"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Como Me Tornei o Imperador


autor: Teuimperador
publicado em: 23/07/16
categoria: hetero
leituras: 1168
ver notas


Mariana é uma garota que foi minha colega na faculdade e até hoje trabalha comigo. Temos a mesma idade e na época em que essa história aconteceu, tínhamos 25 anos.

Ela é loira, baixinha, cabelos lisos e longos e olhos verdes claros. Lábios bem carnudos. É uma garota magra, de seios pequenos e com curvas bem delineadas, uma bundinha linda. Corpinho de bailarina.
Aos 17 anos ela casou, forçada pelos pais e pela igreja que frequentava com um cara que tinha 30 anos e ficou com ele até poucos dias antes desta história começar, quando o marido a largou para assumir sua homossexualidade.

Numa manhã fria de inverno, cheguei ao escritório e fui direto para a cozinha pegar minha costumeira caneca de café e encontrei Mariana chorando. Ela tentou disfarçar mas eu não permiti, já que éramos amigos de longa data.
Perguntei o que estava havendo e ela disse que não estava conseguindo lidar bem com a separação, que foi muito difícil pra ela ter sido trocada assim, sem mais nem menos por outro homem.

Dei-lhe um abraço e ofereci o obro para ela chorar, conversamos um pouco e decidimos sair juntos mais tarde para desabafar.

Saímos várias vezes e eu sempre dava um jeito de ser o cara que ela precisava em todos os momentos. Com o tempo, ficamos meio grudados, eu recebia mensagens dela o tempo todo quando não estávamos juntos. Mas até então era apenas amizade.

Até que uma noite nós fomos até um bar onde bebemos um pouco e acabamos encontrando seu ex marido. Ela me fez fingir ser seu ex namorado e me beijou na frente dele. Imediatamente meu instinto me fez desejar aquela garota e passei a querer mais do que amizade e seu beijo indicava o mesmo.
Naquela noite ela me contou que seu ex marido nunca a tratou como mulher na cama. Que o pouco que transavam era ruim, que ela nunca havia chupado ou sido chupada e nem feito sexo em posições diferentes e que ela gostava disso e queria um dia provar.

Quando fui deixa-la em casa ela me pediu se havia problema em subir um pouco, pois não queria ficar sozinha naquele momento. Subi com ela, mantendo minha pose de amigo dedicado.
Já em eu apartamento, abrimos um vinho e vimos televisão enquanto conversávamos mais um pouco e durante a conversa ela foi se soltando as coisas foram esquentando. Meu desejo por ela foi aumentando e de repente eu já não tinha mais controle dos meus atos.

Beijei sua boca e me debrucei sobre ela, apertando suas coxas sobre o jeans. Ela correspondeu, entregando-se ao beijo. Mordi seus lábios enquanto subia as mãos pela sua cintura e disse:
- Eu vou te foder. Eu vou meter MUITO em você, e te chupar, e você vai me chupar e depois eu vou te foder de novo. Entende isso? Hoje você vai ser MINHA puta.

Ela pareceu chocada, ficou ofegante, mas deitou-se no sofá, me puxando pra ela.

Fui deitando sobre ela, as mãos abrindo os botões da blusa que ela usava, beijei sua boca e continuei subindo com as mãos. Chegando aos seus seios, as mãos sob o sutiã, apertei seus mamilos delicadamente, acariciando-os com os polegares enquanto roçava meu corpo no dela.

Me esfregava nela e a fazia gemer.

Tirei seu sutiã, ainda beijando-a e direcionei suas mãos para meu corpo, deixando-a a vontade para me apertar e arranhar como quisesse. Ela tirou minha camisa e abriu minha calça, olhando desejosa para minha cueca que apresentava um volume já bem inchado de tesão.

- Você quer? – Perguntei, enquanto tirava minha cueca e me aproximava dela com o pau duro.

- Quero! Quero ser tua! Me faz sentir o que é foder de verdade!

- Fique de quatro então, putas ficam sempre de quatro.

Ela posicionou-se de quatro no sofá e me aproximei de seu rosto, esfregando o pinto duto na sua face, depois as bolas e ordenando que ela lambesse. Ela mais uma vez relutou mas enfiou a cara nas minhas bolas, lambeu, mordiscou e em seguida lambeu deliciosamente meu pau e o colocou na boca. Fui direcionando sua chupada até ficar do jeito que eu queria e a deixei continuar, apreciando o primeiro boquete daquela boca deliciosa

Ela passava as mãos deliciosamente no meu corpo, sentindo os músculos com os dedos, apertava, arranhava e chupava lentamente meu pau. Uma delícia!

Enquanto Mariana sugava meu pau, pegando gosto pela rola em sua boca, comecei a apertar sua bunda, esfregando os dedos em seu cuzinho sob a calcinha. Ela lentamente começou a rebolar e a masturbei, dedos no rabinho e na bucetinha entravam e saíam, ela rebolava e me chupava toda gulosa, engolindo meu pau e lambendo-o como uma profissional.

Voltei a roçar o pau no rosto dela, depois bati nela com ele, ela sorriu safada. Eu havia encontrado a puta dentro dela e isso me deixou muito excitado.
Por trás dela, comecei a roçar o pau em sua bunda, passando-o por baixo da calcinha. Ela rebolava e olhava pra mim pedindo pra que eu a comesse. Dei um tapa em sua bunda e a virei no sofá, deitando-a confortavelmente.

Por cima dela, beijei sua boca e comecei a sugar e beijar seus pequenos mamilos enquanto enfiava a mão em sua calcinha mais uma vez, agora com os dedos girando em seu grelinho.

Ela começou a gemer e me agarrou, cravando as unhas nos meus braços e eu continuei chupando seus peitinhos e masturbando-a até fazê-la gozar pra mim. Ela explodiu, era definitivamente seu primeiro orgasmo. Ela se contorcia e gemia enquanto eu mantinha meus dois dedos parados metidos dentro de sua bucetinha.

Sentei no sofá e a puxei por cima de mim, apertando sua bunda e beijando sua boca e disse:

- Você goza como uma verdadeira puta! Agora quero você no meu colo, vem! Senta no meu pau, cadela! – Mais um tapa forte na bunda dela e ela tirou a calcinha e sentou no meu pau, obediente.
Seu corpo estremeceu e ela ficou toda arrepiada, meu pau entrou inteiro em sua bucetinha apertada e quente. Pedi que ela rebolasse pra mim enquanto sugava seus seios e ela foi rebolando lentamente, gemendo gostoso e me beijando, me dizendo que queria ser minha putinha e queria gozar de novo.

Continuamos nessa posição até ela gozar montada no meu pau, jogando o corpo pra trás e me deixando chupar e apertar seus pequenos seios com prazer. Ver aquela putinha gozar em cima de mim foi muito bom.

Eu disse a ela que queria terminar naquela boquinha e ela nem pensou duas vezes antes de me empurrar pro sofá deitado e cair de boca no meu pau. Chupou, e deu pra ver que havia gostado daquilo e aprendido rapidamente. Minutos depois, enchi sua boca de porra e a fiz engolir tudinho.

Tomamos um banho juntos e repetimos a foda durante todo o final de semana. Comi minha loirinha de todas as maneiras possíveis e a transformei na minha putinha particular.

Agora, sempre que a quero, basta chamar e ela vem, balançando seu rabinho, doidinha por uma boa trepada.

Terei diversos relatos da Mariana pra contar aqui.

É bom estar de volta ao Clímax. Espero que gostem.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.