"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Papai meu homem.


autor: fofinhacasada
publicado em: 28/05/16
categoria: hetero
leituras: 6586
ver notas


Bom , estou de volta e vou dar continuidade desde o último conto. Eu e minha mãe continuamos a sair com o Rai. Eu sabia que ela saia com ele pois ele me falava , e ela não sabia que ele saia comigo. Alguns dias comigo e outros com ela. Papai não desconfiava de nada. O perigo aumentava. Rai continuava indo sempre em casa. Quando mamãe não estava me atacava ,quando meu pai estava no banheiro. E quando eu estava no quarto ele ia pra cima de mamãe. Algum tempo passado , Rai veio terminar comigo e me disse. Amo sua mãe e ela faz tudo que eu quero. Não Temos futuro. Fiquei triste mas só gostava do sexo mesmo. Alguns meses passaram e mamãe e Rai sempre aprontando, principalmente em casa. Certo dia cheguei da escola e ao passar pelo quarto ouvi muito gemidos vindo do quarto da mamãe. Achei estranho. Conheci a voz do Rai e da mamãe , mas havia outra voz. Uma voz grave e forte. Papai estava trabalhando como sempre. Eu precisava saber o que estava acontecendo. Dei a volta na lavanderia e fui até a janela do quarto. Não acreditei no que vi. Mamãe montada em cima do Rai, até ai normal né. Mas atrás havia outro homem encaixado nela tb. Ele devia ter 1.90 de alt , forte , careca e negro. Quando ele tirou o pau dela pude ver que era enorme. Brilhava muito. Parecia ter duas vezes o tamanho do pau do Rai. O Rai havia me pedido pra sair com ele e um amigo , mais não aceitei. Senti um leve arrependimento nesse momento. Então era isso que ele queria dizer quando falou que minha mãe fazia tudo que ele queria. Nesse momento senti inveja da mamãe. Fiquei sabendo o nome do homem negro quando Rai disse: vamos Valdir, vamos fazer minha puta chorar de prazer . Soca o pau na xoxota dela .A luz estava acesa e eu via tudo , mesmo com a fresta da janela sendo pequena. Vi quando Valdir abriu a bunda branca da mamãe com uma mão e mirou aquele tronco preto e enorme. Não sabia aonde e oque ele estava fazendo , só quando ouvi sua voz eu entendi. Ele com voz grossa disse: Sente agora vadia, puta arrombada. Toma dois paus nessa buceta grande. Quando ele montou pude ver bem. Os dois dentro da xota da mamãe. Mamãe gemia e dizia. Me arromba forte, fode gostoso. Senti minha xotinha molhada vendo aquilo. Eu não conseguia parar de ver. Nem havia trocado de roupa. Ainda estava com o uniforme. Meu rosto pegava fogo e minha xotinha piscava sem parar. Valdir devia ter no máximo 40 anos. Era bonito e forte . Eu só havia saído com o Rai que tinha um dote normal e ver aquela tora preta mexia comigo. Mas o pior aconteceu. Eu assistia aquela sacanagem gostosa acontecendo no quarto do papai e me senti triste. Enquanto ele trabalhava , mamãe fazendo isso com dois. Valdir repetia várias vezes. Sua puta , se a buceta vai ficar tão arrombada que o corno do seu marido nem vai te sentir mais. Mas mamãe não se intimidava. Empurra a bunda para trás até sentir o último centímetro daquela vara negra. Foi quando eu olhava que vi papai abrir a porta lentamente. Ele olhava fixamente minha mãe no meio dos dois. O melhor amigo dele e um negro enorme enterrados nela. Papai só disse, sua vagabunda safada. Eu sabia que vc era uma puta. Vou sair e quando eu voltar te quero fora da minha casa. Nem sequer se dirigiu ao seu amigo. Corri para meu quarto e lá fiquei. Ouvi quando eles saíram. Papai voltou bêbado e foi direto para cama. Passaram 4 meses. Meu pai conversou comigo e me contou oque tinha presenciado em casa. Xingou muito o Rai. Isso pq ele nem imaginava que o Rai havia tirado a virgindade da filhinha dele. Papai só chegava bêbado em casa. Eu que fazia a comida e lavava a roupa . Ele chegava bêbado , e tomava um remédio pra dormir e apagava. Certo dia ele chegou umas 23 horas bem bêbado. Foi para o quarto e deitou de roupa e tudo. Acordei com o barulho e fui ver. O quarto estava escuro , então acendi o abajur. Ele gemia baixinho palavras de amor. Eu te amo, pq fez isso. Tentei acalmar mas ele nem me ouvia. A mistura da bebida com Rivotril estava fazendo ele delirar. Tirei seus sapatos , e abri sua calça social, assim que ela desceu a cintura notei que papai estava com o pênis ereto. A cueca branca delineava perfeitamente .Meus olhos grudaram ali. Parecia um ímã. Subi a calça um pouco e fingindo e disfarçando coloquei a mão em cima. Parecia uma rocha de duro. Apertei mais forte. Não aguentei e puxei sua cueca para baixo. A pica do papai pulou para fora como um pássaro que sai da gaiola. Era grande e extremamente grosso. Devia ter mais de 20 centímetros de comprimento. Não era maior do que o que eu tinha visto do Valdir. Mas era muito mais grosso. Segurei em sua base e minha mão pequena quase não fechou. Como mamãe pode trair papai tendo aquela tora grossa em casa. Será que papai não sabia fazer ela ter prazer?!. Papai continuava balbuciando palavra de amor e com a voz toda enrolada dizia o nome da mamãe. Cheguei com o rosto perto de sua piroca e senti o cheiro inebriante daquele pau suculento. Cheiro de macho . Alguma coisa não me deixava parar. Ao mesmo tempo que eu me sentia envergonhada pelo que estava fazendo , eu pensava , quando vou ter outra oportunidade dessa. Puxei mais a cueca para baixo e vi sua bolas enormes. Apertei novamente a base do seu pau e a cabeça saiu para fora. Apesar de estar apenas com a luz do abajur que era bem fraquinho pude ver o quanto estava babado sua cabeçona. Aproximei a boca e passei levemente a língua naquele mel. Encostei a boca e suguei toda aquela babinha. Pronto.! Havia sentido o gosto do papai. Era gostoso. Abri mais a boca e coloquei a ponta dentro. Era muito grosso. Com uma mão abaixei a calcinha e tirei ela ,e passei a mão na minha xotinha que estava molhada. Comecei a chupar com mais intensidade. Papai continuava gemendo . Hora falava que amava mamãe , hora dizia , me chupa meu amor. Sempre enrolado. Derrepente o telefone tocou na sala. Fiquei estática. Papai virou para o canto da cama. Quase caiu. Corri para atender o fone. Era minha mãe. Mal atendi e ela me xingou de tudo quanto é nome. Me disse que Rai contou que havia saído comigo. E falou para eu nunca mais chegar perto dele e eu que fosse procurar outro macho. Fiquei com muita raiva. Eu ia descontar mais na frente. Voltei para o quarto do papai e ele havia tirado a camisa.Pensei que eu devia ir para o inferno. Como pude fazer isso?! Deus não me perdoaria. Resolvi ir embora para meu quarto. Fui apagar o abajur em seu criado do mudo e notei que o pau dele continuava duro. Ainda admirei por alguns segundos. Apaguei o abajur e quando fui saindo, tomei um susto. Ele me puxou pela cintura , passei por cima dele e cai bem no meio da cama. Ele disse. Vem cá meu amor , eu te perdoou.Eu estava de camisola e sem calcinha pois havia tirado antes. Do jeito que eu cai eu fiquei, de ladinho pra ele. Ele apertou meus seios e eu tentei tirar sua mão. Apesar de bêbado e com remédios na cabeça ele ainda estava forte, até pq ele era forte. Papai tem 1.80 , uns 100 quilos. Coxas e braços fortes , uma barriga um pouco saliente mas nada exagerado , pelos grisalhos e bem barbudo. Ele chegou mais perto do meu pescoço e passou a língua . Mesmo sentindo o cheiro de álcool me arrepiei inteira. Eu tinha que sair dali. Mas era impossível. Sua mão em minha cintura puxava o tempo todo, eu eu não queria dizer nada pois ele poderia reconhecer minha voz. Mas na realidade eu não tinha certeza se ele sabia que era eu. Eu era mais fofinha que minha mãe. Meus seios eram maiores e meu bumbum dava dois da minha mãe. Ele abriu minhas pernas e passou a mão em minha xota Tentei fechar e sair e não consegui. Ele apertou minha xota e de uma vez enfiou um dedo que entrou fácil, até pq eu estava ensopada. Senti prazer enorme.Eu tremia mais do que minha primeira vez com Rai .Ele arrumou outro dedo e colocou tb. Eu estava vencida. Não queria mais sair dali. Já fazia tempo que eu não fazia nada. Só tive o Rai e a última vez já fazia mais de seis meses. Ele começou a falar enrolado e socar os dedos forte em mim. Meu amor, eu te amo, prometo que vou te foder todos os dias. Eu vi vc tomar dois caralhos sua arrombada.Mas hoje sei que vc mereceu. Confesso que sinto tesão quando penso nisso. Vou te foder bem forte e deixar vc bem feliz. Ele ajeitou a mão e enfiou mais um dedo. Eram três dedos em mim e entrou rasgando. Não aguentei e gemi alto de prazer. Ele ouviu e respondeu. Geme sua puta vadia. Me fez de corno e agora vou judiar de vc. Socava sem dó o dedos. E falava com uma mistura de tesão e ódio. Gostou daquela pica preta hein vadia. Enquanto eu não gemia dizendo que sim ele apertava meu pescoço e socava mais forte. Ele tirou os dedos , e abriu minhas pernas . tentou forçar o pau em mim mas foi direto na coxa. Abri mais as pernas e segurei aquela tora grossa bem na porta ansiosa da minha xota, mas ele não colocou e me disse.Pede a rola desse corno puta, pede que vou enfiar de uma vez. Ele falou outra coisa que não entendi devido sua voz estar mole, mas ele não parava de falar que queria ouvir eu pedindo e chamando ele de corno.Bem baixinho , quase que com um gemido eu falei, fode essa puta seu corno. Ele empurrou de uma vez . Gemi alto. Agora pude sentir o quanto era grosso. Delirei de prazer como nunca.Aquele pau era uma tora. Mas ele não conseguia movimentar direito por estar bêbado. Me puxou pra cima dele. Montei gostoso . O quarto estava muito escuro. Nada se via. Cavalguei como louca. Aquela tora me rasgava inteira.Ele me puxou para seus lábios e enfiou a linguá inteira dentro da boca. Senti sua boca dura e seus pelos raspavam em meu rosto liso. Mesmo com o halito de bebida eu retribui, enfiei minha lingua esperta em sua boca. Com muito tesão ele mordeu meus labios. Tentou sentar mas caiu com as costas no colchão. Me puxou novamente para baixo e sugou meus seios com muita força. Mordeu forte e tique que tirar pois doeu muito.Ele tentou me puxar pra cima , mas não conseguiu e me disse. Amor, senta na minha cara que quero sentir o gosto dessa buceta enorme. Sentei e senti sua lingua meio boba passando em toda minha xotinha. Mas ele ainda pediu de novo. Vira e me chupa tb. Virei em um 69 e abocanhei aquele pau molhado. De novo eu sentia seus 3 dedos em mim, e ele foi forçando até entrar o quarto.Bateu forte em minha bunda e falou, como é arrombada minha puta. Eu estava prestes a gozar , e resolvi virar. Queria gozar com aquela pica em mim.Virei e sentei novamente, começando um movimento rapido e continuo.Estava amando ser devorada pelo papai. Gozei em cima dele e gemi muito. Não segurei mais gemidos .Não me importava.Eu queria até que ele soubesse que não era a mamãe e sim sua filha que lhe deu prazer. Percebi que ele ia gozar. Sai de cima e abocanhei a tora do macho do meu pai. Comecei a chupar como louca e ele apertava minha cabeça até eu engasgar. Seu gozo quente inundou minha boca. Era quente, viscoso , grosso e saboroso. Ele gemia de prazer. Bebi tudo e deixei o pau do papai limpinho. Quase que instantaneamente ele já roncava em um sono profundo. Eu estava preocupada com o outro dia. Será que ele vai saber ou desconfiar. Fui ao banheiro escovar os dentes e depois para meu quarto feliz e saciada . Descontei a raiva que estava da mamãe. Ela nem desconfiava que fui a fêmea do papai.Eu faria de tudo pra ser novamente. Mas desta vez vou querer ele sóbrio, olhando nos meus olhos, vendo que sou eu submissa pra ele, pedindo e recebendo aquela tora em mim. Nem quis tomar banho. Queria dormir com aquele cheiro, com o cheiro do papai em mim. Do meu macho. O que aconteceu depois fica para o próximo conto. Beijos.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.