"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A Aposta [Parte 1] - A mamada dos sonhos


autor: codinome_morena
publicado em: 07/06/16
categoria: hetero
leituras: 2936
ver notas


- Droga! Droga! Droga! – Gritei. Não podia perder aquela aposta.

Rodrigo me olhava com um sorriso de lado enquanto o cavalo no qual apostou ganhava a corrida. Eu não entendia muito de Turfe, mas estava quase certa de que meu cavalo ganharia. Droga, eu não podia perder aquela aposta.

A euforia e vozes gritantes na TV indicavam o fim da corrida e a derrota do meu cavalo. Indicavam, sobretudo, a minha tolice em aceitar essa aposta. Rodrigo estava me encarando, pronto para levar seu prêmio:

- Eu te avisei que ganharia. Pronta para pagar? – Ele disse, sorriu e começou a tirar a bermuda.
- Espera Rodrigo! – Meus olhos imploravam que não levasse a aposta a serio. Não que eu não quisesse tocar naquele membro gostoso e lindo que Rodrigo tinha, mas porque sabia que não conseguiria parar em apenas uma mamada, e ele era um amigo, um ótimo amigo, tocá-lo estragaria toda a inocência da nossa relação, ou pelo menos, o que ainda havia sobrado dela.
- Aposta é aposta, princesa. Não vou te livrar desta.
- Não, aqui não! Não na sala da minha casa, alguém pode chegar.
- Vamos para o quarto então.

Um tremendo desperdício de tempo seria tentar renegociar com ele, acabaria logo com isso. Além disso, é só o pau do meu melhor amigo dentro da minha boca! Que mal pode haver nisso? E também, poderia transformar essa situação constrangedora em um momento de super prazer para ambos.

- Certo. Melhor agora? – Ele disse fechando a porta do quarto.
- Deite aí. – Eu ordenei enquanto pegava algumas meias na gaveta da cômoda.
- Não enfeita! É só me fazer gozar e pronto.
- Não faço trabalhos pela metade, Rodrigo! Você quer gozar? Então deita aí!

Escolhi os dois maiores pares de meias que eu tinha, andei até a cama onde Rodrigo já estava nu e deitado. Tirei a minha blusa, revelando meu lindo sutiã de renda preto que, como era transparente, mostrava de relance meus mamilos cuja cor era um pouco mais escura que a minha pele e o tamanho era mediano.
O sorriso de Rodrigo havia desaparecido, ele encarava meus seios com uma expressão meio que de surpresa.

- Tá tudo bem aí? – Eu disse, sorrindo da sua reação.
- Claro, eu só nunca tinha visto eles assim de tão perto. – Ele disse ainda encarando.
- Levanta os braços, amorzinho.

Enrolei os pulsos de Rodrigo com duas das meias e com a terceira, prendi seus braços na cabeceira da cama.

- Submisso. Assim que eu gosto. – Provoquei enquanto terminava de amarrar.
- Cala a boca, idiota! – Dava para notar o quanto ele estava nervoso com toda essa situação.
- Fecha os olhinhos, bebê. – Usei a ultima meia para vendar seus olhos e comecei a brincar.

Sentei-me nas suas pernas esticadas na cama e deitei meu corpo sobre o dele, depositei um beijo na sua bochecha, depois mais alguns no pescoço. Sua respiração estava pesada e ele não parava de se remexer.

- Porra Rodrigo, quer ficar quieto?!
- Não estou me sentindo confortável com isso. Esquece essa aposta e me solta. – Ele disse tentando se livrar das amarras.
- Aposta é aposta, princesa. Não vou te livrar desta.

Respirei fundo bem pertinho da sua orelha e voltei a beijá-lo o corpo. Desci do seu pescoço para seu abdômen até antes do umbigo, passei a língua sobre seus mamilos, primeiro dei algumas linguadas no esquerdo, chupei o direito e dei uma mordida puxando para baixo. Rodrigo soltou um gemido rouco e muito gostoso, me fazendo querer caprichar ainda mais.

Acompanhei as linhas dos seus quadradinhos abdominais com a língua, de cima para baixo e tracei beijos no inicio do famoso “caminho da felicidade”. Desci a minha boca até chegar bem perto da cabeça do seu pau que estava totalmente duro, soltei um suspiro que o fez estremecer e soltar um leve gemido. Desci um pouco mais para beijar a parte interna das suas coxas, as vezes mordia e lambia, o fazendo soltar um serie de sons e até uns palavrões.

Abri as suas pernas o máximo que pude e depositei alguns beijos molhados nos seus testículos, depois comecei a lambe-los sempre notando as reações que Rodrigo tinha. Peguei aquele mastro duro e comecei a punhetar enquanto chupava suas bolas, fazia movimentos leves e calmos, esticava toda a pele do seu talo e depois trazia de volta, apertando-a sobre a cabeça.

Elevei um pouco a velocidade da punheta e comecei a beijar a cabeça do pau, fazia questão de dar beijos bem molhados e demorados. Rodrigo estava mordendo os lábios, tentando buscar controle e eu estava ficando excitada com aquilo, senti minha buceta começar a ficar molhada e os bicos dos meus seios já estavam rígidos. Passei a lamber toda a extensão daquele membro, ia do inicio do talo até o finalzinho da cabeça enquanto acariciava suas bolas com movimentos leves e continuava masturbando-o. Rodrigo mexia o quadril na tentativa de enfiar todo o seu pau dentro da minha boca, e eu reparei que já estava começando a sair um liquido.

- Hmm, coloca logo... na boca. – Sua voz começava a vacilar.
- Só se você implorar. – Eu disse e continuei a provocá-lo, passando a dar linguadas na sua cabeça.
- Por favor, eu imploro... Por favor... Coloca na boca... Mama gostoso pra mim, por favor... – As suplicas de Rodrigo estavam me deixando muito excitada, senti que minha calcinha já estava toda molhada. Sem mais demoras, enfiei o pau dentro da minha boca, fazia um movimento de sobe e desce com a minha cabeça, colocava o máximo que dava na minha boca e usava a mão para punhetar o resto.
- Hmm, isso... Não para... Que boca deliciosa, hmm...

Minha saliva já escorria pelo pau do meu melhor amigo, chegando até as bolas, que eu acariciava com a mão direita, mantendo a esquerda em seu pau. Aquele membro ocupava todo o espaço dentro da minha boca, eu empurrava para dentro o máximo que podia, chegando a engasgar as vezes. Aumentei a velocidade da punheta e passei a mamar a cabeça do seu pau, como um bebê mama no seio da mãe.
- Chega... Eu vou... gozar...
- Aguenta só mais um pouquinho, seu pau é delicioso, não quero parar nunca mais. – Eu disse e voltei minha boca para o membro.
- Tira a boca... Sai, por favor... Não quero gozar na sua boca... – Rodrigo deixava sua voz falhar, dando lugar aos seus gemidos roucos.
- Por favor... Para de mamar... Termina na punheta só... Para... Por favor, tira... – Dava para notar que ele estava se esforçando para não gozar na minha boca.
- Eu vou... gozar... Eu vou... – Rodrigo urrou alto e eu tirei minha boca segundos antes do primeiro jato de goza sair e acertar meu queixo. Punhetei seu membro até que o ultimo jato de goza saísse, admirei todo aquele gozo escorrendo pela minha mão e não resisti, comecei a chupar meus dedos, o gosto dele era azedo meio doce. Levantei das pernas dele e fui pegar alguns lenços umedecido para limpar seu cacete. Rodrigo parecia que tinha adormecido, seu corpo não produzia movimentos, nem seu pau estava amolecendo.
Voltei com os lencinhos e comecei a limpar seu membro, primeiro passando pelas bolas e quando as toquei, Rodrigo pareceu ter despertado.
- Me solta, por favor... – Ele pediu baixinho.
- Me deixa terminar. – Eu disse
Quando terminei de limpar suas bolas, passei para seu cacete que ainda estava rígido. Limpei o talo e fui para a cabeça, passando o lenço por toda a extensão. Parei para pensar no que poderia acontecer daquele momento em diante, o nosso relacionamento não seria mais o mesmo. Costumávamos falar sacanagens um para o outro, mas nenhum dos dois levava a sério, era uma típica amizade adolescente. Quando despertei do meu devaneio, percebi que estava punhetando o membro de Rodrigo com o lenço, fazia movimentos bem devagar para cima e para baixo, demorando um tempo para completar o ciclo.
- Você já tá abusando. – Disse Rodrigo
- Achei que fosse o que você queria. – Eu respondi, quase inocentemente. Quase.
- Chega, tá legal? Agora me solta.
Para o azar de Rodrigo, eu estava bem disposta a contrariá-lo.
- Não sei não, gostei de você nessa posição. – Eu disse, elevando a velocidade da punheta ainda com o lenço sob a minha mão.
- Você tá ferrada comigo, posso fazer bem pior com você então me solta agora! – Ele disse, quase que gritando.
- Por que está falando assim comigo? Você quer que eu te solte? Então tá! Pode ir embora da minha casa! – Desamarrei as meias que prendiam Rodrigo na cama e depois as que prendiam seus pulsos. Ele mesmo tirou a venda e jogou a meia no chão.
- Agora vai! – Gritei.
Ele me encarou e se aproximou, o que havia acabado de acontecer?
- Rodrigo... – Não tive tempo de terminar a frase, ele me jogou na parede e me tascou um beijo, sua boca era deliciosa e macia. Suas mãos passeavam pelas minhas costas a caminho do fecho do meu sutiã que foi arrancado em um só movimento.

[Continua...]



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.