"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcelo & Sonia 06 - Comida em Casa


autor: MarceloDias
publicado em: 20/05/16
categoria: traição
leituras: 5641
ver notas


Marcelo & Sonia 06 - Comida e Arregaçada, O Fim de Semana Inteiro na Frente do Marido

Tudo que esta sendo relatado aqui e verdade e está sendo contado exatamente como aconteceu.
Sonia acabou adormecendo. Edir saiu do banheiro e fomos para a sala, nus. Ficamos tomando cerveja e conversando. Anoiteceu e Sonia acordou e veio para a sala nua, ela sentou no meu colo e me beijou na boca, pegou minha mão e colocou na boceta. Edir ficou olhando e acariciando o pau, se masturbando, o pau endureceu, Sonia olhava fascinada para o pau dele, ele ficou mostrando para ela. Ficava masturbando o pau, encarrando ela e exibindo a pica.

Sonia não resistiu, levantou do meu colo e sentou no meio das pernas dele, segurando o pauzão com as duas mãos. Ela beijou o cabeção da pica e esfregou os lábios, foi colocando a pica grossa na boca, engolindo, Edir segurou a cabeça dela, forçando ela a engolir cada vez mais. Sonia engasgava mais continuava mamando, a saliva deixava o pau todo babado. Ela ficou de joelhos, chupava com gosto. Levantei e me ajoelhei atrás dela, ela abriu as pernas, empinando a bunda, segurei ela pelos quadris e meti com vontade na boceta, ela gemeu mais continuou mamando. Meu pau entrava todo na boceta, fiquei metendo, comendo a boceta dela, não aguentei e gozei, enchendo a boceta de leite.

Sai de dentro dela e Edir levantou, deitou-a no sofá e montou nela, ela gemeu quando a pica grossa invadiu a boceta, Edir meteu tudo sem pena, Sonia gemia alto, levando ferro na boceta, ele metia com força, eu via os lábios da boceta arreganhados e a pica grossa enterrada até o cabo, Sonia ficou toda aberta em baixo dele, ela se agarrava nele. Gemendo… aaai, aaai, aaai minha boceta, Edir, que pau enorme, aaai amor enfia tudo enfia, mete pau em mim mete. Aai você mete gostoso demais. Ai eu vou goza… Assim eu gozo… porrraaaa. Sonia gozou.

Edir continuou metendo, a pica entrava e saia da boceta. Ele me olhou, pega o Ky, Marcelo. Ele mandou, fui ao quarto e voltei com o Ky. Ele saiu de dentro dela e a fez ficar de joelhos no sofá, Sonia sabia que ele queria botar na bunda, sabia que ia tomar no cú, ela olhou pra ele, bota devagar, pediu, vi que ela ficava com medo mais queria dar. Ela empinou a bunda, se apoiando no sofá, Edir abriu as nádegas grandonas dela e espalhou o KY no cuzinho, ele encostou o pauzão e forçou, aaaiiiii, Sonia gemeu, o pau invadiu o cu gostoso dela, ele segurou firme nos quadris dela e foi metendo, Sonia chorou baixinho, ele botou metade da pica sem dó. Ela já chorava levando no cu. Edir castigava quanto mais ela gemia mais ele metia. Ela sofria mais deixava, submissa, o deixando comer do jeito que queria. Ele botou tudo no bundão dela, Sonia ficou desesperada, aaaiii ta me arrombando toda, aaai caralho, que pau enorme, ela me olhou, aai amor, dói muito, ele é filho da puta, não tem pena, ele botou tudo não botou. Ela perguntou. Eu beijei ela na boca, botou, querida, agüenta tudo, querida, mostra para ele que você é mulher, mostra que a tua bunda agüenta o picão dele todo. Edir escutou aquilo e passou a meter com mais força ainda, fazendo Sonia ficar descontrolada, ela gozou, com o pirocão enterrado no cu.

Edir não tirou continuou metendo, Sonia gemia manhosa. Edir provocava ta chorando porque, você gosta de pica na bunda, ta deixando é porque gosta de toma no cu, olha como ela aguenta tudo no cu Marcelo. Não demorou Sonia gozou de novo e só então Edir gozou dentro, enchendo ela de leite. Quando ele tirou, Sonia ficou deitada de bruços no sofá. Eu a deixei ficar quieta alguns minutos e fiz ela levantar, ela me beijou com um sorriso de satisfação nos lábios, Ai amor ele acaba comigo, me deixa toda larga. Ela disse. Eu adoro ver você dá a bunda. Falei para ela, Sonia me beijou, safado. Era isso que você queria né. Não disse nada, só dei um sorriso.

Sonia queria sair para jantar fora, nos arrumamos e fomos num restaurante perto de casa. Edir era muito discreto e sabia ser agradável. Ele tinha uma conversa alegre e envolvente. Voltamos pra casa e mal entramos Sonia já ficou provocando Edir, se esfregando nele, pegando no pau dele por cima da calça, doida pra levar pica de novo, ele levou ela para o nosso quarto, o vestido dela ficou no corredor, ela entrou no quarto só de calcinha. Ele tirou a roupa e ficou nu, o pau estava duro, em pé, pronto pra comer ela, Sonia tirou a calcinha e deitou toda aberta na cama, oferecendo a boceta pra ele. Edir montou nela, enfiando o ferro duro no bocetão, Sonia se agarrou nele, ele metia de um jeito bruto nela, Sonia gemia alto com a pica toda na boceta, foi uma foda demorada, Sonia dava falando que adorava o pau dele, que ele metia gostoso demais, que o pau dele era maravilhoso. Meteram até Sonia gozar de novo. Edir não gozou, estava cansado, depois que Sonia gozou, ele brochou e ficou deitado do lado dela. Ficamos os três deitados, Sonia entre nos dois, acabamos pegando no sono.

Acordei de madrugada, escutando sussurros do meu lado. Edir beijava minha esposa na boca, deixa eu meter, me da esse bundão, ele pedia baixinho, meu marido tá dormindo, ela falou, Sonia falava de costas pra mim, fiquei de olhos fechados, fingindo que dormia, ela virou e passou a mão nos meus cabelos, sem saber que eu estava acordado, Edir levantou e puxou ela, abraçando o corpão nu dela, ficaram do lado da cama abraçados, ela de costas pra mim, ele segurava o rabão dela, apertando as nádegas, Sonia virou encostando o bundão no pau e ele abraçou ela por trás. Deixa eu meter mais na tua bunda, ele falou, aqui não, ela disse, vamos na sala, ele disse, vi quando ele abriu a gaveta da cômoda, pegou o KY e levou ela para a sala.

Saíram os dois nus, esperei um pouco e levantei, a porta do quarto tinha ficado aberta, o relógio marcava 3 horas da manhã, fiquei parado no corredor olhando, a casa estava toda apagada, eles estavam abraçados do lado do sofá, se beijando, Edir apertava o bundão dela e ela segurava o pauzão duro dele, Vira ele mandou, Sonia obedeceu, se apoiou na parede com as duas mãos e abriu as pernas, empinando o rabão pAra ele, você me arrombou toda, Edir. Ela disse. Ele foi passando o gel, Você gostou, você gosta de dá esse bundão lindo, gosta de toma no cú não gosta. Ele provocava, gosto, ela disse baixinho, empina o rabão, ele mandou, ela empinou mais ainda, Minha esposa ficava maravilhosa, assim, nua com o bundão arrebitado pAra ele, Edir meteu sem pena, Escutei o choro dela levando na bunda e o barulho do corpo dele batendo no dela. Ela gemendo, chorando, pedindo rola, aaai mete amor, me arromba toda, bota tudo no meu cu, aaai aaai assim aaai enfia puta que pariu, aaaiiiii dói pra caralho, eu gosto de da a bunda eu adoro uma pica no cu, Edir, maltrata minha bunda, aaaiiiii aaiiiii meu cu. Que pau enorme, eu to toda arrombada, aai você é foda, como dói ta entrando tudo…como é grosso..mete tudo, eu vou goza…Edir, eu não agüento, assim eu gozo. Ela gozou.

Ele continuou metendo. Ela ajoelhou no chão e ficou de quatro, Edir veio por trás e montou nela, enfiando a pica na bunda dela, ela agüentou de novo, a pica grande e grossa dele, gemia manhosa, sofrendo, mais agüentando, Edir gostava de ver ela sofrendo, metia firme, enfiando tudo. Ele gozou enchendo o rabão dela de leite, ficaram deitados no chão abraçados, se beijando, ele foi ficando excitado de novo e a pica endureceu e invadiu a boceta, Sonia deitou em cima dele recebendo a pica grossa toda na boceta, ela gemeu, rebolando no pau, sentindo sua boceta envolver o cabo grosso da pica. Ele fudeu a boceta dela forte, Sonia e ele gozaram juntos, gemendo alto, ficaram abraçados no chão da sala.

Eu voltei para o quarto e fiquei deitado, passaram uns 20 minutos, eles entraram no quarto silenciosamente e deitaram do meu lado, sem saber que eu tinha visto tudo. Acordei cedo e estava na cozinha preparando o café, quando Sonia veio na cozinha nua e me beijou na boca, estava feliz, Cadê o Edir, perguntei, esta dormindo ela disse, Eu dei pra ele de madrugada, Ele comeu minha bunda na sala. Sonia disse. Eu sorri para ela, eu sei, eu vi, falei. Ela me olhou seria e depois sorriu, você viu, eu ri, vi tudo e vi que você gostou, estava doida para dar a bunda. Ela me beijou, gostei, eu fico arrombada quando dou o cuzinho para ele, Sonia pegou minha mão e colocou na bunda dela, bota o dedo pra você ver como meu cu ficou. Eu abri as nádegas dela, o cuzinho estava inchado e aberto, meu dedo entrou com facilidade. Beijamo-nos, era assim que você queria me ver, ela perguntou, era, você fica uma delicia assim arrombada, falei. Ficamos aos beijos na cozinha, depois colocamos a mesa. Edir acabou acordando e veio ficar com nos dois, tomamos café juntos.

No próximo relato, a continuação de tudo que aconteceu antes de Edir voltar para São Paulo.








ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.