"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Seduzido pela Prima- Conquistado!(?)


autor: Chronos
publicado em: 25/07/16
categoria: romance
leituras: 3116
ver notas


Eu jamais esperaria uma postura tão incisiva da Brendah, mas de uma coisa eu tenho certeza: Já tinha passado a hora de virar a página. E ali eu tinha aberto os olhos. Por um lado, senti-me mal pra caralho pois eu estava enganando a Lívia e a mim mesmo. Por outro...😈, rs, é... Por outro eu tava muito bem servido e poderia sim, ter um relacionamento sério com minha prima.

Eu: Sabe de uma coisa!? Tem razão. Tudo que tô vivendo aqui com você tem sido ótimo. Mas preciso virar minha página. Você sabe. Se não, não seria justo com você nem com ninguém. Não concorda!?

Brendah: É... Parando para ver por esse ponto, você precisa resolver isso. Mas sabe, quando olho pra gente aqui, e relembro como você era aquele garoto tapado, lerdinho da infância, que não enxergava uma garota doida pra te beijar, rs, eu fico pensando como que você se tornou tão diferente, gostoso, sonho de consumo de qualquer mulher. Tudo que eu queria era poder ser tomada por alguém que nem você, Renato, minha mãe sempre admirou você, em detrimento dos garotos da sua idade. Tinha medo que eu estragasse minha vida. Mas olha nós dois aqui, juntinhos. Não quero que você se enrole com essa madame, Re, nem com essa garota que se fosse esperta mesmo, teria você na palma da sua mão, porque você tem um coração muito bom.

Eu: Agora quem diria você, hein! Kkkkkkk, nem parece aquela fogosa que eu vi aqui quando cheguei.

Brendah: Pára, seu bobo, rs! Tô amando esse tempo que a gente tá passando junto, sabia!?

Eu: Olha, eu não vou te cobrar nada, tá!? Nem deveria, porque eu ainda preciso me resolver, mas vamos fazer uma coisa!? Vamos curtir esse Carnaval aqui e esquecer tudo isso!? Só quero que saiba de uma coisa, Brendah: Você tá me fazendo muito bem! Sério mesmo!?

Brendah: Te adoro, seu cachorro, gostoso!

Eu: E pensar que até o Beto me deu força pra isso rolar...

O clima foi um terno romance até o final da noite. Estranho que ninguém incomodou a gente. Acho que se conformaram bem rápido com a idéia, sei lá... Família doida, essa que tenho.

Acordei bem cedo, que já é de costume, Beto já tinha saído para buscar o pão, não quis incomodar-me. Era somente sábado, que tinha amanhecido entre nuvens, mas estava com tudo para ser quente de novo. Quando Beto voltou, já veio com um sorriso de ponta a ponta com aquela cara de safado que tem.

Beto: Nem precisa falar nada que a noite foi boa pra caralho, rs.

Eu: Kkkkkkk. A Sil disse o que!?

Beto: Pra mim não disse nada, mas relaxa. Agora pergunto eu: O que vai ser!?

Eu: O que você acha!? Rs, bem falando sério: Eu vou virar a página. Mas não vou poder cobrar algo dela, nem ela de mim, quero somente relaxar. Vou pensar nisso depois.

Beto: Melhor coisa que tu faz. Curte, deixa esses dias passarem, lá fora você decide. Agora, cara: Não é mais uma garotinha! É uma mulher! Cuidado somente para não magoá-la! Tem jeito de doida, mas o coração quando fica enfermo de amor é uma merda.

Eu: Tu acha!?

Beto: Cara, nunca vi essa garota com ninguém. Desdenha da maioria dos caras que chegam junto dela. Vão se conhecendo, sem pressa, aprovação da Sil e da sua mãe vocês têm, acho que família nenhuma torce por você igual a essa. Deixa seguir o fluxo. Administra o momento. Tipo agora.

Eu: Agora o que!?(ela chegou por trás e me deu um abraço gostoso)- Beto respondeu: Tipo isso, rs! Vou preparar o café!

Brendah: Tomei um susto com o vazio do meu lado. Porra, tu acorda cedo, hein!

Eu: Bom dia pra você também!-
troquei um beijo bem demorado com ela. Já tava toda arrumada, cabelo penteado, boca cheirosa, eu também... Por que não?

E pouco a pouco a galera foi chegando, o pagode dos véios já tava rolando à vera e pra quem sobrou ir à rua buscar mais cerveja pros bebuns!? É. Parecia Deja vú. Mas desta vez as mulheres trocam de lugar com eles: Elas na cozinha, eles... Fazendo porra nenhuma, kkkkkk.

E outra vez, minha prima e minha amante vem comigo na camionete do Dante. Mas o clima já estava mais tenso.

Brendah: Pensou no que a gente conversou!?

Eu: Tem como tirar da cabeça!?

Brendah: E o que você vai fazer!?

Eu: Carpe diem.

Brendah: Que!?

Eu: Linda, curte o dia, curte o agora, eu não quero ficar bitolado com isso na cabeça, não. O que tiver de ser...

Brendah: Já está sendo!

Eu: Uau, que determinação!

Brendah: Tô mentindo!?

Eu: Não, não tá, não. De fato, já tá até na hora de eu acabar com isso.

Brendah: Como assim!?

Eu: Amanhã eu vou embora, B.

Brendah: Ué, mas pq!? Te fiz alguma coisa!?

Eu: Fez.

Brendah: Fiz o que, lindo, me diz!?

Eu: Você abriu meus olhos. Você e o Beto. Não posso continuar fazendo uma coisa que não é do meu caráter, não.

Brendah: Renato, escuta: Não quero que faça isso porque eu te falei, ou porque alguém fez tua cabeça, mas pensa bem, cara: Qual é a namorada que deixa um deus grego como você vir pra um lugar desses, mesmo com a família, e do jeito que vocês estão!? Achei muito esquisito, cara, se sou eu viria junto ou faria algo com ele que envolvesse todo mundo. Achei que ela abriu muito espaço, isso sim!

Eu: Eu concordo com tudo que você tá falando, mas preciso ir para acabar com isso de uma vez por todas, sabe!? Já tava puto da vida, sem vontade de prosseguir nessa relação, e aqui foi ótimo pra relaxar, e pensar sobre isso. Preciso mesmo fazer.

Brendah: Fica até segunda, pelo menos!

Eu: Não. Amanhã eu irei. Só quero que saiba, Brendah, que eu to amarradão na sua. Sério mesmo. Não seria justo nem com você. Se tiver que rolar algo, que seja do jeito certo.

Brendah: Entendi. Mas vou te dar um tempo. Eu também peguei pesado demais com você sobre voltar para a dondoca, e fazer sexo com madame. Não devia ter dito as coisas daquela forma. Mas não posso negar: Mesmo pra mim, é difícil ver um deus grego desse aqui, e eu ter que dividir com alguém.

Eu: Sei disso.

Quando voltamos para o sítio e eu disse que iria embora, todo mundo tentou fazer minha cabeça. Eu já tava decidido. Eu fiquei com aquilo que meu tio disse na cabeça o dia inteiro de sexta. Agora eu precisava assumir meus atos. Mas enquanto o domingo não chegava, eu zoei demais com a galera o dia inteiro. Foi sensacional. Demais.

À noite, outra foda fantástica com a Brendah. Ela tava já toda melosa pois sabia que eu iria embora no dia seguinte, que não me deixou ir sem provar do meu corpo mais uma vez.

Seu beijo tava mais profundo e voluptuoso. Não era a Brendah selvagem de antes. Estaria se apaixonando!? Achava que não. Mas era difícil não se envolver com uma deusa do prazer encarnado. Como eu decidi aproveitar o momento e deixar todos os males para a partir do dia seguinte, me entreguei ao controle dela. Sentada sobre mim, sua buceta roçava sobre meu volume que se deixava trair sob minha bermuda tactel.

Ela tirou minha camisa e arranhava suavemente meu peitoral, deixando meus mamilos arrepiados com seu toque. Tirou minha bermuda junto com minha cueca , deixando meu corpo totalmente exposto ao toque devasso de sua boca faminta. Tomou meu membro em suas mãos e deu uma mamada super diferente. Fez-me sentir cada polegada dos seus lábios em meus testículos, em toda a extensão do meu pau. Quase gozei com aquilo, cara. Segurei-lhe pelos seus cabelos e penetrei na sua boca faminta lentamente, deixando o ritmo daquela dança nos conduzir. Enquanto me chupava, ela própria se masturba a com o prazer que sentia. Então coloquei-a na posição de 69 e nos sugamos até a Brendah começar a gemer alto, estremecer, anunciando seu orgasmo. Bebi toda sua essência.

Brendah: Me fode agora, gostoso. Vem!

Deitei-a de costas e nos encaixamos no clássico papai e mamãe, mas puta que pariu, véio, tava tudo muito mais intenso que o que costumava ser: Cada beijo, cada penetrada que ela recebia, respondia com a mesma intensidade, e tudo sem pressa nenhuma. Sua buceta mastigava meu caralho dentro dela, mas estava tão molhadinha que deslizava numa dança muito alucinante. Envolveu meu corpo com suas pernas e pediu mais força. Iniciei uma foda mais frenética, ela começou a me arranhar as costas e xingar palavras desconexas. Encaixamos um beijo longo, em que eu chupava sua língua de acordo com o ritmo que eu a penetrava.

Eu: Nossa, mas você tá muito gostosa hoje, que tá havendo com você!?

Brendah: Aproveita...ssssssss, isso, fode sua priminha, fode. Fode porque eu vou ficar o resto desse carnaval sem ter você, seu cachorro, você vai me abandonar aqui! Come essa buceta que ela é toda tua.

Iniciei uma estocada ainda mais selvagem. Ela chorava e gemia de tesão ao mesmo tempo. Alternava entre chupadas nos seus seios e mordidas no pescoço, e Brendah arfava de prazer , ora emitia gemidos guturais, ora ronronava feito uma leoa. Dessa vez não segurei nada. Todo meu prazer se liquefez em porções torrenciais em seu interior.

Brendah: Nossa, Renato, foi maravilhoso. Como eu posso te deixar ir desse jeito!? Me diz! Tô louca por você!

Eu: Vai me ter sempre que quiser, ouviu!? Eu também tô louco por você, priminha gulosa!


Fizemos amor em varias outras posições o resto da noite. No dia seguinte arrumei minhas coisas e regressei. Ela queria vir comigo, mas não deixei. Beto me levou no ponto de ônibus mais próximo e de lá regressei ao meu lar.

Liguei para Lívia, que estava em Angra dos Reis com a família.

Lívia: Oi, amor, tudo bem!? Puxa, você não sabe o que tá perdendo aqui!

Eu: Quem tem uma família louca como a minha não precisa de tanto. Também me diverti muito.

Lívia: Como assim se divertiu!? Tá onde!?

Eu: Em casa.

Lívia: Mas o que houve, Renato!?

Eu: Precisamos conversar. Quando você voltar, me avisa.


Quando foi quarta-feira ela regressou e me chamou para conversar com ela justamente no mesmo lugar onde havíamos começado a nossa história de amor colegial: No terraço de sua casa.


E daí para la, vocês já imaginam. Sim. Terminei com ela. Óbvio que ela chorou pra caralho, deu muitos socos no meu peito, desabou no meu ombro... Mas eu não podia voltar mais atrás.

Eu: Lívia, eu sinto muito, mas era preciso. Você sabe muito bem que não dava mais para viver me enganando. Eu já tô cansado dessas cobranças idiotas que você vive fazendo e não me compreendendo que todo meu esforço é pra te proporcionar o melhor. Ficou chato, ficou monótono, ficamos distantes, quase sem tempo um pro outro, então melhor assim.

Livia: Você não me ama mais!?

Eu: Não. Não amo.

Lívia. Poxa, amor, me perdoa . Será que não tem um jeito de a gente poder consertar isso!?

Eu: Não. Não tem. Além disso, eu não tenho sido sincero com você.

Lívia: Como assim!?


Vou poupar vocês dos detalhes. Óbvio que ela me odiou por isso, mas pelo menos eu tinha que ser homem de assumir o que fiz.

Já em casa, exausto dessa situação. Pelo menos, em paz agora com minha consciência. Vida que segue.

Você: Bom, pelo menos você curtiu o Carnaval com uma gata.

Eu: É, não nego, rs. É gostosa demais!

Você: E como ficou você e a Brendah?

Eu: Uma coisa te garanto: Não será a ultima vez que vocês ouvirão falar dela. Com certeza!

Brendah: Ainda vou aprontar muito com esse gostoso, gente! Aguardem que ele ainda vai ser meu, kkkkkkkkkkkk!


Fim.











ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.