"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Uma foda na cachoeira


autor: momorena
publicado em: 27/07/16
categoria: hetero
leituras: 3237
ver notas


Leiam texto Foda Caladinha para melhor compreensão da história. ... beijos



Amanhecemos nus no chão o sol entrando pelas frestas das telhas, o galo cantava e o cheiro de café invadia a casa.

Voltei para a cama. Ele levantou vestiu se e saiu. Volta depois de uns vinte minutos com uma xícara de café com leite da maneira que gosto. Me da um beijo na testa e agradece pela noite , diz que eu preciso me arrumar para irmos a um lugar, eu pergunto qual ele diz surpresa.


Sai do quarto novamente, eu fico ali curtindo a preguiça dou umas espreguiçadas mas me levanto e vou para o banho.

Coloco uma bermuda tipo academia curtinha,calcinha pequenina, uma camiseta tênis e boné.
Vou para cozinha e vejo os mimos que minha sogra fez para nós biscoitos doces ,salgados ,queijo ,ela sempre nos paparicou isso era maravilhoso. Enquanto tomávamos café pergunto pelas crianças ela diz que haviam saído com minha cunhada.

Avisto dois capacetes em cima da mesa da varanda que fica em frente a cozinha. Ele olha pra mim e diz que é para nós dois, que sairíamos de moto.

Uma coisa que eu gostava era passear de moto com ele, podia agarra-lo e punheta-lo a 90, 100 km por hora. Isso me Me apressei no café e montei em sua garupa sem saber para onde ia. Ele acelerava, eu apertava as suas bolas e massageava seu pau como gostava de fazer ele tremia e acelerava. Sensação gostosa perigo e excitação, se não conseguisse manter moto no eixo voaríamos para fora dela isso me deixava exitada.

Saímos do asfalto e entramos em uma estrada de terra cheia de buracos, teve que diminuir velocidade e eu parar de punheta-lo.

Eu estava curiosa mas sabia que tinha algo haver com putaria.

De longe vi um paredão rochoso de longe parecia que as rochas eram um mesclado de azul e cinza e que era totalmente reta tipo aquelas de escalada.

Nas minhas costas havia uma mochila que ele havia preparado com algo para comer água. .. essas coisas.

Chegamos ao pé daquele rochedo enorme era maravilhoso nunca tinha visto uma beleza daquela de tão perto.

Tinha uma trilha que só seguia de moto ou a pé, uma fenda entre duas grandes rochas. Adentrou essa trilha e continuou seguindo, eu estava para morrer de ansiedade quando avistei a cachoeira de longe. Mesmo que eu tente descrever a beleza daquele lugar jamais alcançaria a riqueza dos detalhes.

Mas tentarei começando pela água cristalina onde víamos pequenos peixinhos ao fundo cheio de pedras com todas as formas.

O lugar era totalmente deserto barulho do vento e da água que caia e dos pássaros alvoroçados procurando alimento da manhã.

Enquanto eu de boca aberta olhando e fotografando senti a falta dele. O procurei rapidamente e o vejo nu ali parado me olhando, seu pau ereto cheio de veias denunciou que ele tinha me conduzido aquele lugar pronto pro crime.

Havia aberto a mochila e retirado um lençol o estendeu em cima de uma rocha lisa. Tinha vinho, queijos e frutas dentre outras coisas.

Como não amar um ser desse? Imaginem a cena homem lindo corpo gostoso nu e aquele banquete (incluo aqui aquela pica de 17 cm babando por mim.) Era um sonho e eu queria vive-lo.

Me posicionei a sua frente de costas retirei os tênis, meias abaixei o shortinho onde apareceu minha bunda morena com calcinha todinha enterrada dentro dela. De quatro olhei entre minhas pernas passei dedo na minha xoxota e lambi.

Ele olhava e massageava seu pau , passava língua nos seus lábios me seduzia.

Eu ainda de quatro esfrego a calcinha pra lá e para cá no meu cuzinho e xoxota, depois alisava minhas pernas de baixo para cima e apalpava minha bunda.

Levantei e fui tirando minha camiseta ainda de costas desabotoei sutiã , me alisava me lambia o sol aquecia meu corpo eu fui tirando calcinha ficando totalmente nua.

Estávamos pelados sob aquele sol doidos um pelo outro. Fui me aproximando e acabei o beijando enlouquecidamente.

Me deitou sob o lençol veio até minha pepeka que já espumava, passou a língua de leve nos meus grandes lábios e foi fuçando minha xoxota feito um porco a procura de suas guloseimas preferidas.

Era muito gostoso agora estávamos a sós eu podia gemer gritar xingar, eramos animais selvagens no ciu e como testemunha somente a natureza.

Começou a me chupar com força eu gemia alto o chamando de gostoso, tarado pervertido e ele me fodia com sua língua.

Não aguentei, segurei cara dele entre minhas pernas e gozei sujando cara dele com todo meu mel. Ele lambia e passava dedo enfiando na minha boca e eu sentia gosto de mulher no ciu com fogo em total ebulição.

Se levantou e pegou minha mão para me ajudar a levantar, me levou para dentro da água estava meio gelada então o abracei e seu corpo que aquecia o meu. Ficamos uns 20 minutos quietinhos até nossos corpos se acostumarem com a temperatura da água.

Senti seu membro crescer novamente e dentro da água peguei naquele pau. Fui massageando e chupando seus peitinhos ele morre de tesão neles, eu passo minha língua em volta depois dou pequenas mordidas e abocanhando sem força de uma maneira especial que só eu fazer.

Vou o punhetando quase que agressivamente enquanto mamo nos seus peitinhos. Ele me chama de puta,rameira do caralho me diz que mamo muito gostoso que agora quer que eu mame no seu pau.
Atendendo seu pedido o conduzo para onde a água é rasa o encosto numa pedra que fica submersa parecendo um banco dentro da água.

Ele sentou-se na pedra eu abaixei de frente para ele olhando nos seus olhos com cara de puta doida pra chupar e coloquei aquela cabeça enorme dentro da minha boca, ela pulsava dava contrações eu passava a língua agora em toda extensão daquela pica, passando agora a chupar suas bolas abocanhando uma a uma.

Eram sussurros eram gritos de tesão que se misturavam a palavrões mais cabeludos possíveis.
Eu o chupava me deliciando, ele puxava meu cabelo e me fazia engolir aquela pica gostosa eu engasgava mas ele não deixava tirar a boca dali.

De repente se levantou me pegou pelo braço e me colocou de costas me apoiando sobre a pedra.
Socou dedo na minha xoxota e passava no meu buraquinho eu dizia que queria na xota ele dizia que eu ia levar pica nos dois.

Colocou o pau na danadinha e foi socando forte ritmado suas bolas batiam na minha bunda eu enlouquecia ele dava tapões na minha bunda mandando eu gritar eu obedecia.

O chamava de fodedor gostoso, pica de mel... porra caralho coisas que no cotidiano ele não ouvia da minha boca.

Meus gritos ecoavam eu ouvia som da minha própria voz, ouvindo aquilo implorava para ele meter gostoso pra eu gozar.

Ele socou dando reboladas, aquela pica invadia cada parede da minha xoxota e passava dedo no meu buraquinho. Não aguentei era um orgasmo muito louco minhas pernas vacilaram o coração acelerado o cansaço me consumiu. Deitei sobre a pedra feito uma menina de bruços. Gozada feroz aquela.

Ele me acarinhou passou mãos nos meus cabelos me chamando de bb como sempre fazia, pegou minha mão levou até seu sexo ainda ereto e dizia no meu ouvido que ia terminar o que começamos .
Roçava pica dura na minha bunda fui arrebitando involuntariamente e fui sentindo ser lubrificada . Meus seios tocavam aquela pedra fria e meu buraquinho era invadido por aquele mastro.

Ele sabe massagear a popa da minha bunda enquanto vai enfiando que nem percebo que já entrou tudo, o deixa quietinho para que me acostume com o volume. Começa enfiar devagarinho , aperta meu grelinho simultaneamente é uma sensação indescritível eu peço mais e ele atende vai aumentando os movimentos e agora segura minhas ancas apertando muito forte socando freneticamente.

Digo que vou gozar de novo e ele pede para eu contar até três para gozarmos sincronizadamente.

Eu conto um...
Dois.....
E grito trêssssssss

Ele me aperta e solta sua porra todinha no meu buraquinho, meu gozo escorre pelas pernas e flutua sobre aquela água transparente. .. enquanto o dele transborda no meu cuzinho.

Ficamos imóveis. .. silêncio. Contemplamos o momento... que ele fique na memória por muitos anos e que possamos repetir essas deliciosas loucuras.

Agora pelados deitamos sob o lençol novamente saboreamos o vinho os queijo até que que se renove o desejo.


Espero ter agradado. Comentem deem suas notas me encorajem a continuar e não parar de sonhar.

Atenciosamente.
Mo











ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.