"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Fim dos meus dias de Donzelo- Final


autor: Chronos
publicado em: 04/06/16
categoria: romance
leituras: 1119
ver notas


Saímos do chuveiro após aquele banho louco( ô, se foi!!), e carinhosamente a carreguei para nosso destino final. Ao pousá-la com todo cuidado em nossa cama, todo o quarto foi tomado por uma única fragrância: a da nossa paixão que ardia mais do que nunca. Meu coração já estava saltando pra fora, e ao ver o sexo dela latejando, meu pau entrou numa ressonancia com ela: a hora tinha chegado!


Lívia: ai, amor! Tô tão nervosa,mas... tô ansiosa! Você me enlouquece, sabia?

Eu: Você também, minha princesa...

Lívia: vem, agora sou toda sua... vem pra dentro de mim, vem! Sou sua putinha agora! Vem, meu galudo, vem!

Nessa hora, não havia mais o que falar. Possuí mais uma vez aquelas jovens montanhas em minha boca. Enquanto eu apertava um, sugava de forma selvagem e ogra o outro. Lívia se contraía na cama e começava a arfar de prazer. Comecei a descer lentamente pela sua barriga, coxas, então mergulhei mais uma vez naquela buceta insandecida. Penetrava-a com a língua enquanto massageava o seu clitóris. Lívia empurrava ainda mais minha cabeça para dentro dela.

Posicionando-me então sobre ela, como papai e mamãe, olhei mais uma vez dentro daqueles olhos profundos, e comecei a pincelar aquele sexo inchado e exalando a fragrância de mel.Ela estava pronta. Iniciei a penetração colocando primeiro a cabeça, bem devagar, depois voltava a pincelar. Ela não resistia, implorava para eu estar dentro dela. Penetrei mais uma vez, agora sem interromper, e mergulhamos numa furiosa onda de prazer. Um misto de dor e tesão tomava conta do corpo da minha deusa de ébano!


Eu: tá doendo, amor!?

Lívia: tá deliciosooooooooo... ssssss! Não pára, mete! Meteee, entra, meu gostoso, faz mulher de verdade!


Então, enterrei meu mastro no fundo daquele oceano. Ela libera um grito há muito abafado. Achego-me mais sobre ela, sentindo seus seios virem de encontro ao meu peitoral. Ela arreganha suas unhas em minhas costas. Pede mais força. Começo a penetrar com mais vontade. Que loucura, mano! Sentir aquela caverna quente, úmida e apertada envolvendo meu pau me trazia uma onda de choque que fazia minhas pernas tremerem! Eu começo a meter com mais vontade. Ela grita.


Lívia: vai, gostoso! Vai, delícia, você é maravilhoso! Mete na sua putinha, mete!

Eu: fala quem é seu macho, fala, minha puta! Fala pra mim quem te satisfaz, fala, porra!

Lívia: é você, meu gostoso! Vai, acaba comigo, porra, acaba com a fome da minha xana, vai!

Eu: Quanto mais eu te como, mais vontade eu tenho de você. Quer mais de mim, quer? Toma meu caralho, porra, te quero cada vez mais!!!


Aquele momento parecia uma eternidade. Nossos corpos buscavam ainda mais pelo segredo um do outro. Ela rompeu no primeiro gozo, eu podia sentir uma violenta onda que a fazia contrair e ao mesmo tempo empurrava meu pau pra fora. Ela gozou literalmente, liberando jatos sobre meu corpo! Caralho, que era aquilo! Que mulher é aquela que estava emergindo daquele corpo de menina!

Eu peguei um pouco daquele mel e mais uma vez o bebi. Como ela é cheirosa e saborosa! Ela dava gritos agudos, levava as mãos ao rosto e dizia palavras desconexas! Então ela se levantou e me deitou. Ela agora tomava o controle da transa.


Lívia: goza pra mim agora, gostoso! Você me deixou louca, agora você vai ver o que uma mulher é capaz!

Eu: vem, sua cadela! Senta e cavalga na minha pica, porra!


Ela então selou sua montada deslizando da maneira mais sexy que eu já vi sobre meu pau. Ele latejava ainda mais! Suas pernas tremiam. Arqueou seu corpo para trás e começou a rebolar lentamente, de uma forma marcante , enquanto eu me sentava, abraçava-a e sugava seus seios novamente.

A montada ficou mais frenética, e enquanto ela arqueava para tras outra vez eu a senti romper em novo gozo! Puta que o pariu! Ela estava demais! Seus gritos eram ainda mais agudos e cheios de prazer. Ela olha nos meus olhos mais uma vez. Aqueles oceanos me chamam e imploram para eu preencher o desconhecido de seu abismo.

Como uma jovem leoa no cio, eu a coloco de quatro e inicio uma voluptuosa sessao de carícias, desta vez beijando seus belos glúteos e massageando seu clítóris por trás. Vejo seu pequenino redemoindo a me chamar. Avanço minha boca sobre ele, causando um violento prazer em minha ébano. Ela rebola com aquele cuzinho na minha boca, e pede pra eu penetrar com a língua. Uso meus dedos encharcados com seu mel e começo a introduzir em suas pregas. Um novo grito agudo é liberado de sua garganta. Coloco dois dedos, ela começa a fazer movimentos penetrando-os dentro dela mesma.

Tomo meu membro nas mãos e inicio a montada final. A cachorra implora pra ser arrombada, e entro com vontade. Ela grita mais ainda. Começo uma longa e gostosa montada que vai aumentando o ritmo conforme seu cuzinho vai abrindo mais e mais para mim.


Lívia: Rê, você tá maravilhoso! Fode mais, fode! Preenche sua leoa, vai, meu gostoso!( Enquanto isso, ela massageia seu grelo, enquanto dou-lhe estocadas ainda mais profundas, deixando somente minhas bolas batendo à sua portinha).


Sinto que estou prestes a gozar e começo a brocar com vontade. Só de lembrar, gente, fico de pau duro, ele tá latejando agora! Eu meto, mais rápido, mais rápido, não consigo mais segurar meu leite. Foi quando de repente, ela me empurra e ajoelha diante de mim.


Lívia: quer gozar na minha boquinha? Quer, meu gostoso? Goza, goza pra mim, vai! Quero provar das fontes do seu prazer! Joga esse leite na minha boca, vai!


Então, com as últimas resistencias, aponto meu mastro na direção daqueles lábios carnudos e libero das minhas profundezas um violento jorro de prazer! Ela o agarra e o traz pra dentro de sua boca, tomando cada gole liberado com violencia. Então libero gritos parecidos com de fera.

Lívia: urra pra mim, gostoso! Sou tua presa, vai! Meu gostosooooo!!!

Tomo-a em meus braços num longo beijo, sentindo em sua língua o sabor de meu interior. Assim, caio sobre a cama com meu corpo tomado pelo suor, e ela deita sobre mim capturando com suas narinas meu cheiro viril.


Lívia: Nossa, que cheiro... cheiro de homem, cheiro de sexo, cheiro de prazer...Agora sou mulher de verdade, meu principe! Você é meu, eu sou tua, meu ébano, meu diamante negro!


Cara, foi a noite mais fodástica de toda a minha vida. Ela desabou sobre mim, e acordamos do mesmo jeito que adormecemos. Ao abrir meus olhos, ela já acariciava meu rosto, cobrindo-me com o vinho de sua boca! Até descermos para o café da manhã, possuí-a com grande voracidade, e gozamos muitas vezes seguidas.

E assim, pessoal, termino minha história,espero que tenham apreciado. até hoje, quando Lívia me encontra, sinto a mesma paixão do início de nossa história de amor. Passamos crises, sim, tivemos nossos arranca-rabos, mas nosso amor superou tudo. E hoje, estamos noivos. Iniciei na empresa onde Edu é um dos principais acionistas e mentores no treinamento de jovens líderes e logo me destaquei, com muito esforço, dedicação, e trabalhei muito minha timidez. Ainda sou introspectivo, mas hoje estou muito mais desinibido, espontâneo, e não demorou muito para despertar a atenção das belas funcionárias e principalmente, a paixão da Venere. Mas essa é uma outra história...




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.