"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcelo & Sonia 21 - Submissão 2


autor: MarceloDias
publicado em: 29/05/16
categoria: lésbicas
leituras: 4642
ver notas


Marcelo & Sonia 21 - A Submissão de Sonia 2

Sonia ficou deitada se recuperando, ainda queria mais, seu corpo pedia mais sexo, ela olhou para a porta e viu Edna parada nua, tinha um cinto amarrado na cintura que prendia um pau grande e grosso. Sonia viu que Edna tinha colocado a cinta para comer ela, sentiu uma quentura na boceta, uma vontade louca de dar, sua boceta pedia pica. Edna a encarou da porta, Sonia olhava para o pau no meio das pernas dela, acariciando a boceta. Vem cá, Edna chamou, Sonia levantou da cama e andou nua até a porta, abraçando Edna, se beijaram na boca. Sonia segurou o pau, era grande e muito grosso, Eu vou foder você toda. Ela disse. Eu nunca dei assim, Sonia falou. Vai dar para mim, eu vou comer esse rabão todo, eu adoro comer um rabão como o teu. Edna acariciava o bundão dela, esfregando o dedo no cu. Sonia a beijou, você gostou da minha bunda, ela provocou, gostei Sonia, teu rabo é enorme, você gosta de toma no cu, Edna provocou, gosto, dói, mas eu gosto, Sonia falou abraçada ao corpo dela,

Edna levou ela para cama, me deixa pegar um creme para passar no meu cu, Sonia pediu, pega. Edna mandou. Sonia pegou um tubo de lubrificante na mesinha do lado da cama e deu para Edna, Passa em mim, pediu, Sonia ajoelhou na cama, Edna abriu o bundão dela e encharcou o cu de creme, ela enterrava o dedo grosso no cu, deixando Sonia toda úmida por dentro, ela colocou bastante creme no pau grosso, Sonia ficou de quatro na cama, estremeceu quando Edna encostou o pauzão no cu. Ela segurou Sonia pela cintura e forçou, Sonia gemeu, o cu foi se abrindo como uma flor, a pica grossa entrou, aai como é grosso, Sonia gemeu. Edna forçou de novo e o pauzão entrou ainda mais, Aii Edna calma, aaaiii. Sonia pediu. Edna foi botando aos poucos, metade do pau entrou, Sonia gemia alto, sendo enrabada por Edna, ela não teve pena, foi botando tudo, o pau grande e grosso entrou todo, arrombando o rabão, os gemidos se transformaram em choro, Sonia perdeu o controle e a linha, aaai Edna puta que pariu, aai caralho, que pau enorme, você ta me arrombando toda, ai ai ai ai devagar, ai assim não, ai filha da puta, você ta desgraçando meu cu. Você botou tudo no meu cu, não botou, Sonia falava fora de si, botei, piranha, você agora é minha mulher, você gosta de toma no cu, eu vou arromba teu rabão, vou deixar teu cu largo, você gosta de dá o cu, Edna deu um tapão no rabão dela, Sonia gemeu, Edna continuou metendo firme no bundão dela, Sonia gemia sentindo o pau todo enterrado no cu. Edna metia tudo, castigando Sonia, arrombando o cu da minha esposa, Sonia chorava, tomando no cu, aaai Edna você ta me maltratando, meu cu ta todo arrombado, eu fico maluca assim, ai dói pra caralho, como é grosso, enfia tudo, enfia, acaba comigo, eu quero tudo no cu, Edna, me fode, aai você mete gostoso, eu fico louca assim, me arrebenta toda, aai caralho, você ta botando tudo, Sonia nem percebia mais o que falava.

Edna segurava os cabelos dela e metia com brutalidade, comendo o rabão enorme dela, o pau grosso entrava todo, deixando Sonia alucinada. Edna metia provocando Sonia, chamava, ela de puta, vagabunda, falava que ela gostava de tomar no cu, o jeito que Edna falava com ela, deixava Sonia ainda mais doida. Edna puxava Sonia pelos cabelos com o pau enterrado no bundão dela e fazia ela encarar o seu olhar, Sonia ficava olhando para ela, tomando no cu, gemia alto, toda manhosa, chorando, Edna fazia ela arrebitar o bundão e empurrava a pica grossa toda, Sonia chorava dando a bunda, a pica grossa entrava deixando o cu cada vez mais largo, Sonia olhava para trás e Edna dava na cara dela, no silêncio do quarto, só se escutava os gemidos sofridos de Sonia e o choro dela, a cada tapão na cara que recebia de Edna, seu rosto estava vermelho, Edna botava com força, o cuzão arrombado não resistia mais, se abria todo, recebendo a pica grossa até o cabo. Edna metia com vontade, gostava de ver Sonia chorar tomando no cu. Sonia tremeu toda com a pica no cu e gozou, seu corpo desabou sobre a cama.

Edna ficou olhando o corpão dela de bruços na cama, com a bunda enorme que ela tinha comido toda para cima. Edna deitou do lado dela, Sonia sentiu seu corpo ir se acalmando e abraçou Edna, sentiu o corpão farto de Edna envolver o seu, sua boca procurou a de Edna, se beijaram de um jeito apaixonado, Sonia tinha virado mulher de Edna, sentia o cu ardendo, Edna a beijou, esse cu agora é meu, não é só do Marcelo, eu sou dona desse rabão, não sou, Edna provocou, É, Edna, você sabe que minha bunda é tua. Eu to doida por você. Edna fez Sonia deitar de costas na cama e abriu as coxas grossas dela, acariciando o bocetão dela, os lábios grossos se abriram engolindo o dedo todo, Sonia esfregava a boceta na mão, gemendo, Edna enterrava três dedos na boceta, deixando Sonia melada e quente, ela montou em Sonia, encostando o pau na boceta, Sonia se abraçou no corpo dela, empurrando a boceta grandona para frente, o pau grande e grosso, entrou todo na bocetão dela, Sonia se agarrou em Edna, sentindo o pau comer sua boceta com brutalidade, Edna metia forte na boceta dela, Sonia começou a gemer e implorar para Edna meter tudo na boceta dela, Edna não tinha pena, castigava a boceta, quanto mais Sonia gemia mais Edna metia nela, Sonia foi ficando histérica, sua boceta pedia pica, Edna sabia deixar uma mulher doida, não demorou, Sonia sentiu a mão de Edna na sua cara, ela chorou apanhando na cara e dando a boceta para Edna, sua boceta engolia a pica grandona de Edna e ficava se contraindo quando Edna metia tudo.

Ficaram na cama a manhã toda, Edna não parava de comer Sonia, deixando minha esposa com a boceta e o cu arrombados. Ela não resistia ao assedio de Edna, se entregava toda, Edna pegava ela por trás, toda hora, cravando a pica no rabo enorme dela, Sonia ficava doida sentindo a pica toda no cu. Seu corpo gozava sem conseguir se controlar cada vez que Edna metia nela.

Naquele dia, Edna praticamente não trabalhou. Edna deixou Sonia na cama e foi para a cozinha, Sonia acabou adormecendo e acordou já passava das 15 horas, foi na cozinha nua e Edna tinha acabado de fazer o almoço, estava nua, Sonia abraçou Edna, beijando ela na boca, esfregando a boceta na coxa dela, Edna pegou o cinto com o cacetão que ela tinha deixado sobre a mesa e colocou na cintura, fazendo Sonia virar e se apoiar na pia, ela abraçou Sonia por trás encostando o pau no rabão dela, Sonia abriu a bunda com as duas mãos e Edna guiou a pica grossa, encostando no cu, Sonia gemeu quando o pau entrou, Edna foi botando, a pica foi entrando toda, Sonia agüentou tudo, Edna começou a meter forte no rabão dela, Sonia rebolava tomando no cu, Edna viu que ela estava gostando e passou a cravar tudo nela com mais força, os gemidos de Sonia foram ficando cada vez mais sofridos e logo ela chorava dando pra Edna na cozinha, a empregada gostava de fazer ela chorar, não tinha pena, o choro da minha esposa só atiçava ainda mais Edna.

Quanto mais Sonia chorava dando para ela, mais ela metia, da cozinha as duas voltaram para o quarto, passaram a tarde na cama metendo, Edna comeu minha esposa praticamente o dia todo, quando Sonia gozava, ela deixava Sonia descansar um pouco e metia de novo. Passava das 19 horas, quando eu cheguei e encontrei as duas na cama, Sonia de quatro e Edna atrás metendo no rabão dela, fiquei olhando a bunda enorme da minha esposa levando ferro, Sonia me olhou gemendo, fiquei acariciando o pau por cima da calça, Edna me olhou e sorriu de um jeito safado, sem se importar comigo ali parado, passou a meter ainda mais forte em Sonia para me provocar. Fui tirando minha roupa, ficando nu com o pau duro, Edna me olhou, vem Marcelo, chamou, fui até a cama, ela tirou o pau e fez eu ficar no lugar dela, sua mão segurou meu pau, masturbando a pica, ela guiou o pau, encostando no cu, Sonia me olhou, Eu to toda arrombada amor, a Edna me fodeu toda, ela disse, segurei nos quadris dela e enterrei tudo, o pau entrou todo de uma vez com facilidade, Edna tinha deixado Sonia larga, o cu estava quente, meti forte nele, cravando tudo nela, Sonia gemia, Edna ficou ajoelhada do meu lado, abraçada em mim, nos olhamos e ela me beijou na boca, tinha o beijo gostoso, nossas línguas se esfregaram, segurei o bundão dela, acariciei o cu, senti a quentura e ele se contraindo no meu dedo, Edna me beijava, acariciando minha bunda, apertando minhas nádegas, eu metia de um jeito bruto em Sonia, meu pau entrava até o cabo, comendo o rabão dela. Gozei enchendo ela de leite.

Sonia gozou quase junto, seu corpo desabou sobre a cama, Edna me abraçou, me fazendo virar de frente para ela, nos beijamos, ela segurava meu pau, que já não estava tão duro. Era isso que você queria, Marcelo, que eu comesse tua mulher. Olhei-a nos olhos e falei: Era, eu sabia que você ia comer. Edna me beijou, eu comi a Sonia o dia todo. Não saímos da cama, ela deu muito para mim Marcelo. Ela esta toda arrombada, eu meti para valer nela. Beijei Edna na boca. Sonia tinha adormecido, a deixamos dormir. Fomos os dois nus para a sala.

Na continuação, vou contar o que aconteceu na sala entre eu e Edna.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.