"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Teste do Sofá


autor: Assistente
publicado em: 21/05/16
categoria: hetero
leituras: 6897
ver notas


Olá a todos, sou a e hoje trabalho num dos programas de principal destaque na TV.

Mas como muitas meninas, quando comecei, tive de aceitar algumas trocas de favores pouco comportadas pra tradicional familia brasileira. Por isso resolvi escrever como foi um dos meus primeiros testes de casting pro programa que eu participo.

Um antigo agente sempre me dizia que as modelos sao as gueixas da mídia: Estamos ali pra sorrir, servir e chupar pau.

E sim, eu chupo pau, e muito!

Nenhuma menina chega aonde eu cheguei sem chupar dezenas de paus de dezenas de agentes, fotografos e diretores de TV. Pra ser uma figura da midia, deve-se abrir mão de sua dignidade, pq se vc nao fizer, tem 300 outras querendo fazer no seu lugar.

Nessa minha estrada, tive q engolir muitos cacetes e sapos, além de aceitar varios esporros e egos de diretores e produtores com quem ja trabalhei.

Na midia ninguem é bonzinho, todos querem mais grana e mais mulheres, e esses caras nao costumam ser muito respeitosos com quem depende deles.

Tive de engolir o meu orgulho e um monte de rolas pra conseguir espaço na minha carreira. Se hoje o meu pai fica todo orgulhoso de ver a sua filha na TV, é pq ele nao sabe qt tempo da minha vida eu passei ajoelhada chupando o caralho de alguem em troca de ajuda com trabalhos.

Dizem q cu de bebada nao tem dono, mas ate quando eu estou sobria o meu cu tb fica sem dona. Parece q nesse mundo da midia ninguem gosta de comer buceta, os FDP vem direto no nosso rabo.

Isso me passa uma total falta de respeito pela imagem q nos temos. É aquela coisa de nao respeitar a classe das modelos, como se houvessem duas categorias, as mulheres de casa, esposas, namoradas e tal, e as vadias da rua.

Que só porque eu trabalho de bikine na TV, todos se sentem no direito de comer a minha bunda e eu nao posso reclamar disso.

Ser assistente de palco é sentar na vara todos os dias! Quem me vê ali sorrindo pras cameras nao faz ideia o quanto eu ja tive q sentar para estar ali. Que todos os dias apos as gravaçoes, eu termino debruçada na mesa na sala do meu padrinho aguentando uma trolha na bunda!

E que eu ainda tenho q me sentir agradecida, pq se eu reclamar, ele arruma outra menina pra apadrinhar e me corta de todos os trabalhos.

Gosto de sexo e sempre fui safada nessas coisas, nao reclamo quanto a isso e nao é nenhum grande sacrificio fazer algo q e gosto. Mas é a questao da moral, do orgulho. Aceitar essas situaçoes, aceitar a minha posiçao de ser a vadia q leva na bunda de todo mundo.

Ser passada de mao em mao. Ser olhada com ar de desejo e reprovaçao. Todo mundo quer comer, mas ao mesmo tempo todo mundo se sente no direito de se achar melhor do q todas nos.

Aceitar que a minha profissão é levar na bunda! Existem medicos, advogados, engenheiros, enquanto isso, o q eu faço da vida é ficar de 4 e levar na bunda. Deu pra notar o grau da situação quando eu falo de orgulho proprio? rs

Eu gosto de sexo anal, se não gostasse, não faria. Mas é aquela coisa de se eu não fizer, não consigo espaço na midia. Eu gosto, ainda bem, porque se nao gostasse ou nao fizesse, nao conseguiria chegar nem na metade de onde cheguei.

Não é um abuso ou algo forçado, é uma troca: eu faço porque eu quero e com quem eu quero. Mas se eu não fizer, não consigo ajudinhas importantes.

Eu boto o meu cu na roda em troca de fama e status. E eu gosto disso.

Mas como isso aqui é um site de contos, vou relatar algo que aconteceu comigo no meu inicio de carreira.

Isso aconteceu alguns anos atras, quando consegui com muito esforço um teste de casting para esse programa na TV. E quando digo muito esforço, é igual a chupei o pau de uns 3 intermediarios até chegar ali.

No dia marcado fui a tal entrevista com um diretor q vou preferir omitir o nome para evitar problemas. A entrevista ocorreu em sua sala, q estava sozinho me esperando.

Logo q entrei ele me mandou fechar a porta e trancar a chave para q ninguem nos incomodasse. Eu estava de shortinho jeans e uma blusinha de alcinha comportada, alem dos meus inseparaveis saltos pra ficar bem empinada.

Ele me perguntou se eu estava de bikine por baixo da roupa, como haviam me mandado ir e eu confirmei que sim.

O diretor me entregou um texto e me pediu para ler algumas falas. Ele queria ver a minha desenvoltura falado. Afinal, eu precisaria falar e tuar em algumas materias do programa.

Tudo ocorria normal e ele parecia gostar do meu desempenho, ate que ele me disse q tinha q fazer o teste de camera. Pegou uma camera de mao e me filmava enquanto eu lia alguns textos.

Foi quando ele começou a me assediar. Ele me explicou q eles procuravam uma menina que passasse uma imagem mais sedutora, provocante. Que pra trabalhar no programa, alem de carisma e postura, deveria tambem ter um lado sexy e desinibida.

O safado me perguntou se eu tinha algum problema com isso. Como eu já imaginava algo assim desse programa, logicamente falei q nao.

Entao ainda me filmando ele me pediu para ler outros textos com falas mais sexys e provocantes. No caso, putaria mesmo.

Coisas do tipo "eu sou uma menina safada e gosto de coisas na minha boca."

De cara eu estranhei o texto e li com algum susto. Ele me corrigiu, mandando refazer as falas, mas que dessa vez eu lesse de forma mais sensual, que eu falasse mais provocativa.

Entendi o que ele queria e caprichei na carinha de piranha falando bem safada "detesto homem grosso, um grosso eu so gosto por tras"

Dessa vez, ele gostou. Mas me mandou fazer mais uma fez, agora corrigindo a minha postura corporal.

- Voce ta de bikine?
- To
- Entao tira o shortinho e fica so de bikine pra gente filmar

Eu olhei em volta se tinha algum banheiro pra me trocar, e ele fez aquela cara de "sua burra" mandando tirar a roupa ali mesmo.

Eu trabalharia de bikine no programa, entao nada mais normal do que fazer o teste de video com bikine tambem.

Tirei o shortinho e a blusinha, ficando apenas num micro fio dental todo enfiado na bunda. Eu e o diretor sozinho naquela sala, comigo usando apenas aquele micro bikine com o rabo todo de fora.

Claro que terminaria em rola!

O diretor veio ate atras de mim, pra posicionar eu corpo como ele queria. Segurando as minhas costas, cintura, ombros, tudo!

Me fazendo ficar numa posiçao mais empinada, em pé, mas estufando os peitos pra frente, empinando a bundinha pra tras.

Mandou que quando eu falasse do "grosso" que eu desse uma viradinha pra camera e empinasse a bunda pra camera.

Refiz a cena como ele queria, dando a tal viradinha e empinando com um fio dental todo enterrado na bunda, virada pra camera com ele filmando tudo.

Acho que ali, foi o teste apenas pra testar os meus limites de piranha. Sentir se eu tava pra jogo. E ele entendeu que eu nao era uma santa que reclamaria de putaria.

Terminado esses testes, ele me elogiou bastante, alisando as minhas costas e meu braço, falando que eu era muito bonita. Lembro bem de suas palavras

- Bonita você já é. O q eu prometo te dar é fama e dinheiro. Voce quer?

Eu sorri, e fiz q sim com a cabeça. Foi como vender a minha alma pro diabo naquele momento rs

Com meu sinal de positivo, o diretor desceu a sua mao que estava nas minhas costas, chegando ate a minha bunda.

Com a mão na minha bunda, ele fez a pergunta final.

- Voce esta disposta a fazer de tudo por essa chance?

Eu sorri e disse um "to" gemendo manhosa bem convidativa. Ao ouvir meu tom de voz, ele apertou a minha bunda com um sorriso de tarado no rosto.

"Piranha gostosa"

Com um tapinha na minha bunda, ele apontou pra mesa me mandando debruçar ali.

Me empinei toda com os cotovelos na mesa e ele virou um tarado de vez. Alisando as minhas pernas e bunda, ele apertava descaradamente a minha bunda e enfiava a mao por dentro do meu rabo alisando a minha buceta por cima do bikine.

O tarado puxou o meu bikine o maximo, enfiando tudo na minha bunda.

- Caralho menina... Esse é o rabo q estavamos procurando

Eu me fiz de sonsa e fikei quieta enquanto ele se divertia com a minha traseira. Ele começou a rir e falou q bem q tinham avisado q estavam mandando uma modelo bem vadia pra fazer o teste.

Eu so balancei a cabeça timidamente q sim, ele riu mais ainda e enfiou um dedo no meu cu

- Voce é uma vadia ne? entao fala
- Sou... Sou uma vadia...

Ele ficou louco de vez e me disse q queria ver se a minha boca era quente e a lingua afiada como nas falas que ele havia me mandado ler no texto. Me deu um tapa na bunda e me mandou ajoelhar.

O safado colocou a camera ainda filmando em cima da mesa apontando para ele, puxou a cadeira e sentou, me mandando ajoelhar entre as pernas dele.

Tirou o pau pra fora e ficou batendo na minha cara.

- Que carinha de putinha vc tem menina, vai ficar perfeita na TV... Quantos paus vc chupou pra conseguir essa entrevista?

Eu fiquei vermelha nessa hora, mas respondi q 3.

É mt dificil conseguir uma entevista dessas, mts intermediarios e empresarios. Tive q chupar 3 paus pra conseguir chegar ali.

Ele abriu um sorriso e disse “entao nao desperdiça a sua chance piranha”.

E eu sabia q nao podia desperdiçar, nao sou nem nunca fui uma santa, mt pelo contrario, ja tinha chupado mta rola, e me esforcei pra fazer o melhor boquete da minha vida.

Chupava tudo, dava beijinhos na cabecinha, lambia o pau todo, chupava as bolas, olhava pro diretor fazendo carinha de cachorra com o pau na boca, ate q ele nao aguentou mais tirou o pau e começou a bater uma punheta me chamando de piranha boqueteira e gozou tudo na minha cara.

Ele me pegou pelos cabelos e me fez olhar direto pra camera com a cara toda lambuzada ainda e me mandou falar meu nome e dizer q eu era uma boqueteira, uma chupadora de rola.

Com a cara toda lambuzada de porra, eu olhei fixamente pra camera e falei

"Meu nome é …. e eu sou uma boketeira. Eu sou uma chupadora de rola"

O sorriso de tarado FDO mostrava que ele ficou muito feliz com a minha performance.

Ele me deu uma toalhinha pra limpar o rosto e mal terminei de me limpar vi q ele havia colocado a camera num tripe apontando pra mesa dele e veio me dizendo q ainda faltava o teste final.

Me mandou me debruçar na mesa outra vez, ligou a camera e abaixou a calcinha do meu bikine no meio das coxas.

Eu estava debruçada na mesa de cara pra camera, bikine nas coxas, peitos de fora, toda descabelada e batom borrado do boquete que eu havia acabado de fazer.

O safado do diretor foi se ajeitando atras de mim, com um tubo de ky na mao.

- Q rabo gostoso sua cachorra. Gosta de rola nessa bunda?

Eu olhei assustada pra tras, sem conseguir responder o q ele havia perguntado. Fui la disposta pra tudo, ate sexo anal, mas me pegou de surpresa essa furia e fome que ele veio no meu rabo.

Sem que eu falasse nada, ele ja foi enfiando a cabeça do pau no meu rabo.

- Que bundão gostoso vc tem sua vadia, nao tem como sair daqui sem ser enrabada.

Eu fiz beicinho de menina mimada e so virei o rosto de novo pra frente me conformando com aquela situaçao.

- So vai com calma por favor.
- Vou... Vou nenem... Com um rabo desses, voce ja deve ter levado muita rola por ai...

Ele falou isso com um sorrisinho de deboche e foi empurrando metade da pica no meu cuzinho.

- Eihn, vadia... Ja levou muita rola nessa bunda ne?

Eu so baixei a cabeça e nao falei nada. Ele ficou puto e me deu um tapa na bunda PLAFT

- Fala cachorra! Fala que ja levou pica nessa bunda!

Eu respirei fundo, ainda aguentando o caralho que ele estava empurrando no meu cuzinho e falei o q ele queria

- Ain ain.. Ja... Ja levei muita pica nessa bunda...
- Aaaah sua vadia cuzuda! Entao leva mais pica nessa bunda

Falou isso empurrando de vez o q faltava do pau dele no meu cuzinho.

O FDP se encaixou todo montando atras de mim, empurrando o caralho todo na minha bunda ate as bolas encostarem no final. Ficou parado um pouco, tirou metade e foi enfiando de novo devagarinho.

Ficou assim um tempo ate o meu cuzinho ceder de vez, e dai começou a guerra. Ele ficou tarado mas tarado mesmo, socando tudo com força de fazer as bolas explodirem na minha bunda.

A mesa balançava no ritmo das metidas dele, as bolas batiam na minha bunda de fazer poc poc poc de barulho. Meus peitoes chacoalhavam a cada socada que ele dava no meu rabo. Meus gemidinhos e gritinhos tomavam conta de toda sala.

Eu tava sendo enrabada com gosto naquela mesinha.

Muitos poc pocs, muitos ain ain ain, muitos tapas na minha bunda até o tarado nao aguentar mais e gozar enchendo toda a camisinha no pau dele.

Meu cuzinho em chamas, o pau dele enterrado no meu rabo. Eu toda suadinha, descabeçada, aguentando um caralho na bunda e um tarado caindo nas minhas costas.

Acho que eu tinha passado no teste rs

Ele desengatou o pau do meu rabo e me deu um tapa na bunda. PLAFT

- Que rabo eihn vadia... Acho que a gente vai se dar muito bem.

E nos demos muito bem sim, e eu dei bastante tambem rs. Ate hoje trabalho com ele, e de vez em quando ainda empino na mesa do meu diretor safado.

Nao me arrependo de nada q fiz, sabia o q estava fazendo e consegui o q eu queria.

Escrevo pra voces pq gosto de provocar. Gosto de contar essas putarias q eu passei. Espero q gostem.
E fica meu email pra quem quiser comentar algo.
bjss





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.