"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Foda caladinha


autor: momorena
publicado em: 21/07/16
categoria: hetero
leituras: 5852
ver notas


Toda vez que estamos na fazenda é um caso sério depois de ver todos aqueles animais trepando lógico que bate aquela vontade de fazer amor o problema é que a fazenda é da minha sogra senhora conservadora quase puritana e logo eu fui ser sua nora , uma pervertida convicta situação cômica .

E nesse dia eu não estava mais aguentando, doida para dar a bucetinha para meu marido íamos a uma festa eu fiz questão de me trocar na frente dele sai do banheiro de toalha e fui para o quarto me trocar ele veio logo atrás e deitou na cama onde me olhava enquanto eu me secava.

Passava a toalha nas minhas pernas nos meus seios, meu bumbum ele olhando atentamente. Coloquei calcinha de renda na frente e toda atoladinha no rabo, o sutiã era de renda também modelo meia taça deixando metade dos meus seios de fora.

Só de langeri pedi pra ele passar o óleo corporal no meu corpo onde ele rapidamente me ajudou as mãos dele estavam cheias de calos pelos trabalhos que ele estava fazendo por lá isso me enlouquece mão de homem grossa, máscula.


Massageou todo meu corpo e aquele fogo me consumia, queria era fazer gostoso com ele mas ouço voz de nosso filho nos apressando para a festa a foda teria que esperar.


Coloquei uma sainha preta curtinha e uma blusa de seda lilás que marcavam o volume dos meus seios, meu marido enlouqueceu disse que na volta continuaríamos.


Fomos a festa e dançamos nos acochando e nos tocando por debaixo da mesa eu já estava toda molhada vontade de ser possuída devorada... e assim a noite se foi.

Já era madrugada e voltamos para casa, cada qual a seu quarto hora de esperar o povo dormir para nossa festa começar.Como eu queria ser a vaca do meu marido a égua doida pra levar ferro. Só tinha que esperar as outras pessoas adormecerem e fazer minimo de barulho possível.

Casas de interior tem as paredes interiores com mais ou menos 1.90cm e o restante eram abertas compostas apenas por caibos de madeira que ajudavam sustentar o telhado de telha de barro. Então qualquer barulho ecoava por toda casa, pensamos em ir transar no mato mas sabíamos que se abríssemos a porta a sair minha sogra viria atrás achando que algo havia acontecido.

Então o jeito era ser ali mesmo, tirei a roupa e coloquei um baby dol de seda rosa, corri deitei na cama e esperei ele tirar a roupa e apagar a luz. Escutávamos o povo conversando enquanto nos tocávamos e nos beijávamos e vimos que as conversas foram diminuindo até que cessaram de vez. O silencio da noite ecoou e só um grilo cantando era estrela da noite.

Finalmente nosso momento senti seu corpo subindo sobre o meu suas mãos apertando meu bumbum fortemente seu membro duro feito madeira sua boca me engolindo sensação deliciosa eu queria mais e abri minhas pernas ele nem tirou o shortinho só puxou para o lado e colocou seu pau na minha xoxota e gemeu quando sentia a danada quente e toda molhada.


O danado deslizou e foi abocanhado pela minha xoxota ele começou estocadas lentas colocando e tirando pau da minha bucetinha mas a cama começou fazer barulho, tivemos que forrar um cobertor no chão e fomos para lá.


Novamente ele entrou no meio das minhas pernas e arrancou o shortinho dessa vez, colocou o pintão na minha xoxota e foi socando freneticamente minha vontade era gritar para ele me foder gostoso mas não podia. Eu continha meus sussurros me contorcia aproveitando aquela rola grande e gostosa.


Eu estava com a imagem do cavalo na minha cabeça e me virei e me posicionei de joelhos com bumbum para cima ele logo entendeu e veio por trás e arreganhou minha buceta colocando seu pau novamente, ele apoiou suas pernas sobre a minha eu sentia suas bolas roçando meu rabinho enquanto ele bombava minha xoxota. Que delícia eu era a vaca gostosa queria gemer alto e quando escapava um ruido ele tapava minha boca e assim ficamos por algum tempo até que gozei gostoso, minha bucetinha tremia ele sentiu e ficou quietinho com a rola atochada inteira nela.


Eu queria mais então ficamos de ladinho, ele levantou minha perna até seu pescoço minha elasticidade sempre foi bom para isso, ele colocou a pica na buceta e tocava meu clitóris fazendo movimentos rápidos constantes eu parecia uma louca travando dentes a boca para não sair nenhum ruido,( minha sogra no quarto ao lado tinha que me conter) mas ele meteu muito acabei gozando de novo era muita meleca seu pau estava encharcado e eu quis chupar.

Ele deitou e eu fui pra pica lambi todo meu gozo e fui dando beijinhos naquele mastro gostoso de 17cm , dei mordidinhas engolia todo e agora era ele que precisaria ser contido seus sussurros eram tapados por um travesseiro que coloquei na cara dele. Mamei gostoso naquela pica, engoli aquela rola e fiquei fazendo movimentos com dele dentro da boca ele se contorcia e acabou gozando dentro da minha garganta, engoli tudo e dividi restinho beijando a boca dele.

Percebi que aquele pau estava endurecendo de novo e não perdi tempo pedi no ouvido dele para sentar na rola dele, e assim fiz mas sentei bem encaixadinho e só fazia vai e vem sem tirar pau da xoxota é tipo para frente para trás sarrando gostosamente e enlouquecendo a nós dois eu chupei a língua dele quase arrancando e acabamos gozando juntos. Fiquei em cima dele e acabamos adormecendo ali no chão mesmo.

Que foda maravilhosa... mas ainda tinha muito fogo resultado da transa dos bichinhos mas depois conto a vocês!


Obrigado port lerem e peço que comentem para que eu possa melhorar, deem a nota também...
BJ

Ah leiam conto Pensamentos de uma devassa também meu...



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.