"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Divagando, delirando...


autor: Didakus
publicado em: 23/05/15
categoria: hetero
leituras: 3812
ver notas


“Me desculpe se para devorar as delícias tuas, eu olhar firme em teus olhos de seminua... Quero penetrar seu corpo, sua alma também...”;

“Sorrirei por simpatia, mas o desejo é algo sério...”;

“Estejas pronta para a entrega, pois estou pronto para tomar posse..”;

“Recíproco, educado, agradável... Mas reclamo sua entrega minha flor...”;

“Outros não vêem perfeição? Irrelevante, és única, minha fêmea de momento. Olhares, gestos... tudo seu é construção poética... Cada ritmo de teus quadris, cada deslizada de tuas mãos pelos cabelos...”;

“És singular, só você sente o que está sentindo nesse momento... Eis meu desejo, eis meu respeito...”;

“As palavras, em cada revelação lasciva, devem te revelar... Viciada em notada, desejada, talvez devassada...”;

“E pelo homem que entende isso... Homem que você quer que entenda isso!!!”;

“Busco teimosamente, por suas curvas, os segredos do seu sexo...”;

“Disfarce de sensual saia, para delineantes, reveladas e carentes pernas...”;

“No instante de silêncio, eis minhas mãos deslizando sua face...”;

“Cada gesto marcado para sempre...”;

“Sim, quero te possuir!!! E teus mimosos olhos, fechados por minhas carícias, denunciam a proximidade de sua entrega...”;

“Beijos sem maiores delongas... Molhando, marcando, demorando, tatuando...”;

“Minhas mãos se impacientam... querem envolver sua cabeça... Entrementes me farto em sua quente língua...”;

“Intensa missão faz-me descer pelos teus seios, pelas curvas desse mistério de mulher... Sou explorador desse artefato de desejo... Clamando por teus mamilos de fêmea...”;

“Mistério por prudência escondido... Agora, claro como o despontar da aurora”;

“Esses par de gêmeas tentações se enrugam nas terminações... prontos para serem calmamente saboreados, delicadamente mordidinhos...”;

“Um aleatório passeio... Minha boca quer mais de ti... Novo rumo e sabor...”;

“Vou te desnudar por todo de tua blusa... Vitimar de amor teu ventre, guardião de novos e saborosos segredos...”;

“São lambidas, mordiscadas... Não deves se esquecer que um homem apaixonado passou por aí um dia...”;

“Ele vai te foder... O mínimo que espera a fêmea do subconsciente de um homem... Fodê-la como mistério... Tantas vezes entre punhetas e palavras soturnas e solitárias, ele te fodeu... Preciso, novamente, reclamo você”;

“Minha musa... sou eu...”;

“Eis o cuidado, o sôfrego... em teus olhos, quero a verdade revelada...”;

“Você minha essa noite... cada noite única... ainda que em posteridade...”;

“Noite do cumprimento de nossas sendas biológicas”;

“Essa florzinha é mel dulcíssimo, quero sorver-te... sentir teu corpo todo...”;

“Eu não peço, somente e novamente olhos em olhos...”;

“Te quero toda... te ponho de bruços... o que fiz de frente, farei em verso...”;

“Flancos revelados e indefesos ao meu delírio tarado... Como tens curvas, minha fêmea musa...”;

“Sinto a suavidade de teus fios, inescapantes como grãos macios de areia...”;

“Me delicio em teus ombros... te livrando do que te falta de roupa”;

“Seminua na minha frente... Controlo meu instinto de macho... és minha essa noite, aproveitarei ao máximo...”;

“Só a calcinha de renda se interpõe a minha profana vontade... Minhas mãos com firmeza em demorada sensação, pela maciez de sua trêmula carne...”;

“Ainda não cheguei na saborosa maçã, insistentemente chamada de bunda!!!”;

“Entrecortada por sua calcinha... Calma, ainda não, aproveite homem... ela será sua só essa noite... Talvez a última...”;

“Talvez... então estou de pé...”;

“Me olhas como que frustrada... ‘acabou?’ deves pensar”;

“Não quero essa mulher no meu sofá, quero ela na minha cama...”;

“Te tomo no colo, o leito a espera de irracionais amantes...”;

“Te deito carinhosamente... não cumpri minha missão pelos teus flancos”;

“Um devastador beijo... esmago teus lábios... fervor de línguas...”;

“Novamente te quero de bruços... Deslizo as mãos, do pescoço até o cóccix... Mordiscando, lambendo também... Puxada leve em teus fios, deves me sentir de forma completa nas arremetidas...”;

“Me demoro, guardando cada mistério de sua superfície...”;

“‘Ainda falta mulher...Hoje você é toda minha...’”;

“Abro suas pernas... acaricio desde os pés até as coxas em delícia...”;

“Novo passeio aleatório por sua maçã rosada...”;

“Por cima da minúscula peça restante, massageio seu sexo... repito os gestos, deves se acostumar a receber intrusões...”;

“Se acostumar, ser adaptada, docemente violada, insistentemente desejada...”;

“A prospecção termina em encontrar seu sexo... diálogo insano com teu clitóris, tua vulva, todo o conjunto... nada deve ser esquecido...";

“A minúscula peça encerra sua participação nesse teatro ensandecido... ”;

“Ao arrancar a úmida pecinha, inunda-se o ar com teu íntimo aroma...”;

“Só posso fazer o que me dá vontade, o que me faz demorar se esvaindo...”;

“Conjunto harmonioso da boceta em flor com esse rabo em botãozinho...”;

“Como quem sabe que o rosado botão terá rosadas surpresas, eu separo as polpas... Busco a textura, os sabores combinados...”;

“A primeira lubrificada do devasso ato... Uma real ciranda... Desço, subo, desço, subo... para que sintas o calor de minha boca...”;

“Pelo bumbum deslizo, sua boceta em flor, meu novo alvo...”;

“Toda essa parte tem de sentir a língua de um homem... Macho enlouquecido pela fêmea, buscando fazer e sentir amor...”;

“Seu segredo sensual está pronto... Deves ser adentrada, revelada, e lubrificado todo o entorno de tua flor... Ela precisa saber que é inevitável... será violado seu sensual segredo...”;

“Saberás que te quero sob meu controle, para o florir de toda minha paixão...”;

“Só agora, minha musa, totalmente...”;

“A esperança de que estejas gozando... Devo rumar para o fatídico e biológico momento... pronunciado pelo inchaço de tua florzinha...”;

‘“Meu membro está pronto para o ritual que nos faz o que somos...”;

“Subo em voga de seu corpo ardente... melado membro, melada chana...”;

“Assim que meu membro adentra sua grutinha, puro orvalho de tesão...”;

“Nova ciranda.... vai e vem costumeiro, deixando tudo rolar...”;

“Calmo, desbravador, conhecendo sua posse... multiplico a dança...”;

“Fêmea és, disciplinada ao prazeroso intruso decisivo...”;

“O macho, ciente de que a única chana que ele quer está ali...”;

“Em ritmo selvagem, harmonia... Mútuo desejo que mais se quer...”;

“Perdeu-se a noção do tempo... do espaço...”;

“Enfim, furiosa... apoteose... sensações múltiplas...”;

“Meu lácteo desejo masculino irrompe... Único...”;

“Inundando em frenesi a desejada rachinha.... Fêmea entupida em mel...”;

“Grunhidos do homem, gemidos da mulher...”;

“O gozo se faz vencedor corpóreo no embate...”;

“Fazendo vencidos... Cansados... Macho, fêmea... O sexo...”;

“Exaustos... entende-se acaso a deliciosa loucura...?”;

“Aninhados como ordem cósmica... Lado a lado... Olhos perdidos de desejo...”;

“Entregues... em domínio... Ferventes... Carinho...Intensidade”;

“Extasiados... Bocas famintas de paixão num prolongado beijo...”;

“Fluxo de harmonia, corpos aninhados e encaixados...”;

“Impulso carnal... Homem e mulher... Materializados...”;

“Yin-Yang plenamente combinados...”.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.