"Os mais excitantes contos eróticos"

 

O jogo de Venere


autor: Chronos
publicado em: 09/06/16
categoria: traição
leituras: 2143
ver notas


Meus dias fluem bem na empresa onde Edu trabalha treinando jovens para liderar. Não demorei muito para dar lugar ao potencial de liderança guardado dentro de mim. Apesar de tímido, sempre fui muito inteligente e agora, desenvolvi mais minha criavividade dentro da empresa. Isso chamou a atenção de todos, pois não era todo dia que um jovem criado na Zona Norte do Rio, negão, destacava-se entre os mais jovens funcionários, batendo metas com louvor em todos os quesitos: pontual, sempre bem asseado, barba feita, batia o cartão todos os dias no mesmo horário, às 07:15 da manhã, quando se chega às 08:00h, e mostrando resultados expressivos.

Edu trabalhava despreocupado comigo. Os relatórios sempre chegando pontualmente em sua mesa, e aquele tímido nerd cada dia ficando mais para trás. Apesar de estar apaixonado pela minha ébano, Lívia, as coisas não andavam beeem entre nós. Eu me desdobrava para dar conta da faculdade, do meu trabalho, e da minha vida amorosa. E nem sempre eu conseguia responder à expectativa dela. Ela não precisava trabalhar para manter seus estudos, mas eu sim, para poder bancá-la!

Isso gerou algumas discussões, obviamente, e começou a me desgastar. Sério mesmo. Ao mesmo tempo, meu refúgio era dentro do meu trabalho. Edu sempre que dava uma atenção, me ouvia desabafar. Mas não me condenava, pois ele via meu esforço para continuar mantendo no sucesso. O sonho americano, meus caros, é muito lindo, mas o mergulho pode custar muito, muito caro.
E isso já refletia no relacionamento do Edu com a Venere também. Como eu tinha contato com os dois no WhatsApp, começaram a ser frequentes as queixas da Venere, da falta de atenção do marido, e dele no trabalho. Isso abria um campo aberto para uma terceira pessoa entrar no meio e... vocês sabem.

Venere nunca desistiu de mim. Apesar de ela e Lívia serem muito ligadas, agora até elas estavam bem afastadas, devido aos compromissos da minha namorada. E Venere atacou muito mais. Puta merda ,não ia demorar muito pra eu chutar o balde nessa situação toda. Que fazer? Terminar?

Na sexta-feira, já bem tarde, em casa, tava no WhatsApp relaxando, tomando um refri, comendo uma pizza deliciosa em casa, Venere(outra vez ela!) me chama pra trocar idéia. Já to ligado nas idéias dela. Mas naquele dia, eu tava realmente afim de me soltar, conversar bobagens, e dei corda pra titia gostosa. Aí eu perguntei:

-Edu vai bem, né!?

Venere: Bem nocauteado, gatão! Me deu um beijinho de boa noite, já desmaiou!

Eu: Complicado, hein!

Venere: Amanhã, ele vai à empresa resolver mais algumas coisas, nem sei que horas ele chega! Vou passar boa parte do sábado sozinha!

Eu: Amanhã não quero saber de trabalho, nem de estudo! Vou largar um pouco meus livros de Adm pra lá ,e vou cuidar da minha saúde! Estou com quase 20 anos, e estou estressado, cheio de dor no corpo, ainda tenho que tomar bomba da Lívia que quer uma atenção mas não pára de lançar em rosto que não a procuro no fim do dia, e em vez de a gente se curtir, a gente tá brigando!

Venere: É fase, lindo, logo passa! Se você tem alguém para te dar suporte, apoio, muito bem, se não, gato, faz a fila andar! Sou bem sincera! Se ela não acha isso legal, tem quem curta um cara como você, que se mata de estudar, trabalha e cuida do amor também!

E a conversa seguiu, gente, até altas horas da madruga, falamos de muita coisa, até que ela resolveu jogar as indiretas dela pra cima de mim. Decidi entrar naquela brincadeira. O clima foi esquentando, até que ela me mandou uma imagem.

Eu: Puta merda, Venere, que isso!

A tia gostosona tava numa lingerie altamente provocante, preta, a parte de cima os seios quase pulando pra fora, a barriga sarada, e o que era aquela calcinha de renda, meu Deus... dava pra ver a xana dela toda! Fiquei de pau duro na hora! Só de onda, mandei uma imagem pra ela também: gravei um vídeo pra ela massageando meu pau por cima da cueca, e deixei sair a ponta da cabeça pro lado de fora!

Inicialmente, pensei: “ Agora ela vai me mandar sossegar o facho e vai me dar boa noite...”. Sabia de nada, inocente! Ela me mandou outro vídeo, cara, tocando uma siririca pra mim e mostrando a cara de puta! Até onde vi, a calcinha dela já tava encharcada!Meu coração tava saindo pela boca, naquela hora! Desatamos a perguntar coisas bem indecentes um pro outro, até que ela me mandou mais imagens: seios de fora, outras fotos dela no banheiro se tocando, aquilo foi acabando comigo!

Eu: não mexe com quem tá quietinho, Ve! Até onde você quer chegar com isso?

Venere: O orgasmo é o limite, meu gostoso! Sei que você quer desde o dia que você me conheceu! Não adianta mentir, Lívia sempre teve medo disso, porque sabe do que sou capaz!

Eu: e se eu dissesse pra você que to curioso pra saber até onde você pode ir?

Venere: até onde posso ir? Tá querendo me provar, seu safado!

Eu: disse pra você não mexer comigo, não disse? Você já me atiçou aqui, agora não apaga o fogo, não!

Venere: quem falou em apagar? Quero te ver ardendo, seu cachorro! Sabia que atrás desse rostinho de anjo tinha um dragão adormecido!

Eu: Pois é... tá fazendo minha cachoeira correr pra cima...

Venere: ssssss, nossssaaa! Me mostra!?

Foi o bastante para aquela noite acabar em chamas! Por fim, ela me chamou para ir à casa dela tomar um café. Edu saiu cedo, mal trocaram um selinho, #partiuempresa. Lívia tava estranha comigo, mal me respondeu um bom dia,e eu que já tava puto com ela , decidi entrar no jogo de Venere!

Aqui começa uma nova e perigosa aventura: encontro marcado, Edu já ausente, lá vou eu me despencando daqui pra Taquara, lá pra dentro de Jacarepaguá, numa área luxo puro pra um ex-pobre nerd. Vou de táxi, pois agora tô ganhando dinheiro pra isso, queria chegar lá limpo e cheiroso com meu 212 poderoso! Fui à padaria, comprei uns Croissants, uns baguetes deliciosos,e tomei meu rumo pra casa da Venere!

Ela, por sua vez, pra acabar de enlouquecer, tava com uma camisola preta, fazia parte do conjunto que ela tava usando, e só isso! Puta que pariu! Foi o café da manhã mais doloroso que tive que tomar, véio, a mesa tava sensacional, mas o prato que eu queria comer era ela, porra! Mas vamos, lá! Tá na chuva, parça, é pra se molhar do jeito que fluem as águas...

Ela me deu uma vitamina lá, com umas sementes, batidinha no liquidificador, com ovos, ginseng, catuaba, uma parada até gostosa...puta que pariu! Que porra era aquela! Pow, o que ela pôs naquilo eu não sei direito, mas deu uma disposição, véio, eu já tava de pau duro arrochado na calça, depois daquilo piorou! Tomei tudo, tava bom! Enquanto isso, papo vai e vem, ela se despojou toda pra mim, deixando os seios à mostra, também tomou a mesma vitamina que eu, e de propósito deixou cair nos seios... e olhou pra mim, desacaradamente dizendo:

- Sou um pouquinho desajeitada, rsrsrsrs. Pode limpar pra mim?- aquela espuminha escorrendo pelos melõezinhos dela, eu já tava possuído de desejo, cheguei pertinho dela, envergando meus quase 2m de estatura e caí de boca limpando aquela vitamina nela. Minhas bolas já estavam começando a doer...

- Prontinho, Ve- parei tete a tete, olhando fixamente pra ela- você quer mais alguma coisa?- minha voz já estava bem grave, sombria, quando ela toma mais um gole, e deixa aquela espuminha sobre os lábios dela.

- Quer que eu limpe sua boca também?- eu a tomei nos braços, quase que ela deixa o copo cair, rsrsrs. Pousou sobre a mesa e foi arrebatada por um beijo voraz meu. Ela me dá um sorriso misterioso, se afasta um pouco, me olhando de cima a baixo e diz:

- Todo homem tem um antes e um depois de Venere... vou lapidar você, meu diamante bruto... aiiinn! Você não perde por esperar!

Ela foi tirando minha blusa, desabotoando devagarinho, arrancando o cinto, descendo meu zíper, até me deixar somente de cueca. Eu já podia sentir no ar o cheiro doce do seu sexo me chamando. Ela também já estava molhada. Mas não a ataquei. Deixei o controle nas mãos dela, e segui-a até uma sala que mais parecia o laboratório onde ela trabalha... mandou-me deitar de bruços no leito de massagem. Relaxei e curti o momento.

Aguardei enquanto ela foi se trocar. Quando ela retornou, ela tava de jaleco branco, quase dois palmos abaixo do joelho, com uma meia calça enorme branca, que vinha cobrindo até a cintura, mas uma meia- calça bem transparente! Dava para ver a xana dela, depiladinha e rosada por baixo daquilo! Agora tu imagina uma mulher branca, cabelos negros lisos, 1,70m , aqueles seios lindos, sem sutiã por baixo daquele jaleco aberto, e aquela bunda deliciosa enorme, maior que a da minha ébano... aquilo era uma diva romana, puta merda!

Sem pressa alguma, relaxei meus membros ao longos do corpo, fechei meus olhos e curti a bela massagem com um óleo que passou sobre minhas costas. Passeou com suas mãos pequenas sobre todo o meu corpo, e senti como se meus ossos estivessem voltando ao lugar. Cara, nem eu sabia o quanto estava tenso! Massageou meus ombros, costas, e então pediu para que tirasse a cueca. Pronto! Agora estava totalmente nu, sob o domínio dela! Após massagear minhas coxas, panturrilhas e até a sola dos pés, fiquei então numa posição totalmente inusitada pra mim: igual uma minhoca gigante, com a bunda bem empinada enquanto o tronco ainda repousado sobre o leito!
Aquele óleo que ela passava sobre meu corpo causava uma sensação que vai ser difícil de explicar agora: imagine aquelas pomadas vick, depois que você passa nas costas, deixando suas costas geladas e quentes ao mesmo tempo! Agora imagina isso no corpo todo! Cara, era uma sensação maravilhosa, aliada aquelas mãos que estavam tirando um nó de cada músculo do meu corpo! Massageou demoradamente meus glúteos, até que pegou no meu pau latejando de tesão e começou a massageá-lo desde a cabeça até o saco... caralhoooooooo!! Que mãos eram aquelas,véio! Ela pressionava minha glande, com as mãos encharcadas daquele óleo, e a sensação foi quadruplicada me levando às nuvens!

Fez a mesma coisa com minhas bolas: massageou lentamente, apertou com uma sensualidade que me pirou o cabeção, e deixando as bolas escaparem entre seus dedos... cara, incendiei de vez! Essa massagem durou uns 15 minutos, véio, mas me deixou como novo. Um café da manhã, delicioso, cheio de frutas à mesa, aquela vitamina da porra me deixando ligado, e uma massagem deliciosa dessa...

Fomos para o quarto dela. Ali, ela despojou daquele jaleco, deixando seus longos cabelos negros caírem pelo seu dorso, fechou as persianas do quarto, acendeu uma luz bem fraquinha, roxinha, colocou um som bem ambiente, pra criar um clima, e me deitou de virado de frente para ela. Colocou um travesseiro sob meus glúteos, deixando meus quadris ainda mais pra cima em relação ao meu tronco, e continuou a massagem no meu pau com aquele óleo delicioso, nas minhas bolas... e agora, com uma novidade nem tão desconhecida por mim: enquanto ela estava entre minhas pernas, que estavam bem abertas, massageando meu pau com a mão esquerda, ela introduziu o dedo no meu cú, fazendo uma massagem que acabou por me enlouquecer de vez!

Cada vez que ela penetrava, meu pau ficava mais duro, e as veias saltando sobre a pele... senti que iria gozar! Estava totalmente arrepiado , mano, aquela mulher não era desse planeta! Eu já não conseguia relaxar como antes, mas agora nossa troca de olhares tornava-se selvagem, intensa, aqueles olhos castanho-escuros, como dois oceanos bem profundos, me atraíam para dentro dela!

Ela foi chegando mais perto, mais perto, e com aqueles lábios carnudos foi enterrando meu cacete naquela boca... puta que pariu! Coração batendo a mil por hora, cara! Ela lambia minha cabeça, descia até minhas bolas, depois chupava com voracidade mais ao mesmo tempo como se fosse em slow- mo! Caralho, parecia que eu tava drogado, véio, eu latejava a ponto de querer gozar na cara dela. Então ela tirou seu dedo do meu cu, e começou a massagear, apertando, deslizando com as duas mãos no meu caralho, e chupando a cabeça ao mesmo tempo! Eu peguei na sua cabeça, e a empurrava ainda mais enterrando meu pau dentro daquela boca deliciosa, ia penetrando em ritmo sincronizado com a massagem e sucção que ela fazia! Ficamos assim por uns 10 minutos! Eu não tava aguentando mais!

Procurei me concentrar, e não deixar que aquele momento fosse por água abaixo! Respirei fundo, ela saiu de cima de mim, soltou-me, e então invertemos as nossas posições: ela agora por baixo e eu por cima! Avancei vorazmente sobre ela. Uma voluptuosa troca de beijos , ela buscava minha língua, eu a dela. Trocávamos mordidas selvagens nos lábios e pescoço. Assim como uma águia arrebata sua presa do chão, tomei aquelas montanhas brancas em meus lábios. Ela gemia gostoso, me puxava pelos cabelos, pedindo que eu chupasse mais ainda! Suguei um, depois o outro, e a seguir desci beijando e lambendo sua barriga, umbigo, até chegar às suas coxas. Eu podia ver através daquele fino tecido sua buceta inchada e molhadinha, e lentamente tentei tirar aquela meia calça... mas o dragão negro dentro de mim despertou com fúria, e rasguei com minhas mãos aquela parte molhada da sua xana e ela deu um grito de tesão e susto ao mesmo tempo.

Venere: Nossa, gostoso, que pegada gostosa... vai, chupa minha buceta, vai! Acaba com essa puta, hoje sou toda sua, liberta esse monstro dentro de você e me arromba, porraaaaa!!!

Mergulhei de boca naquela buceta pequena, mas carnuda ela tem. Suguei seu grelo, arrancando gemidos ainda mais altos daquela diva romana,penetrei com minha língua naquela buceta, e ela me puxava mais pra dentro dela. Nossa, véio, mesmo ela sendo passiva, todo aquele momento, toda aquela paixão, ela tava no controle!

Coloquei-a de quatro, e comecei a beijar seus glúteos e sua xana por trás. Alternava lambidas entre sua buceta e seu cuzinho... ela tava enloouquecendo! Enquanto eu a sugava, seu mel jorrou abundantemente na minha boca! Ela urrava como uma quimera, diante do dragão negro que ela despertara!

Trocamos mais uma vez de posição. Novamente por baixo, e ela por cima. Ela chupou mais uma vez meu pau, que não sei como ele não tinha perdido o vigor, e tive que me segurar pra nao gozar na boca dela. Então ela o direcionou na sua xota, que apesar de pequena, recebeu facilmente meu pau por estar toda melada.

Venere: nossa, Renato, que pau delicioso! Bens a Deus, homem! Não é gigante, mas é uma obra de Michelangelo, essa tora... aiiiii!!! Arromba sua putinha, arromba! Meu ébano, teu cheiro de sexo de me excita!!!

E, rebolando de uma maneira a me excitar ainda mais, foi enterrando meu pau dentro dela até sobrar minhas bolas do lado de fora. Um misto de dor e tesão estremeceu aquela italiana que começou a cavalgar lentamente sobre meu mastro. Os movimentos foram ganhando força até ela começar a quicar com vontade em cima dele. E não parava de gritar:

-Me fode, porra, fode essa puta, meu tição...aiiiiiiin! vai, me arromba , quero essa pica toda em mim, vai...

Comecei a estocar com mais força... quanto mais estocava, mais caminho abria. Ela alternava entre cavalgadas e reboladas lentas e profundas, engolindo ainda mais meu pau dentro dela. Era uma verdadeira doutora do prazer!

Ela rompeu em outro gozo, melando meu pau todo com seu suco delicioso. Fez a posição 69 comigo e lambeu todo o meu caralho cheio do seu mel enquanto sua xana liberava seu líquido na minha boca enquanto eu sugava! Novamente alternei lambidas entre seu grelo e seu cuzinho rosado.

Venere: quer meu cuzinho, quer? Edu não me come o cuzinho tem muito tempo, meu lindo. Tô com sede de você, meu dragão negro, essa quimera é toda sua.

E rebolava na minha cara, quase tirando meu ar. Eu a tirei de cima de mim, e fomos para um puff gigante que tinha no canto do quarto. Ela arrebitou aquela bunda pra mim, de joelhos no puff, e comecei a introduzir meu dedo naquele cuzinho apertado, que me chamava pra dentro dele.
Ela pediu que eu colocasse um pouco daquele óleo de massagem nos dedos(puta que pariu! Ela quer ser arregaçada até pegar fogo, véio!), e novamente introduzisse meu dedo melado com aquele óleo no cu dela.

Mandou que eu passasse mais uma vez o óleo sobre meu pau, massageando ele. Uma nova onda e frio e calor ao mesmo tempo fazia ele arder! Mas que raios que eu ainda não tinha esporrado nela, cara? Que porra foi aquela que ela misturou naquela vitamina?

Ela relaxou, e lentamente fui introduzindo meu caralho grosso naquele cu apertado. Cara, parecia que tinha pólvora queimando no meu pau, puta que pariu! Que sensação louca! E ela massageando seu grelo com uma das mãos para aumentar o prazer. O Dragão negro em mim ressurgiu como uma nova onda violenta, e então enterrei meu pau repentinamente do cú dela!

Venere: Aiiiiii, porraaaaaaa! Que cacete grosso é esse, cachorro! Vai, arromba sua putinha, vai, filha da puta, arromba essas pregas até me incendiar, aiiiiiiiiii!!!

Fiquei possuído de um instinto quase predatório, e enchi aquele cú de estocadas fortes e viris que fazia ela gritar de dor e tesão ao mesmo tempo. Meu caralho tava incendiado com as fricções combinadas com aquele óleo da porra! Então, senti que a hora tava chegando. Meu dragão negro estava prestes a cuspir sua cólera dentro do cú da Venere.

Anunciei que ia gozar. Venere pediu que eu parasse. Tirei meu pau de dentro dela, e então ajoelhou diante de mim e disse:

- Vai, dragão ! Joga sua essência na minha boquinha, vai! Enche essa boca , vai!

Então liberei um grito que parecia mesmo o de uma besta, e meu esporro saiu ardendo pelo meu caralho, invadindo a boca dela como uma represa que acabava de romper. Puta que pariu! Gozei muito, cara. Ela não conseguiu beber tudo, pois saiu porra pra tudo quanto era lado! Gozei na boca, gozei na cara, gozei como nunca havia gozado nem com dez punhetadas juntas num dia só! Minhas pernas falharam em sustentar meu corpo. Desabei diante daquela deusa romana!

- Agora tu é homem de verdade, meu macho! De agora em diante, serei sua puta! Ninguém vai te dar um trato melhor que eu, seu cachorrão!- e caiu me cobrindo de beijos mais uma vez, seu corpo cheirando a sexo e paixão sobre o meu.

Aquela mulher é muito gostosa. Cara, depois de uma foda dessas, achei que não ia me levantar, mas estranhamente, notei que meu pau ainda tava duro! Caralho, que porra foi aquela que eu bebi!? Só sei dizer, gente, que o Edu deu mole. A consciência pesou pela Lívia, não por ele, pois quem mandou dar mole com a mulher? Agora, parça, passou a ser assim: fim de semana de manhã, quando ela me pedia um paozinho, ganhava um pauzão de brinde! Rsrsrsrsrsrsrs. Ah, e se vocês querem saber? Porra, ela fode muito mais que a Lívia, puta que pariu! kkkkkkkkkkkkkk




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.