei para você que a bunda dela era enorme. Pega! O Marcelo deixa, ela falou, colocando a mão dele na bunda. Eu olhava fascinado, Edir segurou a nádega grandona da minha esposa apertando. Sonia fechou os olhos e gemeu quando ele apertou. Ele ficou acariciando, Gerci beijou Sonia na boca, está gostando da mão dele? Estou, Sonia disse. Gerci ia conduzindo tudo. Ela beijou o rosto de Edir mostra o tamanho da pica para eles. Ela mandou.

Edir me olhou e ele percebeu que eu estava de acordo e abriu a calça e foi tirando de dentro da cueca o pau com dificuldade. Era enorme mesmo. Estava duro. Grande e grosso. Ele tinha uma pica preta, cabeçuda, muito grossa e comprida. Media 22 cm. Gerci tinha falado que o pau dele era exagerado, mas eu não achei que era assim. Sonia do lado dele olhava fascinada para o pauzão daquele homem. Está vendo como é grande Querida, Gerci segurava o pauzão, a mão dela não conseguia fechar em volta da pica. Ela fez Sonia segurar o pau. Minha esposa segurou no meio do pau e ficou punhetando. Edir fechou os olhos quando ela segurou. O pauzão estava duro, em pé. Sonia se encostou nele. Ele segurou a cintura dela. Ela beijou o rosto dele. Chupa o cacetão dele querida, você está doida para botar a boca nesse pauzão. Gerci mandou fazendo minha esposa ajoelhar-se. Sonia me olhou e ajoelhou, segurou a vara dura com as duas mãos. Sua boca beijou o cabeção da pica, ela esfregou os lábios. Gerci foi forçando a cabeça dela, engole querida, chupa. Gerci mandava. Sonia abriu a boca e Edir foi enterrando o pau na boca da minha esposa. Meu pau estava duro como nunca tinha ficado. Eu olhava minha esposa pela primeira vez, mamando uma pica.

Sua boca foi engolindo, com dificuldade, a vara grossa. Ela chupava com gosto, Edir a segurava pela cabeça e forçava o pau, ela conseguia engolir quase metade do pau. Sua boca babava o pau todo, a saliva escorria, Gerci fez a calça cair toda e aos poucos deixou Edir só com a cueca abaixada. Ela fez ele sentar na poltrona com o pauzão apontando para cima. Sonia ficou no meio das pernas dele, chupando a vara daquele homem. Ela esfregava os lábios grandes pelo corpo da pica, chupava o sacão e ia engolindo o caralhão dele. Edir forçava a cabeça dela, exigindo que ela engolisse mais, Sonia engasgava, tossia, mais não parava e voltava a abocanhar o pau. Edir gemia, Sonia mamava com gosto, chupava o saco grandão, engolindo as bolas. Eu via que minha esposa estava adorando chupar aquele pauzão preto. Ela ficou ali, mamando o pau enorme daquele homem. Os gemidos dele foram ficando mais intensos, dava para ver que ele não estava mais aguentando, ele segurou a cabeça dela e gozou na boca, Sonia ficou com a boca no pau, Edir estremeceu todo, quando ela tirou os lábios do pau, a porra grossa dele, escorreu dos lábios dela. Ela beijou e esfregou os lábios no pau. Edir ficou sentado, estirado na poltrona se recuperando.

Gerci levantou ela e beijou Sonia na boca, as duas se beijaram com paixão, dividindo a porra dele. Edir me olhou sem falar nada. Gerci pegou Sonia pela mão e falou, vem Edir ela tá querendo pica. Foi levando Sonia para o nosso quarto. Edir foi atrás. Sonia me olhou do corredor. Vem amor. Me chamou. Fomos todos para o nosso quarto. Eu sabia que tinha chegado a hora da minha esposa dar a boceta para outro.
Continua...




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.