"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Seduzido pela Prima no Carnaval 3


autor: Chronos
publicado em: 20/07/16
categoria: incesto
leituras: 3882
ver notas


Confesso a vocês que aquele assédio da Brendah tava começando a ficar gostoso. Ser recebido logo com abraço, beijo, antes do café da manhã tava amaciando meu ego, e depois da conversa com o Beto, tava relaxado e o que viesse a acontecer, não iria ficar pensando muito, não. Meu relacionamento já tinha regredido do certo pro duvidoso mesmo...

E fomos pro café. A galera não dormiu, cara, e logo o clima tava agitado pra caramba, risadas, piadas logo de manhã. E Brendah desgrudou de mim!? Claro que não, né, kkkkkk! Conversamos no pé do ouvido o tempo todo, Sil olhava sério pra gente de longe e ficava marcando. Minha mãe já era mais tranquilona, já sabia das minhas tretas, pra ela eu tava me divertindo como há muito não fazia.

O joguinho da Brendah ganhou mais força quando meus tios viram que a cerveja tava acabando e precisariam comprar mais. O problema é que todos eles estavam agarrados ou na cozinha ou preparando já a churrasqueira. Eu, mesmo virado, ofereci-me para ir buscar.

Beto: Tu vai à pé!? Rsrsrs, sabe que tudo é longe aqui...

Eu: Me empresta as chaves do carro, pow!( eu já tinha carteira, gente)

Dante: Leva minha camionete, pois tu vai ter que trazer gelo, também, o freezer tá meio baleado já.

Eu: Ok. É cerveja e gelo!?

Beto: 5 caixas, ta ligado!?

Eu: Vai dar de beber pra quartel, porra!? Kkkkkk

Peguei as chaves e entrei no carro. Quando dei a partida, eis que ela chega tomando a atmosfera do lugar.

Brendah: Vou com você!?

Eu: Sil não vai ficar marcando, não? Já tava de olho na gente o tempo todo...

Brendah: Esquenta com ela, não. Tua mãe tá dando um toque nela.

E fomos para o centro de Tinguá comprar cerveja. No meio do caminho, ela já tinha tirado a camiseta no carro, ficou só de top, barriga à mostra, e short. Curtinho. Ficou lembrando minhas histórias que havia lhe contado da Lívia, Venere, eu só fazia era rir com ela.

Brendah: Vem cá: Não te dá vontade de saber o que ela deve estar fazendo agora, e com quem está?

Eu: Na verdade, não.

Brendah: Ué, e por que?

Eu: Quer saber a verdade!?

Brendah: Lógico!

Eu: Desde que pus os olhos em você aqui, não paro de pensar em você.

Brendah: Safadinho, rsrsrs, quem diria que aquele menino pacato, tímido, fosse virar um pegador, hein! E que pegador delicioso...nossa, Renato, que tu fez pra ganhar esse corpo?

Eu: De tudo um pouco: Natação, corrida, Jiu-jitsu, no Colégio onde estudei tem de tudo.

Brendah: Uau, rs. Ficou um gato, você, sabia?

Eu: E você nem se fala... Ta muito gostosa...

Brendah: Jura!? Rs.

Eu: Pelo seu corpo bem trabalhado, você também não é de ficar parada.

Brendah: Faço Muay-Thay. Além de cuidar do meu corpo na academia.

Eu: Nossa, Muay-Thay. Deve bater pra caralho...

Brendah: Só brigo com homem, lindo. Nas aulas eu acabo com eles. Além de envergadura, tenho força de sobra. Já participei de campeonatos femininos, mas não tem graça lutar com mulher, não.

Eu: Tá graduada em qual faixa!?

Brendah: Preta!

Eu: Uau, imagino a disposição que tu deve ter...

Brendah: A gente pode tirar um tempo pra tu conferir.( risos safados)

Eu: Pensa que comigo é fácil!?

Brendah: Pensa que é difícil, gostoso!? ( nessa hora ela passou a mão por cima do meu pau, e atiçou ele de uma forma que quase me desconcentrei.)

Eu: Fica ligada que se eu agarrar, tu não sai!

Brendah: E quem disse que eu vou querer sair? Quero mais é uma chave bem aplicada sua...

Eu: Quer uma chave sossega-leoa!? Rsrsrs.

Brendah: Uiii, grrrau! Kkkkk

E fomos nesse flerte até chegar ao depósito. Tava gostoso, ficar com ela. Compramos tudo no cartão, e ainda tive que aturar os marmanjos assobiando, mexendo com ela. Puta cavalona que é, mas também ela nem deu bola.

No meio do caminho, mais flerte:

Brendah: Então, me diz uma coisa.

Eu: O que você quiser.

Brendah: ( passando a mão por cima da pica, já ) Qual o tamanho dessa chave aqui?

Eu: Porra, tu é ordinária, hein rsrsrs: 18 cm, espessura 4.2

Brendah: Caralhoo! To louca pra ver!

Parei o carro no meio da estrada de barro, quase perto do sítio. Olhei dentro dos olhos dela, não tava aguentando mais, mano, lasquei um beijo cheio de maldade, ao que ela respondeu com a mesma intensidade e volúpia. O vidro era fumê, foda-se quem passava e via, tava tudo fechado mesmo . Pus a mão dentro daquele top, e porra, mano, que seios gostosos e durinhos, era uma cavala, aquela puta! Brendah começou a gemer alto, eu me lancei àqueles e chupei de maneira voraz e lasciva.

Brendah: Nossa, caralho, que boca é essa, filho da puta!!!chupa sua priminha, chupa.

Enquanto uma mão tava nos seios, a outra já caçava sua xana dentro do shortinho curto. Porra, era apertadinha, e tava encharcada sua calcinha.

Eu: Você não perguntou do tamanho da chave? Abre aqui pra conferir, sua gulosa!

Ela puxou a bermuda toda, em vez de abrir o zíper, com cueca e tudo, véio. Brendah me abocanhou de um jeito que fui ao céu e voltei. Que boca era aquela, cara!

Eu: Porra, B., que boca gostosa você tem! Aproveita que a mamadeira tá cheia, sua cachorra!

Fomos pro banco de trás, empurramos os bancos da frente pra perto do painel e taca-lhe piroca naquela boca! Peguei a cabeça dela e meti freneticamente goela a dentro. Bicha gulosa, essa Brendah.

Eu: Olha pra mim, gostosa! Me diz: Onde foi que tu aprendeu a foder pica desse jeito!?

Brendah: Meu professor de Muay Thay me ensinou tudo. Também é o único que me pega até hoje.

Eu: Sério!? Por isso que tu não tem namorado, né!?

Brendah: E preciso esquentar a cabeça pra arrumar!? Fodo com ele todo fim de aula, ele me leva pra casa dele e a gente se mata transando. Agora você... Você é meu sonho de consumo de infância. E agora essa porra é minha, seu galudo!

Cara, fez uma espanhola no meu pau de causar arrepios, véio. Peguei-a pelos cabelos e dei uma surra de caralho na cara dela. Ela pirava. Surrei sua boca com estocadas vigorosas, a ponto de ela perder o ar.

Brendah: Porra, Renato, quer me matar, caralho!? Rsrsrs.

Eu: Tá me instigando desde que eu cheguei aqui, cachorra, vai amarelar agora!?

Brendah: Filha da puta, cachorro!

Eu:(dei um tapa na cara dela. Ela gemeu de dor e tesão ao mesmo tempo) tu não queria uma fodinha comigo? Vou te estuprar, sua fogosa da porra!

B.: É dessa pegada que eu gosto, Rê! Acaba comigo, vai! Por isso eu não tenho namorado, e só fodo com um, mesmo, porque ninguém tem a pegada que eu gosto. Sei logo pelo beijo. Vem, fode sua priminha fode!

Eu: Toma rola, sua puta( uma estocada) na boca. Ela tosse engasgada)

BRENDAH: Me dá logo esse chave de pica, gostoso, quer levar porrada pra isso!?

Eu: Caladinha, que hoje quem manda aqui sou eu!

Brendah: Venere que te ensinou a ser ogro na cama!? Te ensinou bem! Mas tu ainda não me conhece, seu cafajeste com cara de anjo!

Dei outro tapa. E outro, e outro. Ela tava só de calcinha agora, e toda molhada. A gente esqueceu o tempo, ficamos uma meia hora ali trocando xingamentos um com o outro, eu metia na boca dela, e ela mordia na base do pau vindo até a cabeça. Até a mordida era gostosa. Parecia que eu já fodia ela há muito tempo. Confesso a vocês que nem Venere aguentaria tanta porrada igual ela aguentou. Esse instinto agressivo meu foi despertado com a B. Vou chamá-la assim para economizar.

Fodi aquela boca com tanta vontade que não aguentei. Gozei jatos e a ordinária bebeu numa golada só.

Brendah: Cara, tua pica não é grande, mas é deliciosa, nem imagino como vai ser tu me comendo. Sou apertadinha.

Eu: Você eu vou foder com força, sua puta, ninguém mandou tu me atiçar...

B.: Ai de você que sentir pena de mim, que eu te entrego ora Lívia todo quebrado, rsrsrs.

Eu: Tu pode bater muito, mas não perco briga pra ninguém, não filha. Até terça-feira, tu vai ver o estrago que vou fazer em você...

E retornamos ao sítio já na expectativa de uma temporada de arrepiar! Sorte que ao chegar lá, a cerveja já tava geladinha porque a gente levou caixa de isopor e deixou gelando com gelo e jornal forrado dentro para não perder o gelo. Se não iriam ter um filho, cada um dos meus tios, em ver o gelo derretido, rsrsrs.

Beto: Foram fabricar o gelo ou a cerveja, porra!? Kkkkkkkk


Brendah, com a maior cara de pau do mundo, ainda mentiu dizendo que rodaram para achar um depósito aberto e com a cerveja que eles queriam. Já nossas mães já tinham manjado tudo e estavam era rindo no canto delas.

Brendah chegou perto da minha mãe e ainda cochichou uma parada no ouvido dela. Dona Ruth deu uma risada e um beliscão na bunda dela.

Sil: Menina, olha os modos com seu primo!

B.: Ih, mãe, relaxa, que aqui ele ta muito bem cuidado!

Sil: Fala alguma coisa, Ruth? Olha o abuso dessa menina!

Mãe: Meu filho sabe o que tá fazendo.

Sil: Diz isso pra sua nora!

B.: Olha, tia, no que depender dele, e de mim, claro, vai ficar tudo em família aqui. Ninguém mandou essa dondoca largar ele solto por aí e não saber cuidar ...

Sim, pessoal, tínhamos liberdade pra sermos francos dentro de casa. Sil era mais Séria, mas era cuca aberta.

Cheguei perto da tia e disse:

Eu: Tia, Beto me abriu os olhos. Eu tava me lascando pra nada. Cheguei aqui estressado, cansado de brigar pelos caprichos dela, quero relaxar.

Sil: Ainda assim vocês têm compromisso! Brendah é doida, ela não têm compromisso com nada, quem tem mais a perder!?

Eu: Quem me empurrou pra esse paraíso aqui! Você vai me impedir, tia!?

Sil: Eu!? Só te orientando, filho. Não sei o que você tá passando por lá. Achei estranho você não estar acompanhado dela, sei que é ruim viajar brigado.

Eu: Brigado, não. Cansado, chateado, puto. Por isso dei um tempo com ela. E esse tempo pode ser pra sempre!

( continua )




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.