"Os mais excitantes contos eróticos"

 

De manhã é tão gostoso!


autor: Anita
publicado em: 28/07/16
categoria: hetero
leituras: 5859
ver notas


Anita dorme sempre de bruços, posição muito inadequada, pois prejudica a coluna lombar. Fazer o quê? Gostoso demais dormir assim. E foi nessa posição que sentiu no domingo de manhã um corpo pesando sobre o seu. Ficou por um tempo assim, só pesando, aquecendo e dominando. Bem devagar, sentiu sendo retirada sua calça de pijama. Desde os pés até a parte interna das coxas recebeu beijos, lambidas e mordidinhas.

- Estou com sono, gatinho, me deixe. Chegamos tarde do pronto atendimento ontem.

- Sem chance. Estou morrendo aqui, duro desde ontem.

- Não quero, pare. Disse Anita, arrebitando a bunda e fazendo um doce.

- Não tem que querer, mulher. Comprei você para mim faz tempo. Putinha! Quieta!

Sentiu a camisa de pijama sendo arrancada, os seios sendo pressionados com força por trás, mordidas no pescoço e aquela boca atrevida lambendo por onde passava, um certo bafo de cachaça também, nada que tornasse aquele homem menos gostoso.

- Pense na coitadinha da Simone que não tem um homem desses à disposição. Flávio disse ofegante, chupando sua orelha.

Gostava de dizer essas coisas, pois sabia o quanto faziam com que ficasse excitada. Mulher safada essa dele. As palavras surtiram efeito, pois ela começou a massagear a buceta com os dedos, enquanto rebolava.

- Não quero, Flávio. Saia de cima de mim, seu puto! Você está me pegando à força!

- Claro que estou! Quietinha que faço o serviço sozinho. Fique aí, apenas respirando.

Desceu lambendo suas costas até aquele rabo gostoso. Parou por lá, introduziu a língua, depois um dedo, mais um dedo, chupou mais um pouco, mordeu aquela bunda deliciosa e preparou o ataque.

- Seu puto, o rabo não! Não quero!

- Quer sim, nunca vi mulher gostar tanto de dar o rabo como você. Quieta, putinha!

Introduziu a cabeça devagar naquele rabinho que já não era mais tão apertadinho assim. Parou um pouco de se mexer para que ela se acostumasse com a pressão. Começou a se mover de forma lenta se segurando para não gozar logo na entrada, queria aproveitar mais. Anita gemia e o chamava de nomes horríveis. Puro charme.

- Gostosa você, hein cadelinha!? Que puta tenho em casa. Delícia

- Safado, me pegando à força. Tá doendo demais. Disse gemendo.

- Dói, mas é uma delícia, não é?

- Seu filho da puta, pelo menos coloque um travesseiro por baixo para proteger minha coluna.

Flávio usou o travesseiro para “proteger a coluna” e arrebitar ainda mais aquela bunda, intensificou os movimentos, os gemidos dela foram ficando mais altos e ele não conseguiu mais se segurar. Gozou feito um louco naquele rabo e caiu desmaiado sobre aquela mulher gostosa.

- Deliciosa você, meu bem!

- Safado, venha dar uma lambida aqui para que eu goste também, venha!

E foi assim, uma pequena lambida na buceta e ela gozou deliciosamente na sua boca.

Sexo de manhã é uma delícia.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.